sábado, 24 de janeiro de 2009

Crítica do Amer: Battletoads


Em 1991, beat'em ups eram o estilo de jogo favorito da molecada. Jogos como Double Dragon, Bad Dudes e River City Ransom não paravam nas locadoras enquanto títulos como Final Fantasy, Nightshade e Maniac Mansion eram sumariamente ignorados.


Naquela época, a gurizada também adorava um certo desenho animado que mostrava quatro tartarugas treinadas na arte de ingerir pizzas nojentas e combater um clã composto de um javali, um rinoceronte e um ninja laminado que na versão original tinha a voz do tio Phil.

Claro, para evitar processos, seus personagens não eram tartarugas mutantes adolescentes e ninjas, mas sapos marombados espaciais e... possivelmente pugilistas.

E Republicanos também, sei lá.

De qualquer forma, o game foi lançado e muitos garotos adoraram brincar com esse bando de sapos que chutava todas as bundas que podia sem piedade!

E um número ainda maior de garotos se enrolou em posição fetal e chorou em silêncio após terem suas bundas chutadas por um game que era mais difícil do que explicar o sentido da vida.

Assim era Battletoads.


Em termos de história, o game não trazia nada novo.


Era uma vez, três sapos: Rash, Zits e Pimple. Eles tinham amizade com um abutre cientista, ou coisa assim.

Bom, o abutre pilotava a nave e usava jaleco, tenho quase certeza que era um cientista.

Um dia, Pimple estava passeando com a princesa Angelica (porque raios uma princesa tem como amigo um sapo enorme é um mistério) quando os dois foram sequestrados pela Dark Queen, uma morena INACREDITAVELMENTE CURVILÍNEA, malvada e que parece uma atriz de filme pornô Europeu.

Por que raios ela sequestrou a dupla? Não sei, talvez estivesse de mau humor aquele dia, talvez tivesse terminado um longo relacionamento no dia anterior, ou talvez estivesse carente e apenas quisesse chamar atenção.

Nunca saberemos ao certo.

De qualquer forma, ela sequestrou seus amigos e cabe a você salvá-los! E pros padrões da época, um enredo destes era quase como um best-seller de Stephen King.

Ok então, falemos da parte técnica.


O visual de Battletoads é ótimo.


Os personagens não são muito maiores do que a média de tamanho da época, mas são tremendamente expressivos. Sempre que encontrar um chefe, o queixo de seu sapo vai cair e seus olhos vão saltar, o que demonstra que os heróis devem ter tido aula de intepretação na faculdade ACME.

Não apenas isso, mas os sapos sempre destroem os inimigos de forma estilosa. Seus punhos ficam gigantes no último ataque de uma sequência de socos, seus pés viram botinas quando se chuta um inimigo para sua morte e os batráquios criam chifres de bode ao liquidar alguem com uma cabeçada.

Repare que no parágrafo acima eu escrevi que os sapos DESTROEM seus inimigos e não "derrotam."
Não basta aos sapos vencer, eles tem de demolir moralmente aqueles que se colocam em seu caminho!

E diabos, eles fazem isso muito bem.

O audio é fantástico! A trilha sonora de Battletoads é muito bem composta e executada, lembrando sempre que estamos falando do NES e de seus arquivos de som em MIDI do fim dos anos 1980.

De fato, sempre que se pausa o game, você escuta uma musiquinha extremamente "grudante", que vai ficar na sua mente por muito tempo depois de desligar o console.

Por fim, os controle são muito bons e respondem bem às mais diversas situações. Battletoads é uma grande mistura de estilos, com fases beat'em up, plataforma e corrida, e felizmente o controle se mostra bastante competente para todas estas ocasiões.

Mas... bons controles não facilitavam sua vida aqui...

Não... de jeito nenhum...


Battletoads é um dos games mais desgraçadamente difíceis de todos os tempos.


Sério, nem venha com papo do tipo "termino com um pé nas costas e meu pai de oitenta anos também" porque todos que jogaram Battletoads vão saber que você está mentindo.

Sua bichinha, mentirosa e chocolatante!

As fases de beat'em up eram relativamente tranquilas. Um inimigo ou outro podia lhe socar e fazê-lo cair em um abismo, mas era possível terminá-las sem morrer.

As fases de plataforma eram bem mais complicadas, pois normalmente você precisava fazer saltos impressionantes em locais entupidos de espinhos ou outros obstáculos capazes de matá-lo instantaneamente. E combinar pressa com saltos calculados meticulosamente nunca dava certo.

Por fim, tinhamos as fases de corrida... encabeçadas pela etapa do jet ski. Ahhh... o jet ski...

Tais fases eram rápidas.

MUITO rápidas.

