domingo, 11 de outubro de 2015

Mês das Bruxas: 25 Clássicos do Terror - A Hora do Pesadelo


Muito bem, é hora de trazer a artilharia pesada!

Senhoras e senhores, falemos sobre um homem chamado Krueger, e sobre os jovens sacripantas que ele fatiou feito toucinhos, nos longínquos e saudosos anos 1980.

AVANTE!!!


Freddy: Venha para o Johnny...
Wes Craven: CORTA! Taqueopariu, viu! Vamos de novo, do começo.

A história acontece na cidade de Springwood, onde um grupo de amigos passa a ter o mesmo sonho estranho: Um homem cheio de queimaduras, vestindo roupas sujas e usando uma luva com garras de metal, os persegue. Eventualmente, eles descobrem que não é um mero pesadelo compartilhado, quando um a um, eles começam a ser mortos de maneiras horrendas enquanto dormem.

Nancy Thompson (Heather Langenkamp) nossa protagonista, descobre que o homem que aparece em seus pesadelos se chama Freddy Krueger, e que uma década antes, ele assassinou diversas crianças da região. Ao ser pego pela polícia, seus advogados descobriram irregularidades na prisão, e conseguiram que ele fosse solto horas depois. Os pais das vítimas (e aqueles que temiam por seus filhotes) não aceitaram isso, pegaram o maníaco e o queimaram vivo.

E agora, ele voltou como um fantasma infernal disposto a eliminar as últimas crianças de Springwood que escaparam de sua chacina anos antes.

Uau. Tenso.

Trás, Frente, Baixo, Baixo + X (Quadrado no Ps3), a qualquer distância

A Hora do Pesadelo quebrou o molde dos filmes Slasher, pois foi o primeiro do gênero que trazia um elemento sobrenatural. Normalmente, isso era reservado para filmes de terror mais “sérios” como O Exorcista e A Profecia. Filmes de assassinos traziam apenas homens comuns como Michael Myers e Leatherface no papel de vilões.

E vamos lembrar que Jason só se tornou um super zumbi em Sexta-Feira 13 Parte VI. Antes disso ele era só um sujeito enorme e ridiculamente resistente.

Assim, por mais monstruosos que seus filmes os retratem, sempre podemos crer que eles podem ser detidos. Uma facada, meia dúzia de balas, um tiro de canhão... Eles ainda são mortais, e podem ser destruídos como qualquer humano. Freddy não é assim, ele é um fantasma que ataca os sonhos das pessoas. Como se enfrenta uma coisa assim?

Outro aspecto do filme que eu acho assustador, é a ideia de não poder dormir.

Agora, todos já passamos uma noite em claro. Fosse pra estudar pra uma prova, por excesso de trabalho, ou pra cuidar de alguém querido que ficou doente, não importa. O que importa é que muitas vezes, após esta noite em claro, sabíamos que não dava pra relaxar, tínhamos coisa pra fazer durante o dia, e seria preciso aguentar até de noite para poder descansar.

Tente lembrar o quão terrível foi passar este tempo todo acordado. Como você tomou café até enjoar, como tentou se manter ativo para não desmaiar, e como absolutamente nada conseguia prender sua atenção. Como toda sua energia era devotada a tentar ficar acordado.

Agora imagine ter de fazer isso por dias, de outra forma, você morre.

Desagradável, não? Pois então.

E já que falei nisso, A Hora do Pesadelo é um dos filmes que melhor representou sonhos no cinema.

Na vida real, sonhos não fazem o menor sentido. Você começa em uma sala de aula, e aquela garota (ou cara) por quem você tem a maior queda, é o professor. E é dia de prova, e você e o Demolidor são os únicos alunos em sala de aula. E você não sabe nada, mas não quer entregar a prova em branco, pra não decepcionar sua paixonite. Você olha pro lado e o Demolidor foi embora, e você está sozinho com AQUELA pessoa, que te dá um beijo na testa do nada, então vai embora e você fica olhando pra prova que não consegue ler e GAAAAAAAAAAAH!!!

