segunda-feira, 23 de junho de 2008

Mês de Cybertron - Games de Transformers!!!

Muito bem!!!

Este é o ultimo artigo do mês temático de Transformers e decidi fechar com chave de ouro!

Agora, já falei um bocado de Transformers, falei do filme de 1986, do filme de 2007, apresentei curiosidades da série e elegi os melhores personagens, o que falta falar?

Dos video games, claro!

Ao longo dos anos, foram lançados alguns games com os robozinhos para diversas plataformas e fora um ou outro, a maioria permaneceu bastante obscura, sem grandes destaques na mídia especializada, de forma que só completos nerds os jogaram.

Bem... eu joguei a maioria...

E hoje divido este conhecimento com vocês!

Acompanhe-me nesta jornada tortuosa onde games de merda dividem lugar com games medianos e alguns ótimos!

Maximizar!!!!!!!!!!!!!!!

Transformers - Convoy no Nazo

Este aqui foi o primeiro game que eu aluguei para meu recém ganho NES em 1991!

Não lembro se ganhei o NES no meu aniversário, Natal ou dia de Guy Fawkes, mas sei que eu tava de olho neste game havia muito tempo. Transformers já não passava em nossas televisões há pelos menos quatro anos, mas eu não tinha como me esquecer de Ultra Magnus.

E assim que o ví na capa do game, fui fisgado! Aluguei o cartucho sem pensar duas vezes e esperei um mundo de ação, aventura e emoção, muito além do que os olhos podem ver...

Mas ao invés disso, recebi uma diarréia relâmpago universal!!!

Contemplem!!!! Ultra Magnus de merda!!!!!!!!!!

... não que ele fosse grande coisa na série, já debati isso inúmeras vezes antes.

Mas enfim, do que se tratava o game?

É um side-scroller, o que mais? O jogador controla Ultra Magnus e tem de sobreviver a ataques incessantes de Decepticons alados para chegar até o fim da fase e enfrentar o chefão.

O único problema é a dificuldade... Convoy no Nazo é estupidamente difícil. E aquele difícil ruim, não o difícil bom.

Ok, vou exemplificar: Ninja Gaiden no Xbox é um game difícil, mas ele te dá os recursos necessários para avançar na história. Se estiver cercado por dez ninjas inimigos, há pelo menos duas formas de sair do cerco enquanto se mata metade dos inimigos e se poe Ryu em posição para eliminar os que sobraram.

É difícil fazer isso, requer habilidade e treino, mas o jogo oferece a possibilidade e os mecanismos para tal.

Esse é o difícil bom, onde há uma saída possível e executável, embora complexa demais pra ser descoberta com simples esmagar de botões.

Convoy no Nazo é ruim porque o controle é duro, os inimigos são mais rápidos que você e um mísero tiro o mata, sendo que é preciso refazer toda a fase se isso acontecer.

E graças aos gráficos primitivos do jogo, na maioria das vezes é quase impossível ver os tiros dos inimigos e você simplesmente morre a toa, como se a providência divina tivesse causado isso.

Aliás, Ultra Magnus pode se transformar em caminhão, mas não há muita vantagem em alternar as formas. No modo robô ele é lento, mas pode atirar, enquanto no modo caminhão é mais veloz mas não tem armas e é um alvo mais fácil para os inimigos.

É como escolher entre enfiar o pinto numa tomada ou num moedor de carne: você está fodido de qualquer forma.

Bom, é razoavelmente fácil encontrar esse game pra download na net ou em pacotes de roms para emuladores, então vale uma olhada se você tiver oportunidade. O último chefe é uma insígnia Decepticon gigante.

Pois é, não faz o menor sentido pra mim também.

Como curiosidade, existem mais dois games de Transformers para o NES, mas ambos são hacks de Super Mario.

O primeiro coloca Bumblebee no lugar do encanador em Super Mario Bros 1 e substitui os cenários na terra dos cogumelos por terrenos mais Cybertronianos.

O segundo usa Super Mario Bros 2 e substitui Mario, Luigi, Toad e Peach pelos Dinobots.

Criativo.

Se tiver um pacote de roms do NES pra jogar no seu emulador, dê uma vasculhada que você encontra.

Não houveram games de Transformers para a era 16 Bits, o que pode ter sido uma benção disfarçada.

Na geração seguinte no entanto...

Beast Wars Transformers

Estamos agora em 1996, o Playstation era mais quente que a Elizabeth Hurley tomando sol numa praia de nudismo e Beast Wars era uma série animada de sucesso na televisão.

Sucesso lá fora isto é, pois aqui no Brasil, Beast Wars sofreu mais abusos nas mãos da HBO e Record do que as meninas de Kiss Players costumam sofrer em suas histórias.

... bom, talvez não mais... mas chegou perto disso...

Enfim, nada mais lógico do que um game de Beast Wars ser produzido para o console da Sony, certo?

Certo!

E era um game de ação em 3D, assim como tantos outros da época... tantos que nem me atrevo a citar alguns...

Enfim, aqui era nos dada a opção de jogar com os Maximals ou Predacons e devo dizer que utilizar os vilões tinha um gostinho especial.

Mas o game tinha problemas, sérios problemas.

Pra começar, os cenários eram todos iguais e o mapa não ajudava grande coisa, era muito fácil se perder e acabar morto de bobeira.

De fato, é muito fácil morrer por quedas aqui. Uma vez que os controles não são muito bons e os gráficos ruins não ajudam na percepção de profundidade e distância, isso causa muitas mortes bestas que poderiam ser evitadas por saltos que pudessem ser bem calculados.

Os personagens também não são muito fiéis ao desenho. Dinobot é um dos Transformers mais poderosos da série mas aqui, ele é tão forte quanto a Sonia Abrão!

Blasfêmia!!!

Falando nisso, é possível se transformar, sim! Aliás, é essencial para a sobrevivência, uma vez que há depósitos de Energon em todos os cenários e permanecer em modo robô é letal para os personagens, assim como na série.

Mas por mais que eu tenha criticado... eu gostei deste game...

Sério, tenho lembranças agradáveis dele!

Até o terminei... com ambos os exércitos...

Acho que eu não tinha muitos games na época... ou simplesmente estava tão desesperado por qualquer coisa de Transformers que me deixei levar por este game!

Só saberei se o jogar hoje em dia! Espere aqui, vou fazer o teste agora!!!

...

...

...

...

...

...

...

... pronto...

Puxa... é uma merda mesmo...

Mas sempre o guardarei com carinho em meu coração!!!

...

...

Uau, essa foi gay...

Beast Wars Transmetals

Este foi o segundo game de Beast Wars a ser lançado para consoles e teve uma versões para Playstation e Nintendo 64.

Não joguei a do 64, portanto só posso falar pela do PsOne.

Este era um game de luta, onde podiamos novamente escolher entre Maximals e Predacons e destruir o outro exército pela soberania entre os Transformers.

O bacana aqui é que para tanto, deveriamos andar por um mini-mapa e escolher um local nele, onde seria preciso travar combate com um dos inimigos para tomar aquele trecho de território e se avançar até a batalha final na base inimiga.

Legal não?

O melhor de tudo é que diferente do game anterior, este aqui contava com o elenco de dubladores da série animada para dar vida aos personagens.

Vai por mim, ter Gary Chalk, David Kaye e Scott McNeill emprestando suas vozes para os Transformers dava outra cara ao game.

Mas e a jogabilidade?

Como o cara que assaltou o supermercado em Stallone Cobra, ela é um cocô!

Na verdade, não era tão ruim! Eu pelo menos adorava!

Mas realmente, comparando a outros games de luta da época, era bastante fraquinho.

Os gráficos eram bem ruinzinhos, mas o som era muito legal, disparado a melhor coisa do game.

Os cenários eram em 3D e permitiam total liberdade de movimento, o que era uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo que você podia usar os terreno para sua vantagem e esquivar dos ataque sinimigos, o oponente podia fazer o mesmo.

E alguns personagens eram inacreditavelmente apelões, Rampage e Cheetor especificamente.

De fato, jogando com Cheetor só era preciso usar o tiro carregado para derrotar a maioria dos oponentes com um único ataque.

Sinceramente, o melhor motivo para se ter esse game eram as animações em computação gráfica feitas especificamente para a versão de Playstation, que provavelmente foram desenvolvidas pela equipe que produzia a série animada.

E além do mais...

... em que outro lugar você pode ver o Rhinox de Transmetal fazendo joínha?

Eyyyyyyyyy!

Transformers Tataki

Este... foi uma grande decepção...

Lembro de ter visto um preview de UMA mísera imagem em uma edição da Supergamepower (e eu nunca soube se o nome era escrito todo junto), onde um Starscream em computação gráfica manuseava Megatron em seu modo revólver.

E eu quase gozei nas calças ao ver isso.

...

Não pela clara conotação homo-erótica de ver o Starscream apertando o gatilho do Megatron, mas por ver que seria lançado um game para Playstation 2 da clássica G1 de Transformers!

Tanto que por anos não descansei até tê-lo em mãos.

E quando finalmente consegui...

... decepção...

... depressão...

... angústia...

... encosto...

Aqui temos um beat'em up onde se escolhe um personagem e outros dois o seguem por um campo de batalha em que é necessário enfrentar a uma tonelada de clones.

Como... COMO puderam juntar Transformers e beat'em up e lançar um game de merda?

Bom, temos gráficos horrorosos, controles atrozes e um som que dá até vergonha.

É estranho, pois este game foi lançado somente no Japão, mas todas as cenas foram dubladas em inglês.

Mal dubladas isto é... parece que um cara só foi contratado para fazer todas as vozes e se virou o melhor que pôde, usando de recursos como uma lata vazia de Neston para fazer a mecanização da voz de Soundwave.

Aliás, é novamente possível se transformar a hora que o jogador bem entender, mas isso gera muitas cenas burlescas.