Tão burlescamente rápidas que mero reflexo não era o bastante para se sobreviver a elas. Você precisava ter reflexos felinos de Bruce Lee se quisesse chegar pelo menos à metade das malditas.

E claro que a maioria de nós não tem tais reflexos.

É possível pegar uma Warp Zone na etapa do jet ski e avançar umas duas fases, mas você cai na fase do surf, que é igual à do jet ski, só que um pouco mais devagar.

Você troca seis por meia dúzia...

Aliás, jogar o modo de duas pessoas era ainda pior. Um jogador podia acertar o outro, o que causava um sem número de baixas por "fogo amigo" e pior ainda, se um dos jogadores perdesse todas as vidas, ambos teriam de recomeçar a fase inteira!!!

Ou seja, era difícil terminar o game com um jogador só, mas era impossível com dois.

Em compensação, era muito fácil terminar uma amizade com uma única sessão de Battletoads.

Eu sei do que estou falando.


Battletoads, não é um game ruim, mas é lazarento.


Conheço um sem fim de pessoas que nunca chegaram ao fim deste título e um número maior ainda de gente que nunca passou da fase do jet ski.

Por que a Tradewest resolveu criar um jogo tão difícil?

Não sei, mas o fato é que dezoito anos após seu lançamento, continuamos falando dele.

Se pretendiam criar um jogo marcante, missão cumprida! Mas poderiam ter feito o mesmo sem destruir nossas juventudes.

Antes de jogar Battletoads eu tinha um fêmur verdadeiro e não sofria de terror noturno.

Pois é...

Cheers!!!

32 comentários:

Bruno disse...

Se eu não falar nada sera melhor pra mim.

Victor disse...

Eu nunca passei da fase do Jet Ski. Maldito jogo frustrante do caramba!

Frodo Dylon disse...

tentei jogar essa disgrama no emulador e fui enrabado pela fase do jet sky mesmo usando a apelaçao do f2/f4 (salvei em um momento irremediavel!! jogo desgraçado!!)

e olha que eu terminei Double Dragon 1 no console! mesmo com as estalactites malditas e as centenas de pulos que te faziam chorar quando algum dos botoes falhavam chegam aos pés da fase do jet sky...

Felipe disse...

Diabos, esse eu não terminei, e nunca esqueci da fase do Jet-Ski, apesar de em algum momento ter passado, creio que deve ter sido meu irmão, se não me engano tinha uma espécia de torre a subir para pegar a morena, mas creio que nunca vi o topo...

Tony Maclaod disse...

Jogasso!!!!!!!!!!!!
nossa joguei muito.....
mas só consegui zerar depois que peguei um console antigo chamado geniecom, pois tinha game genie acoplado.
otimo post!!!
vlw

Bruno disse...

Hey Amer já jogou Duke Nukem: Time to Kill do PS1?

Se já, joguinho loco aquele hein?

Paulo_HT disse...

nossa, me lembro de ter alugado esse jogo pra mega drive, e era muito dificil mesmo.
nem lembro da tal fase do jet ski, talvez a minha mente tenha bloqueado ela pra eu nao sofrer estes distúrbios q vc falou..

Bruno, deixa eu adivinhar: vc nao jogou esse jogo tbm? xD

Amer, gostaria q vc fizesse um review de Shadow of the Colossus, que pelo seu gosto por games acredito que ja tenha jogado.

flw

Louis Lindman disse...

Ahh sim,a fase dos jet skis!
Nossa,era presciso uma pressão cirurgica para terminar aquele troço do cão.
Mas diga Amer,por que só deu 7 pra esse jogaço?

Amer H. disse...

Um por vez:

Joguei Duke Nukem: Time to Kill. ùnico jogo do Duke que terminei até hoje.

Shadow of Colossus vai ter review em seu devido tempo.

Dei 7.0 porque o jogo é bom, mas horrivelmente mau programado. A dificuldade excessiva é culpa de má programação e isso sinceramente não dá pra perdoar.

E repito o que disse antes: 7.0 não é nota ruim! Quando vocês tiravam essa nota na escola, aposto ue ficavam felizes.

Bruno disse...

Aí Paulo-HT de qual jogo você tá falando? Duke Nukem: Time to Kill ou Battletoads?

E Amer, eu também só zerei esse Duke Nukem e um outro que cheguei perto do final.

Duke Nukem: Land of the Babes, já ouviu falar?

Paulo_HT disse...

Bruno, acredito que vc nao tenha jogado Battletoads por causa do primeiro comentário.

Amer, vc ja viu o trailer do novo Battletoads pra wii?
tem ele no youtube mas é bem provável que seja fake.

Bruno disse...

É Paulo, eu não joguei esse game e nem vou jogar.

Thyago disse...

BATTLETOADS?!?!?!?!
NOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!

*fica em posição fetal chorando*

Marcelo disse...