E é mais ou menos como eles são representados aqui, com sonhos que começam em uma sala da caldeira abandonada e acabam no jardim de uma casa do subúrbio. Sonhos não seguem lógica alguma, e Wes Craven soube representar bem isso em seu filme.

CHUPA, CHRISTOPHER NOLAN!

E claro, tem aqueles sonhos onde somos perseguidos por alguma coisa, e não importa o quanto tentemos, nunca conseguimos escapar. Nem preciso dizer que Freddy Krueger é a encarnação cinematográfica deste tipo de sonho.

Porque ninguém sonha que está sendo perseguido pelo Chris Evans ou pela Scarlett Johansson. É sempre por um hippie com suéter de Natal.

"Olá, moça! Você já é assinante da GVT? Não fuja,
tenho 22 planos diferentes pra oferecer!"

Embora hoje ele seja praticamente uma versão homicida do Pernalonga, Freddy Krueger era um personagem assustador pra cacete quando surgiu. E sua criação foi uma amálgama de ideias que pipocaram na mente de Wes Craven.

A ideia de um monstro que mata as pessoas em seu sonhos, surgiu quando Craven leu uma série de artigos sobre refugiados cambojanos. O grupo imigrou para os Estados Unidos para fugir do regime do ditador Pol Pot, e no espaço de um ano, três deles morreram. Primeiro, o mais jovem deles teve um pesadelo, acordou aterrorizado e recusou-se a dormir de novo. Após uma semana acordado direto, o sujeito desmaiou de exaustão e durante o sono começou a gritar... E simplesmente morreu.

O mesmo aconteceu a outros dois homens do grupo. Os registros da autópsia não registraram ataque cardíaco ou algo do gênero, apenas que as vítimas morreram subitamente. Craven achou isso extremamente assustador, e resolveu criar um roteiro em torno deste conceito.

O nome Freddy Krueger, veio de um bully que aterrorizava Craven quando ele era criança. O que faz muito sentido pra mim. Eu sofri bullying na escola, e sei bem como era o tormento de passar cinco horas seguidas trancado em um prédio, e me sentindo como se tivesse um alvo nas minhas costas, que a qualquer momento, alguém alvejaria. Não havia como saber se seria uma surra ou só humilhação pública... Mas aquela sombra pairava sobre minha cabeça o dia inteiro.

E é o tipo de coisa que te segue pelo resto da vida. Sujeito pode ter 45 anos, ser casado, com filhos e netos, e a mera menção do nome do valentão da escola é suficiente para trazer à tona centenas de memórias dolorosas que nunca cicatrizaram. 

A aparência de Freddy veio de um mendigo que assustou Wes um dia, quando estava em casa. O diretor contou em uma entrevista que quando tinha 11 anos, olhou pela janela de seu apartamento e viu um mendigo desfigurado. O homem caminhava pela calçada, mas parou, virou-se e olhou direto para Wes, como se soubesse que o menino o estava espiando. Assustado, Wes recuou e esperou o mendigo ir embora, mas quando voltou a janela, ele ainda estava lá, e agora havia se aproximado e inclinava a cabeça para a frente, como se quisesse deixar claro pro garoto que estava olhando para ele.

Finalmente, o personagem foi concebido como um pedófilo, que molestou as crianças da região antes de ser morto. De acordo com Craven, isso era a pior coisa que uma pessoa podia ser, e incrivelmente adequada para um monstro. Este detalhe foi mudado, porque os produtores do filme não queriam ser acusados de explorar os casos de abuso sexual infantil que estavam sendo altamente noticiados pela mídia na época.

Freddy foi então transformado em um assassino de crianças. Mas a ideia original dele como um pedófilo foi reutilizada no remake de 2010.

Porque nada diz "pedófilo" como a cara do Jackie Earle Haley.

Sério que o Freddy era um maníaco sexual? Nãããããããão!
Se não tivessem cortado isso do filme, eu jamais saberia!

