domingo, 10 de julho de 2011

O dia em que conheci Clarissa


Antes de começar, quero pedir desculpas por pisar na bola. Quem me acompanha no Twitter sabe que eu pretendia dedicar o mês de Julho ao Homem Aranha, falar de uma de suas séries animadas, do Live Action Japonês e do que mais encontrasse. Ainda vou dedicar 30 dias ao senhor Parker, mas isso terá de esperar até Agosto.

Logo vocês entenderão o motivo dessa mudança.

Agora, eu sou um cara engraçado. Um dos meus motivos para escrever neste blog é para fazer as pessoas rirem. Pelos inúmeros comentários que recebo, tenho cumprido bem a missão e agradeço a todos que deixam suas mensagens declarando o quanto gostam de meu trabalho. Vocês que fazem meu esforço valer à pena.

Dito isso, vou avisar que o artigo de hoje não será divertido. De fato, é um assunto muito sério e pesado, que com certeza deixará muitos desconfortaveis, se preferirem deixar o texto de hoje passar, fiquem a vontade.

Enfim, esta semana conheci a série em quadrinhos “Clarissa”. A história é de autoria de Jason Yungbluth, um artista da versão Americana da revista Mad e dono do site Deep Fried, onde publica e vende todos os seus trabalhos.

Um deles é Weapon Brown, uma história sobre um futuro pós-apocalipse, onde Charlie Brown cresceu e tornou-se um badass supremo. Ele procura pela garotinha ruiva, ao mesmo tempo em que se prepara para um embate com seu jurado inimigo: o psicopata Calvin e seu tigre cibernético, Haroldo.

Pois é.

Não li Weapon Brown, mas dada a competência de Yungbluth, não duvido que seja uma ótima história.

Mas voltemos a Clarissa. O autor produz a série desde 1999 e até o momento, existem cinco histórias curtas com a personagem. Aparentemente, é um projeto que ele coloca no papel quando está com tempo livre e pelo que vi, Yungbluth tem muito pouco disso.

Para quem está se perguntando sobre do que a série se trata, é simples: Clarissa é uma menina de seis anos que sofre abuso sexual nas mãos do pai.

Cada história mostra um momento diferente no dia-a-dia da menina. A primeira (“Clarissa estraga o Dia de Ação de Graças”) vai direto ao ponto, mostra a família celebrando o feriado como se fossem personagens perpetuamente felizes de uma comédia americana da década de 1980.

Clarissa quebra toda a comemoração ao dizer sem papas na língua: “não vou fingir que o papai não abusou de mim.”

Apesar do desconforto, acredito que esta história tinha por intenção trazer apenas uma dose de humor negro. O autor deve ter gostado da personagem e decidiu então criar enredos mais sólidos e dolorosos para ela.

A segunda história (“Retrato de Família”) mostra a menina fazendo um desenho de sua família para a aula de arte da escola. A imagem que ela faz é a de um café da manhã perfeito e alegre, mas ao longo da história, vemos como as coisas realmente aconteceram.

Clarissa não desce para tomar café até seu pai sair do trabalho. Quando finalmente senta a mesa, podemos ver o quanto sua família é destrambelhada. TODOS sabem o que acontece, mas cada um reage aos abusos de sua forma.

A mãe de Clarissa está em completa negação, eternamente com um sorriso no rosto. Ela prepara quilos de torradas para sua família, como uma forma de super compensação pela desgraça em que todos vivem. Ela também tira um segundo de seu dia para jogar na cara da filha que ela é a culpada pelo que acontece (“Lembra-se do que lemos naquela revista? Você é uma instigadora.”), algo que é mencionado novamente no futuro.

O irmão mais velho é um bully completo e tortura Clarissa o quanto pode. Ele afoga as torradas da irmã em calda, mesmo após a menina protestar que não gosta disso. Depois, ele ainda intimida a menina (“Se não gostou, chore pra porra do mundo inteiro te ouvir.”), o que prontamente a condiciona a acreditar que mesmo se gritar por socorro, ninguém jamais a ouvirá. A impressão que tenho é que ele optou por ficar do lado do pai e também culpa a irmã pelos abusos que ela sofre. Afinal, “se não fosse por ela”, eles poderiam ter uma vida normal.

O irmão do meio é uma pilha de nervos e parece estar em negação ainda maior que a mãe, desesperado para que todos ao seu redor mantenham a ilusão de que nada acontece à noite.

A situação fica ruim subitamente, quando o pai volta para apanhar “sua caneta” e decide sentar-se para tomar café. Quando percebe a frieza com o qual a filha o recebe, ele sugere que “ela deixe o que aconteceu pra trás, para que tudo volte ao normal” e a menina prontamente aceita, após sofrer pressão silenciosa de toda a família.

Mas a mera presença do pai faz tanto mal à Clarissa, que ela fica enjoada. Então temos uma das cenas mais aterrorizantes que já vi em uma história em quadrinhos.

Uma menina de seis anos decidiu comer o próprio vômito para não irritar o pai.

...

O pior é que este ato desesperado não deu certo e agora ela sabe que vai pagar por isso. O que quer que ele faça com ela a noite será dez vezes pior do que aquilo que tinha planejado antes.

Na escola, Clarissa não só desenhou sua família, como também fez a imagem de um lobo atacando um esquilo...


... cujo real sentido foi prontamente ignorado pela professora, que estava mais interessada em ouvir a própria voz do que entender o pedido de ajuda de sua aluna.

Existem três outras histórias completas de Clarissa, cada uma delas acrescenta uma nova camada de tragédia à vida da menina. Não pretendo falar delas, mas todas podem ser lidas neste link. É só descer e clicar nas páginas uma por uma.

Eu não deveria ter de explicar, mas sempre tem um que não sabe como a internet funciona.

Aliás, as histórias estão em Inglês. Quem não entender o idioma (que vergonha) peça pra um amigo ler e te passar o sentido delas.

Duas coisas tornam esta série tão difícil de ser lida. Primeiro, a narrativa de Yungbluth é fantástica, ele libera poucas informações e em pequenas doses, no fim, quando ligamos todos os pontos e entendemos o que aconteceu, o resultado é horror absoluto.

Segundo, a série não segura nenhum soco. Todo filme sobre abuso infantil que assisti evitava exibir a parte mais cruel da história, o que normalmente vemos é uma protagonista traumatizada, que graças à presença de boas pessoas em sua vida, consegue deixar seu passado para trás e acertar sua vida.

Clarissa não tem esta opção. Ela tem de viver um Inferno na Terra diariamente.

Eu juro, estou de coração partido desde que li essa história. Estou deprimido há alguns dias já e não consigo parar de pensar a respeito.

O que mais dói é saber que existem milhares de “Clarissas” pelo mundo. Que sofrem em silêncio e todos os dias se culpam por passarem por algo sobre o qual não tem controle.

Quem acompanha meus artigos há algum tempo já sabe que a coisa que mais desejo no mundo é ser pai, de preferência de uma menina. Não sei por que, sempre me dei melhor com meninas do que com meninos.

Enfim, uma de minhas metas é obter estabilidade financeira antes de chegar aos 40 anos, para assim poder ser pai sem preocupações e poder oferecer a minha pimpolha aquilo que ela precisa para ter uma infância decente.