Por exemplo, se estiver jogando com Megatron e se transformar, ele vira um revólver gigante que fica flutuando pela tela, enquanto Soundwave vira um radiozão enorme que... ofusca... o inimigo com sons e luzes...

... Jesuis...

Este game vale como curiosidade, mas é uma afronta ao bom nome da G1!!!

Ironicamente... uma continuidade fraca de Transformers geraria um game muito melhor.

Transformers

Este aqui foi lançado quase que simultaneamente a Transformers Tataki e por Primus... é MUITO superior.

Apesar do nome, este game é baseado na série Transformers Armada, conhecida por alguns fãs como Poké-Formers, devido a premissa da história onde os Autobots e Decepticons duelavam para tentar pegar todos os Mini-Cons.

Temos de pegar! Temos de pegar!

Temos que fumar! Temos que fumar!

De qualquer forma, Transformers é um ótimo game.

Excelentes gráficos, excelente som, ótimos controles e se transformar em veículo é bastante útil, pois permite que seu robô alcance locais normalmente inacessíveis.

Ok, falei que os controles são excelentes, mas muita gente reclamou dos mesmos. O negócio é que os robôs são grandes e apesar dos controles serem precisos, há sempre uma sensação de peso quando os movimentamos, talvez para simular melhor a sensação de se controlar um ser metálico de oito toneladas.

Aliás, os Mini-Cons servem a um propósito específico neste game: dar habilidades extras aos heróis.

Conforme se avança no game, é possível encontrar diversos Mini-Cons diferentes e acoplá-los ao personagem, o que pode aumentar seu poder de fogo, sua resistência, sua capacidade de salto e até o permitir planar por breves períodos de tempo.

Junte isso a animações excelentes dubladas pelo elenco da série e uma tonelada de tralhas de bônus e você terá um excelente game de ação nas mãos.

O único problema de Transformers é que fica extremamente difícil em alguns trechos, mas nada insuportável, basta ter perseverança! Lider Optimus nunca desistiu de primeira!

E é uma pena, mas só dá pra jogar com os Autobots... não se pode ter tudo.

Transformers - The Game

Ok, só mais um título pra falar e é o recente game baseado no filme de 2007.

Este aqui é uma espécie de GTA com robozões, você pega seu Transformer e pode vagar livremente pelo cenário, passeando alegremente ou devastando tudo impiedosamente, dependendo da facção selecionada, quando quiser fazer uma missão, basta seguir para o ponto marcado na tela.

Pois é!

Claude Speed fez escola!

Este game é bastante divertido. Não é nenhuma obra-prima, mas é competente em sua proposta: um game que matasse a vontade que os nerds estavam sentindo de ver o filme.

Missão cumprida.

Os gráficos são ótimos, com modelos perfeitamente representados dos robôs cheios de peças móveis do filme, especialmente pra quem jogar a versão do box 360 ou do Playstation 3.

O som não é nada notável, mas possui algumas faixas heróicas que lembram bastante à trilha sonora do filme. Pra ser sincero, o melhor do som neste game é a voz de Peter Cullen no Líder Optimus! Certas coisas nunca perdem a graça!

Os controles são bons, mas não perfeitos. No modo robô é fácil controlar o personagem, mas aqueles que se transformam em carros são um pouco ruins de manobrar e acabam derrapando demais em alguns momentos, um problema que não acontece com os personagens que viram veículos aéreos.

Falando nisso, jogar com os Decepticons e ter liberdade de pulverizar os cenários é uma maravilha! Experimente!

Garanto que vai alegrar seu dia!

Talvez não tanto quanto arrancar a cabeça de alguém com um machete em Manhunt, mas vai abrir um sorriso em seu rosto assim mesmo.

Bem, acredito ter falado dos principais games de Transformers lançados no mercado. Há alguns bastante antigos que não mencionei, mas sinceramente, não os joguei e portanto não posso fazer um review deles, assim como são tá incrivelmente obscuros que a maioria de vocês não teria a oportunidade de jogá-los.

Mas como este artigo acabou ficando um pouco mais curto do que eu gostaria, vou tacar um bônus, só pra verem que eu amo todos vocês!!!

... de forma platônica e meramente profissional... é claro...

Dream Mix Tv World Fighters

Um belo dia, os presidentes da Konami, Hudson e Takara estavam em uma orgia sadomasoquista com uma colegial num bordel de Tóquio.

Na pequena pausa entre as chibatadas e a tortura com cera quente, um deles sugeriu que as empresas deveriam unir seus personagens mais populares em um game que fosse uma total cópia de Smash Bros, afinal de contas, era esse tipo de coisa que a criançada gostava de jogar hoje em dia.

Algo que provavelmente foi confirmado com gemidos abafados e quase inaudíveis pela colegial amordaçada que ouviu a idéia.

E assim nasceu Dream Mix Tv World Fighters! O game mais pilantra de todos os tempos!!!!

Como a Takara é a dona japonesa de Transformers (como eu disse durante todo o mês, se não sabe disso até agora você é um viado de marca maior) ela enfiou o Líder Optimus e o Megatron como personagens jogáveis aqui.

Outros astros são Simon Belmont, Solid Snake e Twin Bee por parte da Konami, Hugo de Bloody Roar e Master Higgins de Adventure Island por parte da Hudson... e mais um monte de gente que não faço idéia de quem sejam ou qual empresa estejam representando.

Ah, tem também o Tyson do Bayblade.

Vou ser direto e reto: os gráficos são medianos, o som é uma ameba, os controles são nem fú nem fá e o game simplesmente não é atraente o bastante para merecer uma segunda jogada. No máximo você vai jogar até liberar o Megatron (que é personagem secreto) e se dar por satisfeito.

Mas se você sempre teve vontade de atropelar um lobisomem com o Líder Optimus enquanto o Devastador fica olhando, este game é pra você!

E aqui encerro meu mês temático de Transformers! Espero que tenham gostado e a seguir volto com minha programação normal!

E só pra não perder o hábito:

ATÉ TODOS SEREM UM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Cheers!!!

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Mês de Cybertron - Treze fatos interessantes sobre Transformers!

Já que este mês eu decidi dedicar o blog unicamente a Transformers, porque não compartilhar um pouco de meu grande conhecimento sobre a franquia com vocês?

Sim, me considero um connoisseur de Transformers, uma vez que dedico GRANDE parte de meu tempo livre à pesquisa das múltiplas franquias envolvendo os robozinhos.

Faço isso por gosto, não pra me gabar e esnobar como já ví certos fãs fazendo na Trans-Con nacional.

Se é que podemos chamar um espaço pequeno (o segundo andar da Comix na última vez que fui) com mais de trinta pessoas enfurnadas sem conseguir se mexer ou respirar e olhando para estantes de brinquedos que não estão à venda de Trans-Con...

Mas enfim, dedico muito tempo a pesquisar sobre Transformers e assim sendo acabei com uma grande quantidade de conhecimento sobre a série!

Conhecimento que agora divido com vocês! Aproveitem!!!

Aliás, quero deixar bem claro que de forma alguma me acho especial por saber tanto sobre Transformers! É uma linha de brinquedos e curto ela por hobbie. Qualquer ser que se leve a sério por ser um grande conhecedor de Transformers... bom... é um cabação de marca maior!

Pronto, falei!

Agora transformem e ascendam!!!

Transformers foi feito com base nas séries Diaclone e Microman

No início dos anos 80, existiam duas coleções de brinquedos no Japão, com robôs que se transformavam em veículos e tralhas em geral.

Ambas eram produzidas pela empresa nipônica Takara e por incrível que pareça, não possuiam séries animadas.Então a Hasbro viu potencial de lucro nestas linhas de brinquedos e decidiu fazer um acordo lucrativo com a Takara, para levar ambas as coleções para os Estados Unidos e promovê-la através de um desenho animado para televisão.

E assim nasceu Transformers.

Os robôs não tinham nomes ou designações na série original, eram conhecidos pelos nomes de seus modos alternativos. Foi a Hasbro que decidiu que veículos militares, armas e o rádio seriam vilões e que os veículos civis seriam os heróis.

De fato, tanto a linha Microman quanto a Diaclone traziam mini-pilotos para serem acomodados no interior dos robôs, o que explica porque muitos Transformers na versão brinquedo tinham cockpits embora de acordo com o desenho animado, fossem seres autônomos.

Aliás, isso também explica porque raios muitos brinquedos não se pareciam nada com sua versão animada, uma vez que o desenho foi produzido depois que os brinquedos já haviam sido lançados e era necessário simplificar o visual dos personagens para facilitar a animação.

Que coisa, não?

N0 Japão, a G1 durou bem mais que na América

A série animada original foi ao ar em 1984 e encerrou-se em 1987.

Nos Estados Unidos, isto é!

No Japão ela durou até aproximadamente 1992.

Enquanto no ocidente a série se encerrou na quarta temporada com o (horrendo) episódio triplo "The Rebirth", no Japão este episódio foi ignorado e a série prosseguiu com a temporada "The Headmasters", que era uma continuação direta da série produzida para o mercado Americano.

Em seguida foi produzido Transformers Victory, que se desligava de vez da continuidade americana e apresentava uma porrada de personagens novos, uma nova história com novos vilões, que incluiam um Decepticon tirano que no fundo estava pensando nas criancinhas e sua esposa ofensivamente submissa.

Sem brincadeira!

Claro, nem todas as séries posteriores foram transformadas em aanimações para a televisão. Transformers Zone foi uma animação produzida para video (um OVA) e Return of Convoy foi lançado em uma única edição de um manga.

Não sei explicar porque no Japão a série continuou sendo produzida, mas suponho que isso se deveu a seu mercado, que é bastante segmentado e assim sendo, sempre teve um lugar, por menor que seja, para acomodar as aventuras de Líder Optimus e seus amigos.

Embora no Japão ele se chame "Convoy".

Vale dizer que a maioria das séries japonesas é bem ruinzinha e como em todo anime, muitos de seus episódios tem sua história estragada logo na tela título.