Cara... batletoads é satanico... pelamordideus... e tem gente que diz que Kid Chameleon é difícil... tá loco...

Eu concordo que a dificuldade do jogo está mais baseada na programação, mas o jogo era viciante, tá loco, eu joguei muuuuito, e consegui passar a fase do jet sky... nem lembro qual vinha depois, porque acredito ter considerado o jogo zerado após isso... hehehe...

Excelente post Amer, parabéns... (normal)

Sugestão pra review: Castlevania Symphony of the Night

Estou zerando ela pela quinquagésima vez, e sempre que faço isso penso:

"Que obra prima"

e também:

"Mas que diabos que esses desgraçados já fizeram uma porrada de jogos depois de SOTN e ainda não conseguiram superar o maldito???"

Só colocando Alucard de novo já era meio caminho andado... mas enfim... fica a sugestão

Abraços

Amer H disse...

Simphony of the Night... excelente sugestão!!!

Oghma disse...

Ahhhh, meu querido algoz de quando eu tinha oito anos de idade! Ainda me lembro saudosamente (leia-se "com a boca no chão, os olhos esbugalhados e os pés correndo para o outro lado") de como era agradável ser massacrado na fase dos canos.

Ah, bons tempos...

Mas sério, sabe que a fase do jetski ficou fácil depois de algumas (muitas, MUITAS, TRÊS ANOS SEGUIDOS) vezes? Nunca consegui zerar o jogo, mas hoje em dia os problemas são nas fases mais pra frente, tipo a daquela torre com os ventiladores (a que se você morresse você voltava a fase toda, saca?!), a dos canos, e, claro, a torre da Dark Queen, da qual nunca consegui passar. Nunca nem cheguei na própria Dark Queen. Mas vou conseguir antes de fazer 25 anos! E vou ser um herói do nosso tempo^^

E eu acho que a nota está justa... é um puta jogo, mas é tão Masocore que chega perto do nível de I Wanna Be The Guy. Sério mesmo...

E o Battletoads de Wii é uma piada óbvia e meio mal-feita, mas divertida pelo saudosismo que provoca^^

BAH disse...

Pior que um game difícil é um game difícil com continues finitos.

Odeio Battletoads!!! E odeio jet-skis!!!

Nanda disse...

"Ou seja, era difícil terminar o game com um jogador só, mas era impossível com dois."

Eu sempre joguei de dois...

*se enrola em posição fetal e chora*

Esse jogo merecia 10,0 só pelo fato dele jamais ser esquecido! ahahahahahahhahaah! Conseguiu se tornar um clássico!

Beijo, Amer!!

Cajun explosion disse...

Eu sempre achei esse o jogo mais difícil do master system do meu primo.
A gte jogava de 2 e nunca conseguia ir muito pra frente...foram raras as vezes que passamos da fase do jet-ski.
Até que ans anos depois aluguei o jogo pra SNES e descobri que jogando de 1 jogador era absurdamente mais fácil, mas continuava absurdamente difícil...malditos sapos marombeiros.
Agora eu to querendo jogar a versão de master de novo, ela é a mesma que a do SNES? Pensando bem acho que não...sei lá
PS: Amer, vc já jogou Galerians, pra PSOne? É uma mistura de Resident Evil e Akira...só que mais difícil que o primeiro e ainda mais sangrento que o segundo...mto massa, mas nunca zerei...

Amer H disse...

Battletoads do Master era uma versão menos potente do jogo de Super Nes.

Por incressa que parível, foi a Tec Toy quem programou, é um game exclusivo do mercado brazuca.

É bastante diferente da versão de NES, logicamente. Uma hora falo dele aqui.

Quanto a Galerians, joguei sim, mas não gostei muito. É criativo, mas não fez minha cabeça.

Marcelo Hazuki disse...

Eu adorava battletoads. Eu consegui a versão arcade pro emulador mame e é d+. Gosto tambem do jogo Battletoads & Double Dragon pra SNES, é muito engraçado mas a fase da nave espacial é uma merda. Amer, eu sei que não tem nada a ver com o artigo a pergunta que eu vou fazer mas eu gostaria de saber qual video-game devo comprar: XBOX 360 ou PS3? Ouvi dizer que o XBOX 360 tá dando muitos problemas e como vc é um cara que trabalha também com video-games, se puder, me tira essa dúvida.

Cheers and Justice for all!!!!

Thyago disse...

Ambos os videogames são muito bons e 90% dos jogos de hj saem para ambos.
Agora, a rede online do xbox 360 (a LIVE) é bem melhor, isto é um fato.

E também é um fato que, se vc não tomar cuidado, ele se torna uma bomba relógio.

Mas, ele tem a destrava.
Mas, se vc destrava ele, corre o perigo de ser banido da LIVE.

