sexta-feira, 21 de março de 2008

Teenage Mutant Ninja Turtles: Tournament Fighters - Hora de chutar uns cascos!!!


Lá por 1993, os beat'em ups estavam mortos e enterrados. Nenhuma empresa mais estava interessada em games onde saíamos andando e espancando meliantes através de cenários.

Não senhor, o sucesso estrondoso de Street Fighter II provocou o surgimento de um sem número de cópias no mercado, algumas se tornaram lenda, como foi o caso de Mortal Kombat, outras eram simplesmente divertidas como os games de Ranma 1/2 e outros eram uma diarréia visceral, como Time Killers.

As tartarugas já não eram mais tão populares quanto antes nesta época. Sua série animada teria só mais um ano de vida, o terceiro filme da franquia não havia repetido o sucesso dos outros dois e bem... elas já tinham dado todo gás que podiam.

A Konami resolveu fazer uma despedida decente do mundo dos games para as tartarugas e então produziu os games da série Tournament Fighters, clones de Street Fighter que continham nossos quelônios favoritos.

Mas a empresa decidiu chutar o pau da barraca e produziu três games diferentes para três plataformas diferentes.

Pois é, tem gente que acha o máximo quando a Namco lança SoulCalibur pra mais de um console e bota o Link em uma versão pra dizer que aquela é "diferente" das outras.

Então acompanhe-me, vamos ver um pouco sobre os games de porradaria das tartarugas.


Na versão de Super Nintendo (cuja capa pode ser vista no início do artigo) tá rolando um grande torneio de artes marciais e o vencedor vai ganhar uma batelada de grana ao final.

Mestre Splinter vê o anúncio na televisão e ordena que seus filhotes participem, para testarem suas habilidades. Os quatro pedem desculpas antecipadas um ao outro por terem de se porradear e vão em frente.



Visualmente, o jogo é espetacular, nem preciso dizer nada, a trilha sonora era muito boa também e os controles eram ótimos. Considerando tudo, um game muito bem produzido.

E logicamente, as tartarugas não são os únicos personagens selecionáveis no game. Temos uma enxurrada de personagens vindos principalmente dos quadrinhos da Archie comics, pouca gente da série animada apareceu aqui.

Na verdade, tem gente da série animada aqui, mas na maioria das vezes torcendo no cenário, poucos podiam ser selecionados pra hora da porradaria.

Além das tartarugas, temos Chrome-Dome, um andróide criado pelo Destruidor, o Rei Rato como um dos chefes finais e Wingnut, um morcego alienígena pirado como representantes da série animada.

E claro, o Destruidor.



Sim, pela primeira vez em anos, tinhamos a chance de jogar com o Destruidor e enfiar a porrada nas tartarugas!!!!!

Diga-se de passagem, o senhor Oroku Saki era um dos personagens mais poderosos do game. Difícil de controlar, mas foda pacaralio! Mais ou menos como o Guile nos primeiros anos de Street Fighter!



Aliás, de acordo com a ficha do meliante, ele agora se chama "Cyber-Destruidor", nasceu em Osaka e tem como passatempo planejar a conquista do mundo.

Isso é muito saudável, todo mundo precisa de um hobbie.



Curiosamente, este é um dos poiucos games onde April não é seqüestrada. Aqui ela é a apresentadora do torneio e entrevista o vencedor após o final de cada luta.

Bom... na verdade, há um modo Story no game, onde só se pode jogar com as tartarugas e o objetivo é salvar April e o Mestre Splinter que foram... seqüestrados pelas forças do mal.

Certas coisas nunca mudam.

Algo que merece destaque aqui é que a Konami resolveu criar uma personagem unicamente para este game: Aska, a ninjinha da imagem acima.

Aska é uma personagem interessante, ela tem um ataque quase igual ao Shoryuken, seu agarrão é um pilão como o do Zangief, de todos os personagens ela é a que carrega a barra de especial mais rápido e sua bunda é uma arma mortal.



Não falei?

Na versão Japonesa, Aska usa um fio dental que deixa sua bunda inteira a mostra e tem magumbos muito maiores, que balançam quando ela comemora sua vitória.

Mai Shiranui fez escola.

Claro que na versão Americana colocaram um shortinho mais decente na moça e trocaram sua animação de vitória para algo menos... atiçante.

Uma vez que colocaram vozes decentes nas tartarugas quando o game veio para o ocidente, acho foi um preço justo a se pagar.



No Japão, este game é conhecido como "Mutant Warriors", para não ser confundido com a versão de Mega Drive.

A qual veremos agora:



Ok, Tournament Fighters do Mega! Um game totalmente diferente da versão de Super Nes.

Aqui, quatro tartarugas roxas e malignas seqüestram o Mestre Splinter e desafiam nossos heróis a irem atrás e salvá-lo.



E eles vão, junto de seus amigos!

Mais dois personagens que vieram dos quadrinhos e UAU, Casey Jones e April O'Neill!

A ruiva cansou de ser seqüestrada e finalmente resolveu tomar uma atitude! Bah Golly, e já não era sem tempo!