Como no caso do episódio chamado "A Morte de Ultra Magnus".

Esses japoneses...

Megatron quase teve outro nome

Quando iniciou o processo de adaptação dos personagens de Diaclone e Microman para o mercado americano, a Hasbro teve de criar nomes e biografias para todos os robozinhos, uma vez que em suas linhas originais eles eram seres genéricos. O então editor da Marvel Comics Bob Budiansky era um dos escolhidos para ajudar nesta árdua missão.

O nome "Megatron" foi sugerido por ele à Hasbro, que prontamente recusou, afirmando que o prefixo "Mega" poderia lembrar às pessoas de bombas atômicas e artefatos nucleares e que também soava "muito perigoso".

Budiansky rebateu que esta era a intenção, pois afinal de contas ele seria o líder dos vilões.

A ficha da Hasbro caiu e a empresa respondeu "ah tá" e então liberou o uso do nome para o tirano Decepticon que tanto amamos.

Fico imaginando que nome a Hasbro colocaria no personagem caso não aprovassem Megatron.

Waldemar, talvez?

O brinquedo de Megatron sempre causou problemas por causa de seu modo alternativo

No desenho original, Megatron se transformava em uma pistola de modelo Walther p-38, com tamanho variável, mas normalmente apropriada para ser manuseada por outro Transformer (normalmente Starscream ou um dos Seekers, mas em pelo menos uma ocasião, quem o manuseou foi o Optimus).

O negócio é... seu brinquedo virava um revólver realista...

Muito realista...

A foto prova tudo!

Fico imaginando quantas crianças foram baleadas pela polícia por estarem no quintal de casa brincando com seus Megatrons...

Assim sendo, devido à leis rígidas (lá fora, claro) sobre armas de brinquedo realista, é um bocado difícil comprar o boneco Masterpiece Megatron, lançado no ano passado e que é uma reprodução fiel do personagem do desenho além de uma réplica fantástica da arma real. Masterpiece Megatron foi apreendido em massa em diversas alfândegas do mundo, deixando muito colecionadores que gastaram uma grana boa no brinquedo, incrivelmente frustrados.

Uma solução encontrada por algumas importadoras foi pregar com adesivo (talvez permanente, como Super Bonder) uma tampinha de borracha em cor berrante ao cano da arma do boneco, algo que enfeia demais o brinquedo, mas que é uma das poucas soluções para se importá-lo numa boa.

Conseguir o brinquedo original do Megatron G1 não envolve tantos problemas, sendo que a maioria das vezes é possível adquirí-lo de um "cambista" de brinquedos. Você sabe... aqueles bastardos que compram um brinquedo, guardam por anos e depois revendem pela internet por cinco vezes o valor que pagaram.

Este é aliás, um dos principais motivos para Megatron não mais se transformar em uma arma nas mídias atuais da série, pois isso dificulta muito a comercialização de brinquedos com a imagem do personagem.

E Transformers existe APENAS PARA VENDER BRINQUEDOS!

Alguém precisava dizer isso em voz alta.

Starscream morreu por causa de seu dublador

Bom, Starscream foi pulverizado no longa metragem, isso já contei no artigo passado.

Mas aparentemente ele só teve este destino porque a produção da série não aguentava mais trabalhar com seu dublador, Chris Latta e matar Screamer foi a forma que encontraram de se livrar dele.

Chris Latta constantemente ia parar na cadeia e seus colegas de elenco e produtores da série sempre pagavam sua fiança para poderem trabalhar. Uma vez que ele dublava um dos personagens mais importantes da série (dois, se contarmos que ele também providenciava a voz de Wheeljack), era impossível realizar as sessões de dublagem sem ele.

Assim sendo, reza a lenda que quando a produção do filme foi iniciada, os escritores e membros da equipe chegaram ao consenso de eliminar Starscream da história, para se verem livres das dores de cabeça de trabalharem com Latta.

Não se sabe ao certo se esta história é verdadeira ou se foi um boato que cresceu mais do que devia, mas é curioso perceber que os dois personagens de maior destaque que emprestavam sua voz foram limados da série na mesma ocasião.

Não apenas isso, mas ele também dublava o Comandante Cobra, que sofreu um destino horrendo no filme dos G.I Joe e também acabou saindo da série. Levando em consideração que ambas as séries eram produzidas pela Hasbro e tinham praticamente a mesma equipe de dublagem (e provavelmente de produção), é possível que ambos os personagens tenham sido "removidos" de suas respectivas séries pelo mesmo motivo.

Latta morreu em 1994 de hemorragia cerebral e costuma ser lembrado com carinho por seus colegas, embora alguns comentários feitos por eles deixem sub-entendido que há mais por trás dessa história do que foi revelado. Peter Cullen (o dublador do Optimus) uma vez declarou que "Latta foi uma vítima da tendência de Hollywood em devorar seus jovens".

Aliás, aposto que você já viu Chris Latta e nem sabe disso!

Lembra do filme "Matador de Aluguel", com Patrick Swayze, onde somos forçados a engolir que ele é um cara durão?

Bom, lembra da cena no bar, onde um cara cobra vinte dólares pra quem quiser apertar os peitos de sua mulher?

Esse cara é o Chris Latta!

Quem diria, Starscream! Quem diria!

A G1 tecnicamente faz parte do mesmo universo que os heróis Marvel

Inicialmente, a Marvel Comics publicava os quadrinhos de Transformers, assim como era meio que o braço direito da Hasbro na divulgação dos personagens no ocidente.

Uma vez que tinham os direitos dos robozinhos para publicar suas histórias, os executivos da editora decidiram integrá-los a seu universo de heróis e até fazê-los interagir uns com os outros.

No entanto, os heróis Marvel aos poucos sumiram das páginas dos quadrinhos de Transformers, não sendo sequer mencionados a partir de um certo momento.

Estranho, sendo que nas primeiras edições dos quadrinhos, Nick Fury fez uma ponta em uma das histórias e o Homem Aranha foi um convidado especial que deu olé no Megatron.

A melhor explicação que eu tenho para isso foi que os eventos no quadrinhos dos Transformers acabaram ganhando proporções grandes demais e as atenções do universo Marvel deveriam convergir em direção dos robozinhos caso os vínculos não fossem cortados.

Veja só, em determinado momento dos quadrinhos, Shockwave destrói todos os Autobots menos Ratchet e os Decepticons colocam os Estados Unidos sob lei marcial. Como raios Reed Richards poderia continuar prestando atenção às papagaiadas do Doutor Destino com uma ditadura imposta por robôs alienígenas rolando bem no seu quintal?

Pois é!

Hoje em dia, os Transformers ainda trombam com os Vingadores de vez em quando, mas tais encontros são tratados como crossovers normais e não tem nenhuma implicação canônica na mitologia dos robozinhos.

No entanto...

Os Transformers e os G.I Joe oficialmente são parte do mesmo universo

O que é meramente senso comum, uma vez que ambas as franquias são propriedade da Hasbro.

Ainda não foi feito nenhum crossover entre as duas franquias fora dos quadrinhos, mas podemos torcer para o futuro filme dos Joes ser um sucesso tão grande quanto Transformers foi no ano passado e que ao final de suas respectivas trilogias (ou você acha que vão fazer um único filme dos Comandos?) a Hasbro decida fazer uma ultra-produção misturando os dois universos.

Eu assistiria com amor!

E por falar em amor, pelo sorriso o Bumblebee também curte ruivas.

Mais do que isso, repare em como Scarlett está "beliscando" sua calota direita... acho que a cara do Bumblebee significa "Em público não, querida! Deixa pra depois!"

Pobre Snake Eyes... ele é foda, mas não tem como competir com um robô de 4 toneladas.

E já que eu falei dos G.I Joe...

Optimus só morreu por causa do Duke

Os longas de Transformers e G.I Joe estavam em produção quase simultânea durante os anos 80, com o filme dos Comandos em estágio um pouco mais avançado que o dos robozinhos.

Originalmente, Duke deveria morrer no filme dos G.I Joe, pois seria alvejado no coração por Serpentor.

Um dos engravatados por trás da produção dos filmes (não tenho certeza quem, ou qual sua função, só sei que era um dos manda-chuvas e que estava envolvido com os dois longas) achou a idéia de Duke morrer genial e exigiu que Optimus morresse no filme dos Transformers também.

Assim foi feito... e uma resposta bastante negativa veio em seguida...

Muitos pais reclamaram que seus filhos sairam bastante perturbados do cinema, devido a brutalidade do filme e a forma gráfica com que Optimus foi morto, assim sendo, o mesmo engravatado exigiu que a cena da morte de Duke fosse re-escrita, mas já era tarde demais, pois o longa já tinha sido animado.

Assim sendo, a solução encontrada para evitar a morte de Duke foi fazer Scarlett dizer "ele está entrando em coma" quando a câmera focalizava Duke em seu colo e o rosto da moça não podia ser visto.

Sim... porque é exatamente isso que acontece com uma pessoa quando ela é atingida no coração por uma lança envenenada... ela entra em coma...

Aliás, o longa dos G.I Joe estava em produção antes do de Transformers e foi terminado um pouco depois, o que explica essa tentativa de mudança desesperada no roteiro.

Mas não fez diferença alguma a tentativa de consertar a morte de Duke, afinal o filme foi um fiasco de bilheteria, assim como o de Transformers, o que se deveu a uma campanha de marketing de merda, realizada para ambos os longas.

Mesmo assim, a Hasbro aprendeu com o feedback negativo do público e não mais matou seus personagens principais em nenhum outro filme baseado em suas franquias.

Por isso que no filme de 2007, só morreram personagens que não falaram, ou que tiveram menos de cinco linhas de diálogo ao longo da história.

Marissa Fairborne é filha do Flint

Flint, aquele militar durão de boina que sempre estava junto do Duke no desenho dos G.I Joe, se casou com Lady Jaye, a morena de cabelo curtinho que usava lanças como arma e teve Marissa Fairborne como filha.