Claro, não sei o mínimo necessário sobre como ser pai, mas acho que isso se aprende de verdade quando já se está na situação. O negócio é que tenho um instinto paternal enorme já, sempre me preocupo com aqueles ao meu redor, amigos, amigas, sempre quero fazer o que estiver a meu alcance para tornar a vida deles melhor, mais confortável, essas coisas.

Assim, não me desce a idéia de que um homem possa abusar sexualmente de sua filha, é algo que minha cabeça não consegue processar. Sua criança é a ÚNICA pessoa do mundo que você tem a obrigação de proteger, como pode alguém submetê-la a algo tão terrível?

E crianças não têm como se defender, é aí que NÓS adultos devemos entrar.

Se algum de vocês acha que conhece uma criança que possa sofrer abuso sexual, há formas de tentar descobrir se a suspeita tem base ou não.

O importante é prestar atenção as crianças, elas não podem comunicar verbalmente e de forma clara o que aconteceu, pois não tem compreensão do que é o abuso sexual. Elas exteriorizarão o que sentem através das suas brincadeiras e de desenhos (como Clarissa tentou fazer), especialmente em momentos que estejam sozinhas.

Marcas pelo corpo também são um sinal de que algo está errado. É muito difícil um adulto não machucar uma criança quando a força a fazer sexo com ele. Hematomas constantes, sempre nos mesmos lugares também podem ser um sinal de que algo está acontecendo.

E o comportamento da criança muda, ela pode se isolar, demonstrar medo de adultos de um sexo específico ou até mesmo agirem com uma sexualidade exagerada para sua idade.

Então eu repito, PRESTEM ATENÇÃO AS CRIANÇAS, pois só é possível notar tudo isso quando se observa com atenção. Os adultos muitas vezes criam um hábito em ignorar seus filhotes e sinceramente, não consigo ver bem algum vindo disso.

Se perceber todos estes sinais e sentir que de fato há algo errado, vem a parte que muitos temem: DENUNCIE!!!

Quando pesquisava pra escrever este artigo, percebi que um número grande de pessoas tem receio de se envolver, seja por medo de uma represália por parte daquele que abusa, ou seja, lá pelo que for. Saibam que ao fazerem uma denúncia, vocês sempre ficarão anônimos. No máximo, somente a pessoa que o atendeu saberá quem você é, e se entrou em contato por telefone, nem isso será um problema.

Quanto à parte das represálias, se você coloca o seu bem estar acima do de uma criança que pode estar sofrendo violência sexual diariamente, você é um merda muito pouco melhor que o canalha que está se aproveitando dela.

É possível fazer a denúncia no Conselho Tutelar, nas Varas da Infância e da Juventude, em Delegacias de Proteção da Criança e do Adolescente ou mesmo nas Delegacias da Mulher.

Não faltam opções, então, por favor, faça alguma coisa se puder. Não permita que esse tipo de história de horror se estique por mais tempo que deve.


Sei que deve ter sido difícil ler este artigo, acreditem, foi muito difícil pra eu escrevê-lo. Cada palavra teclada me doía.

Não vou fazer nenhuma declaração piegas ou dizer alguma frase pronta como “devemos proteger as crianças, pois nelas reside o futuro”, não, nada disso. Minhas motivações são muito mais simples.

Eu tive uma infância muito boa. Li gibis, assisti filmes e desenhos, joguei video games, criei sagas imensas e macarrônicas com meus bonecos, via luta livre com a minha avó e tudo mais. Não tive amigos, mas bem, não se pode ter tudo. O que importa é que tenho lembranças muito boas de minha infância e sinto uma doce nostalgia sempre que penso nela.

Isso é o mínimo que uma criança deve ter.

Toda criança tem o direito de crescer em um ambiente saudável e aproveitar os primeiros anos de sua vida. Não é justo que um animal venha e simplesmente tome isso dela.

Não sei bem como encerrar este artigo, então vou apenas pedir para você pensar em uma criança com quem convive e a quem ama. Seja uma filha, um sobrinho, irmão, irmã que for.

Imagine que esta criança poderia ser uma “Clarissa”.

...

Não parece mais tão difícil encontrar motivação pra querer protegê-la, não?

Cheers.

97 comentários:

Bruno He disse...

Você é grande, Amer.

Pedrinho Costa disse...

Um dos primeiros artigos que leio no blog, e que provavelmente vai me fazer um leitor assíduo.

Belíssimo post, e ainda mais bela é a iniciativa tomada pelo autor, tratando sobre um assunto que todo mundo sabe que acontece, mas finge não saber. Meus parabéns.

Kelvin Matheus disse...

Amer, dude.
Agora você me deixou vazio.
Sério man, você conseguiu passar sua mensagem. Me marcou com esse post, você merece uma salva de palmas pelo jeito que você consegue transmitir a sua mensagem.
Nem tenho o que dizer, somente: Parabéns.

Jean disse...

Amer, sendo bem sério agora.

Te admiro, muito, mesmo não tendo UM PINGO de conhecimento sobre a sua vida. O fato é que só sou um babaca de 14 anos lendo seus artigos.

Eu sou meio sensível a algumas coisas, e, apesar de não me dar muito bem com crianças, fiquei agonizado (não é a palavra, mas, na falta de uma expressão melhor... ) com o artigo de hoje, não foi ruim, longe disso. A história de Clarissa me deixou tenso, muito tenso. Nunca fui um cara de ligar pros problemas alheios - meio que egoísmo de adolescente escroto -, mas o seu artigo me fez repensar um pouco. Não vou virar um revolucionário nem caçar pedófilos com uma metralhadora giratórias, só vou... Pensar um pouco mais. Uma simples história e um simples artigo me deixou sem palavras.

Repetindo as palavras do cara acima: Você é grande, Amer.

Blog do Sybão! disse...

Realmente este artigo foi curto, mas esclarecedor o bastante para que seja levado a sério.

De fato, é uma situação que a familia as vezes tem consciência, mas aceita, pois de forma alguma quer romper a idéia do conceito de Família Feliz.

Muitas priorizam mais o status do que os próprios problemas de casa, e empurram tudo com a barriga e um sorriso forçado na cara dizendo: Ta tudo bem! Ta tudo legal.

Esquecem que um ser indefeso está sofrendo um caos terrível que abalará toda sua carreira no futuro.

É triste, mas o quadrinho, assim como este artigo baseado nele servem de denuncia a este ato imperdoável. E isso é útil.

Raphael disse...

Amer, pode se dizer que teu artigo atingiu o objetivo.
Teu modo de escrever e o grande ser humano que você é tornam ainda mais tocante teu texto.
Com toda certeza vou divulga-lo o máximo que puder.

Um grande abraço.

Keiju disse...

Realmente, um bom post e conseguiu me sensibilizar, irei divulga-lo e inclusive falar a respeito no meu blog.

Vítor Felipe disse...

Não tenho muito a dizer, o seu artigo é simplesmente excelente e tocante, ao mesmo tempo que me causou uma certa angústia ao lê-lo. E outra coisa, muito esclarecedor. Parabéns mesmo por esse texto, merece devidamente ser divulgado.

Você é grande, Amer. [2]

Ladrhobbit disse...

Quando conheci Clarissa ela me causou o mesmo impacto, o enredo de fato é fortíssimo. É uma representação fiel de pessoas que passam/passaram esse tipo de pesadelo.

Mas enfim, Você é grande, Amer. [3]

Helio Mendes Jr ou Kamen Homer disse...

e Amer,eu ja fiz uma parte

eu escrevi um artigo desse tambem

http://kamenhomerofficialblog.blogspot.com/2011/07/apelo-pessoal-3clarissa.html

e divulguei o seu tambem alem do meu,espero que voce não se importe,beleza?

cheers

†† Glória †† disse...

Você é grande, Amer. [4]

Estava só passando pelo blog, quando este post me fisgou e acabei lendo todo até o fim. Você cumpriu sua missão Amer, passou sua mensagem!
Só tenho á agradecer.

Márcio disse...

Olá Amer, na hora que você twittou que ia mostrar algo pra estragar o nosso dia, pensei q era alguma brincadeira sem muito impacto, mas quando vi o quadrinhos da Clarissa e fui lendo sem entender muito bem, mas ao chegar na última página veio tudo de uma vez só, como um tapa espanto na cara. Tive de re-ler para acreditar... até agora estou sentindo um aperto no peito q poucas vezes senti na vida depois de ler ou ver algo, ainda mais pq assim como você também sonho em ser pai de uma menina. Em vários momentos vieram lágrimas aos meus olhos em pensar que essa HQ mostra algo verdadeiro e q ocorre a todo momento pelo mundo afora... Lhe aplaudo de pé por ter escrito este artigo e acho que se alguém o leu e leu Clarissa, e no mínimo não sentiu algo incomodando nos pensamentos, não é digno nem de pena.

thewarsong disse...

Eu NUNCA comentei aqui, mas te acompanho desde...sempre? Sou fã rasgada dos seus textos, amo seu estilo, literalmente choro de rir com os seus posts, faço piadas usando as suas piadas (ops!) com os meus amigos, enfim.

Eu li a história do bichinho de pelúcia fazem uns dois anos acho. Não sabia que ela se chamava Clarissa, mal sabia que era uma série. Nunca consegui esquecer essa história, ela me assombra quando eu fico feliz ou triste demais, foi chocante ler algo assim em quadrinhos, e eu curto gore.

Amer, Clarissa me causou um trauma tão grande e as vezes maior do que a morte da minha mãe. Não é exagero.

E, ao mesmo tempo que é lindo e incrível ver você falando sobre um assunto sério como esse, é ao mesmo tempo triste ver um espaço que diverte e alegra falando de algo assim. Espero que você não precise falar sobre isso de novo.

E...eu já era sua fã de carteirinha, agora me sinto profundamente ORGULHOSA disso. Você é grande Amer [5]

Vulto Amarelo disse...

Muito bom trabalho Amer, como de costume.

Mas também nem preciso dizer...

Como Jason Yungbluth já falou em entrevista, o sentido de Clarissa é fazer realmente um clima sombrio de verdade, e não só humor negro. Ele até coloca características de famílias que passam por isso, como você mostrou, tanto na mãe, irmãos e demais pessoas ao redor.

Claro que existe um grande humor negro, que faz justamente o papel de chocar, e MUITO BEM, por sinal...mas não é só piadas pesadas desconexas sobre incesto ou abuso sexual, apenas para os mais revoltados rirem. Por isso é um trabalho tão bom.

Parabéns pelo artigo!

zach c. disse...

Lamentável que esse tipo de coisa ainda aconteça, Amer.

Tinha lido a historinha do vomito, mas só ela, eu nem pesquisei mais sobre a Clarissa, agora que li o artigo que entendi o sentido da personagem. Cara, só de pensar em uma situação como essas, é tão repugnante.. :/
O pior de tudo não sei se são as pessoas que costumam acobertar ou aquelas que não são realistas o bastante para encarar problemas como esse.

Valeu a iniciativa, pode crer que vou divulgar isso para meus amigos.
Depois te falo sobre os resultados,
@andrenseven

Double M disse...

É triste perceber que o suspense/medo que xenomórfos, Krugers e outros monstros que aterrorizavam nossas infâncias murcham e morrem diante de histórias como 'Clarisse'. E isso acontece simplesmente pq a Clarisse é REAL. Está acontecendo NESTE EXATO MOMENTO EM QUE VC LÊ ESSAS PALAVRAS. Como não sentir medo disso?

Além disso, 'Clarisse' abre margem para uma discussão interessante sobre como os professores/orientadores/psicólogos/staff da escola são distantes dos seus alunos. Como alguém que faz um curso que trilha o caminho da educação digo que o "Sistema" dificulta essa aproximação, mas ainda assim não existe desculpa para estes profissionais (ou para QUALQUER PESSOA que conviva com a criança) diante desta situação.

Por último, parabéns pela grandeza de espírito Amer. O mundo só estará realmente perdido qdo coisas como essas acontecerem e todo mundo ficar calado.

Matthew disse...

O pior de tudo é que a história é EXTREMAMENTE VEROSSÍMIL. É assim que as pessoas agem, a figura da mãe, do irmão filho da puta, do irmão cagão, da professora. Não duvido que tenha acontecido ou vá acontecer um caso igual em todos os detalhes na vida real.

Jester disse...

Você é grande Amer [6]
Não conhecia essa "série" e nada me chocou tanto quanto a história do banho.
Eu costumo ser uma pessoa otimista (até demais, alguns dizem) Mas histórias como essas (Totalmente verossímeis) me lembram como podem existir pessoas podres nesse mundo. E como não devemos fechar os olhos para o que acontece à nossa frente.
Parabéns Amer.

HappyGleek93 disse...

Caramba... que troço forte.
Fazia tempo que eu não chorava.

Bom trabalho, Amer. Conseguiu passar a mensagem que queria com maestria.

Thumbs up, soldier.

Matthew disse...

Terminei de ler.

Sinceramente? Achei a obra LINDA. Porquê, ao menos pelo que eu entendi, faz uso do choque e do humor negro pra botar a mensagem FUNDO na mente do leitor, bem mais forte do que qualquer outra coisa que eu já vi, que sim, ele precisa denunciar. Pra mim a passagem da Bíblia que o autor citou selou isso:

"Blessed is he, who, in the name of charity and good will, shepherds the weak trough the valley of darkness, for he is truly his brothers keeper and the finder of lost children"

Amém, irmão.

Matthew disse...

...Peraí, parece que aquela última imagem não é do mesmo autor.

Mas enfim, eu acho que combina. ùu

Estevan disse...

ótimo artigo Amer
faz tempo q não comento suas postagens(mas é pq não tenho nada para acrescentar mesmo e os meus elogios não farão falta no meio de tantos)

eu estou fazendo um curso de licenciatura e meu professor de desenvolvimento infantil nos ensinou macetes para ficar sempre atento com a criança inclusive nesse problema..também contou experiências que ele vivenciou e o que me deixou mais triste foi perceber que esse problema não é tão raro quanto gostariamos que fosse(na verdade gostariamos q não existisse).

Concordo contigo Amer e acredito que todos tem obrigação de denunciar .E pessoas que ignoram e nada fazem para ajudar se tornam tão desprezíveis quanto os próprios abusadores.Essa é uma das poucas questões em que sem dúvida nenhuma todos devem meter o bedelho.

achei legal tratar todos os seus assuntos(excetuando games) em um único blog ao invés de colocar no outro blog do amer...mas lamento não poder mais ter acesso aos poucos e ótimos textos do blog retirado para uma possível releitura.

abraço Amer
parabéns pelo ótimo trabalho como sempre

Bia Chun-li disse...

Belo artigo. Essa é uma das minhas preocupações com o meu baby. Fdp's existem aos montes e oro pedindo que quando ele nascer uma coisa dessas não apareça no caminho dele/dela. E sempre quando vejo notícias de desgraçados que fazem isso, me dá um ódio tão, mas tão grande, que é difícil de explicar com palavras o que sinto.

Não irei me alongar, por vários motivos, também creio que não terei estômago para ler a história no momento. Parabéns pelo seu artigo. Sem mais.

Nappa_ disse...

Amer também é utilidade pública.

Bem, eu já conhecia Clarissa das tweetadas que leio pela rede, a história tem essa crítica social forte que você falou e é um apelo para ver se abre os olhos dos leitores. Acho válida essa tentativa de conscientização, assim como o chaves as vezes fazia isso em relação à crianças que passam fome, não tem lar ou não tem família.

Na verdade também tenho vontade de ter uma filha, acho que me daria melhor com uma menina embora se tiver um garoto não vá odiá-lo. hehehehe. Quando um cara tem preferência por ter filha ao invés de filho acho que isso faz com que ao ler esse tipo de coisa se sensibilize mais.

Para encerrar, não tente entender porque alguns pais fazem isso com as filhas ou porque adultos procuram crianças para suas relações. É doentio, não há o que entender, a pessoa é perturbada.

É isso Amer, vou esperar The Amazing Spider Man Month e um próximo post com uma boa dose de humor. Não para encobrir esse post, mas para retomar o bom trabalho de sempre.

Nappa_ disse...

Quando você começou o artigo achei que ia falar de uma história pessoal, tipo a da ruiva. =D

Bob Mota disse...

Ame, você surpreende. Muito louvável da sua parte fazer este post, falando a respeito de algo tão sério.Com certeza isso deve ser divulgado. Chuto até que esse quadrinho deveria ser cartilha para professores da rede particular ou pública. Ensinando que deviam prestar atenção nas crianças e nos sinais que elas dão de que algo está errado. Parabéns pelo post, vou divulgar no meu blog, com sua permissão.

Amer H. disse...

Pode divulgar, fique a vontade.

Christian disse...

Eu tenho conexões com a parte pedagógica de um colégio estadual próximo, e casos como esse são muito mais comuns do que se imagina. Contudo, as histórias das famílias geralmente são muito mais complexas para que uma simples denúncia resolva tudo.
As vezes o pai pode ser o único sustento da família, ou o único parente próximo. Ou uma denúncia do pai poderia fazer a mãe renegar e abandonar a criança e até mesmo a mãe e os irmãos ferirem e até matarem a criança (pois são frequentes os casos de famílias desequilibradas, ainda mais entre classes baixas).
É um assunto deveras complicado.

Shinji. disse...

Amer, você não precisa pedir desculpas por não ter feito um post que você planejava. Você trouxe a todos os seus leitores informação e reflexão sobre um assunto sério que assombra nossa realidade, essa foi uma belíssima atitude. Tenho certeza que muitas pessoas que não tinham um conhecimento ou simplesmente ignoravam esse tipo de coisa, agora estão pensando sobre isso.

Como disseram em vários posts, você é grande, Amer. Na minha infância, eu tive meu momento de Clarissa, mas não uma situação tão forte como a dela. Não imagino como eu estaria hoje se passasse pelo que ela passa e não consigo pensar em como será o futuro dessa garotinha e de todas as crianças que sofrem uma situação idêntica ou até pior.

Devo dizer que esse foi um dos melhores textos do seu blog, sem dúvidas. E seria muito legal se você fizesse posts como esse de vez em quando, mesmo fugindo do foco do blog. É um verdadeiro mar de reflexão.

Acompanho o blog há um tempo considerável, e sempre dou uma olhada no seu Twitter (foi nessas olhadas que eu vi o link para ler a história de Clarissa), e devo dizer que admiro muito o seu trabalho, e principalmente você, como pessoa. Um verdadeiro exemplo de ser humano.

Parabéns, Amer.

Fabiano M. disse...

Você é grande, Amer.

Quando você disse que cada palavra desse tópico doía, achei que fosse esagero teu, uma figura de expressão, mas agora entendo.

Eu confesso que sou uma porcaria como ser humano, o tempo me tornou insensível e cínico, sem interesse algum pelas pessoas á minha volta, mas nunca antes fiquei tão chocado e triste ao ler uma história em quadrinhos, e saber que esse enredo não tem nada de fantástico ou surreal, que é uma situação rotineira em tantos lares, com certeza não ajuda a diminuir esse desconforto.

Acho que apesar de tudo, ainda me importo...

Victor Alm disse...

Muito interessante esse seu texto. Realmente nós temos de ficar atentos e denunciar o que for errado, pois isso diminui a impunidade. Nós nunca devemos nos acostumar com o errado, esse tipo de coisa contra uma criança sempre deve causar indignação.

Eu tenho um blog também e me inspirei no seu para criá-lo. Eu gostaria que você, se não fosse incomodar, olhasse o meu blog pra ver o que acha.

Gabriel Lez disse...

Hola, Amer!

Já faz um tempo que acompanho o seu blog, na real desde o ano passado. Embora eu não comente muito os
seus artigos, eu costumo rachar o bico com eles. Tanto pelos temas como pela forma como eles são
tratados. Hoje, a coisa já foi diferente, pois eu percebi que você também é ótimo quando decide falar
sério.

Pela coragem que você teve ao escolher um tema difícil como esse, só posso parabenizá-lo. A escolha da HQ foi certeira também. Clarissa é uma história muito pesada, mas feita com uma sensibilidade ímpar e uma qualidade narrativa excelente.

Mas o melhor de tudo, na minha opinião, foram as dicas dadas para reconhecer sinais de abuso, e os
meios para se denunciar um. Como psicólogo, sei que existe uma quantidade enorme de casos de abuso
sexual infantil que não chegam a um hospital, posto de saúde ou consultório, e boa parte dos obstáculos para isso acontecer se deve à falta de informação das pessoas, tanto para reconhecer sinais de abuso como para saber a quem recorrer quando isso acontece. E nesse sentido você prestou um grande serviço, não tenha dúvidas. Com certeza vou passar o artigo adiante!

Aproveitando a deixa, vou deixar também alguns links. O primeiro é de uma cartilha em forma de HQ do ECA sobre o tema, e o outro é do Movimento 15 segundos. Espero que eles ajudem, e que possam ser
passados adiante!

http://www.promenino.org.br/Portals/0/Biblioteca/PDF/Gibi_descolado_4_small.pdf

http://15segundos.net/

No mais, era isso. E saiba que, além de grande, TU É O CARA!

Um grande abraço!

Avalanche(Lance) disse...

Sei que o foco principal é a história da Clarissa, e realmente a história do bichinho de pelúcia é traumatizante...


...mas queria agradecer por me mostrar que realmente existe o Weapon Brown....porra a anos achava que a história era um devaneio meu...mas ela existe

leco disse...

muito bom o post, para pessoas refletirem melhor sobre o q acontece no mundo....

Adam disse...

Ótimo texto, Amer, como sempre.

Desde que conheci a primeira história atráves do seu twitter não tem um só dia em que eu não pense em como esse mundo é todo retardado. É inaceitável pensar que um pai pode fazer isso com sua própria filha. E uma família toda fechar os olhos pra isso. Olho pra minhas irmãs mais novas e lembro das histórias. Que medo eu que dá desse mundo!

O trabalho do cara é excelente pois realmente causa revolta.

Já compartilhei como pude para espalhar a mensagem.

Parabéns pelo artigo. Fique bem! o/

Nisnast disse...

Bom,eu sempre venho aqui no blog,acompanho seus textos a mais ou menos 1 ano e nunca comento,mas dessa vez tive que comentar,mas só tenho uma coisa a dizer,QUALQUER um que faça algo assim com uma criança,é um canalha de marca maior e está condenado para o resto da vida,talvez não a cadeia pois infelizmente não se descobre sobre isso,mas a propria pessoa sabe,e se ela ainda tiver um pingo de humanidade,ela vai se sentir culpada.

F.Sousa disse...

Simplesmente merece respeito por tratar de um assunto tão delicado porém necessário;

Vou divulgar, abraços.

James Hatter Rem disse...

Você será um ótimo pai Amer, tenho certeza absoluta, sério.

Isa disse...

Um ótimo artigo de alerta, Amer.Essas histórias são chocantes mesmo e deveriam ser mais divulgadas de uma forma geral para a população.E apesar de ser difícil, não se sinta tão mal amigo,você fez a sua parte e muita gente assim como eu que nunca ouviu falar de Clarissa agora sabe e saber é metade da batalha!
Ah, e espero realmente que você tenha uma filha um dia, senão nada mais sobre justiça fará sentido no mundo.

Zweist disse...

O "Holy Shit" do coelho de pelucia e ela explicando o ritual do banho me deram um nó no estomago.

Nada, nada no mundo me tira do sério mais rápido e com maior intensidade.

Por algo assim quase matei, literalmente, de porradas um sujeito que morava no prédio e levava algumas crianças para um morro próximo. Quando ele foi morto em um assalto anos depois, abri um sorriso imenso.

Infelizmente nem sempre é fácil assim.

No mas.

JoaoF disse...

Perto da casa de minha ex, um sujeito abusou e matou estrangulado uma criança de 7 anos, e ela conhecia a criança e o cara.
Por mais incoerente que seja, é na cadeia que a verdadeira justiça será feita, pois nem os bandidos aguentam esse tipo de lixo, primeira rebelião e vão jogar futebol com a cabeça dele hehe.

Tunikin disse...

Eu quando li esse seu artigo eu estava tomando café...de repente eu comecei a passar mas mentalmente,eu não consigo acreditar que existem monstros(prefiro chamar assim) que são capaz de fazer tal coisa!

Matheus White disse...

...Um bom artigo Amer. Confesso que estou com muita vontade de chorar depois de ler.

Fiquei exatamente no mesmo estado que você quando li a história.

A do banho e o nojo do próprio corpo foi uma das coisas mais fortes que já vi.

Rezo para Deus que isso não aconteça com nenhuma criança.

Nunca.

Nicholas disse...

Sério, você me fez chorar.
Prabéns pelo post, passou uma mensagem importante com a sensibilidade que esse tema precisava.
Espero que você realmente tenha uma filha, você será um ótimo pai.
Você é grande, Amer.

Bruno Mattes disse...

Parabéns, meu caro.
Quando eu penso que cheguei ao meu limite de "Amer Fanboy", descubro que ele ainda está longe...

Sempre admirei sua forma de escrever, e transmitir sentimentos, como "HA! I MADE A FUNNY!". De longe, você é o maior blogueiro que eu conheço. Já vi muita coisa sobre a sua personalidade nos seus artigos ( A ruivinha, Momentos Nostálgicos, Anti Homofobia), e tinha certeza de que você é uma ótima pessoa. Hoje, com este post, você confirmou tudo que eu pensava de você, cara. Você pode não me considerar um amigo seu, pelo fato de não nos conhecermos, mas, eu lhe garanto, eu sou seu amigo, Amer.

Não sei se você já leu, ou mesmo se lembra de algum outro comentário meu, mas... Eu estou lendo seu blog desde o início... Post à post. É uma árdua tarefa, mas ainda não desisti de ler tudo. Cheguei aqui em algum dia do ano passado, dei de cara com um artigo sobre cosplayers, e desde então, comecei a ler mais e mais o seu trabalho. Não perco um único post. E este é o único blog que acompanho. Não lia blogs antes deste. Resumindo:

Amer. Sou seu fã número um, seu altíssimo "ultrawriter". Sabe aquele cara que sonha em dar um abraço em um "Zezé di Camargo" da vida? É exatamente o que eu sinto em relação à você, cara. Principalmente depois deste post.

Parabéns, novamente. E continue nos emocionando com suas postagens.
( Quase chorei lendo sobre nostalgias da época do Super Nes. XD )

Abração.

Black Barth disse...

Post soco no estomago esse Amer... mas é uma realidade que a gente não pode deixar de lado... e a todos do Blog não se esqueçam "Denunciem toda forma de abuso!!!"

U DOR disse...

Você é grande, Amer [6]

Minha mãe trabalha como coordenadora e por várias vezes já fez denúncias do gênero. Ela diz que observar o comportamento das crianças é fundamental para saber se elas possuem algum problema ou dificuldade. Muitos problemas poderiam ser evitados ou resolvidos, muitos baderneiros e "pestes" poderiam ser bons alunos se apenas prestassem atenção neles.

Mesmo sendo um assunto pesado, seu artigo fala de uma coisa importante. Eu vou divulgá-lo.

Adoro seu blog, nas horas engraçadas e nas horas sérias.

Continue o bom trabalho. Há braços.

juninho-ad disse...

Parabéns pela sensacional e comovente postagem Amer.

Não sou o típico cara mais feliz do mundo...

... muito pelo contrário. Mas poxa, não pude esconder a tristeza que adquiri lendo isso. É realmente sinistro e fiquei horrorizado com o lance dela comer o próprio vômito.

E eu na metade do post, mandei pra algumas pessoas e uma delas ainda me falou algo como "como alguem pode escrever sobre isso" e eu perguntei se ela realmente entendeu o motivo da postagem...

Enfim, muito profunda essa matéria.

Israel/Rael-TIO GOIABINHA disse...

Holy Fuck, Amer. Esse post foi caralhístico. Faltou uma pitada de humor, mas essa foi a parada interessante nele. Foi essa mudança súbita de estilo de escrita que deve ter chocado os que leem e chocarão aqueles que lerem esse post. A mudança também denota a seriedade com que você tratou o assunto. Parabéns.


Sobra o Link:


http://www.youtube.com/watch?v=WyEsD8kM7pE

Reinaldo disse...

Concordo com tudo que voce disse nesse artigo, Amer. Crianças tem o DIREITO de terem boas lembranças da infancia e de ter seus pais para protege-las. Acho que o que falta para os adultos é empatia. Como na historia sobre o retrato de familia, muitos preferem ignorar os apelos de uma criança, dizendo que tudo isso é "bobagem" e outras coisas que discredibilizam os pequenos. Nunca passei por sofrimentos desse tipo, mas imagino que deve ser sufocante pra uma criança ser abusada de qualquer forma e não poder fazer nada. Por isso eu sempre digo, antes de corrigir as crianças devemos corrigir os ADULTOS, pois eles sim podem fazer muita merda e o que é piorm, com plena conciencia do que fez.
Mandou muito bem nesse artigo, e pode ter certeza que o compartilharei pelo facebook e pelo orkut.
Incrivel como, alem de de engraçado, você parece ter um puta coreação.
É isso, saiba que sou muito fã do seu blog e continue sempre assim.

vic666 disse...

Lembra do final de "Seven"? "...O mundo é um belo lugar e vale a pena lutar por ele...". Bem, as vezes eu penso como o personagem que disse a frase e concordo com a segunda parte apenas...

Belo post, como de costume!

Mixirica disse...

a imagen do vomito me deixou meio sem palavras, Amer sou um zé bosta que leio assiduamente seu blog, e mesmo nunca sem ter visto vc te acho um sujeito MUITO gente fina, cara fico imaginando um gigante de 1,90 barbudo e cabeludo fã de wrestling(só pelo fato de vc dizer que parace o mick foley, ja tenho um imagem sua formada na cachola) brincando com um pímpolha no parque é muito legal, acabei de me casar e estou muito feliz, sonho em ser pai um dia mesmo tendo muito medo de como criar uma criança nesse mundo imundo.

desejo a vc muitas alegrias e que o Senhor Deus te abençõe e te guarde de todo o mal e que vc continue a nos alegar e sensibilzar com os seus otimos posts

Rodrigo disse...

Admiro muito o seu trabalho em geral, mas esse artigo tocou meu coração de um modo que não se explicar, queria compartilhar com todos que conheço. Então eu queria fazer um pedido. Amer, posso postar o link no meu Tumblr?

Old_Nash disse...

UM pai desses, nem deveria ser chamado assim.
Li o quadrinho e to puto até agora.

O pior, é que muitas pessoas que dizem ajudar, não querem pois são uns cegos, não veem os sinais bem na frente deles.

Algo assim é vista no filme O Lenhador com o Kevin Bacon, onde ele faz um ex-condenado por abuso sexual de menores, e é a ele que uma garota que sofrer abusos do pai vem lhe pedir auxílio.

Tem coisas na vida que eu me pergunto, o por que.

Fernanda Neko disse...

Bom, Amer esse foi o primeiro artigo do seu blog que conseguiu me deixar... estarrecida. Quando vi o título do post no painel do Blogger, achei que seria algo na linha do "A Saga da Garotinha Ruiva", e me enganei completamente. Eu li apenas as páginas que você publicou no artigo, o que me deixou horrorizada o suficiente pra não querer ler o resto por um tempo.

Bom, Amer, você é grande(Perdi a conta de quantos disseram isso)

juninho-ad disse...

E vou divulgar essa postagem adoidado, no meu blog, no twitter, e facebook.

O meu blog tem ae no meu perfil, espero que um dia você o visite ^^

Mas sinceramente, ainda to bolado com o pouco que li a respeito da história... e pretendo ter coragem qualquer dia pra ler. Vou esperar, afinal não to nos melhores dias e prefiro esperar uma oportunidade melhor pra ler.

Gregor Samsa disse...

Oi, Amer. Eu sou um de seus leitores. Sempre li seus artigos, eu confiro o blog sempre que posso e, infelizmente, nunca comentei. Mas acho que agora é um momento.
Você é uma espécie de "pai-virtual" para todos nós, seus leitores. Nós absorvemos seu conhecimento, o tomamos como um exemplo para nossas decisões, não só relacionadas a diversão, a transformers, a jogos. Seu senso moral... É incrível. É fantástico. Seu instinto paternal é tanto que você chegou ao ponto de parar um de seus compromissos para nos notificar disso. Que outro escritor faria isso? Provavelmente deixaria na agenda, pra outra hora. Não há como demonstrar comprometimento maior com seu público, seus "filhos", do que do jeito que você fez.
Sabe, eu acho que como todos nós aqui, eu queria uma chance de conhecê-lo melhor, uma chance de conversar com você. O que você acha de organizar um chat com seus leitores? Acho que com isso você poderia nos passar muito mais. Seu post me tocou de verdade. Meus parabéns.

Hades disse...

Comecei a traduzir as histórias da Clarissa.

https://lh5.googleusercontent.com/-qg1R1PxOqjc/ThuuTJu9-eI/AAAAAAAAADA/mrwGsfC1j3E/clarissa1.png

Google Tradutor RULES

Quando acabar vou postar no meu blog pra que outros passem mal com os quadrinhos como eu passei.

Sceadugenga disse...

Belíssimo artigo, Amer. Leio seu blog desde 2008 e este foi um post especialmente tocante. Só uma pergunta: você tem facebook? Seria uma ótima maneira de espalhar esse post em especial e todos os outros. Cheers.

Eliel J. disse...

Cara quando penso num miseravel que faz esse tipo de coisa fico puto da vida. E ultimamente é constante as noticias sobre abuso de crianças.Impressionante seu artigo.

danielabrunner disse...

Você é grande, Amer. [7]
Isso me lembrou aquela história da mulher que tem trocentos filhos com o PAI DELA. E sei lá, pra mim é inconcebível que alguém simplesmente se "recupere" de uma merda dessas...

E sabe, isso que tu falou de prestarmos atenção nas nossas crianças é mais do que fundamental. Eu tive o meu filho com 17 anos. Hoje, ele tá com 6, e cara, ele é o meu melhor amigo. É curioso pra caramba, tem um bom gosto invejável, e eu procuro esclarecer, conforme puder, todas as dúvidas dele. Acho assim: ele tá crescendo, tá descobrindo as coisas agora. Enquanto ele não puder buscar as informações por conta própria, cabe aos pais essa tarefa. Então, me esforço pra fazer a minha parte.
Lamentável quem tem preguiça ou acha que criança só fala besteira...

E boa sorte aí Amer, tua pimpolha vai ter um paizão e tanto ^^

JP disse...

Também me sinto vazio agora, caramba...
A imagem que você postou dela no espelho dizendo que sabia de quem era a culpa estraçalhou meu coração...

Grande post, Amer.
Agradeço por apresentar uma pérola dessas pra nós, leitores. Sempre é bom ver uma história poderosa, com algo a dizer, por mais doloroso que seja.

Só tenho a agradecer, realmente...

Eddie disse...