Quando eu penso em A Hora do Pesadelo, duas memórias de infância bem específicas me vem à cabeça.

A primeira é da escola. Lembram que eu contei que meus colegas não conheciam o Jason, mas eram fãs de Halloween, pois o SBT sempre reprisava este longa? Bom, a emissora do Silvio Santos fazia a mesma coisa com os filmes do Freddy, que se tornou tão popular quanto Michael Myers entre a molecada.

Eu fui me interessar pelos filmes do Freddy quando já tinha meus 10, 11 anos. Mas até então, eu era leal ao Jason. Sim senhor, um assassino psicótico é o que me basta.

Seja como for, eu já era um fanboy da Marvel quando criança, e gostava de brincar de Wolverine quando tinha a chance. Como eu fazia isso? Colocava três lápis de cor entre os dedos e fazia “Snikt” com a boca.

Como meus colegas não sabiam quem era o Wolverine, todos achavam que eu estava brincando de A Hora do Pesadelo. Logo, todos estavam colocando lápis entre os dedos e falando “venha para o Freddy” sempre que tinham chance.

E eu ficava puto, pensando: “Não, seus imbecis. É o Wolverine, não o Freddy. Brinquem direito.”

Eu levava minhas brincadeiras a sério. Cada personagem deveria ser interpretado a perfeição, ou nada feito. Não havia espaço para improviso, de maneira alguma. Regras existem para ser seguidas e sem elas, tudo vira fanfic.

Em outras notícias, SIM, existiu uma época em que a criançada não sabiam quem era o Wolverine. Ou o Homem-Aranha, Homem de Ferro ou Thor. Que tempos horrendos foram aqueles!

Felizmente, a molecada de hoje é mais culta do que aqueles com quem tive de conviver na infância.

Enfim, minha segunda lembrança é de quando eu FINALMENTE passei a gostar do Freddy, e decidi que queria uma luva igual a dele. Eu tinha uma máscara do Jason que meu irmão encontrou em uma ida à Galeria do Rock (um lugar paradisíaco do passado de São Paulo, que hoje é um reduto de hipsters), mas encontrar a luva do Freddy era impossível.

Então eu improvisei. Peguei uma luva de inverno e com uma tesoura, fiz furos em suas pontas. Coloquei um lápis em cada dedo da luva e o prendi com fita adesiva. E o resultado final tinha realmente o feeling de uma luva do Freddy. Ou pelo menos, é como eu me lembro dela.

Minha mãe nunca brigou por eu ter retalhado minhas luvas pra brincar de maníaco pedófilo. Provavelmente porque ela sabia que dentro de um ano, elas não serviriam mais em mim. E também pelo fato de que eu nunca as usava, porque eu odiava luvas.

E meias.

E gorros.

De fato, odeio a maioria das roupas. Se pudesse, só andaria por aí pelado, coberto em gordura de pizza.

E agora que os deixei com uma imagem mental tão singela, partirei. Tenham bons sonhos.

Cheers!!!

6 comentários:

Danilo Silva disse...

Sò fiquei na dúvida sobre o remake. É bom ou melhor ficar com o clássico mesmo?

a volta dos que não foram disse...

danilo,se vc for comparar o remake com o antigo,o remake vai parecer uma bosta. mas ele pegou algumas coisas bem legais dos outros filmes,e tem umas referências maneiras


se tiver nada pra fazer,da uma conferida

a volta dos que não foram disse...

pó amer,vc deveria aceitar o freddy dos mlks e fazer um crossover

wolverine vs freddy

vic666 disse...

To rindo até agora com o cara da GVT...

Anderson "ANDF" Ferreira disse...

E este foi o 1º filme que Johnny Depp fez em sua carreira.
Usei um trecho do longa, num dos meus (e do meu irmão) Visão Videocast.

Júlio Cezar disse...

"Porque nada diz "pedófilo" como a cara do Jackie Earle Haley."

MAS... MAS... O RORSCHACH DESPIROCA DEPOIS QUE >>>>>MATA<<<<< UM PEDÓFILO!!!! D: