domingo, 31 de julho de 2011

Crítica do Amer: Captain America: Super Soldier


Então, o filme do Capitão America chegou aos cinemas e é excelente. Uma das melhores histórias de super herói dos últimos anos.

Como não poderia deixar de ser, um game feito pra aproveitar o embalo do filme também foi produzido e acabou de aterrissar nas lojas. Agora, eu sei o que você está pensando: “Mas deve ser uma bosta oportunista, feita pra arrancar a grana de vovós desavisadas e crianças tontas com elefantíase.”

Admito que fiquei com um pé atrás quando ouvi falar deste game pela primeira vez. Ok, as fotos não pareciam ruins, os vídeos muito menos e haviam rumores de que a jogabilidade era inspirada em Batman: Arkham Asylum. Se você quer copiar o estilo de um jogo com super herói, não há escolha melhor do que essa.

Mesmo assim, Captain America: Super Soldier é baseado em um filme e a regra diz que isso nunca acaba bem.

Bom, toda regra possui algumas exceções e esta é uma delas.


Diferente de muitos games que tentam recriar a história de um filme passo por passo, Captain America: Super Soldier usa uma abordagem bastante criativa para mover seu enredo.

No filme, há uma montagem de cenas que mostra o Capitão e seus soldados destruindo inúmeras bases de HYDRA. Nada é mostrado em grandes detalhes, vemos apenas o suficiente para saber que o Caveira Vermelha está tendo a bunda chutada de forma fenomenal.

Pois bem, o game nada mais é que um destes ataques a uma base da HYDRA. Sua história faz parte do filme, sem nos obrigar a rever tudo aquilo que já assistimos quando fomos ao cinema.

Desta forma, os produtores puderam tomar algumas liberdades e apresentar personagens dos quadrinhos que não foram transcritos para o cinema. Existem inúmeras menções ao Barão Zemo e temos a oportunidade de lutar contra a (incrivelmente sexy) Madame Hydra. O Caveira Vermelha aparece, embora o foco principal da narrativa não esteja nele, mas sim em seus subalternos.

E é basicamente isso, não há uma história profunda e cheia de significado no game, apenas um ataque dos Aliados a uma base Alemã na Segunda Guerra. Pode parecer pouco, mas isso sempre nos bastou quando jogávamos Call of Duty ou Medal of Honor.

Aliás, esses games nem tem Capitão America, o que já conta pontos a menos pra mim.


A apresentação do game tem pontos altos e baixos, ambos muito claros. Falemos um pouco deles.

Os modelos dos personagens são bem construidos, mas as texturas deixam a desejar no caso de alguns personagens. Capitão América, Madame Hydra e vários capangas possuem texturas muito boas, o que não acontece com Bucky Barnes, Dum Dum Duggan e diversos outros que tem pouco tempo de tela.

Considerando que este game foi produzido para ser lançado junto de um filme, podemos deduzir que seus programadores preferiram dedicar mais tempo a construir os personagens que apareceriam mais na história e deram atenção reduzida aos que fariam apenas pontas. É compreensível, mas meio inaceitável hoje em dia.

A animação dos personagens também tem qualidade inconstante. O Capitão corre de um jeito meio estranho, algo difícil de ignorar quando passamos 10 horas seguidas com o personagem, e muitos de seus ataques não passam o impacto que seria natural para alguem com super força. Os movimentos acrobáticos do Capitão America, no entanto, são bastante fluidos e demonstram de forma muito natural suas habilidades atléticas.

Os inimigos também possuem falhas claras em sua movimentação, especialmente quando são levados a nocaute e tombam de uma forma totalmente artificial, como se fossem bonecões feitos de sacos de farinha.

O som é outro ponto que merecia um pouco mais de atenção. Efeitos sonoros são adequados e bem usados, mas a música do jogo (quando ela está presente) é totalmente imperceptível e dispensável. Não há um tema sequer que vá ficar na sua cabeça quando terminar uma partida.

A dublagem é em sua maior parte bem feita, com atores que já possuem experiência em emprestarem suas vozes para games. O problema maior está em Chris Evans, que está totalmente sem inspiração ao reprisar seu papel como Steve Rogers.

Talvez ele já estivesse de saco cheio de fazer o personagem ou simplesmente não tenha curtido muito o processo de dublagem. Mas se Hugh Jackman conseguiu fazer um bom trabalho em X-Men Origins: Wolverine, Evans podia ter se dedicado um pouco mais também.

Já é dificil defender o Capitão America dos fanboys do Wolverine, não é como se precisássemos de mais esse obstáculo.


Quanto à jogabilidade, os boatos eram verdadeiros, este game copia descaradamente Batman Arkham Asylum. Acreditem ou não, foi a melhor coisa que seus programadores poderiam ter feito.

Captain America: Super Soldier tem um mundo enorme a ser explorado, a base da HYDRA é dividida em inúmeras áreas diferentes, há uma mansão, um laboratório, uma prisão entre outras. Todos os locais são interligados e podem ser visitados livremente, embora seja preciso destravar cada uma delas através de progresso no jogo primeiro.

Todos os objetivos estão claramente marcados no mapa, desde a próxima missão a cada um dos colecionáveis. Há um bocado de coisas para se coletar neste jogo, mas todas podem ser facilmente encontradas, o que é um alívio para quem gosta de completar um game 100%, mas simplesmente não tem o tempo necessário para tal.

Existem diversos momentos de ação em plataformas, mas são bastante simples. O game mostra exatamente para onde é preciso saltar e mesmo quando isso não acontece, é fácil deduzir qual seu próximo passo. Os movimentos acrobáticos do Capitão America não requerem pouco mais que pressionar um botão, o que pode decepcionar aqueles que buscam algo mais complexo e desafiador.

O combate é disparado a parte mais satisfatória deste game. O Capitão possui um bom número de ataques, movimentos de esquiva e contra golpes, que podem ser misturados ao gosto do jogador. Como resultado, é possível emendar longas e belíssimas sequências de combos em seus inimigos.

Existe uma barra de especial também, segmentada em quatro níveis e que é preenchida conforme se espanca os inimigos ou se apanha deles, cada nível desta barra permite utilizá-lo um movimento especial diferente, como um golpe especial forte o suficiente para derrubar a maioria dos oponentes, a habilidade de nocautear um adversário e utilizar sua arma contra os outros, ou simplesmente deixar o Capitão invencível e com o dobro da força por um breve período de tempo.

Seu escudo é também parte pivotal dos combates. É possível rebater qualquer tipo de projétil disparado em sua direção, “programá-lo” para atingir inimigos específicos em sucessão, ou simplesmente arremessá-lo feito um doido contra um pelotão de adversários e ver o que acontece. De uma forma ou de outra, é divertido pra diabo brincar com ele.

É possível comprar alguns upgrades também, através de pontos acumulados sempre que se derrota inimigos ou quando se encontra um colecionável. As novas habilidades aumentam ainda mais o poder de destruição do Capitão America, que torna-se uma máquina de guerra infalível uma vez que se aprende a controlá-lo.

Há um Challenge Mode também, com diversas missões curtas que devem ser completadas em tempo limitado. Tais desafios o colocam em situações de combate ou acrobacias bastante similares as do jogo normal e podem ser resolvidas sem grandes dificuldades.

Dito isso, tenha em mente que Captain America: Super Soldier é um jogo bastante fácil, possivelmente desenvolvido tendo em mente a garotada que se empolgaria com o filme e correria para comprar o game. Jogadores ultra hardcore atrás de um desafio maior deveriam passar longe deste título.

Por outro lado, sujeitos obcecados por Achievements/Trophies tem uma excelente pedida aqui, uma vez que este é um dos games mais fáceis da atualidade de se completar todos os desafios. Em dois dias é possível conquistar tudo que há neste título, sem que seja necessária uma dose inumana de esforço.


Captain America: Super Soldier é uma boa surpresa. Não vai se tornar um dos games mais memoráveis de todos os tempos e grande parte das pessoas talvez prefira deixá-lo passar, mas aqueles que gostam de super heróis e buscam um jogo de ação divertido e simples, encontrarão uma boa diversão aqui.

AVANTE VINGADORES!!!

...

Tá bom, ainda falta um ano, mas eu posso me empolgar desde já, não?

...

Ahhh, vá pular no lago!

Cheers!!!

9 comentários:

Warnius! disse...

...Se fosse o capitão mensalão eu jogava,vc vai fazer o review de catherine?

Caio Catarino disse...

AMERICA FUCK YEAH!

Eu me decepcionei pra caramba com os jogos do Homem de Ferro e do Thor, bom saber que o Capitão escapou da clássica maldição dos games baseados em filmes.

Matt Harrison disse...

Estava totalmente indiferente quanto a esse jogo, mas depois de ler que o esquema de combate é parecido com o de Batman AA, me interessei.

Damn you, Amer! Estou desempregado!

Avalanche(Lance) disse...

"Os inimigos também possuem falhas claras em sua movimentação, especialmente quando são levados a nocaute e tombam de uma forma totalmente artificial, como se fossem bonecões feitos de sacos de farinha."

Esse pr amim é o ponto baixo do Batman, e um problema maior já qu esmepre se encerra com camera lenta.

juninho-ad disse...

*ainda rindo do capitão mensalão*

Poxa, esse review ficou bacana, e sim é um grande feito escapar da maldição dos jogos ruins de filmes.

De fato muito boa a postagem Amer.

Mas ainda quero ver reviews seu sobre Guilty Gear ou jogos de luta menos conhecidos ^^

Old_Nash disse...

Caio, se vc se decepcionou com esses jogos baseados em filme.
Não jogue o do Lanterna, cara é uma merda.
Parece com os Batman Forever do Snes e MD

Matheus.Teixeira disse...

quero ver mais gameplays no youtube antes de adiquiri-lo.

e valeu pela dica de "salvar" o game shadow of the damned no HDD, melhorou as texturas. (pelo menos eu achei)

pedido: acho que catherine seria legal xD

Victor disse...

O artigo ficou ótimo!
Eu ia fazer a mesma pergunta do 'Warnius!' e do Matheus. Teixeira: você pretende fazer um review de Catherine? *-*

Gabriel // zGABRIELz disse...

ViperMu – Servidor de Mu Online Season 4 – Há 3 anos online!

Não conhece ainda a qualidade do ViperMu?

Servidor fácil com 3 anos de tradição, sem lag, melhor anti-hack do Brasil e garantia de diversão, amizade e qualidade! Hospedado no Brasil, com ping médio de 20 ms. Esperando o que para se cadastrar? Acesse agora mesmo: www.vipermu.net

»Nome: ViperMu / 24h Online
»Versão: 1.05D+ Season 4
»Experiência: 10.000x
»Média de players On-Line: 700
»Drop: 100%
» BugBless: /zen
»Reset: Acumulativo
»Eventos Online: Castle Siege, ChaosCastle, DevilSquare, Ilusion temple, Crywolf entre outros.
» Eventos todos os dias com premições ( Ítens full ).
»Cadastre-se e ganhe 7 dias de Vip Gold
»A cada char criado você ganha set e armas full iniciantes para ele.
»Sistema de Master Resets valendo Gold's !

Visite também nosso fórum: http://forum.vipermu.net/

Lembrando que nosso fórum sempre traz eventos valendo Cash's e muitos outro beneficios.

Atenciosamente,
lHaDeSl