Ler esse post foi como levar um soco no estômago. Nós estamos acostumados a fingir que coisas ruins não acontecem, ignorar quando acontecem e esquecer tudo o mais rápido possível. Mas certos problemas estão aí e precisamos fazer algo a respeito. Obrigado por me lembrar disso Amer. Abraço!

Thiago... disse...

É bom saber que nem todos nesse mundo fogem da Realidade...

JP disse...

Completando o Thiago, e é bom que há pessoas que te jogam essa realidade na cara...

Renê E. Sbrissa disse...

Amer, eu semper li o seu blog, desde o primeiro post te acompanho e adoro o seu jeito criativo e humorado de escrever, porém nunca escrevi aqui, por pura preguiça. Nesse post porém eu me vi obrigado a colocar algum comentário, pois você merece ser parabenizado por tomar tempo e divulgar essa situação que é muito, muito ruim e mais comum do que se pensa.
Eu sempre leio os posts no dia em que saem, porém este saiu no dia do meu aniversário (10/07) e infelizmente não entrei na internet...

Continue com o ótimo trabalho, meus parabéns e obrigado por compartilhar isso comigo.
Abraço.

Shouugo disse...

É, eu realmente fiquei... é foi assim que fiquei. Sou pai de uma menina e o bem estar dela sempre vem em 1° lugar pra mim, ela é o meu tesourinho e não consigo entender como ainda existem monstros por aí que conseguem fazer essas barbaridades com os próprios filhos, o ser humano é uma grande merda mesmo!

CaioBatatinha disse...

Amer não te conheço mais esse post me marcou vou começar a me preocupar mais com as crianças,Amer meus parabéns

Wess disse...

demorou pra postar mas quando voltou veio com esse post!parabens cara sou um grande fã seu!o problema que mesmo denunciando esses filhos da puta ficam 1 mes presos e depois estao soltos!Esse país eh uma merda!
Parabens cara um grande abraço

E.D.I disse...

e esse é o motivo por eu, apesar de não conhece-lo pessoalmente te admirar.

Texto muito comovente.

Hotaru Tomoe disse...

Não sei o que é pior a Pedofilia em sia, ou o fato dela ser praticada por pessoas próximas as das crianças abusadas. Um artigo simples que nos faz ter uma grande reflexão. Não sou a favor da pena de morte, mas eu acho que quem pratica uma monstruosidade dessas até merece.

Uall disse...

Melhor artigo do blog Amer, parabéns.

Você está vendo o anime recém lançado Usagi Drop? É sobre um solteirão de 30 anos que começa a criar uma garotinha. Recomendo muito.

Tchetchetchetche disse...

Você merece mais que um blog.
Além de vitória na vida, você merece uma filha orgulhosa de um excelente pai cronista/blogueiro!

Você sabia que o autor está fazendo uma referencia ao seu blog?

Parabéns dude!
Visite a página dele...

And Another Thing...
Clarissa Ruins the Internet
July 14th, 2011

A Portuguese Brazilian blogger has posted a long review of Clarissa titled ‘The Day I Met Clarissa” (linked and translated here). I haven’t seen anyone give Clarissa a detailed examination like this, so you might enjoy it.

Edoarda disse...

Amer... Sério, cara... Esse artigo foi simples, curto e direto ao ponto, e acredito que não havia meio melhor de transmitir a mensagem do jeito que você fez. É algo que infelizmente acontece, e também infelizmente pouca gente nota (ou faz alguma coisa). Também tive muita sorte de ter uma infância feliz, e também nunca conheci ninguém, nesse tipo de situação, mas... É uma época que você faz suas melhores memórias, imagina se o que deveria ser uma das épocas mais felizes da sua vida ser um lixo?

Antes, eu divulgava seu blog pelas coisas hilariantes que você escreve, mas agora parece que eu tenho um outro motivo para divulgá-lo.

Parabéns, cara. Parabéns. Você me fez pensar um pouco além da minha bolha de felicidade, verde e pôneis pra olhar a realidade. E aposto que fez o mesmo com muita gente. Obrigada.

blogdarisa disse...

Texto fantástico, Amer. Eu já conhecia os quadrinhos da Clarissa e fico feliz em ver que um homem tem uma opinião sensata sobre o abuso. Sabe, já li milhares de vezes comentários de homens dizendo que sofrer por abuso é "frescura" e que eles adorariam ser abusados - por mulheres, claro. Me poupe... será que não dá pra pensar mais profundamente nisso?

Seu blog é uma das poucas coisas que valem a pena ser lidas por aí, tanto pelo conteúdo dos seus posts como pela sua audiência, igualmente inteligente.

Um abraço e parabéns pelo trabalho!

Suze Dean. disse...

:'(

Jack, The Ripper disse...

Esse artigo me lembrou o quanto o mundo é fudido.

Há! disse...

Simplesmente, é inútil tentar entender do por quê tanta gente escrota trata abuso sexual como um "tabu".
Mas por mais que tenhamos perdido a esperança pelo mundo, eis que ele te da um tapa da cara e mostra que ainda existem pessoas admiráveis com ideologias ainda mais louváveis andando sobre a sua superfície fedida!

Parabéns Ammer, por ser uma dessas pessoas que, como você mesmo já disse, ainda não se deixaram vencer pelo cinismo do mundo.

Não foi necessariamente o seu post o responsável em nos alertar desse tipo de problema, pois dele todos já estávamos cientes; mas acredito que foram as suas palavras a nos ensinar o devido enfoque de importância que esse tipo de coisa deveria ter. Tá certo que só isso ainda não é metade da batalha, mas pelo menos, o início dela, o que significa muito.

Nana disse...

Olha, eu acho que nunca comentei no seu blog, mesmo acompanhando faz quase um ano mas... Enfim... Isso me fez pensar um pouco. Sabe, a História da Clarissa não é nem de longe a pior coisa que eu já vi na internet. Ao contrário, nem me mexi, mas eu sou muito sensível com uma coisa: Crianças

Porque caralhos uma pessoa (ou monstro, você decide como chamar) decide ter relações sexuais com uma criança? Pelo seu prazer? Pois então por favor ter prazer no inferno. E mais, se essa pessoa também sofreu abusos quando criança, eu acho que pelo menos EU tentaria ajudar crianças a não sofrer isso, e não FAZÊ-LAS passar por um inferno na terra. Eu vou admitir, minha infância não foi uma das mais felizes do mundo, e é uma das muitas fazes da minha vida que eu pretendo guardar numa caixa e não ouvir mais falar, mas isso me toca, porque eu vejo que coisas assim acontecem, são uma realidade. E o mais triste: Sempre vai existir, não há como tentar conter.

Assim, eu não tenho nada contra as taras e fetishes alheios, mas quando eles saem da cabeça das pessoas e se tornam reais, a coisa fica feia. Olha, eu já tive a brilhante idéia de juntar toda minha coragem e ver um site de pedofilia, e garanto que jamais farei algo tão estúpido. Sério, só um monstro consegue tirar prazer do sofrimento de um ser inocente.