Enfim, o 360 é um videogame bom. PS3 só perde pela sua rede online ruinzinha.
Se bem q vc perguntou ao Amer 8D

Amer H. disse...

Bom, tecnicamente falando, o Ps3 é um Behemoth. Não quebra de jeito nenhum.

360 pode dar problema, mas você tem de ficar esperto pra comprar um com placa Falcon ou placa Jasper, que esses são bem mais resistentes.

Deixando o aparelho em lugar ÓTIMAMENTE REFRIGERADO, também não vai te dar dor de cabeça.

360 dá muito pau, mas verdade seja dita, tem muito dono de 360 que é um verdadeiro jumento e não sabe cuidar do console. O aparelho é frágil, claro que vai morrer se você não cuidar bem.

Não vai pela cabeça de certos membros do Portal Xbox, que fazem terrorismo com quem tem 360.

Se você curte jogar online, o 360 é uma boa pedida, pois sua rede é bem melhor mesmo.

Quanto a ser banido da Live, até onde eu sei, isso rola se você jogar com pirata na rede. E sabemos que tem muito jumento que também deve fazer isso.

Enfim, veja os jogod exclusivos de cada console e aquele que te apetecer mais, você compra.

Ps3: Metal Gear Solid 4, Little Big Planet e futuramente God of War 3.

360: Gears of War, Halo e Mass Effect.

Entre outros jogos.

Espero ter ajudado.

Cheers!

Bruno disse...

Eu tô louco pra jogar LittleBigPlanet cara, tomara que você compre logo um PS3 para poder avalia-lo aqui.

Ou você não vai comprar LBP?

E Amer, você esqueceu de dizer que a Live é paga.

Thyago disse...

a Live pode ser paga, mas é algo tão superior a PSN a um preço tão baixo (convenhamos, vc paga 12 reais por mês pra jogar 90% dos games do 360 online, os outros 10% são games que não tem partidas online, como devil may cry 4) q vale a pena.

Amer H. disse...

Verdade, esqueci de dizer: a Live é paga.

Pronto, erro corrigido.

E não espere análise de LBP pra breve. Vai demorar um bocado até eu comprar um Ps3.

Thyago disse...

eu nem sei se quero um ps3, agora q tenho um 360...
tipo, 90% dos jogos q saem pra ele tb saem no ps3, se eu quiser as exclusividades, vou ali e alugo um com o game q me interessa por uns 10 dias.

emerson disse...

queria deixar uma sugestão para review tbm: vc já pensou em escrever algo sobre megaman-x?
especificamente sobre o X7 e o X8?

Amer H disse...

Por enquanto, só o Mega Man clássico está nos meus planos.

Pretendo falar de Mega Man X depois, mas na ordem que seus jogos foram lançados. Vai demorar um pouco pra chegar até o X7 e o X8 então.

Guilherme disse...

Joguei muito battletoads pra master system 3. Eu e meu vizinho/amigo-a-mil-anos jogamos muito em dupla no meu velho master system 3 e nunca zeramos.Os traumas principalmente da fase do jetsky contiuam até hj.A unica maneira dos 2 jogarem nela era um dos jogadores ficar um pouco a frente mas ai que o bixo pegava ,pq colado no canto da tela vc ja tinha que ter reflexos de tigre então imagine um pouco a frente e ainda por cima tomando aquelas porradas do seu amigo na traseira .Vc não comentou sobre outras fazes dificeis como a faze das estacas de madeira mas fico muito legal o review principalmente por ser um clássico.

Daniel "Talude" disse...

Sei não Amer, mas pelo o nome dela, "Dark Queen" deve ter algo a mais no meio das pernas.

Adan Ribeiro disse...

Eu zerei Battletoads. "Terminei", como vcs dizem em São Paulo. Acho que foi a única coisa que me fez popular na minha infância. Lógico que eu tive que provar isso para TODOS os meus amigos fazendo o feito ao vivo, com a rodinha de amigos sentada em volta da tv como se fosse final de campeonato. Ao contrário de muitos aqui, idolatrávamos esse jogo. Me senti como Chakan porque fui o único numa turma de 6 amigos a conseguir esse feito. Sofri pela tristeza e o abandono dos meus amigos que ao mesmo tempo que me apontavam na rua dizendo "É ele!"... fugiam de mim pelo fato de parecer que eu tinha alguma doença incurável. Hoje em dia, 15 anos depois, eu jogo Battletoads no meu emulador, mas não tenho mais o mesmo desempenho. Não sei se sou eu que fiquei ruim (o mais provável) ou se é o controle genérico de Playstation com respostas igualmente genéricas que estão anos-luz longe, comparativamente falando, do meu Micro Genius... mas enfim... pelo menos as pessoas não fogem mais de mim. Apenas duvidam de que consegui isso um dia.