quarta-feira, 24 de março de 2010

Mês do Sakaguchi: A história de Final Fantasy - Parte 4


E cá estamos com o quarto artigo do mês, onde discutirei os quatro últimos games numerados da série.

Antes que alguém fale algo, o último artigo da série será totalmente dedicado aos Spin-Offs da série, então os fãs de Final Fantasy Tactics podem ficar tranqüilos, mmmmkay?

Muito bem, o PsOne ficou para trás, assim como a era de ouro da Squaresoft. Não mais teríamos avalanches de jogos fantásticos como Chrono Cross, Parasite Eve e Xenogears, em vez disso, veríamos uma exploração infinita de Final Fantasy VII e uma união de Final Fantasy e Disney que surpreendentemente deu certo.

Nesta época, o mundo dos games começava a mudar: Sony era a dona indisputável do mercado, Nintendo começava a perder gás, Sega anunciou que se retiraria do mercado de Hardware e dedicaria apenas a fazer jogos (e prostituir o Sonic) e a Microsoft entrava no mercado com seu Xbox, console que pesava mais do que algumas pessoas.

E muita gente se lembra das dores de cabeça que o Ps2 dava nessa época, com seus leitores que desalinhavam o tempo todo. Era muito parecido com o problema das Três luzes vermelhas que vemos no Xbox 360 hoje... se bem que atualmente as pessoas reclamam e fazem mais birra que naqueles tempos.

Seja como for, após Metal Gear Solid 2, Onimusha e Ico (como se alguém tivesse jogado), os donos de Ps2 estavam ansiosos por um Final Fantasy. Até o momento, a Squaresoft só havia lançado The Bouncer, um Beat’em Up maisoumeno para o console. Quando veríamos uma continuação para a saga que cativou milhões de pessoas ao redor do mundo?

Resposta: em 2002.


Final Fantasy X não foi apenas o primeiro game da série para o Ps2, como também foi o primeiro a iniciar várias outras tradições na série.

Foi o primeiro Final Fantasy a ter diálogos falados, até então, nenhum game da série tinha se dado a este luxo, mesmo que três deles tenham nascido na geração dos CD’s.

Foi também o primeiro numa série de experimentos. Deste game em diante, todos os jogos da série são gritantemente diferentes um do outro, com novos sistemas de evolução, combate e progressão da história. Nunca mais teríamos jogos com mecânicas semelhantes, como aconteceu com a série do I ao VI.

Finalmente, este foi o game que iniciou a tradição dos fãs de reclamar, reclamar e reclamar mais um pouco durante os meses posteriores ao lançamento do jogo, para depois esquecerem de tudo, o tratarem como um produto impecável e começarem a se preparar para reclamar do próximo título da série.

Mas estou me adiantando, vamos conhecer os personagens.



O primeiro a conhecermos aqui é Tidus, astro de Blitzball da cidade de Zanarkand. Uma bela noite, durante uma partida de Blitzball, a metrópole futurista onde o rapaz vivia é atacada pela aberração Sin.

Zanarkand é destruída, Tidus é arremessado mil anos no futuro em uma época onde sua cidade não passa de uma pilha de escombros e seu time perde a partida por desistência, o que eu acho que não era sua maior preocupação no momento.

No mundo do futuro, que curiosamente parece mais primitivo (efeito Planeta dos Macacos, talvez?), Tidus conhece uma japonesa extremamente gracinha com um olho de cada cor...



... que é ninguém menos que Yuna.

Muito bem, pare de olhar para os peitos da Lulu por um minuto, sim? Preste atenção na Yuna por enquanto.

Pois então, Yuna é uma Summoner que precisa partir em uma peregrinação para conseguir os poderes dos Aeons sagrados (como as Summons são conhecidas neste game) e ter o direito de evocar o Final Aeon para derrotar Sin.

Sim, Sin.

...

Eu juro que isso saiu sem querer.

Mas então, o mesmo Sin que destruiu a cidade de Tidus no começo do game continua com seu círculo de destruição aqui. Após um número fixo de anos, ele ressurge, praticamente destrói toda a civilização e precisa ser “nocauteado” por um Summoner e seu grupo de aliados valorosos.

O pai de Yuna foi o último a nocautear o bicho (com a ajuda do pai de Tidus e de mais um camarada) e cabe a esta doce menina reviver a aventura de seu pai.

Agora, eu não sei como dizer isso sem parecer um babaca racista, mas... bem... Tidus e Yuna são o primeiro casal de Final Fantasy com feições definitivamente japonesas.

Final Fantasy sempre teve um pé no oriente, com personagens como Edge e Rinoa, mas seus protagonistas eram definitivamente ocidentais. Cloud é loiro de olhos verdes, pelo amor de Benji.

Já aqui, o casal principal parece que foi retirado de uma daquelas novelas estudantis que abarrotam a programação da NHK.

Isso obviamente não é um problema, mas Tidus se parece muito com um Japonês babaca que trabalhava em uma locadora e sempre quebrava as minhas pernas e as dos meus amigos quando decidíamos comprar games com ele. É difícil levar o herói de um game a sério quando ele lembra alguém que quisemos esfaquear nos olhos inúmeras vezes.

Agora que tirei isso do peito, devo dizer que gosto muito do elenco de Final Fantasy X.



Tidus é o típico personagem “HOORAY!!! NÓS PODEMOS VENCER, BASTA SERMOS OTIMISTAS E ACREDITARMOS NISSO! VIVA!!!”, enquanto Yuna é uma garota mais tímida e recatada, algo que vem mais de suas obrigações como Summoner do que de sua personalidade propriamente dita (algo que veríamos claramente em Final Fantasy X-2... urgh).

Lógico, rola um romance entre os dois, mas vou te contar, pela primeira vez temos um relacionamento sendo tratado de uma forma razoavelmente adulta em um game da série.

E sabe o que mais? Tidus e Yuna combinam!

Final Fantasy sempre colocou personalidades opostas em seus pares românticos, o que criou alguns relacionamentos pouco críveis. Squall e Rinoa por exemplo (e lá vou eu de novo) são polares opostos, ele é cheio de angústia e ela é mais animada e feliz que o Butters.

Lamento dizer, mas os opostos não se atraem na vida real. Uma garota que curte balada, festas e ressacas não se sentiria sexualmente atraída por mim ao me ver saindo de uma Ri Happy Brinquedos com sacolas cheias de Transformers.

Tidus e Yuna são jovens razoavelmente normais, extremamente talentosos em suas áreas de trabalho (ele o esporte e ala o poder de evocar Aeons), que precisam trilhar o mesmo caminho de seus pais enquanto tentam sair da sombra deles e descobrirem seu valor como indivíduos.

Em uma cena, Yuna simplesmente desmorona e chora, por não agüentar mais o peso da responsabilidade que está em seus ombros, o que é uma mudança muito bem vinda do tradicional estoicismo dos personagens japoneses, que encaram o Armageddon como se fosse um mero peido que alguém soltou no elevador.

Aliás, o jogo gira 180º no tocante a posição de homens e mulheres e coloca Yuna como a protagonista principal. ELA quem faz a peregrinação, ELA quem tem a missão de nocautear Sin, ELA quem vai fazer todo o trabalho pesado. Tidus simplesmente a acompanha e providencia para que nada de ruim lhe aconteça.

Como se uma pessoa capaz de evocar o Bahamut precisasse de proteção, mas o que eu sei?

É interessante ver este tipo de inversão de papéis na série e aparentemente deu certo. Mais mulheres se tornaram as protagonistas nos jogos seguintes.

Também temos Lulu, a Black Mage peituda que cuida de Yuna como uma irmã mais velha e que usa um vestido gótico pesado mesmo morando a beira da praia, Wakka, um jogador de Blitzball tonto e bem intencionado que usa o cabelo de uma forma que deveria ser considerada ilegal, Auron, o parceiro de peregrinação de Braska e Jetch (os pais de Yuna e Tidus, respectivamente) e talvez o velho mais durão da série, Kihmari, que é a versão de Final Fantasy de Chewbacca e Rikku, prima de Yuna e obrigatória adolescente espevitada do game.

O elenco é bem variado, dá algumas bolas fora, mas no geral não decepciona. O único problema do jogo é sua dublagem, que está longe de ser perfeita.

Infelizmente, Final Fantasy X foi lançado em uma época em que ainda não havia acontecido o "Boom" do Anime dos Estados Unidos e nenhuma produção vinda do Japão era tratada com o respeito merecido. Desta forma, a dublagem de muitos Animes (ou produtos que se assemelhassem a eles, como é o caso deste game) ficavam com um padrão de qualidade baixíssimo.

Agora, a dublagem de FF X não é ruim como certas outras coisas da época (Músculo Total por exemplo, que recebeu uma dublagem igualmente ruim aqui no Brasil), mas peca gravemente em dois personagens: Tidus e Yuna.

Uma coisa é um coadjuvante mal dublado, outra são os dois protagonistas. Tidus soa como um surfista imbecil de Rocket Power e Yuna... bem, parece que sua atriz estava com vergonha de interpretar nas sessões de dublagem.

Onde está Orlando Drummond quando se precisa dele?

Agora, vamos discutir um pouco o sistema de evolução do game, as Summons e o Blitzball.


O jogo abandona o sistema de pontos de experiência em prol do sistema de Grids.

“Mas que porra é essa, Halley?”

Basicamente, é uma grande rede com bolinhas e cada uma delas representa um atributo, habilidade, magia ou técnica que o personagem pode aprender. Sempre que derrotar inimigos, ganhará pontos para gastar no Grid e cada “bolinha” é acessada com um ponto.

É bastante simples, embora minha explicação não tenha ajudado muito.

Cada personagem começa em um Grid com habilidades específicas, o de Tidus é focado em velocidade, o de Auron em força e por aí vai. Os personagens podem eventualmente passar para os Grids uns dos outros para fortalecerem seus pontos fracos, Auron pode usar o Grid de Tidus para aumentar sua baixa velocidade.

Um jogador excepcionalmente paciente pode completar todos os Grids com todos os personagens, criando um grupo de personagens tão poderosos que poderiam chutar a bunda do Superman e do Hulk e depois comerem a bunda dos dois sem derramar uma gota de suor.

Eu consegui maximizar todas as habilidades do grupo e me custou apenas 225 horas!

...

Concordo com vocês, eu desperdicei minha vida.

Mas esta não foi a única mudança do jogo, o sistema de Summons também é diferente. Ao invés das criaturas evocadas simplesmente dispararem um ataque poderoso e irem embora, elas lutam no lugar do grupo.

É um sistema eficiente para enfraquecer os chefes e pra salvar a bunda de seu time. Contra chefes extremamente poderosos, é sempre bom colocar um Bahamut para agüentar o tranco e ter assim a chance de recuperar o fôlego.

Quando paramos pra pensar... Yuna é praticamente uma treinadora Pokémon. Ia ser muito legal vê-la chamando o Ifrit pra pulverizar aquele bosta do Ash!

Ash de merda! Sou muito mais a May!

E agora vamos falar do Blitzball! É como um Handebol submarino, onde o uso de golpes sujos que deixem os outros jogadores inconscientes é totalmente permitido.

É mais fácil você assistir.

E sabe o que mais? A melhor arma de Wakka e seus melhores poderes são ganhos como prêmios por torneios de Blitzball, então, caso queira maximizar o potencial de todos os membros do grupo, é bom se preparar para ficar pelo menos 15 horas direto de partidas deste esporte..

Como eu já disse antes... desperdicei minha vida.

E há toda uma customização de times no Blitzball, é possível contratar jogadores de outras equipes e tudo mais, mas não é nada de especial. Imagine Winning Eleven com menos Ronaldo e mais concussões, é mais ou menos por aí.



Aliás, mencionei que foi com este game que se iniciou a tradição anual dos fãs de reclamarem feito um bando de putas com cada game novo da série, certo? Pois aqui, eles reclamaram da linearidade do jogo.

Em um determinado ponto da produção do jogo, Sakaguchi anunciou que não existiria mais um mapa onde versões menores dos personagens procurariam por maquetes representando as cidades para então entrar nelas. A peregrinação de Yuna seria feito em tempo real, através de uma trilha muito real ligando todas as cidades e lugares do jogo.

Os fãs ficaram enfurecidos e com sede de sangue, eles exigiam a cabeça de Sakaguchi. O pai de Final Fantasy fez o mesmo que qualquer um nessa situação e jogou o Assistente Jiban para ser despedaçado pela turba furiosa, que voltou para casa satisfeita e foi assistir um pouco de Hentai para acalmar os nervos.

O negócio é que a partir deste game, os fãs sempre encontram algo para reclamar dos jogos da franquia, então falam, falam, falam, enchem fóruns de mensagens, malham o jogo aos quatro ventos e para quem quiser ouvir... e um ano depois, esquecem tudo isso e enaltecem o game como sendo “um dos melhores de todos os tempos.”

Ok, tempo.

Se os defeitos de um game podem ser ignorados após um certo espaço de tempo, é porque não são graves e não prejudicam a diversão. Isso demonstra que as reclamações dos fãs são baseadas unicamente em viadagem de merda!!!!!

Eu malhei a escolha de Hideo Kojima em tornar Raiden o protagonista de Metal gear Solid 2 e continuo o fazendo até hoje. Substituir Snake por Raiden foi uma péssima idéia e eu mantenho isso, mesmo que não tenha me impedido de aproveitar o jogo.

Seria bom se os fãs pensassem um pouco antes de começarem a agir feito dois travestis da Praça da Sé brigando por um ponto, mas acho que é pedir demais.



Final Fantasy X é um grande game, um pouco simples talvez, mas muito bom de qualquer forma.

É também o primeiro título da franquia onde a narrativa da história é mais importante que o Grinding. Digo, evoluir o grupo ainda é necessário, mas não é uma necessidade vital, é possível derrotar os chefes finais com um grupo de nivel mediano.

Prova disso é a dificuldade estúpida para se conseguir os itens mais poderosos do game, como as Ultimate Weapons e as Summons derradeiras de Yuna. Elas estão lá e te ajudam a dar um chutamento de bunda federal nos inimigos, mas existem mais como uma prova de que o jogador teve bolas de passar pelas provações necessárias para adquiri-las do que qualquer coisa.

Eu juro, soltei lágrimas de ódio e frustração na hora de conseguir a arma definitiva de Kihmari.

E olha que eu nem comecei a falar dos super chefes, muitos deles com um HP total que chegava a casa dos 4 milhões e que só podiam ser derrotados por grupos com todas as Ultimate Weapons, todos os poderes e atributos no máximo, e com a técnica da Fusão em Super Sayajin 4.

Pois é, eu teria aproveitado melhor meu tempo lendo, praticando esportes ou namorando aquela ruivinha linda que um dia, por motivos inexplicáveis, gostou de mim.

Pois bem, o tempo passou, a internet se tornou uma peça chave no mundo dos games e a Squaresoft decidiu aproveitar este filão com...



... Final Fantasy XI.

O que acabou sendo uma péssima idéia.

Agora vejam, nada tenho contra jogos online, nem mesmo MMORPG’s (ou “Mahmorpagahs”, como diria o Yahtzee), mas pegar um game online sem vinculação com a série principal e lhe dar um número... é uma idéia imbecil.

Quando a Sega resolveu transformar sua franquia chefe de JRPG em um Mahmorpagah, eles não lançaram um game chamado “Phantasy Star V”, preferiram batizá-lo de Phantasy Star Online. Acredito que teria sido muito mais proveitoso para a Squaresoft se tivessem feito o mesmo.

Evitaria aos colecionadores da série que não tem interesse na parte Online de ficarem com um buraco em suas coleções... mas agora já foi.

Muito bem então, o que tenho a dizer sobre este game?

Não muito, eu nunca o joguei, tampouco faço questão. Não gosto de Mahmorpagahs.



“Mas Habley, isso tira toda a credibilidade jornalística do seu texto, você já pensou nisso?”

Que credibilidade jornalística??? Se eu estivesse escrevendo este artigo pela credibilidade, teria feito uma pesquisa dez vezes mais séria e não encheria o texto de palavrões.

Ora, bucefalismos da porra!

Mas enfim, meu PC não aguenta este jogo (acho que meu PC só aguenta simuladores de encontro Hentai e Grim Fandango, e já tá muito bom pra mim), nunca me interessei em jogar Online com o Ps2 e quando adquiri o Xbox 360, a febre por este jogo já havia esfriado há muito tempo. Desta forma o deixei passar.

Mas não ouvi coisas muito boas a seu respeito. Antes de crucificá-lo no entanto, elogiarei aquilo que eu sei que o jogo faz bem.

Final Fantasy XI é o Mahmorpagah mais jogado do Japão e é o game mais jogado do gênero, a vir da Terra do Sol Nascente. Bastante impressionante, considerando que ele está concorrendo com pesos pesados como World of Warcraft e Age of Conan.

E o game é bem grande, jogadores devotados narram que o mundo aqui representado é tremendamente extenso e que as distâncias são muito realistas, o que é bom para algo que se deve jogar 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Sim, você leu bem. Final Fantasy XI precisa de devoção total e completa. E por quê? Porque é difícil feito a peste!

Muitos jogadores relatam que este game é infestado de inimigos que podem vaporizar sua equipe de personagens sem muito esforço. A solução para isso é passar um bom tempo evoluindo a equipe enfrentando criaturas mais fracas.

E eu não estou falando de duas ou três horas de jogo, falo de QUATRO OU CINCO DIAS!!!

Mesmo assim, há uma chance de que os personagens morram em combate... provavelmente por causa de um cuzão que desconectou assim que percebeu que a batalha estava perdida, o que desfalcou ainda mais o grupo.

E sempre que morre, você perde um nível. Se estava jogando com um Warrior de Level 50, assim que foi derrotado, ele regrediu ao Level 49. Não seria tão ruim se o jogador não tivesse passado QUATRO MALDITOS DIAS evoluindo o personagem e precisasse agora passar MAIS QUATRO MALDITOS DIAS repetindo tudo.

Quanto ao cuzão que desfalcou o grupo... bem, este é o maior mal dos Mahmorpagahs em minha opinião. Seu grupo não é controlado pelo sempre confiável, mesmo que as vezes falho, computador, nada disso, por trás de seus colegas estão humanos... humanos imprevisíveis, irritantes e mesquinhos.

Então o game é infestado de caras em nível altíssimo que estragam a diversão dos outros jogadores, sujeitos que fingem ser mulheres pra conseguir itens, cretinos que aproveitam-se do anonimato para disparar comentários racistas, o já mencionado jogador cobvarde que desconecta da partida quando percebe que vai morrer e por aí vai.

“Mas Amblim, a graça de MMORPG’s é jogar com os amigos, ninguém nunca te ensinou isso?”

Sim, concordo que seria o ideal, mas é mais fácil fazer isso se você é mais jovem. Concordo que se eu tivesse quinze anos, estaria jogando este game até o cu fazer bico e o acharia a maior diversão de minha vida... mas o fato é que não tenho mais quinze anos, eu trabalho, tenho responsabilidades e pouco tempo de sobra.

Um cara com trinta anos que jogue Final Fantasy XI dificilmente conseguirá reunir os amigos todos os dias no mesmo horário para “Grindar”. Se o fizer... bem... está na hora dele e de sua turma começarem a procurar empregos, porque assim não dá.



Pois bem, não joguei este game e todas as minhas opiniões a respeito são baseadas no que li em relatos de outras pessoas.

Fãs devotados de Final Fantasy XI podem achar que estou errado e perdendo um bocado em não dar uma chance a este título, mas acredito que batalhas de 18 horas contra UM único chefe não valem a pena.

E agora, vamos para Final Fantasy XII...



... que ironicamente parece um MMORPG offline.

Mas falarei mais disso daqui a pouco, quero contar uma história bastante interessante sobre o desenvolvimento deste game antes.

Primeiro, Final Fantasy XII ficou cinco anos em produção e custou 35 milhões de dólares a Square.

Segundo, este foi o primeiro game da série a não ter a participação de Sakaguchi, que graciosamente se retirou da empresa pouco antes do início de seu desenvolvimento.

Claro, isso é uma maneira gentil de dizer que ele foi demitido, afinal de contas, seu filme Final Fantasy: The Spirits Within, causou um prejuízo de quase 100 milhões de dólares a empresa quando fracassou nas bilheterias.

O que não é surpresa, o filme é mais chato do que assistir uma idosa entupida de calmantes tomando conta de um jabuti enquanto escuta um CD do Phil Collins. Eu assisti essa bomba no cinema e a única coisa que me manteve acordado pela sua uma hora e meia de duração foi o teaser de Homem Aranha que veio antes.

Sem Sakaguchi (e o assistente Jiraya, substituto de Jiban após sua morte), a escolha ideal teria sido Yoshinori Kitase, que trabalhou em diversas funções ao longo da série e era praticamente o braço direito de Sakaguchi. Infelizmente, ele estava ocupado com Kingdom Hearts, tentando fazer Sephiroth confrontar Donald e Pateta sem que ficasse uma cena ridícula (P.S: Missão cumprida).

Outros caras de carreira da Square não estavam disponíveis e a missão de produzir o décimo segundo game da franquia caiu sobre os ombros competentes de Yasumi Matsuno, responsável por Final Fantasy Tactics e Vagrant Story.

E tudo parecia ir bem, Final Fantasy XII estava em mãos extremamente capazes e toda a grana injetada nele com certeza faria com que o resultado final fosse impecável.

Um belo dia, Matsuno teve um colapso nervoso.

Os motivos nunca foram divulgados para o público (a própria Square nunca assumiu que isso aconteceu), mas acredito que ele era forçado a trabalhar em turnos de 36 horas, como os agentes da MiB, mas não se acostumou e pegou fogo enquanto decidia o que almoçar.

Para substitui-lo, foram trazidos um diretor de arte, um designer de do sistema de batalhas da série e Akitoshi Kawazu, que trabalhou em games memoráveis (nível de sarcasmo aumentando) como Final Fantasy II e Legend of Mana e que em uma entrevista, reconheceu que nenhum dos games em que trabalhou eram considerados bons.

Mas de alguma forma (acredito que através de um pacto com Odin), o game saiu e foi considerado um dos melhores JRPG’s de todos os tempos. Até hoje nos perguntamos como o Ps2 consegue gerar os gráficos deste jogo sem explodir em um cogumelo nuclear.

Mesmo assim, a nada sutil “troca da guarda” durante a produção do game deixou marcas indeléveis nele, que podem ser notadas pelo enredo mesmo.



O protagonista do game é Vahn...



... exceto que ele não é o protagonista de verdade.

Assim como em Final Fantasy Tactics, o enredo é muito focado em política e tramas para derrubar um governo através de estratégia real e bem pensada.

Algo que bate de frente com aquilo que costumamos ver na série principal de Final Fantasy.

A história gira ao redor de Ashe, única herdeira do trono de Dalmasca e que busca derrubar o império de Archadea para reaver aquilo que é seu por direito. Ela não o faz buscando a ajuda de seres sobrenaturais, mas forjando alianças com representantes de outros governos que vêem vantagens no retorno de Ashe ao trono.

Jogar com uma princesa seria estranho (ou assim acredito que os engravatados machistas da Square pensam) então o título de protagonista caiu sobre Barsch, soldado acusado da morte do pai de Ashe, mas que obviamente é inocente. Assim que é libertado, ele retoma seu dever de proteger a família real e dedica-se a ver sua princesa de volta ao trono.

Se quiser minha opinião, é uma motivação muito boa para um protagonista. Um cavaleiro honrado, que mesmo injustiçado decide cumprir seu dever? Perfeito!

Só tem um problema... Barsch tem 36 anos, praticamente um velho caquético para o público japonês tão obcecado por “Pretty Boys” e personagens andróginos.

... imagino que quando os japoneses vêem o Clint Eastwood, eles tem pesadelos por semanas.

Assim sendo, Vahn, o adolescente sem muito a dizer e tão maduro quanto o Moderninho, tomou o lugar de Barsch como protagonista e personagem que estamparia a capa do game.

Infelizmente, a mudança não foi feita direito e Vahn se torna mera parte da mobília depois que todo o grupo está reunido. Todos os integrantes são mais maduros que ele, mais interessantes que ele, mais inteligentes que ele e tem mais motivos para permanecer na batalha do que ele.

Exceto Penelo, a outra adolescente do grupo... mas ela tem um bundão e usa shorts apertados, então está perdoada.

Além de Ashe e Barsch, o grupo conta com Balthier e Fran, respectivamente um pirata aéreo e sua co-piloto. Balthier possui o charme típico de personagens que agem a margem da lei, mas que no fundo possuem um grande coração. É muito difícil não gosta dele.

Fran é a terceira personagem negra da franquia e faz parte da raça Viera, mulheres com capacidades místicas que moram na floresta, possuem grande longevidade e tem orelhas de coelho.

...

O mais estranho é que ela continua elegante e charmosa, mesmo com os atributos necessários para ser tirada da cartola de um mágico.

Aliás, se vocês virem alguém puxando um coelho pelas orelhas, corram e dêem um chute nas bolas desse filho da puta. Coelhos sentem muita dor se alguém os pega pelas orelhas, não importa o quanto os Looney Toones digam o contrário.

Antes que eu me esqueça a dublagem é excelente. O dublador de Barsch também empresta sua voz para o Bloo, da Mansão Foster para Amigos Imaginários.

ISSO é ser versátil.


Eu disse que o game é um Mahmorpagah offline e eu não estava brincando. Se você visse a imagem acima sem conhecer Final Fantasy XII, acreditaria que se trata de um novo game online feito para arrancar a grana e a alma de seus jogadores.

Final Fantasy XII abandona os encontros aleatórios (para o alívio de muita gente) e coloca os inimigos nos mapas em tempo real. Aproximando-se deles, inicia-se a batalha e uma linha que sai de seu personagem mostra qual inimigo está sob sua mira no momento.

Um acréscimo bastante inteligente ao game são os Gambits, uma espécie de programação pré-batalha que permite que os membros do grupo tenham atitudes específicas se as condições necessárias surgirem.

Por exemplo, é possível criar um Gambit assim: HP = 50% = Curaga - All Allies. Ou seja, se algum personagem ficar com a metade de seu HP, ele automaticamente usará Curaga em todos os aliados. É possível criar vários Gambits e programar o grupo para várias situações.

Claro que requer doses cavalares de paciência, mas um jogador dedicado pode simplesmente sentar e assistir as batalhas contra os chefes enquanto se gaba que nada que o computador possa fazer o pegará desprevenido.

Outra inovação é que o game usa dois sistemas de evolução, os personagens ganham experiência e Level como em um game comum, mas precisam também se preocupar com a License Board.

Basicamente, ela é um menu que se parece com um tabuleiro de Xadrez (ou de Damas, se assim como eu você não sabe jogar Xadrez) onde estão várias Magias, Habilidades e Equipamentos. Sempre que comprar uma destas licenças, seu personagem pode utilizar aquilo que ela representava.

Ou seja, você pode ter a Masamune, a Genji Armor e a magia Ultima, mas só poderá usar tudo isso se tiver comprado as licenças necessárias antes.

Se você acha que evoluir o personagem em duas frentes consome muito tempo... eu não sei dizer, mas acho que sim. Usei Pro Action Replay e deixei meu grupo no Level 99 e com todas a Licenças em menos de duas horas.

Pode me chamar do que quiser, mas não vou gastar mais 226 horas de minha vida evoluindo os personagens em Final Fantasy. Se existirem mais ruivinhas lindas dispostas a me namorar, não vou perder a oportunidade de conhecê-las para o Vahn poder equipar uma espada que eu possivelmente nem vou encontrar ao longo da história.

E não é como se evoluir todos os personagens até o máximo fosse me ajudar contra os chefes opcionais do game.


É possível terminar o game com um Level razoavelmente decente, mas quem quiser completar 100% e enfrentar todos os chefes mais poderosos não precisa apenas de habilidade, mas uma boa dose de sorte também.

Para exemplificar isso, narrarei minha batalha contra Zodiack, a Summon suprema.

Neste game, é preciso enfrentar as Summons em combate para ter o direito de evocá-las depois. As criaturas apresentadas ao longo da história do game não são um problema, mas a coisa encrespa quando chega a hora de enfrentar as Summons secretas. Nem todas são difíceis, algumas são apenas trabalhosas e requerem uma estratégia especial para serem derrotadas, mas Zodiack... Deus do céu...

Para se chegar nela, é preciso atravessar uma Dungeon com os inimigos mais poderosos do jogo, algo que leva uma meia hora se você sobreviver até o final.

Quando se encontra Zodiack, a batalha leva em média quarenta minutos... isso é, se você souber MUITO BEM o que estiver fazendo, trouxer todos os itens e equipamentos necessários e revezar constantemente o grupo durante a batalha para poupar energia dos feridos.

E mesmo que lute direitinho, há uma enorme chance de Zodiack utilizar um ataque do tipo “VOU MATAR TODO SEU GRUPO DE UMA SÓ VEZ” próximo ao fim da luta, quando ele já levantou defesas que o deixam imune a ataques físicos e magias.

Fui derrotado por esse bicho três vezes seguidas.

Após socar as paredes, beber um litro de Tang, ralhar com meus bichos imaginários e me acalmar, mandei a honra para as cucuias (não que eu já não tivesse feito isso antes) e utilizei Pro Action Replay de novo. Desta vez, ativei um código que me dava Quickenings infinitos.

Quickenings são os ataques super-mega-fodônicos-que-fazem-crescer-cabelo-no-peito-da-sua-irmã presentes neste game. O jogador tem um tempo curto e determinado para fazer o grupo disparar o máximo possível de Quickenings individuais.

Com o código ativado, eu teria tempo virtualmente infinito para encaixar quantos destes golpes quisesse.

Pois bem, eu passei dez minutos seguidos disparando Quickenings.

Dez minutos.

Com ataques que causavam quase sempre dano máximo.

Após este tempo, deixei o tempo dos Quickenings acabar e foi quando percebi que ZODIACK AINDA ESTAVA VIVO E COM ¼ DE SUA ENERGIA!!!

MALDITO!

Ele logo começou a preparar o golpe “VOU MATAR TODO SEU GRUPO DE UMA SÓ VEZ” mas eu iniciei mais uma sequência de Quickenings de dez minutos antes que ele tivesse chance de atacar. Ao final dela, o lazarento finalmente estava morto.

Sim, eu roubei, e sinceramente não dou a mínima, eu não teria matado esse bicho sem o Pro Action Replay e não tenho vergonha de admitir isso. A Square exagerou tremendamente na dificuldade deste maldito quando o criou, me fez até sentir saudade dos tempos de Final Fantasy VII e seus Emerald e Ruby Weapons.

E nem vou começar a falar do Yazmat e seu HP de 50 milhões, pra tudo tem limite.



Um ponto que mesmo os mais fanáticos odiadores deste game concordam que é espetacular (ou pelo menos espero que concordem, pois estou especulando) é que sua extensão territorial é impressionante.

Todos os pontos do mapa são ligados uns aos outros, não existem territórios que sejam “pontas soltas”. Aquela caverninha na ponta do mapa é ligada a um sistema de esgoto, que é por sua vez, ligado aos subterrâneos da maior cidade do game, que leva a um deserto ao oeste, uma cordilheira ao leste e a uma planície no sul.

Fico imaginando as horas de programação e design que levaram a esta perfeição geográfica... provavelmente foram as mesmas que fizeram o diretor original do game ir parar no Hospital e passar a correr da Square mais do que o Daniel Larusso corria dos Cobras.

Não vou babar mais ovo ainda em cima dos gráficos, mas mesmo hoje eles me impressionam. Falem o que quiserem da Square, mas ela sabe espremer a potência dos consoles até o sumo. Poucas outras empresas conseguem os mesmos resultados usando o mesmo hardware.



Considerando que tudo que podia acabou dando errado ao longo de sua produção, Final Fantasy XII é um excelente jogo.

Sua história possui uma maturidade bastante incomum aos games do gênero e mesmo sendo um pouco complicada em alguns trechos, pode ser acompanhada com muito gosto na sua quase totalidade.

O elenco é extremamente carismático e é muito fácil se apegar aos personagens. Mesmo dois deles sendo adolescentes sem a menor utilidade na história e que aproveitariam melhor seu tempo debaixo de uma horta como fertilizante, os demais compensam com classe e personalidade.

E posso estar enganado aqui, mas Final Fantasy XII possui um ar de obra Shakesperiana que mesmo hoje, quando todos tentam criar jogos cada vez mais cinemáticos, ainda se mostra ausente da esfera dos games.

Minha recomendação é: jogue.

Mas não perca tempo enfrentando Zodiack ou Yazmat, há mais na vida do que isso.

...

Não que eu seja um grande exemplo... passo metade de minha existência colecionando Transformers...

Pois bem, o que mais falta? Ah, sim! Claro!



Já fiz um review bem detalhado deste título no meu game blog, então serei breve ao falar dele. Comentarei apenas sobre o desenvolvimento de sua engine e a polêmica sobre sua linearidade.



Em primeiro lugar, a Square Enix cometeu um erro terrível de planejamento e trabalhou na criação da Engine Crystal Tools (antes conhecida como White Engine) durante o prazo que tinham para a produção do jogo.

Para quem não sabe, a “Engine” é o “esqueleto” de um jogo. Por exemplo, a engine de Grand Theft Auto tem de providenciar um mundo aberto, onde a movimentação via carros e a pé funcionem bem, assim como uma ação que seja fluida.

Assim que uma produtora tem a Engine de um game, todas as suas sequências são desenvolvidas com base nela e ela é aperfeiçoada com o tempo.

No caso de Final Fantasy XIII, uma nova Engine foi criada do zero e tomou muito do tempo de produção do game. Quando a equipe percebeu, tinha um prazo limitado para fazer tudo mais que planejava e assim sendo, correram o máximo que puderam para entregar um produto satisfatório em um prazo apertado.

Acredito que este é o maior culpado pela tão criticada linearidade do game.



Quem é antenado em sites de games e se mantém informado sobre o assunto, já deve saber que Final Fantasy XIII é extremamente linear por pelo menos 20 horas.

Quando digo linear... bem, o game percorre uma linha praticamente reta e sem variações por todo este tempo. Confesso que com dez horas de jogo, eu fiquei de saco cheio e fui jogar Fallout 3 pela enésima vez.

Mas sinceramente, o game não merece todas as críticas agressivas que tem recebido.

Sim, a linearidade é um saco, sim ela cansa, sim, eles poderiam ter feito muito melhor... mas ainda é Final Fantasy.

Não quero soar fanboy (embora após dedicar um mês inteiro a esta série, eu creia que já seja tarde para isso), mas Final Fantasy sempre entrega experiências únicas, é um dos poucos JRPG’s existentes que sempre tenta se renovar a cada jogo, ao invés de se manter em terreno conhecido e seguro como tantos outros fizeram.

Nem sempre a série acerta, mas pelo menos ela tenta e isso já conta para algo na minha opinião.


Também acredito que grande parte dos que estão criticando o game hoje, o tratarão como um dos melhores JRPG’s de todos os tempos dentro de um ano, ignorando tudo que acharam um defeito originalmente.

Já fizeram isso com Final Fantasy X, por que não repetiriam a história? O ser humano é previsível.

Assim, recomendo aos fãs da série que experimentem este game até o fim e depois teçam suas opiniões. É muito melhor do que simplesmente seguir o carnaval que se forma atrás de algo.

Especialmente porque carnaval uma hora passa.

E finalmente disse tudo que queria a respeito da série principal.



Exceto que Final Fantasy XIV será mais um jogo Online.

Puxa vida, tem gente que não aprende...

Antes de encerrar, gostaria de falar sério e sobre um assunto totalmente não relacionado a Final Fantasy por um minuto.

Estes dias, chegou ao meu conhecimento (graças ao Rodrigo Jr, valeu irmão) que o site Now Loading plagiou um de meus artigos.

Mais precisamente, o artigo copiado foi minha lista sobre os maiores machões dos games, primeiro trabalho que tive publicado profissionalmente, na revista Gamemaster Nº 20 e que recebeu um "upgrade" aqui no blog.

Deixei os links para as matérias do sujeito aqui no blog e em menos de 24 horas, uma enxurrada de pessoas indignadas comentaram nos artigos dele. Ele veio conversar comigo e bancar o superior, mas no fim das contas, os textos foram tirados do ar.

HOORAY!!! I WON, SUCKERS!!!

Desta forma, agradeço a todos que me ajudaram! Vocês são os maiores e eu os adoro!

E na semana que vem, os Spin offs de Final Fantasy! Mas antes disso, novamente os lembrarei de visitar a série de artigos The Rise and Fall of Final Fantasy, de onde vieram muitas das imagens que aqui usei.

Vão lá, é legal!

Cheers!!!


66 comentários:

Renan Noceti disse...

Amer... ameaça esse plagiador de merda de processo na justiça se ele não tirar o artigo do ar. Duvido que ele não se peide com isso. (é crime mesmo!)

Laís Atilano disse...

Depois dessa talves eu de uma chance pro novo Final Fantasy.

Eu acredito que seja bom, so nao acredito que eu tenha saco para joga-lo...

Sobre o Plagio: Infelizmente, no dia em que se tem algo bom na net, ha chances de ser plagiado. Acho um absurdo e comentei l'a, mandei e-mail para os resposaveis pelo site e farei toda a birra possivel (pq isso realmente me irrita)

Vamos ver no que da...

Junior Phinatic disse...

Dá vontade de currar esses filhos da puta até faze-los cagar sangue e bile, mas não se preocupe porque quem lê e gosta do seu blog continuará aqui, e com certeza espalharão a palavra de que plagiadores sem mãe e pai HIV positivo após contrair do cachorro estão à solta...... sem ética alguma.

Hails !

PS: eu processaria, mas advogados custam caro, mais do que todo e qualquer centavo que possa espremer de vagabndos por ai.

Marcelo Maciel disse...

Fiz a minha parte com um comentário, qualquer outra ação coletiva que queiram tomar parte quanto ao plágio, to aí: marcelothefunto@gmail.com

Parabéns pelo post, Hanfred...

Paradiddle disse...

"... mas o fato é que não tenho mais quinze anos..."

E sabem o que é pior? Todo e qualquer cara que tenha jogado FF desde seu princípio, comprado os cartuchos de NES, SNES e CDs de PS, JÁ PASSARAM DOS 15 MUITO ANTES DO FF 11 SER LANÇADO. Belo chute nos bagos dos fãs mais antigos, não?

E disse tudo quanto à numeração. Era só colocar "FF Online" e eu não dava a mínima. Mas não, tiveram que por 11, e aí o buraco fica. Pra mim, há uma diferença quase tão grande entre um game de tiro pra um de esporte, quanto de um RPG pra um MMO. Quem gosta de um não necessariamente gosta do outro e sei que MUITA GENTE concorda comigo.

Pra não deixar o post muito longo: digo que gostei pacas de FFX, mas quanto ao XII... Como sempre repito em discussões sobre isso, levaram o lance de "Wedge & Biggs" longe DEMAIS. Fizeram o mesmo que esse tal cara da "lista dos machões", e essa falta de criatividade me fez brochar na hora...
Pra quem gosta de "contar histórias ainda não contadas", digo que só faltou o célebre "EU SOU SEU PAI".


Abraço a todos!

Marcelo Guardsman Green disse...

Pode ter certeza que vamos protestar e levar nossa voz de leitores de seu blog aonde for possivel

GuilhermeKinni disse...

Ótimo artigo novamente Amer, só quero falar que a batalha contra o Pandemonium Warden não deveria durar tanto tempo, e foi apenas feita da maneira errada, hoje em dia ele está bem mais fraco.
E realmente, plágio é errado e eu vou ajudar nos comentários também.

Unknownuser2 disse...

Relaxa, usar macetes e códigos não são o fim do mundo, mas copiarem seus artigos, ah... Isso é outra história.

O jeito é relaxar, e tentar resolver numa boa, agora desistir é sempre o caminho mais fácil.

Será que Amerilho vai perder a parcimónia e desistirá assim tão fácil?

Lute Américo, não desista logo agora !!!

Nappa_ disse...

Não gosto de FF de PS2, mas percebi a falta da descrição de FF X-2, não vai falar sobre ele? Esqueceu?

Avalanche(Lance) disse...

o Tidus e a Yuna combinam memso...duas das pessoas mais burras a andar pelo mundo dos games XD

Mas sobre o plágio...Pior eu que nem profissional sou, e um cara de Niterói pegava minhas matérias inteira(com os erros de portugues e as fotos) e colocava no blog dele.

O top 10 vilões derrotáveis e a matéria sobreo Greg Land(que o meu site vira o terceiro no Google) estão igualzinhas no blog do cara...

E Final Fantasy o Filme é bom sim...que porra só vejo reclamarem dele na internet, ao vivo nunca vi falarem mal...

Rael XX disse...

Agora depois de todos esses anos eu percebo que não gosto tanto assim de Final Fantasy 8. Os motivos que me leva a não gostar de FFX é o mesmo que as vezes me aborrecia: ênfase em invocações e personagens que não fedem nem cheiram.

Lembro que quando jogava FF8 eu detestava ter que ficar apalando pra lançar uma Summon atrás da outra e não simpatizava mesmo com ninguém além do Squal e da Rinoa. Aliás, talvez eu gostasse mais da Quistis. Irvine era babaca, Zell irritante (fazia de tudo pra não jogar com ele) e Selphie pra mim era o Zell feminino. O que eu fazia com ela? Nada.

FFX eu vi meu amigo jogando por horas, porque eu não tinha PS2. Fato, eu via ele preparando as summons pra usar em chefes e é verdade com uma quantidade razoável de Aeons ele simplesmente usava o ataque supremo delas, o chefe as bania logo em seguida e ao fim ele era derrotado. Isso me irritou profundamente de ver. Claro um ou dois chefes não dava pra usar, como o chefe final que colocava os Aeons dos personagens contra eles mesmos. Mas era uma batalha fácil demais.

Enfim, acho que não sou fã de FF mesmo. Mas ainda adoro o FF7.

Terry_Masters disse...

Que puta sacanagem fizeram com você Amer, plagiaram sua matéria !!!

Como bom fã e seguidor seu estarei fazendo o máximo para que esse sitezinho de nada se retrate com você !!! Até porque acredito que não só eu como também outros seguidores não querem que seu blog termine.

Ah, e sobre o post, está ótimo como sempre...apenas me culpo por não ter jogado nenhum desses últimos Final Fantasy's.

Abração para o pessoal !!!

Dak'kon disse...

Porra bicho, fiquei MUITO surpreso com a crítica ao XII. Tinha certeza que tu ia meter o pau igual a maioria dos "fãs clássicos", mas deu uma opinião imparcial pra caralho.

Respeito subiu ó.

E o XI é feito pra jogar em grupo. Se você não tiver amigos pra te "apadrinharem" ou pelo menos pra começarem a jogar juntos, tu VAI levar ferro e pegar ódio do jogo. Ponto.

E apesar de não curtir a estética do X acho que muita gente critica ele tomando só ela como base, o que é injusto bagarai. O jogo tem muitas qualidades se tu consegue ir além do impacto inicial do nomurismo carnavalesco.

E não li a partir da parte sobre o XIII porque ainda não joguei, mas pularei pro fim do texto pra ver que parada é essa de plágio aí.

Dak'kon disse...

Btw, XIV vai ser ducaralho.



E porra, que NOJO do copiador escroto. Bicho safado da porra. Comentei lá tbm.

Gabriel \õ/ disse...

bah amer me empolguei agora !!
vou fazer um post sobre final fantasy VII Dirge Of Cerberus
q eu to jogando mas ainda n virei
post ducaralho hein??
alias sabe algum programa prabaxa filme e tira foto do filme ,tipo o teu
passo guerra dos mundos na globo onten e deu vontade de fazer um review + ia ser dificel sem imagens
vlw

Hideto disse...

Amer, mais uma vez meu agradecimento.

Sua série de posts me motivou a reiniciar uma jornada que nunca consegui fazer: jogar todos os FFs.

Os que não terminei são do I ao III e do X em diante. Pretendo rejogá-los todos em suas versões mais recentes (tomara que eu tenha tempo para isso, hahaha). Seria pedir demais para você dar seu comentário sobre quais "remakes/reedições" dos FFs I a VI considera os melhores para jogar?

Eu tinha um preconceito imenso contra o X, mas seu post me fez vê-lo com outros olhos e tentar dar uma chance a ele. Mesma coisa o XII, do qual eu tenho um save parado por falta de tempo de jogar.

Quanto ao plágio, caso você se sinta prejudicado, pode demandá-los junto ao Juizado Especial Cível, onde você não precisa de advogado (depende do valor da causa). Se você quiser alguma orientação, eu sou advogado, pode vir falar comigo (also, já deixei meu comentário lá no blog deles também).

Caioken disse...

Caio o e-mail do Ammer? >______<

Paulo_HT disse...

muito bom artigo, um dia ainda planejo jogar FFX, afinal eu ja tenho ele, só falta saco.
e apesar de gostar do XII, alguns personagens sao uma merda mesmo, a ponto de eu abandonar o meu Vaan e Penelo que ja tavam uns 30 lvl mais fortes que os outros e começar um grupo novo com Balthier, Basch e Ashe.
outra coisa que eu gostei desse jogo é que a escolha dos personagens é definida apenas por gostar deles ou nao, ja que nenhum possui caracteristicas muito diferentes em relaçao ao combate.
em varios jogos eu ja tive que enfiar um sujeito que eu odeio no grupo só por que ele limpa o chao com os inimigos.

e já que o proximo artigo é sobre spin-offs, alguem sabe como anda Final Fatasy Versus XIII?

Sergio disse...

eu tava achando que você só ia falar da série principal. comemorei quando descobri que você vai falar dos spin-offs também.

e...

o problema de ser bom no que faz é que sempre tem algum safado que vai querer te copiar. processa o safado, amer.

Fabricio disse...

Vamos lá....FFX eu gostei, mas não sei, pra mim faltou alguma coisa, acho que preciso joga-lo de novo...mas cara esse jogo é muito decepcionante o último mestre é facil de doer...Sobre FFXII, concordo que os graficos são sensacionais(os melhores do Ps2) e até que eu gosto do Vaan, mas no fim a personagem principal para mim pelo menos ficou sendo a ashe (que é linda por sinal...quanto ao plagio, proçesso neles oras !!!...sem mais, parabéns novamente, ótimo post...

Ps. FFX-2 vai entrar nos spin-offs?

Caioken disse...

O Amer, me manda um e-mail, pra eu descobrir o teu e-mail, porque quero falar algo contigo: caioken@gmail.com

Evandro de Freitas disse...

Sobre o "plágio" ai. Fui eu quem mandou o texto pro NL e eles não tem nada com isso (tirando o fato de terem publicado).

Tentei conversar com o Amer pelo msn mas infelizmente ele me bloqueou.

Cara, já pedi para tirarem o "seu" texto de lá. Assim evita confusão pra todo mundo. Lamento se você entendeu errrado alguma parada que eu falei.

[]s e sucesso com o blog ai.

Obs. Espero que deixe esse comment aqui e esclareça a situação para os seus leitores. Se quiser postar que eu admiti que foi plágio fica a vontade também. ;o)

fernando disse...

Amer, parabéns novamente pelo texto. não joguei esses FFs do PS2 (a vida ficou ocupada demais para games). mas faltou falar do FFX-2, se bem que pelos comentários que li é melhor nem lembrar da existência dele...

Dak'kon disse...

Pra quê essas aspas aí?

Scariel disse...

Só mais um pra terminar esse ótimo mês de FFs.
Ainda tem o Versus também,que ninguém sabe quando sai.
Eu só consegui aguentar 20 horas do FFXII,talvez seja por eu não gostar do Tatics.
Parabéns, pela vitória!
Da próxima vez dá até pra fazer uma Genki-dama xD (não acredito que escrevi isso..)

Doofie disse...

Aaaah Amer...

Confesso que nunca fui fã de Final Fantasy. Para falar a verdade, não gosto da série e não simpatizo, apesar de reconhecer que é uma boa franquia. Só não faz o meu estilo mesmo.

Porém, mesmo assim, confesso que após ler seus artigos, me despertou uma grande vontade de jogar o remake de Final Fantasy III para DS, pois foi o único dos poucos FF que eu jogei e me despertou certo interesse.

E é o que estou fazendo agora.

...Cara, o jogo é bom! Muito bom, bem melhor do que eu pensava, e a pequena experiência com ele que eu tinha tido antes não tinha sido nem de longe válida.

Ainda estou no começo, mas já vi que o jogo é bom, e pretendo chegar ao final do mesmo.

Enfim, só queria dizer obrigado por me fazer jogar esse jogaço que eu estava perdendo. Talvez eu dê outra chance aos jogos da franquia.

See ya!

joão disse...

só joguei até o X e achei chato por ser linear e também muito fácil.
Zerei ele com 12 horas se me lembro bem e jogando pela primeira vez.

* Avalanche(lance), passa o endereço do seu blog.

* Amer, porque você não monetiza seu blog?
Não sei se o Blogger ou Wordpress aceitam publicidade, mas seu site tem material próprio e de qualidade.
Tem muito blog ou site que ganha dinheiro só colando "video legais" e pérolas do orkut.
Inclusive já vi muita gente falando (bem) do seu blog, e inclusive publicando trechos de declarações suas.

Amer H. disse...

Porque se eu começar a ser pago pra fazer o site, alguém vai ter o controle sobre ele para me dizer o que posso ou não publicar.

Prefiro não receber para escrever aqui e manter minha total liberdade criativa.

matheus_schroeder disse...

Finalmente os final fantasys de play 2 XD.Final fantasy X é ultra foda e o XII é mais ou menos.Queria se um pouco mais velho pra te jogado os de Play 1.Tenho 12.

Caioken disse...

Amer, me passa seu e-mail ou msn, ou vou ter que falar no comentário, e com isso vai se transforma numa espécie de comercial, e não quero fazer esse tipo de coisa. Por favor cara, me manda um email caioken@gmail.com se não quiser publicar nos comentários o seu e-mail

Sasoriman disse...

Primeiro... EU JOGUEI ICO E É DUCARALHO!

Segundo... Não gosto do Balthier.

Terceiro... Tu me deixou com vontade de arranjar FF X...

Quarto... Um crítico na TeamXbox deu 5 para FF XIII por ser muito linear.

Quinto... Quanto a FF XIV ser Online, não vejo muitos problemas. Claro, muita gente não vai poder jogar, mas acho que eles aprenderam com o erro de FFXI e não teremos de passar 2839238403248375984739473843 horas tentando matar um boss, nem perderemos level quando morrermos.

Sexto e penúltimo... Meu amigo que é fanboy de FF, disse que, quando o Glauco morreu, ele ficou level 78... E só agora eu entendi.

Sétimo e último, finalmente: Grim Fandango e Xadrez são fodas.

Avalanche(Lance) disse...

João:
http://avalanchereviews.blogspot.com/

Se não aparecer o link, meu blog esta nos links do Amer.

AMERICO ou alguém que saiba, eu li noticias que iam procurar fazer o próximo FF com alguma compania do ocidente para tentar uma forma de mais ação para os combates ou algo assim, faz tempo que li a notícia.

Nappa_ disse...

Quando falaram sobre pagamento, acho que tavam falando de Google Ads.

Zigga disse...

Não poso comentar nada sobre Final Fantasy, porque sou um verme juvenil e nunca cheguei a jogar nada da série. Tudo que sei veio de horas no TvTropes, em Wikis e em discussões com nerds desocupados e fangirls malucas.

E sobre o plágio: PORRA! Isso me surpreendeu, nunca esperaria um plágio vindo do Now Loading. Sempre acessei o NL desde o começo, e ainda acho que sejam um ótimo site de notícias e um dos melhores podcasts nacionais. Mas ver uma comida de bola dessas vinda da parte deles me deixou beje.

brjcweb disse...

Evandro de Freitas FAIL.

Thyago disse...

E aí Amer, quanto tempo que eu não comentava por aqui!
Meu laptop chegou a pouco tempo da assistencia tecnica q estava desde antes do carnaval, mas resolvi deixar pra comentar aqui somente quando saisse um artigo novo seu.

Excelente mês temático e que você tá sabendo conduzir muito bem, parabéns. Apesar de que eu esperava ver você falar também dos filmes... se bem que não tem muito a se falar dos filmes, além do óbvio (que Spirits Within é CHATO BAGARAI e que Advent Children era um filme interessante que só meio que "pecou" pelo fanservice pra enfiar o "Zefróidi" na história sem mais nem menos).

Eu ainda não joguei Final Fantasy 12 e não devo jogá-lo tão cedo, infelizmente. Estou sem nenhum console (somente meu DS) e meu pouco tempo anda apertado.

Quanto ao plágio, podia explicar ele melhor sobre o ocorrido e sobre a conversa que você teve com o cara? Se não, beleza.

Continue fazendo excelentes textos, apesar de que, desde que notei que você tá com um terceiro blog, eu queria te dar uma sincera opinião:
Apesar da proposta dele ser interessante, você acha que realmente terá tempo para dedicar a ele e continuar a atualizá-lo como faz com oo blog de games (que você mesmo já disse que escreve com extrema facilidade) e este blog aqui? Sim, eu li cada um dos 4 ou 5 artigos que você já publicou lá, e fico pensando... "caralho, porque o Amer simplesmente não colocou estes artigos no blog principal dele?"

Pensei isto porque, além de ter um humor bem caracteristico, este blog também expressa sua opinião (oras, o mês inteiro tá sendo sobre sua opinião sobre o Final Fantasy).

Mas enfim, você quem sabe o tempo que tem e como o aproveita.

Abraços!

The Jack disse...

Desculpe a ignorância, Ammer, mas o FF X-2 é um Spin Off?

Joguei ele nesse fim de semana e não achei nada demais

Johnny Von Arthoneceron disse...

Engraçado, quando eu disse que Final Fantasy XI era uma merda foda no comment do último artigo, todo mundo caiu de pau (eu, hein?) em mim, falando para eu expor os meus motivos para me mandarem decentemente para o Inferno...

Opiniões mudam, não? lol

Quanto ao artigo, eu tenho cerca de quatrocentas horas no Final Fantasy X e mais ou menos trezentas no XII, e ainda sim eu não me canso de nenhum desses games...

... a não ser na hora de enfrentar a Arena do Final Fantasy X. Sinceramente, ninguém merece enfrentar o Shiryu com o Tidus, Wakka e Rikku.

Em relação aos combates de Final Fantasy XII, eu achei funcional simplesmente. Sinceramente, ele não empolga como em Final Fantasy VII, mas pelo menos não ficou tão estúpido quanto Final Fantasy VIII. O que me decepciona mesmo é que em nenhum momento, podemos soltar um Mega Flare nos inimigos, mas o Vayne pode soltar um Tera Flare no nosso rabo...

E isso é brochante. MESMO.
...

Mudando de assunto, quando teremos um mêes temático do Homem Aranha?

Terry_Masters disse...

Yeah !!! We won Amer !!!

Talvez ele tenha se sentido entimidado quando eu disse que esperava que "um palhaço com abelhas no pinto comece o C# dele, e que logo em seguida ele fosse estuprado pelo belo ursinho Fritz"...Me desculpe Amer mas para tentar te ajudar tive que intimidar ele em grande nível, e para isso nada melhor do que uma de suas frases.

Ah, me desculpe se eu usei uma de suas frases sem permissão. :D

115060723951221681083 disse...

Só pra constar, os responsáveis pelo NL retiraram sim porque o Amer pediu. Se eles soubessem que o artigo tinha sequer uma linha de propriedade intelectual de outra pessoa, eles nunca teriam permitido que um colaborador postasse.
A postura foi super escorreita e eles inclusive fizeram um post de esclarecimentos.
O que eu acho errado é gente desmerecendo todo mundo da equipe pelo erro de um colaborador. Foi um erro grosseiro mas eles se retrataram (vide post pedindo desculpas e explicando tudo) pois nunca agiram com dolo.
Foi um erro sim. GRANDE. mas má fé não teve, com certeza.
E sinto muito por qualquer inconveniente..

Tomara que tudo esteja resolvido.
Passo, a partir de hoje, a ler seu blog, que era desconhecido pra mim :)
(so nao vou ler o review do FF pra nao tomar spoiler.. XD)
Abração ^^

Hi Lucy disse...

Aff... Meu nick saiu com um monte de numero do google id.. Desculpa!

Nathalia

Fábio Catena disse...

Comecei a jogar o XIII e to gostando, pena q a falta de tempo não permita muita (desenhar hentais para pagar contas é preciso XD)

Mas ICO e Shadow of Colossus eu tenho original pra PS2 e não vendo por nada XD

Não rola um review deles?

Abx!

Amer H. disse...

Num tou puto com o Now Loading, já tá tudo resolvido entre nós. Um dos chefes do site (o Pablo, pra ser específico) conversou educada e civilizadamente comigo e nos entendemos.

Até já ofereci de mandar Hokuto no Ken pra ele, o que é uma tremenda oferta de paz da minha parte. Quem me conhece sabe.

E concordo que uma cagada não deve estragar a reputação de um site, especialmente porque seus donos se retrataram e no fim era tudo que eu queria. Mas essa história existe pra provar que fazer barulho em busca de seus direitos funciona e mais gente deveria fazer isso.

E Lucy (Nathalia? Números? Estou confuso sobre qual seria seu nome verdadeiro agora), meus reviews não tem spoilers. Discuto um pouco do enredo do game como parte da avaliação, mas nunca falo nada que não apareça na primeira hora de jogo, pode ler tranquila.

Black Barth disse...

Excelente artigo Amer!!! Também fui cacetado por Zodiark 4 vezes, sendo que na primeira zerei Phoenix Down pela primeira vez na série (99PD)... Absurda dificuldade...

Evandro de Freitas disse...

Amer, desde o começo quanto falei contigo te dei razão na história e procurei resolver. Please, faça um favor pros seus leitores (inclusive pros novos vindos depois da "treta" com o NL) e linka o post que colocaram ontem como update ai na sua reclamação.

O que você disse sobre "fazer barulho em busca dos seus direitos" eu assino embaixo. Porém existem maneiras e maneiras de ser feito isso. Se você tivesse entrado em contato comigo ou com o site antes de sair atacando, alertando sobre processos e tudo mais nossa postura seria exatamente a mesma e você sairia ganhando ainda mais. ;o)

Como te falei a internet é uma mídia bem diferente da mídia impressa, discordo do ponto que dizem que é uma terra de ninguém. Mas é uma terra onde seus leitores tem participação imediata em tudo o que você postar e principalmente existe a facilidade de contato com o responsável por qualquer site.

Enfim, espero que tenha entendido o que rolou.

[]s e sucesso.

brjcweb disse...

É Amer, você só teve seu texto plagiado. Devia ter pedido desculpazinha e pedido porfavorzinho pra tirarem o conteúdo do ar.

Menino mau, menino mau você Amer.

Hi Lucy disse...

Ahhh ta!
É Nathalia mesmo.. Nathalia Moreno :) Hi Lucy era um blog que eu tentei criar ha uns 4 anos atras.. Digamos que nunca saiu do nome, né? Huahua.
Ah sim, então vou dar uma olhadinha no review! (mas de noite.. agora eu tenho estágio =\)

Abraços

Hi Lucy disse...

(Eu apanho pra essas google accounts)

Kabral disse...

CERTO, sempre acompanho seu blog mas nunca comentei, então vamos lá:

AGRADEÇO por esses três posts completos sobre Final Fantasy, do I ao XIV.

AGRADEÇO por tratar com carinho FFVI, o MELHOR JOGO DE TODOS OS TEMPOS, pela honestidade com que lidou com FFVII (meu segundo favorito, apesar do Sephiroth Mama Boy bundão) e por despertar meu interesse em FFX e FFXII.

É, só isso. Tchau.

paulo disse...

amer, muito legal seus artigos tematicos sobre final fantasy.

confeço q nunca joguei, na vera (para valer), qualquer jogo mesmo spni off, mas sempre via os outros jogarem e se dedicarem bastantes horas, como meu primo zezinho (ele era meu heroi quando criança) ta seria melhor se eu fosse fãn de outro primo so q mais novo q pratica esporte mesmo assim, outro q eu via jogar era meu amigo diogo e andrey, eles ja fogem do esteriotipos de q gamers são gordos e cara de nerds, ta certo q diogo é magrelo de mais e tem um cabelo muito liso, mas andrey é bem mais forte e alto do q eu.

memos assim pretendo um dia jogar um final fantasy na vera, principalmente depois dos seus artigos.

mas quanto aos filmes eu vi os dois e realmente o q o shakashugui (não lembro o nome dele agora e to com preguiça) tava pensando? eu até pesnsei q tive-se sido feito pelos americanos como oq houve com o DB re e outras series q eles estragaram como m.m.p.r.

Gustavo "Mancha" disse...

Por mais que eu não seja fã de fazer listagem de temas que quero comentar, não vejo outro modo de colocar minhas palavras aqui sem estourar o limite de caracteres. Então vamos lá:

- Série de posts DO CARALHO. Inclusive, é por isso que ao mesmo tempo que eu adoro seu blog tenho raiva dele: esqueço completamente do tempo, leio um monte de coisas e quando vi, já perdi alguma coisa por isso. xD

- Final Fantasy XII é absurdamente foda em quase todos os quesitos. O único que realmente fez falta foi um desenvolvimento de roteiro à altura, mas imagino que isso seja parte do rolo que causou a saída do Matsuno.

- Usar Pro-action replay é feio, feio e feio! Mas você admite que é, e eu não sou ninguém pra criticar: fazia muito isso no PS1 quando tinha pilhas de RPGs para terminar e não sobrava tempo. Mal necessário.

- Concordo em gênero, número, grau e classe social sobre a viadagem dos fãs. E também concordo com a previsão de que com FF XIII vai ser a mesma coisa.

- FFX-2 é TÃO ruim que realmente nem merece estar no post.

- Essa não é exatamente pra ti, mas pra todo mundo: Plágio é plágio, indpendente de ser mídia impressa, online, apresentação pra cliente ou TCC de faculdade. Não existe desculpa, e não existe meio de sair por cima. Agora, se o NowLoading merece respeito só por ter tomado uma atitude? Bem, pra mim, o que ele merece é não ter sua credibilidade manchada nem ficar mal-visto, ou seja, volta tudo ao que era antes. Já o plagiador, vai ter que ralar muito pra conseguir algum respeito ou credibilidade daqui pra frente. A minha sugestão é que comece admitindo o erro completamente, sem dar argumentos furados, e peça desculpas totais por suas ações. Pode não limpar sua imagem, mas evita piorar ainda mais.

E perdoe os erros de digitação, meu teclado está faminto e anda comendo letras demais.

E continue com seu humor ácido e sua descontração única, porque é justamente esse o motivo do sucesso do seu blog! (E sim, você é famoso, por mais que tenha dito que não quando eu te conheci lá na Ed. Europa. Huahuahuahua xD).

Marcel disse...

Amer, você é foda!
Eu antes não tinha o minimo de vontade de jogar o FF12...mas depois deste artigo, já cogito a possibilidade =D

Enfim, o meu FF favorito é o X.Alias, uma das coisas que eu mais curto no game é justamente o seu sistema de batalha. Alem do sumon tomar o lugar do grupo em batalha, você ainda pode alternar os momentos do grupo durante o combate...isso foi uma sacada foda =D

Agora, a dublagem é bem triste mesmo...o Tidus realmente parece ser um surfista retirado de Miami Beach =P

Marcel disse...

Alias, dentro do universo FF, o Auron é o meu personagem preferido. \o/

Link16bits disse...

Os ff de play 2 são realmente muito bons, o ff 12 pra mim é o melhor jogo do console.

E sim, eu matei o Heel Wyrm, Omega Mark e o Yazmat, levei meia hora pro omega e 3 e 7 horas para o hell e o yazmat respectivamente.

..........

Mais quando matei fiquei com uma satisfação tremenda ^^.

OBS: Amer queria saber se posso colocar o endereço do meu blog aqui, ou se você quiser da uma passada lá, avisa aí q eu coloco.

Thalles disse...

Parabéns Amer !
Você faz ótimas (engraçadas) histórias!:D

Gostaria de saber se você poderia fazer um review ironico do filme:Malditas Aranhas!

Abrass

lecks100 disse...

Na real Amer, processa o cara. Isso é plagio e é crime. Senao daqui a pouco vao ter um bando de vagabundos fazendo isso e levando o crédito pelos seus textos.

admin disse...

Amer, faz um bom tempo que acompanho seu blog, desde que só tinha esse aqui, agora acompanho os 3 ( alias o outro anda meio parado XD).


nunca postei por falta de algo construtivo a dizer, mas sobre o plágio sinto dizer, tem mais gente plagiando!!

http://oblogviking.blogspot.com/2010/03/top-5-personagens-mais-do-que-machos.html

Achei isso nas minhas andanças pela net, e vc vai concordar que tem uma puta semelhança não?

é foda no 1º post vir com uma noticia destas, mas eu adoro seu trabalho então acho justo que você fique sabendo.

abraço e continue assim!

Tiago disse...

Ola Amer sou um nerd tb, kkkkkkk incrivel eu escrever isso... porem sou muito menos extremista ou louco como vc's...
Acho seus textos muito divertidos e descobri seu blog muito por acaso, estava buscando os melhores jogos do snes... assim q encontrei uma de suas inumeras listas...
Li o post gostei ri muito... e isso faz mais ou menos uns 45 dias... entao comecei a ler todos os posts comi uns 20 posts seus... muito legais divertidos e dignos de um mundo nerd de quem cresceu vendo tv... lendo revistas de rpg e colecionando sgp...
Agora depois de milhares de pesquisas e de buscas em outros blogs te escrevo cobrar uma coisa...
Ow, ha um milhao de anos atras vc disse q tinha uma lista preparada com os melhores jogos do psx, porem ainda nao la postou assim q deixo a minha sugestao...
alias deixo outra tb confiando no seu julgamento peço q tb faça uma lista de jogos do psp...
Parabens pelo site...
Parabens pelos posts, lia tb a dicas e truques e ja vi suas reportagens tb...
Mas hj moro na regiao Concepcion no Chile assim q esta um pouquinho dificil consumir revista depois do terremoto...
Abraços e sucesso
Tiago Jedi

Tiago disse...

Ola Amer sou um nerd tb, kkkkkkk incrivel eu escrever isso... porem sou muito menos extremista ou louco como vc's...
Acho seus textos muito divertidos e descobri seu blog muito por acaso, estava buscando os melhores jogos do snes... assim q encontrei uma de suas inumeras listas...
Li o post gostei ri muito... e isso faz mais ou menos uns 45 dias... entao comecei a ler todos os posts comi uns 20 posts seus... muito legais divertidos e dignos de um mundo nerd de quem cresceu vendo tv... lendo revistas de rpg e colecionando sgp...
Agora depois de milhares de pesquisas e de buscas em outros blogs te escrevo cobrar uma coisa...
Ow, ha um milhao de anos atras vc disse q tinha uma lista preparada com os melhores jogos do psx, porem ainda nao la postou assim q deixo a minha sugestao...
alias deixo outra tb confiando no seu julgamento peço q tb faça uma lista de jogos do psp...
Parabens pelo site...
Parabens pelos posts, lia tb a dicas e truques e ja vi suas reportagens tb...
Mas hj moro na regiao Concepcion no Chile assim q esta um pouquinho dificil consumir revista depois do terremoto...
Abraços e sucesso

Rafael disse...

Finalmente eu poderei ler algo sobre TACTIS PORRA o melhor de todos sim sou Megaten fanboy

Amer H disse...

Admin, o cara desse site me deu crédito por ter usado meu texto. Nesse caso é ok.

Foda seria ele copiar meu artigo e publicar como dele, o que o senhor Evandro fez no Now Loading.

Aliás, pra quem pegou o bonde andando, vou contar toda essa história do plágio no primeiro artigo de Abril. Não temam.

Quanto ao Outro Blog, o retomarei essa semana. Nada tema.

Franco disse...

Sobre Final Fantasy uma especie de historia paralela com DA so para nao passar em branco. :)

http://www.youtube.com/watch?v=w5v0_TjBxY8

o resto ta no youtube então e com vcs.

Abraços.

petrucian [pós-morte] disse...

cara, eu amo final fantasy. zerei o 1 e o 2!!!!
acredite se quiser.
gostei das imagens no blog. passa no meu e deixa recado(um atalho para vc) pra eu voltar. eu juro que eu quero ler seu escrito.

Avalanche(Lance) disse...

Nossa achei que Final Fantasy ia dar mais popularidade doque ocorreu O.o

REY! disse...

virei fã, mano! Queria ver um da Saga Persona também, se você jogou, claro.
=D

Leandro" Leon Belmont" Alves the devil summoner disse...

o FFX não o joguei, mas devido ao meu primo gordo que não permitiu, pois disse que ia zera-lo, para no fim desistir e jogar digimon no NDS.

FFXI nunca joguei, o XIV muito menos.

e FFXII zerei com as meninas, eu jogando por mais de 100 horas, tinha que ver alguns traseiros para me manter acordado no game.

sobre FFXIII...eu acho um grande jogo, mas eu cansei de defende-lo. prefiro guardar a minha opinião sobre o game

Lightning...minha deusa estoíca

hhhhhmmmmmmm....

hhhhhmmmmmm.......

HHHHMMMMMMMM....

*ARRAM*