Enquanto na continuidae americana ela é mostrada como uma militar MUITO durona que é temida pelos Decepticons e tem o respeito até mesmo de Megatron, no Japão...

Vamos dizer que no Japão ela beija robôs e não dá a seus pais nenhum motivo para se orgulharem...

Além de deixar a população do resto do mundo tremendamente incomodada...

É tudo culpa da Singularidade Unicron

Sabe quando você assiste Transformers e vê algo que não deveria estar alí?

Por exemplo, um personagem que já morreu e que de repente aparece no fundo do cenário, fazendo figuração com outros robôs?

É culpa da Singularidade Unicron!

A tal Singularidade é um buraco negro bem ao lado de Cybertron, que surgiu quando Primus tentou destruir Unicron jogando-o no interior de um sol recém nascido. O plano deu errado e um buraco negro nasceu do conflito da essência do vilão com a energia do sol.

Este buraco negro é tão poderoso que ameaça sugar a todo universo e inclusive traga fragmentos de nossa realidade junto.

Ou seja, ele suga continuidade também...

E sempre que acontecer um erro de continuidade ou de coerência em Transformers, você já sabe: a Singularidade Unicron mudou a realidade.

Francamente Hasbro... que cara de pau...

Houve um episódio de Beast Wars que acabou não sendo produzido

E que fez falta no final.

Enfim, no episódio "Bad Spark", Dinobot faz um backup de sua memória no computador da base dos Maximals, o que foi bastante conveniente, pois no episódio seguinte "Code of Hero" ele morreu ao enfrentar todos os Predacons e salvar os pré-humanos que estavam em perigo.

Na terceira temporada da série, Megatron criou um clone melhorado de Dinobot, chamado Dinobot II, que no último episódio teve lampejos de memórias do Dinobot original e traiu seu criador para ajudar os heróis a vencerem a guerra.

Ok.

Como raios ele teve lampejos de memória do Dinobot original, se somente o DNA do personagem original foi usado em sua criação?

Simples: foi criado um episódio chamado "Dark Glass" onde Rattrap encontraria a memória do Dinobot original no computador da nave e após um episódio inteiro de tentativas, finalmente conseguiria fazer upload da informação na mente de Dinobot II.

Isso explicaria como ele tinha as memórias do robô original no fim da série.

Entretanto, tal roteiro nunca foi animado pois foi considerado um tanto sombrio e com ação de menos, sendo substituído por "Go with the Flow", um episódio mais infantil e de acordo com o gosto dos chefões.

Larry DiTillio, um dos principais roteiristas de Beast Wars, caiu em contradição sobre o fato de tal episódio ter sido escrito ou não, mas se analisarmos o jeito com que a história se desenrolou e somarmos o que sabemos sobre o roteiro de Dark Glass, é fácil perceber lacunas no enredo que seriam facilmente preenchidas caso o episódio em questão tivesse sido produzido.

Bem, o que importa é que na centelha de um inimigo haverá a salvação e em nossa hora de maior escuridão, haverá uma luz...

Transformers podem ser grandes poetas...

Arcee quase fez parte do time de Autobots no primeiro filme

Mas foi removida por ser mulher!

PORCOS CHAUVINISTAS!!!!!!!!!!!

...

Bom, na verdade, os produtores e escritores do filme acharam que seria um problema explicar a presença de uma fêmea em uma raça de robôs e substituiram a menina por Ironhide no roteiro final do filme.

Mas ela já foi confirmada para o segundo, uma vez que o público já conhece os básicos da mitologia de Transformers, agora é só questão de explicar os detalhes.

Como por exemplo: por que uma raça de robôs tem personagens do sexo feminino?

Resposta simples: porque é legal!!!

Sinceramente, ficar buscando explicações científicas para questões irrelevantes e completamente fictícias é coisa de perdedor.

E mesmo assim, sempre tem um tonto querendo explicar de forma lógica porque fêmeas de uma raça robótica tem seios!

For Spark's sake...

Grande parte dos fãs da G1 de Transformers são umas tremendas putinhas

Muitos dos fãs da série clássica de Transformers que conheci não passam de umas putinhas birrentas que atacam qualquer um que discorde da opinião deles.

Aliás, o cara nem precisa discordar, basta gostar de alguma das outras franquias da série como Beast Wars, Beast Machines, Armada ou o filme do Michael Bay.

Principalmente o filme do Michael Bay...

Um dos fãs raivosos que conheci tem quarenta anos e usa o argumento "MICHAEL BAY PODE ENFIAR SEU MEGATRON ESPINHUDO NO CU" quando quer explicar porque odeia o filme.

E se isso não é ser putinha, eu não sei o que é!

Mas vou deixar este assunto pra semana que vem, onde provarei que os fãs putinhas se baseiam em porra nenhuma pra fazer seus escândalos!

E com certeza vou ofender muita gente!

...

Como se isso fosse algo ruim...

Cheers!

sábado, 7 de junho de 2008

Mês de Cybertron - Transformers: O Filme - Além do bem, além do mal, muito além da sua imaginação !!!

E finalmente eu fiz!!!

Há muito tempo que eu queria escrever sobre o longa metragem de Transformers, mas nunca tinha bolas para fazê-lo. De fato, este artigo está sendo produzido há semanas, nunca trabalhei tanto em um texto do blog quanto neste aqui.

Bom, vou avisar duas coisas antes de começar: primeiro, este artigo é totalmente geek de Transformers, portanto se sua filosofia de vida é "pau no cu dos Transformers" recomendo que volte em outra ocasião, quando algo de seu agrado tenha sido postado aqui.

Ou melhor, nem volte! Se sua filosofia é essa, vá se foder e não me encha o saco!

Segundo, o artigo de hoje será o mais longo de toda a vida do blog e se isso não te agrada, bom, eu peço desculpas, mas não tenho como escrever desse longa sem destrincha-lo em detalhes. Aposto que tem algum filme que você ama e pensa assim a respeito.

Se não tiver... bom, tome um Toddynho. Vai fazê-lo se sentir melhor!

Enfim, em 1986, Transformers era a coisa mais legal que já havia surgido na face da Terra. Eu tinha os quadrinhos, assistia o desenho animado religiosamente e embora nunca tenha tido um boneco do Líder Optimus, isso não me impediu de improvisar com os brinquedos que tinha e criar mega sagas cósmicas para os robozinhos.

Um belo dia, enquanto assistia... alguma coisa na televisão, ví uma propaganda do filme nos cinemas.

Acho que como toda criança no mundo, eu tive uma diarréia mental e implorei pra minha mãe me levar para assistir.

Bom, ela não me levou e usou como desculpa que o filme havia ficado em cartaz só pelo dia de estréia. Eu acreditei e chorei, chorei, chorei.

Acho que ela não tava é com saco de me levar no cinema, uma vez que eu nunca parava quieto quando ia, mas diabos!!! Era Transformers!!! Eu não ia ficar inquieto, pelo contrário, ia assistir com a mesma concentração que um religioso devoto assiste aos discursos do Papa nazista Bento Satã XVI.

Mas enfim, eu encontrei o filme em uma locadora de video uns bons dois anos depois e fiz minha mãe pagar pelo menos 117 renovações seguidas, então acredito que ela já compensou karmicamente por não me ter deixado ver Transformers no cinema.

Depois o filme foi exibido na Rede Globo em uma semana dedicada às crianças, eu gravei e pude assisti-lo mais 7 milhões de vezes.

E hoje em dia, sei todos os diálogos de cor. Um amigo achou isso assustador quando me viu prevendo cada fala que surgia.

Toda esta ladainha é só pra explicar o quanto eu amo este filme. Não tem como eu ser imparcial ao falar dele, pois é meu filme favorito de todos os tempos e nunca será produzido nada mais legal.

Enfim, vamos a ele!

E a essa altura, você já deve ter percebido que este mês só vou falar de Transformers por aqui, correto?

Bom, se não sabia, está sabendo agora! Aproveite!

Nossa história começa com um planeta monstruoso saindo dos confins do cosmo.


Claro que você deve saber quem é, mas por hora, vamos manter o suspense e fingir que não fazemos idéia de quem seja.


Hã? você realmente não sabe de que se trata? Bom, me acompanhe então.


O planeta monstruoso está indo em direção do pacífico mundo de Lithone, onde vive uma civilização de robôs pacíficos.


O dia está bonito, as pessoas passeiam pelo shopping fazendo compras e as crianças brincam de polícia e ladrão.


O quê? você está achando estranho que existam crianças em uma raça de robôs? Ora, mas é perfeitamente normal, veja só, quando o papai robô e a mamãe robô gostam muito um do outro, eles...


Ah diabos, vá perguntar pros seus pais! Eu não tenho obrigação de te explicar isso!


De repente, o planeta monstro surge no horizonte e os habitantes de Lithone entram em pânico.


Não é a toa, o planeta come toda a civilização do planeta em menos de 5 minutos!!!!


Que ser poderia ser tão horrível e ter um apetite tão voraz a ponto de exterminar todo um povo para ter um mero lanchinho???


Ahhhhhh... tá explicado...


O filme então começa de vez e descobrimos que a história se passa em 2005, três anos atrás!


Mas que coisa, parecia um futuro tão distante em 1986!


Em Cybertron, logo de cara vemos que Laserbeak está espionando a Base Lunar dos Autobots. Nesta época, os heróis se instalaram nas duas luas de seu planeta natal para tentar retomá-lo dos Decepticons.


Mas podemos ver que mesmo tendo planejado tão alto, eles ainda não conseguem evitar espiões ou mesmo notá-los, independente de fazerem tanto barulho quanto uma usina nuclear.


Ironhide está muito puto e quer que Optimus lhe diga quando eles começarão a detonar os Decepticons. Pra deixar bem clara sua revolta, ele agita o punho no ar.


Como Optimus é o chefe, ele manda Ironhide calar a boca e ir pra Terra, pois eles não tem Energon o suficiente pra mandar ver num ataque. Ironhide obedece, afinal de contas... Optimus é o chefe.


Aproveitando que ficou livre de Ironhide, Optimus entra em contato com Jazz na Base Lunar 1, pra ver se tá tudo beleza por lá e em seguida, Jazz entra em contato com a Base Lunar 2...


... onde estão Spike e Bumblebee, que confirmam que tá tudo xuxú beleza por lá também.


É interessante ver que Spike agora mora em Cybertron com os Autobots. Vimos no seriado que a atmosfera do planeta pode ser respirada por humanos... o que é improvável, mas tudo bem, minha pergunta agora é: o que ele come?


Duvido que ele consuma Energon e duvido mais ainda que comida tenha sido levada da Terra para Cybertron e que seja em estoque grande o suficiente para ele manter residência por lá.


Mas que se dane, tá tudo bem em todos os lugares e a nave com Ironhide e cia é despachada para a Terra.


Optimus vê a nave partir e reza para que tudo dê certo.


Jazz e Cliffjumper, que até agora a pouco estavam em uma lua diferente da dele, também desejam que tudo dê certo.


Laserbeak volta a base Decepticon, onde Megatron o recebe com alegria e orgulho, afinal de contas, o passarinho nunca pisa na bola com ele.


Após aloprar Starscream como sempre faz, Megatron assiste às imagens que Laserbeak gravou e vê que uma nave Autobot está a caminho da Terra. Ele então tem um plano brilhante.


Possivelmente, o primeiro plano seu que fez algum sentido.


Na nave Autobot, Prowl, Ironhide e os outros vão em direção a Terra, escutando ZZ Top e Spectre General.


QUANDO DE REPENTE!!!!!!


Os Decepticons adentram na nave e começam a matar todo mundo!!!!!!!


Todo mundo mesmo! Sem piedade!


E foi neste momento que percebemos que este filme era diferente da série animada. Na televisão, os personagens levavam tiros e mais tiros, aguentavam explosões a queima roupa e eram arremessados em lava, para no dia seguinte voltarem sem nenhum arranhão.


Aqui a coisa era séria. Um tiro representava a morte e todas as crianças que assistiram esse filme na época de seu lançamento passaram a temer pela vida de seus robôs favoritos.


Eu sei que você também temeu, nem tenta me enrolar, seu bicha!!!


E aliás, esta cena é tremendamente gráfica em termos de violência. Acredito que quando produziam um desenho para o cinema e recebiam uma verba maior e mais liberdade, os roteiristas perdiam a noção e mandavam ver na brutalidade... o que resultava em cenas tremendamente chocantes para a garotada.


Outro dia volto neste assunto.


Starscream acha que é uma boa usar a nave para atacar as bases lunares dos Autobots, mas Megatron o alopra mais uma vez e diz que o objetivo é atacar Autobot City, na Terra.


Autobot City era uma cidade onde moravam centenas de Transformers... e um humano.


Se São Paulo fosse uma cidade legal, seria como Autobot City.


Em um último ato de bravura, Ironhide agarra o pé de Megatron, o vilão dá um sorrisinho e explode a cabeça do Autobot velhaco com um tiro a queima roupa de seu canhão de fusão.


Esta é a prova definitiva de que os Decepticons agora são canalhas homicidas filhos da puta e não mais vilões atrapalhados e felizes que ficam bêbados com Energon.


Enquanto isso, na Terra, conhecemos Hot Rod e Daniel.


Daniel é filho de Spike e Hot Rod é o melhor amigo dele. Os dois aparentemente gostam de passar o tempo juntos pescando e comprando artigos de pesca gigantes.


Daniel tá meio chateado porque não vê o pai há meses e Hot Rod tenta animar o menino. Em seguida, ele vê que uma nave Autobot está chegando e sobe em seu skate voador pra poder receber os visitantes.


Como é um idiota, Daniel sofre um acidente que deixaria qualquer criança paraplégica...


... mas há vantagens em ser amigo de um robô gigante.


Hot Rod vira carro e começa a dirigir feito Speed Racer para chegar ao observatório e os dois assistirem direitinho ao pouso da nave! Em velocidade máxima, era preciso chegar ao objetivo, não importando os obstáculos no caminho!!!


Aqui temos Kup, trabalhando nas obras do metrô de Autobot City, ou algo assim.


Kup é um robô da velha guarda, calmo, sábio e com muita experiência de vida!


MAS NO MOMENTO ELE É APENAS UM OBSTÁCULO NO CAMINHO!!!!!!!!!!!


Esse playboy turbinado! O Kup pega ele na esquina qualquer dia desses!!!!!!


No observatório, Daniel e o amigo percebem que a nave está cheia de Decepticons e Hot Rod faz aquilo que qualquer americano de sangue quente faria:


Passa fogo na nave!


Charlton Heston ficaria orgulhoso!!!


Deus o tenha em bom lugar.


O expresso explode (uau, o garoto atira melhor que o Dirty Harry) e os Decepticons atacam!!!


Essa é a cara que um robô faz quando tem um tanque de guerra fazendo mira pra perfurar seu rosto a bala.


Felizmente, Kup aparece para o resgate! Ele desvia o canhão e faz com que o tiro...


... pegue bem no peito do Shraphnel...


... que se torna mais íntimo de Blitzwing após isso.


Blitzwing vai negar tudo o resto da vida, mas aposto que gostou do amasso que recebeu!


Pelas barbas de Odin, eu adoro essa cena, eu juro!!! E os animadores do longa de Transformers também.


No longa de 2007, a cena em que Jazz pula em cima do tanque de guerra (Brawn e não Devastator, não importa o que a legenda diga) é uma homenagem a esta, pois a movimentação dos robôs é praticamente igual.


Se você é geek de Transformers como eu, deve ter tido um faniquito quando viu a cena, ahhh sim!


Em Autobot City, conhecemos os novos personagens do filme: da esquerda pra direita, Springer, Ultra Magnus, Arcee e Blurr.


Magnus é (de certa forma) o irmão caçula de Optimus e tenta ser um bom Líder.


Ele falha miseravelmente, mas veremos isso aos poucos.


O grandalhão despeja ordens sobre o pessoal: Manda Perceptor encontrar o Blaster para que ele contacte o Líder Optimus, Manda Arcee e Springer transformarem a cidade, pois assim poderão aguentar melhor ao ataque e manda Blurr segui-lo... pois se ficar sozinho ele vai fazer alguma merda.


E assim é feito. Cada um cumpre suas ordens e vemos Springer e Arcee transformando a cidade, não sem antes a menina protestar por Hot Rod e Kup estarem fora da cidade e Springer não dar a mínima para eles.


Diabos... quer que o Hot Rod morra pra pegar a mina que é interessada nele... que golpe baixo, Springer...


A cidade começa a se transformar e pega os Decepticons de surpresa.


Como Starscream, que fica preso em uma comporta e não vê outra alternativa para se soltar...


... a não ser explodir o próprio pé.


Esta cena, assim como a morte do palhaço, é tragicamente cômica.


Megatron não consegue explodir as defesas da cidade com seu canhão de fusão e então manda os Insecticons as comerem.


Prático.


Mas Hot Rod e Kup finalmente se aproximam de Autobot City. Todas as entradas para a cidade estavam fechadas menos a que os Insecticons comeram e nossos heróis agradecem a mãozinha que os vilões deram com um pouco de ultra violência.


... DAMN!!!!


Pode ter certeza que uma cena dessas jamais seria exibida na série de tv.


Perceptor vai até Blaster e manda ele contactar a base lunar Autobot e pedir socorro ao Optimus. Não conseguem fazer nada sem o Líder, esse bando de imaturos!!!


Blaster manda a mensagem, mas ele e Perceptor são atacados pelos robôs anões de Soundwave, que prontamente dão um cacete no microscópio.


É uma cena humilhante, ver um robô apanhando de seres que batem a altura de seu joelho.


Sério, nem vou mostrá-la aqui.


Felizmente, Blaster também tem robôs anões vivendo dentro de sua caixa toráxica...


... e somos agraciados com um deathmatch entre os menores robôs do mundo que viram fitas cassete.


Arte! Eu te digo!


Hot Rod e Kup se reunem com os outros e colocam um lança mísseis em posição, com a intenção de meter bala nos Decepticons e acabar com essa invasão de uma vez por todas!


Daniel também ajuda a empurrar o canhão, mas ele é um idiota! Não conta!


Do lado de fora, os Constructicons se unem e formam o Devastador (ESSE É O DEVASTADOR, NÃO O TANQUE DO FILME, CACETE!!!) e aí, basicamente, fodeu tudo.


Sério, todo mundo que viu essa cena na época, cagou nas calças pelo simples terror de ver o Devastador surgir em uma batalha já tão terrivelmente desequilibrada entre os dois lados.


Nem uma chuva de mísseis detém o Devastador! Ele não tá nem aí!!!


Fodeu tudo!!!


Olha só a cara de sádico do Megatron! Ele sabe que os Autobots tão mais fodidos que colegial em Anime Hentai!!!


É, eu sei... sou um tarado...


Mas eis que Optimus surge, trazendo os Dinobots consigo e me deixem dizer: isso sim que é cavalaria!!! Puta que pariu!!! Nem John Wayne conseguia trazer reforços tão bons assim!!! É por isso que o primeiro nome dele é "Líder"!!!


A primeira ordem do chefe é simples: "Dinobots, destruam o Devastador!"


E eles vão...


... com resultados questionáveis.


Nem preciso comentar a imagem acima.


Optimus decide botar a mão na massa ele mesmo, afinal está cercado de idiotas, incompetentes e dos Dinobots.


E yeah!!! Lá vai ele, agora os Decepticons tão fudidos!!!!!


Optimus atropela...


... e mete bala em todo mundo.


De fato, com estas duas simples ações, ele vira a batalha por completo.


Diabos, se ele estivesse na nave que vinha pra Terra, aposto que os Decepticons nem sequer a teriam tomado e o Ironhide estaria agora tomando um chá com o Perceptor.


Optimus encontra Megatron e ao melhor estilo de um grande herói e seu nêmesis, os dois tem sua batalha final.


De fato, não tenho palavras pra descrever esta luta, pois é uma das coisas mais sensacionais que já ví na vida. É mais fácil você assistir.


Foda, heim! Falaí!!!


O quê? Você não gostou?


Vá pro caralho! Seu bosta! Você não sabe de nada! Espero que um urso te estupre!!!


Aposto que você gosta de Escaflowne! Embriocado da porra!!!!!


*arram*


Prosseguindo...


A luta é equilibrada, mas Optimus tem a vantagem no final. Ele pega seu rifle e decide fazer aquilo que devia ter feito nos últimos dois anos de série animada: mandar Megatron pro quinto dos infernos!


E todos vibramos, pois uma vez na vida em um desenho dos anos 80 o vilão ia morrer de verdade!


Exceto que Megatron achou um revólver embaixo de escombros e se preparava pra meter bala em Optimus à traição!


Isso não teria sido um problema pro Líder, caso Hot Rod não tivesse tentado desarmar o vilão.


Megatron o agarrou e usou de escudo e assim Optimus não pode mandar bala em seu inimigo!



Diabos, Hot Rod! Olha a merda que você fez! Se não fosse sua interferência de merda o Optimus teria matado Megatron e todos estariam tomando Nescau com biscoito Nestlé Surpresa!!!!


Espero que esteja feliz! Seu merda!


Megatron se aproxima então de seu inimigo e começa a se vangloriar por ter finalmente vencido a batalha. Inexplicavelmente, ao invés de atirar de uma vez e acabar com isso, ele fica parado apontando a arma pra Optimus por tempo suficiente para que ele faça...


... ISSO!!!


Você teve sua chance e não aproveitou, Mega! Sinto muito!


E Hot Rod vai correndo pedir desculpas a Optimus, por ter causado sua morte em uma situação onde sua vitória era certa.


Nossa, isso explica os complexos de culpa que ele viria a sentir na terceira temporada!


Lá embaixo, Starscream mete uma bica em Megatron e ordena que Astrotrain se transforme, para que possam fugir.


E os Decepticons fogem!


Soundwave, como bom Smithers que é, não deixa seu líder para trás.


O que me faz pensar, pois os Decepticons estavam massacrando os Autobots até agora a pouco e bastou que o Optimus chegasse para conseguir vencer a guerra.


Um exército perdeu uma guerra para um único robô.


Mas até então, estavam massacrando um exército tão grande quanto o seu sem nenhuma dificuldade.


Se os Decepticons são incompetentes pra apanhar do Optimus sozinho... os Autobots são ainda mais por terem apanhado de caras que depois apanharam de um cara só!


Aaaarrrrgh, meu cérebro! Vamos continuar...


E presenciamos os momentos finais do Líder Optimus.


Os Autobots sobreviventes estão ao seu redor ouvindo suas últimas palavras e Hot Rod está no canto, torcendo pra ninguém descobrir que é culpa dele o Optimus estar nas últimas.


Optimus é nobre demais pra dedurar o rapaz.


Bem, o Líder expressa seu último desejo, que Ultra Magnus o substitua no papel de comandante supremo dos Autobots.


E então abre seu peito e mostra a matriz da Liderança dentro de si!


Curioso... na série de tv, quando ele mostrou seu interior, não havia nada aí.


Nenhuma das diversas vezes que pudemos vê-lo por dentro.


Que coisa, não?


Em seu último fôlego (ele é um robô, ele não respira, porra) optimus deixa a Matriz cair e então Hot Rod a pega e o artefato brilha em sua mão!


Mas teriamos de assistir a mais uma hora de filme pra descobrir o que exatamente isso significava.


E olha só, o Ultra Magnus também tem um compartimento específico pra colocar a Matriz!


Será que todos os Autobots tem?


Será que o Bumblebee tem?


Porque eu te digo, vai nevar no inferno antes que alguém resolva passar a liderança dos Autobots pra ele! Podem passar pro Ronnie Von, mas não pra ele, eu garanto!


Então... Optimus fica cinza...


Ou melhor, ele morre.


Sim... o protagonista da série morre.


E Daniel faz aquilo que todos nós fizemos ao ver esta cena...


...


Eu também chorei quando Optimus morreu e posso afirmar sem medo quando digo que muitas crianças ficaram de coração partido com essa cena.


Ah bem, vamos em frente.


Os Decepticons estão a caminho de casa e Astrotrain (que é o meio de transporte) pede a eles que aliviem o peso ou jamais chegarão em Cybertron.


Bonecrusher se levanta e sugere que os fortes devem sobreviver e os fracos jogados no espaço!


E os fortes concordam!


E aposto que você está impressionado com minha capacidade de distinguir um Constructicon do outro!


Os fracos e feridos discordam, mas quem se importa com o que eles pensam? Eles são fracos!!!


FRACOS!!!!!!


E como tal, são jogados fora!


FRACOS!!!!!!


Starscream pessoalmente carrega Megatron para jogá-lo da nave.


E faz uma cara de orgasmo tão intensa nesse momento que nem sei como esse desenho pegou censura livre na época.


Livre de Megatron, Starscream anuncia que será o novo líder dos Decepticons, mas os outros discordam e o pau come solto.


Hook até leva uma mordida na bunda, veja você!


Ha-ha! Minha capacidade de distinguir os Constructicons mais uma vez é posta em prática! Viva eu!


Os Decepticons descartados ficam a deriva no espaço até darem de cara com o Cidadão Kane, que propoe a Megatron que destrua a Matriz da Liderança dos Autobots.


Megatron quer algo em troca para fazer isso e então ganha...


... um novo corpo...


... e novas tropas para comandar!


E sério, a cena da reformatação de Megatron e de seus Decepticons é uma das coisas mais legais já produzidas em animação! Quem já viu sabe do que estou falando e quem não viu, devia ver!


Vai mudar sua vida!


Bom, talvez não mude sua vida, mas é uma ótima cena mesmo assim.


Aliás, deste ponto em diante, Megatron passa a se chamar Galvatron.


Sempre tem um perdido que não sabe... por via das dúvidas já deixo claro.


Prosseguindo!


De alguma forma, Starscream vence a briga generalizada que estava rolando dentro de Astrotrain e realiza seu sonho de se sagrar Miss Universo!


Digo, líder dos Decepticons.


Ele preparou a cerimônia mais gay de toda a robótica para este momento, claro que eu me confundi!


Galvatron dá uma de penetra, acaba com a festa e interrompe o discurso de Screamer, que desorientado e estupefato, pergunta se aquele é Megatron.


E eis a resposta!


Pobre Starscream... dois anos tentando ser líder e quando consegue, é reduzido a um par de tornozelos fumegantes...


Mas tudo bem, ele é imortal. Ainda teria muitas chances de pentelhar os outros.


Sei que prometi uma curiosidade sobre esta cena, mas vai ficar pra semana que vem, aguarde e confie!


Enquanto isso, no espaço! Othello se aproxima de uma das luas de Cybertron!


E ele vai comê-la!!!!!!


Jazz e Cliffjumper estão nela e não ficam muito felizes com isso, então mandam uma mensagem para Autobot City pedindo ajuda.


Digo, não o melhor curso de ação, pois a cidade está sendo reconstruida... POR CINCO ROBÔS E UM MENINO HUMANO!!!!!!


Sério, parece que os Decepticons exterminaram a todos os outros habitantes do lugar, pois ninguém mais está presente.


Bom, eles recebem a mensagem de qualquer forma.


Mas como estão em outro planeta, não podem evitar que a lua e a nave dos amigos seja comida.


Da próxima vez, peçam ajuda a alguém mais próximo, ok?


Spike e Bumblebee pedem ajuda também, mas avisam que vão explodir a lua em que estão pra tentar deter o avanço do rei Saul.


Spike e Bumblebee explodem a lua quando ela está descendo goela abaixo de Robert Fulton e celebram que o destruiram de uma vez por todas!


Exceto é claro... que não o destruiram.


Então Spike vira pra Bumblebee e diz: Oh, merda! E agora, o que faremos?


De verdade, ele diz isso.


O palavrão estava presente na primeira exibição do longa nos cinemas, mas foi removido de posteriores lançamentos em VHS por muitos anos.


Somente há alguns anos, quando o filme foi relançado em DVD, que o palavrão voltou em toda sua glória!


Todos saudem a merda do Spike!


E vamos em frente!


Galvatron fica puto com seu patrão, por ele estar comendo as luas de seu planeta e então é torturado por ele, só pra saber quem manda.


Após sentir um pouco de dor, Galvatron decide cumprir sua parte do acordo e ir pra Terra, matar o Ultra Magnus e destruir a Matriz.


Após ver quatro de seus amigos morrerem sem chance de se defender, Ultra Magnus decide que é hora dos Autobots seguirem pro espaço e lutarem para salvar seu planeta e tentar resgatar aqueles que foram tragados pelo planeta gigante.


Ele então começa a dar ordens e delegar responsabilidades, como se fosse o rei da cocada preta!


Que petulância desse cara, viu! Quem morreu e fez dele lí...


Oh...


Bom...


E neste exato momento, Galvatron e suas tropas aparecem em começam a meter bala nos nossos heróis!


Preste atenção nesta cena! Tá vendo os Dinobots nela?


Tá vendo o estegossauro?


Pois bem, ele é o Snarl e esta é a última vez que ele vai aparecer em Transformers. Após esta cena ele desaparece misteriosamente e nunca mais é visto.


Ninguém faz a menor idéia de porque raios isso aconteceu e isto permanece um tema de discussão permanente entre os fãs da série.


Mas o que importa é que os Dinobots chutam bundas, mesmo que um deles esteja faltando.


Por exemplo, nesta cena eles explodem um Sweep! Um dos Decepticons reformatados que agora servem a Galvatron.


Tem caras que não tem sorte mesmo! Mal foi reconstruído e já morreu de novo! Impressionante!


Dentro da primeira nave, Grimlock usa de seu jeito mais meigo pra convencer Kup a lhe contar uma história de guerra, sem perceber que está participando de uma.


Se fosse qualquer outro robô, eu teria proferido inúmeras blasfêmias contra ele, mas como é o Grimlock, eu perdôo.


E ganha alguns pontos extras pela fofura inesperada.


Na outra nave, Ultra Magnus ordena que decolem e não parece ligar muito para o fato de Arcee ainda não ter embarcado.


Parabéns, Magnus! Os números dos Autobots já estão perigosamente baixos e você se dá ao luxo de largar um de seus soldados para trás!


E ainda por cima, a única mulher do grupo!


Quer saber, nem vou falar nada...


Felizmente, Springer não quer ficar a deriva no espaço cercado unicamente de um bando de machos, afinal de contas ele não está na marinha.


Ele salva a menina e com certeza ganha acesso irrestrito às suas calcinhas!


...


Transformers fazem sexo, qualquer um que assistiu Beast Wars e viu a cena a beira do lago com Silverbolt e Blackarachnia sabe disso!


Se não fazem sexo, chegam muito perto disso!


E se você acha que isso não faz sentido... NADA em Transformers faz sentido! Você já devia estar acostumado!


Os Autobots conseguem fugir e para passar o tempo, Kup fica contando velhas histórias de guerra para os Dinobots.


Hot Rod não gosta de histórias de guerra e resolve espancar um drone de treinamento para compensar a falta de um Playstation a bordo.


Mas eis que Galvatron aparece e resolve foder com todo mundo!


Ele passa fogo na nave de Hot Rod e Kup até ela cair em um planeta estranho que convenientemente estava próximo dalí.


E explode a nave de Ultra Magnus, livrando a todos nós do Daniel!


Ou assim pensamos, pois novamente ele é torturado por Justiniano. Galvatron decide ir até seu patrão e descobrir por que raios está sendo tão flagelado.


Mas veja, ele não matou Ultra Magnus e sua trupe! Somente 3/4 da nave foram pro caramelo! Em um de seus poucos atos inteligentes, Magnus ordenou que a frente da nave fosse desengatada do resto, o que deu a Galvatron a ilusão de ter destruido o transporte dos heróis!


Mas não! Os Autobots estão vivos!!!!!!!!


Assim como... o Daniel...


Diabos...


Ok... e o Hot Rod?


Está naquele planeta estranho em que sua nave caiu, enfrentando piranhas e algas marinhas cibernéticas.


...


Isso levanta muitas questões.


Mas ele se solta, graças a serra embutida em seu braço e vai ao auxílio de Kup.


Que está sendo comido por uma versão cibernética de Gezora.


E isso levanta mais questões ainda.


Hot Rod consegue afugentar o bicho e sai então recolhendo os pedaços de seu amigo para montá-lo de novo.


É estranho... alguns robôs nesse filme morrem levando um tiro no ombro, enquanto outros podem ser despedaçados por lulas (companheiro!) e são remontados sem problema algum no momento seguinte.


Ah bom!


E quanto a Ultra Magnus e sua trupe?


Bem, eles fizeram um pouso forçado no planeta Junkion!


Se não tivesse o Daniel nessa cena, ela seria muito sexy... ooooohhhhh yeah!


Os Autobots decidem sair para reparar a nave, e Daniel quer ir junto. Ao invés de aproveitarem a deixa pra largarem ele sozinho na nave e se livrarem dele por algumas horas, os robôs trazem um traje espacial, exatamente como o que seu pai usava.


Eu no lugar deles, deixava o menino sair desprotegido pra descompressão do planeta matá-lo.


Mas se tem uma coisa que Transformers me ensinou é que todos os planetas do universo tem atmosfera respirável por seres humanos.


Sim, qualquer um deles! Nunca foram pra Marte, mas lá deve ter também.


Ah bem, eles saem pra fazer reparos e vamos agora ver como Hot Rod e Kup estão se saindo.


Kup já está de pé e ele e Hot Rod saem pra dar uma volta pelo planeta, quando são atacados por um pelotão de Allicons, robôs que se transformam em... crocodilo?


Seja lá o que forem, estão de muito mal humor.


Kup então usa a saudação universal para acalmá-los.


E preste bem atenção, pois isso pode vir a salvar sua vida um dia:


BAH-WEEP-GRAGNAH-WEEP-NI-NI-BONG!


Vamos lá, repita comigo em voz alta e com orgulho!!!!


Sempre que estiver em uma situação de aperto, diga isso e seus inimigos o aceitarão!


Lembre-se desta saudação quando 2012 chegar! Nunca se sabe!


Bem, Kup faz a saudação e oferece um pouco de energon aos bichos que ficam calminhos e com cara de quem quer comer mais. Hot Rod e Kup ficam sem docinhos de energon e então...


... os bichos decidem comer eles!


Por isso que eu nunca dou doces a desconhecidos! Esse tipo de coisa sempre acaba mal!


Presos, Hot Rod e Kup são levados a presença de um juiz Quintesson e em seguida jogados em uma cela.


O juiz aliás, gosta de brincar de magistrado e todos aqueles que são julgados como inocentes em sua corte são executados.


Uau! Parece o Brasil!


Na prisão, nossos heróis encontram Kranix, único sobrevivente do planeta Lithone, que foi comido por Charles Foster Kane no começo do filme e ele finalmente diz a nossos heróis o nome da ameaça planetária que paira sobre Cybetrtron no momento.


Em seguida, ele é levado à presença do juiz e julgado inocente...



... e é comido pelos Sharkticons por isso.


Pobre rapaz...


Enquanto isso, os Dinobots estão procurando seus amigos, mas ao invés deles, encontram Wheelie!


O mais desgraçado de todos os Transformers já criados!


Eu já falei que não gosto do Wheelie em outra ocasião, mas não é só birra minha. NINGUÉM gosta do Wheelie!


Nem mesmo Floro Dery gosta dele!


E Floro Dery o criou!!!!!!!


Acho que isso já diz tudo...


Nesta cena Wheelie faz aquilo em que é melhor: ser irritante e falar por rimas!


O que incomoda Grimlock o suficiente para ele bater no menino!


E é por isso que todo mundo gosta tanto dele! Grimlock detona!


Eventualmente, Wheelie mostra que sabe onde estão Hot Rod e Kup e uma vez que Grimlock tem o senso de direção de uma ameixa, ele aceita a ajuda do menino para encontrá-los.


Enquanto isso, Galvatron vai até Richard Wagner e exige saber por que raios continua sendo torturado, uma vez que vaporizou a Matriz e o Daniel.


Seu patrão lhe conta que ele não vaporizou porra nenhuma de Matriz e que os Autobots estão todos serelepes no planeta Junkion!


Sem escolha, Galvatron vai pra lá.


E os Autobots, de fato estão todos serelepes consertando sua nave e prestes a partir de lá.


Quando usando o poder da conveniência cósmica, Galvatron aparece e destrói o veículo deles.


Incrivel que onde quer que esteja, Galvatron consegue chegar em qualquer lugar com grande velocidade!


Lá no começo ele tava em Cybertron em chegou à Terra em menos de meio segundo! Aqui... a mesma coisa!


O planetão deve ter dado a ele o poder de viajar pelo universo sem precisar encarar congestionamentos!


E uau, que piada besta... por favor, me desculpem!


Bom, os Decepticons cercam Ultra Magnus e ele decide abrir a Matriz, pois Optimus disse que ela iluminaria sua hora de escuridão.


Ou seja, Magnus acha que estar cercado por meia dúzia de Decepticons é um momento difícil, mesmo sendo algo que já aconteceu dezenas de vezes na série animada.


Ele vira um líder pior a cada minuto, vou te contar...


Então os Decepticons reduzem ele a pedacinhos!


Yeah!


E consegue a Matriz da Liderança, que planeja usar pra transformar Unicron em sua putinha!


Aliás, o grandão percebe isso e fica muito puto.


Como percebe? Oras merda, ele é onisciente!


Eu acho...


Não capturei nenhuma imagem disso, mas ele tem diversos monitores em sua pança, que mostram diversos acontecimentos do universo!


E acho que acabei de deixar a todos ainda mais confusos com isso... ah bem...


Em Quintessa... que é... o planeta dos Quintessons...


Muito pouco criativo, mas fácil de lembrar, devo dizer!


Hot Rod e Kup são julgados inocentes e assim, jogados no poço para serem comidos pelos Sharkticons.


E como eles vão sair dessa?


Usando de ultra-violência! Ora, como não?


Aliás, esta cena prova a brutalidade e falta de noção dos animadores, que esqueceram que crianças iam assistir isso, pois pelo menos três Sharkticons são desmembrados e um deles fica sem a cara.


Eu fiquei um pouco chocado quando vi esta cena pela primeira vez, mas diabos, me diverti um bocado!


Quando se tem seis anos, uma mutilação é uma mutilação!


Então os Dinobots chegam e os Sharkticons ficam bastante fodidos.


De fato, Grimlock os manda comer o juiz Quintesson, ordem que eles obedecem sem pestanejar.


Grande e sábio Grimlock, nem sei porque todos dizem que ele é burro!


Ah tá... ele trouxe o Wheelie com ele... é por isso...


Bom, pelo menos o Wheelie mostra uma nave para que eles possam sair do planeta... o único problema é que eles levam o menino junto...


Não, eu não gosto do Wheelie! Vá pro diabo que o carregue se você é fã dele!


Enquanto isso, no planeta Junkion, os Autobots encontram os restos de seu líder.


E o Springer parece descomunalmente grande nesta cena...


Eles ficam bastante tristes, mas eu não entendo porque, afinal de contas foi o Ultra Magnus que morreu e ele não estava fazendo um bom serviço como líder pra começo de conversa.


Mas antes que possam esboçar uma reação mais elaborada, seja de alegria ou pesar...


... nossos heróis são atacados pelos habitantes do planeta, os Junkions!!!!


Ok, Junkions do planeta Junkion é ainda menos criativo que Quintessons do planeta Quintessa.


E se reparar, verá que os Autobots se transformaram em seus modos veiculares para fugir dos Junkions, exceto por Perceptor, que tem de fugir a pé, uma vez que se transforma em microscópio gigante!


Não parece uma escolha de modo alternativo tão inteligente agora, não é mesmo, senhor cientista?


E veja você... uma gangue de motociclistas está perseguindo uma robozinha sexy...


Isso não vai acabar bem...


E uau, até o modo veículo da Arcee é sexy... oooohhhhhhhhh yeeeeeeeeaaaaaaaahhhhhh!!!


Quando a briga tava começando a esquentar, Hot Rod e Kup chegam no planeta com sua nave que parece um grande vibrador parafusado!


Hot Rod mostra que aprendeu alguma coisa, oferece energon para o líder dos Junkions (Wreck Gar, caso não tenha lido o artigo passad0) e faz a saudação universal:


BAH-WEEP-GRAGNAH-WEEP-NI-NI-BONG!


E então todos dançam e há muita alegria!!!


E o Grimlock ganha um beijo!!!


Viva!!!


E assim aprendemos que a saudação universal pode significar desde "nós viemos em paz" a "quer dançar comigo?" e os resultados variam dependendo de que planeta você a usa!


E mais curioso que isso, é que o universo inteiro parece ser habitado unicamente por robôs!


Faz você pensar, não?


Pra cimentar bem a amizade, os Junkions ressucitam Ultra Magnus e há ainda mais alegria!


Exceto pela Arcee, que se você reparar, não está sorrindo nesta cena. Acho que ela ainda não perdoou o grandão por ter tentado largá-la em Autobot City no começo do filme.


Magnus revela que Galvatron levou a Matriz e agora vai em direção ao planeta monstruoso conhecido como Henry F. Potter e uma onda de desânimo atinge a todos.


Mas os Junkions são super sangue bom, tiram uma nave espacial do rabo e se oferecem pra ajudar a enfrentar o grande vilão.


Viu? É só usar a saudação universal que uma raça inteira fica disposta a se sacrificar por você!


E lá vão, os Autobots e Junkions para a morte certa!


Enquanto isso, Galvatron mostra para seu chefe que tem a Matriz e ordena que ele o reconheça como seu senhor.


Uma idéia ruim, como podem ver...


... o monstro ruma para Cybertron e começa a pulverizar o planeta.


...


Galvatron teve uma idéia muito, muito ruim mesmo...


Então, todos os Decepticons do planeta atacam o novo adversário com todas as suas forças, mas nada podem contra um Orson Welles gigantesco e esfomeado.


Nem mesmo Galvatron, que acaba sendo comido.


Parafraseando Michael McConnohie: "A ironia de Orson Welles interpretar uma máquina de comer do tamanho de um planeta não passou despercebida por ninguém".


Pois é...


Pra estragar a alegria do xerife Paisley, Hot Rod e a galera o atacam!


E entram no vilão, bem pelo olho esquerdo!


Pois é... é tudo muito divertido até alguém perder um olho! Espero que todos tenham aprendido a lição!


Na pança do Cidadão Kane (sei que já usei esse, mas fiquei sem nomes de personagens de Welles pra usar ao me referir a Unicron) Hot Rod encontra Galvatron, que usando a Matriz como se fosse uma bijuteria, sugere que eles se unam pra acabar com o planetão antes que ele resolva dramatizar Guerra dos Mundos no rádio novamente.


O vilão tortura Galvatron mais uma vez, provando que tem controle até mesmo sobre aquilo que está em seu intestino delgado.


E Galvatron decide então matar Hot Rod!


Digo, cuzão ele! Pois mesmo que obedeça Unicron, ele vai permanecer em sua pança! Porque não suportou a tortura e se rebelou contra seu mestre?


E aí percebo que estou tentando colocar lógica em Transformers... oras merda...


Enquanto isso, do lado de fora, os Dinobots atacam Unicron...


... E GRIMLOCK CHUTA SUA BUNDA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Como eu disse no artigo passado, sujeito tem que ser muito macho pra chutar a bunda de um planeta!!!!!


Claro, não dá certo e eles não detêm o monstrão, mas mesmo assim... é preciso reconhecer os cojones desse grupo de Autobots!


Cojones do tamanho de Júpiter, eu te digo!


SOME BIG, BIG COJONES!!!!!!


NOT SOME LITTLE BITTY CHIQUITA ONES!!!!!


*arram*


Prosseguindo...


No intestino grosso de Sheridan Whiteside, Springer, Kup, Arcee e Daniel tentam fugir das defesas do lugar.


Mas Daniel é uma besta e acaba ficando pra trás e sendo atacado por... sei lá... lactobacilos vivos, eu acho.


Há um tiroteio e aparentemente estouram a bexiga do planeta, pois tudo fica inundado.


E pela lei da conveniência universal, a enxurrada leva Daniel até o estômago de Unicron, onde seu pai e os Autobots que estavam nas luas que foram comida estão prestes a ser digeridos!


Daniel dá uma dentro pela primeira vez na vida e transforma os braços da sua armadura em canhão, atirando e derrubando uma das comportas do estômago do planetão...


... assim salvando a todos!!!


Viva!!!


E sabe o que é mais estranho? Se uma das comportas da pança do monstro se fechasse por acidente, qem iria abrí-la? Será que Unicron conta com uma equipe de manutenção que entra nele uma vez por mês pra certificar que ele possa continuar espalhando a destruição e o caos pelo universo?


Perguntas e mais perguntas...


Enquanto isso, Hot Rod e Galvatron continuam saindo na porrada!


Hot Rod tenta atropelar seu inimigo exatamente como fez tantas vezes ao jogar Grand Theft Auto, mas Galvatron é um pouco mais esperto que os pedestres desse game.


Mas não muito mais esperto, pois decide matar Hot Rod por estrangulamento.


Esquecendo-se assim que robôs não respiram!


E o pior é que Hot Rod parece ter esquecido também que não respira, pois faz sons de alguém que é asfixiado!


Uau! Isso que é mente sobre a matéria!


MAS DE REPENTE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Hot Rod toma a Matriz de Galvatron e o poder do artefato o transforma em um adulto responsável!!!


E seu primeiro ato após atingir a maioridade, é jogar Galvatron longe, com tanta força que ele atravessa a parede intestinal de Unicron e fica a deriva peo espaço por alguns meses.


Depois ele resolve abrir a Matriz e destruir Unicron, trazendo a paz para o universo!


Interessante, pois a maioria das pessoas tem como primeiro ato de maioridade ir até um bar, tomar um cachação violento e depois pegar uma garota de programa que pode ou não ser um travesti.


Transformers são um pouco mais responsáveis, aparentemente.


Rodimus então profere palavras de grande sabedoria e poder enquanto abre o artefato:


"ILUMINE NOSSA IMENSA ESCURIDÃO!"


E ela ilumina! Olha o desespero do rei Luis XVIII!


Daniel e Spike aparecem e perguntam pra Springer o que está acontecendo. Claramente irritado ele responde que "não tem tempo de responder".


Entendo a irritação do rapaz, tudo ao redor tá desmoronando e o humano imbecil quer um relatório sobre os acontecimentos recentes.


E repare na cara de desgosto da Arcee ao ver que Daniel continua vivo. Por isso que eu amo essa garota, ela não esconde o descontentamente de ver que os imbecis de seu pelotão continuam escapando da morte!


Neste exato momento, Hot Rod surge!


Mas agora o nome dele é Rodimus Prime, pois ele é um líder e os líderes sempre tem o sufixo "Prime" após seu nome.


E como um adulto responsável, ele ordena: "AUTOBOTS! TRANSFORMEM E RODEM!!!"


E todos transformam e rodam...


... bem através do olho bom que restou ao senhor Welles...


... que dramaticamente explode em bilhões de pedacinhos...


...


...Rosebud...


Em Cybertron, nossos heróis celebram a vitória e Rodimus declara seu desejo que isso marque o fim das guerras entre os Transformers, enquanto seu povo caminha em direção a uma nova era de paz e prosperidade!


ATÉ TODOS SEREM UM!!!


ATÉ TODOS SEREM UM!!!!


VIVAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!


E para substituir as luas que foram comidas, a cabeça decapitada e grotesca de Unicron se torna o novo satélite do planeta!


FIM!!!!!!!!!!!!!!


Nota do Amer: Muito acima de qualquer outra coisa produzida pela humanidade!!!


Não tenho muito mais para dizer sobre este filme, eu só vou estar me repetindo se começar a falar agora.


Só vou complementar dizendo que se você se declara fã de Transformers, mas não gosta deste filme, você não é fã porra nenhuma! Você é um merda e merece ser estuprado por um urso e um gorila que se revezem em turnos pra te ensinar a ter mais respeito!


E vá pra puta que te pariu!!!!!!


*arram*


Acho que já ficou claro que é prejudicial a saúde falar mal desse filme perto de mim, depois não digam que eu não avisei!


Semana que vem, curiosidades bacanas sobre os Transformers!


E antes de ir, dou a vocês... THE TOUCH!!!!


Também dou a vocês um video de Orson Welles bêbado em um comercial de champanhe, bem aqui! Sem dúvida seu momento mais memorável!


E agora me vou! Que a Matriz lhes dê força e sabedoria!


Até todos serem um!


Cheers!

Related Posts with Thumbnails