Eu sou só uma marmanja criada a leite com pêra, com 17 anos, com meus draminhas adolescentes, mas muita história pra contar. Violência, pais colocando os filhos um contra os outros, masoquismo, deficiência na criação dos filhos. Tudo, ou quase tudo que podia acontecer de errado aconteceu, eu não me orgulho disso, e por isso jamais tentaria fazer o mesmo com alguém, a não ser que realmente fosse merecedor.

Outra coisa: AMA BOSTA DESSE TAMANHO, UMA HOMEM OU MULHER QUE ABUSA DE UMA CRIANÇA, TEM DE IR PRO INFERNO MESMO, SE ESSA BOSTA REALMENTE EXISTIR. E se existir, vou estar lá esperando, he. Vai rolar pau.

Cyber Woo disse...

Cara! impossivel não terminar de ler o post e não se sentir mal!

Infelizmente isso acontece mais do que pensamos!

E o tema abordado realmente é muito dificil de falar! Admiro você cada vez mais!

Marcinha disse...

Ei amer,pq nao faz sobre minecraft ow o carinha do sou foda? ia dar um bom artigo.

Reh KG disse...

Adorei seu blog, parabéns pelo sucesso! ME SEGUE LÁ (também é um Blog POP) REHKG.BLOGSPOT.COM

Dani. disse...

Amer, cara, você é o meu ídolo e herói!

Antes eu vinha aqui porque adorava seu humor e suas piadas, mas agora é pelo seu caráter!

Você merece uma filha sim, pois tenho certeza que será o melhor pai do mundo. Meus sinceros parabéns.

Raphael Soma disse...

Talvez isso tire um pouco do gosto amargo da boca. Já que tu adora a Nanako do Persona 4 achei que ia se interessar:

http://n-gothic.blogspot.com/2011/07/release-nanako-persona-4-yotsuba-doujin.html

Traduzi esse doujinshi (que é cômico, obviamente, e CLARO que não é CP) e ia postar no dia que tu postou o artigo. Resolvi esperar um pouquinho depois que li o seu post da Clarissa. Já conhecia, mas me deu um ruim de novo, pra variar.

Valeu pelo post Amer, tu aumentou ainda mais meu respeito por ti, apesar de discordar de uma pá de coisas (bobas, em maioria). É bom que mais gente tenha coragem de abordar esses temas que são a realidade, e DEVEM ser conhecidos e entendidos por todos.

Marília Jones disse...

Amer, man...
Uau.

Pzee disse...

Eu aconselho de assistir também Precious, também trata sobre o mesmo tema... eu tambem achei muito tenso... acontece a mesma coisa: a mãe culpa a filha pq o marido só quer transar com a filha; o pai engravida ela 2 vezes; e a mãe obriga a filha a comer coisas gordurosas na esperança que o pai não dê mais bola para a filha.
O resto eu não vou contar, mas também acontece outras coisas tensas no filme. recomendo muito
http://www.youtube.com/watch?v=3UeJD031qRc

Pando disse...

Hey Amer, não sei se você viu, mas no site Deep Fried, o tal Jason fez um post, ou menção, sei lá, sobre essa postagem que você fez sobre a Clarissa... Sei lá se alguem aqui nos comentários lhe disse isso, porque eu não li, mas whatever...

Robô Assassino disse...

Não tenho palavras para comentar sobre o post, você é um grande cara que adimiro muito.

Joseph disse...

Muito legal os quadrinhos, mas o link parece que nao tem todos os quadrinhos da Clarissa... Vc só tem esse link msm?
E mudando de assunto, parece que vc usou a desculpa de que próximo mês vai ser o mês do aranha para nao postar mais nada em Julho... Mês que vem é do aranha, mas esse mês nao é o mês do sr. vazio (ou é?)

Amer H. disse...

Eu ia postar mais coisa, mas ainda tou me acostumando a rotina do trabalho novo e bah golly, é cansativa.

Mas acho que a partir de Agosto, eu retomo um ritmo decente para este e pro blog de games.

Amer H. disse...

E tudo que já foi publicado de Clarissa tá nessa página. Tem uma que não foi terminada ainda.

Maria Antonia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Matthew disse...

(Apaguei o último post porquê ele era perguntando se o Amer tinha visto o artigo do cara, e agora já vi e pá. Ia falar alguma coisa, mas fiquei totalmente sem palavras ao ver o comentário acima, então... Yeah.)

Perpétuo e Infinito disse...

Inevitavelmente me lembra Clarisse, do Legião Urbana...

rafa de almada disse...

belíssimo e fortissimo trabalho. Bato palmas pra este artista por esfregar na cara dos outros uma cituação sordida que, infelizmente, é comum na nossa sociedade hipocrita!

lllllll disse...

Oiie
Como você tive uma infância maravilhosa, meus pais fizeram de tudo para que eu fosse uma garotinha feliz, e deu certo, eu e meu pai, sempre tivemos um laço de amizade e nunca, nunca mesmo ele ousou me tocar com outras intenções maldosas, e isso é o que eu chamo de pai.
Não consigo me ver no lugar da pobre Clarissa e de todas as outras, acho que você fez mas do que bem em postar esse artigo é algo que todos devem saber, e o melhor foi voce ensinar a como reconhecer esses sinais, e se um dia eu conhecer alguém que sofreu isso garanto que denuncio, nem que isso seja o fim da linha reta da minha vida.
Bom, por hoje é só, continue assim
Um beijão pra todos que leem meu comentário
-A.X.

vanessa disse...

Impressionante.
Essa é a primeira postagem que eu leio desse blog, e você conseguiu ganhar todo o meu respeito agora. Já tinha visto algumas dessas tirinhas por aí, mas ver a história inteira me deixou perturbada. Sério, fiquei com muito dó da Clarissa..

A história dos bichinhos de pelúcia foi tensa demais. E sua mensagem foi muito bem passada. É triste demais saber que existem tantas Clarissas pelo mundo afora.. Ter a infância e a inocência destruída desse jeito é algo inimaginável. E além disso, os pais deveriam ser o porto seguro das crianças. Se elas não podem confiar nem nos pais, em quem elas vão confiar? Dizem por aí "se alguém te tocar de modo estranho, conte imediatamente para os seus pais". Mas e quando são os pais da criança que estão fazendo isso, o que fazer? Sabe, eu tive uma infância maravilhosa. Assim como você, não tive amigos, mas não me importei muito com isso, já que eu sempre fui muito ligada com a minha família. Passei meus dias jogando video game com meus primos, brincando na rua, jogando bola, lendo livrinhos, tomando o café da tarde junto com minha avó, enfim, não posso reclamar de todo o carinho que recebi durante minha vida toda.

Tenho muita dificuldade em fazer amizades, mas sabe, não ligo muito pra isso, não ligo mesmo. Por que? Porque tenho uma boa família, e isso já basta. Acredito que isso é o essencial para fazer qualquer pessoa feliz. Fico pensando.. Por mais que "salvem" essas "Clarissas" das garras dos pais, para onde elas vão correr depois? Se a família não é boa (sabe dos abusos do pai dela e não fazem nada), ela vai ficar sozinha.. E acredito que esses traumas de infância nunca são apagados, nunca são esquecidos. Se vão transformar a vida da criança num inferno, pra que ter filhos? Não consigo entender tamanha crueldade.

Related Posts with Thumbnails