O game não chegava nem perto do visual do de Super Nes, mas não fazia feio também.

Aparentemente, nesta versão as tartarugas eram mais inspiradas em suas contrapartes dos quadrinhos originais, com suas eternas carrancas e ausência de pupílas.

Ou pode ser que o Mega Drive realmente as emputecia, pois em Hyperstone Heist elas também pareciam extremamente irritadas.



Bom, aqui está April, tentando seu melhor pra descontar todas as vezes que foi seqüestrada.

Devo dizer que ela não tinha muito sucesso, pois April era a segunda personagem mais fraca do jogo...



... só sendo superada por Casey Jones.

Sério, os dois tinham baixa resistência, baixa força e não eram sequer mais velozes que os outros personagens, sem contar que seus "Danger Moves" (por assim dizer) causavam o dano mais baixo de todos os especiais do game.

Mas sinceramente eu não ligava! Jogar com a April era um prazer raro... e de fato, nenhum outro game jamais permitiu que controlássemos a ruiva portanto, ponto para o Mega Drive!



Ray Fillet era um dos personagens provindos dos quadrinhos da Archie (que é o nome de uma editora, caso ainda não tenha sacado) e disparado era o melhor personagem do game.

Ele era forte, tinha bons ataques e seu especial era um tapa no orelha... se o jogador conseguisse soltar.

Sim, os controles desta versão são meio duros, é meio difícil realizar certos comandos, o que pode foder grandão o jogador em alguns momentos do game, especialmente as batalhas contra os três chefes finais.



Claro, só dava pra chegar nos chefes finais caso os oito lutadores originais fossem derrotados em combate.

Isto é, os clones deles.

Entendo os motivosa que levariam um vilão a clonar as tartarugas e dois mutantes enormes, mas por que raios alguem iria querer clonar a April, eu não...

...

... na verdade, eu entendo muito bem... ssssssiiiiiiimmmmmm...

Aliás, os três chefes finais do game eram um guerreiro Triceraton, o Krang e Karai, filha do Destruidor e sucessora dele como líder do clã Foot e aliás, ela era a chefe final da versão de Super Nes também.

E vou te contar, este game é dificílimo. Vencer os inimigos normais já é uma provação divina, qualquer um que tenha vencido os chefes finais e terminado o jogo é um tremendo cabra macho na minha concepção.



Por fim, a capa japonesa do game optou por usar personagens foto-realistas como ilustração.

As tartarugas se parecem muito com as do filme, embora o Michelangelo esteja com cara de um tiozão que ficou puto porque as crianças do bairro insistem em ficar pisando no seu gramado.

E essa April... ulalá... pode me dar suplex quando quiser!

Bom, só mais um game com o nome Tournament Fighters e foi ele que apagou as luzes da casa quando a era do 8 bits foi embora de vez.



A versão do querido Nintendinho foi o último game oficialmente lançado para o console e foi uma despedida de classe se me perguntar.



Aqui, o Destruidor desafia as tartarugas para uma batalha final pelas ruas de Manhattan, o perdedor sairá da cidade e passará o resto da vida escutando discos do Wando.



As tartarugas aceitam e em seguida fazem poses dramáticas!



Uma vez que estamos falando do NES, não é surpresa que este game tenha menos personagens que as outras versões.

Mas considerando que o NES tinha pouquíssimos títulos de luta nesse estilo (e a maioria eram piratões safados) não chega a ser algo pra se reclamar.



O game tinha um visual bem trabalhado para o console, o som por outro lado, não chegava a empolgar como nos outros games de 8 bits das tartarugas, mas também não era ruim como Legião Urbana.



Um dos personagens mais bacanas desta versão é sem dúvida Hot Head, um dragão com o espírito dos samurais ou algum negócio assim.

Ele não era legal por sua história, mas sim por seu tamanho descomunal, e também por ser o único personagem que não podia lutar consigo mesmo.

A desculpa do game é que "o espírito do dragão não permitiria tal luta", mas a verdade é que as limitações de memória de um game de NES não permitiriam que um personagem tão grande pudesse aparecer na tela mais de uma vez.

Com Game Genie dá pra se escolher Hot Head duas vezes, mas não sei as implicações religiosas que isso pode ter, não tenho Game Genie pra testar.



Curiosamente, este é o único game onde as tartarugas não usam suas armas características, preferindo dar porrada usando seus próprios punhos.

Honra de tartaruga!

Como Casey Jones não é tartaruga e tá cagando e andando pra honra, ele usa seus tacos como arma, o que lhe dá uma vantagem óbvia contra seus amigos.



E o último chefe aqui é o Destruidor, que é deslealmente poderoso e limpa o chão com nossos personagens toda vez que o enfrentamos.

Talvez uma espécie de compensação, por este ser o game mais fácil de todos os Tournament Fighters.

E aqui vai uma curiosidade: este game não foi lançado no Japão!

Por que? No lo sei!!!

E aqui vai outra curiosidade: na versão americana, cada cartucho tinha uma tartaruga diferente em sua capa. Na de Super Nes tinhamos Donatello, na de Mega o Raphael e na de NES o Leonardo.

E Michelangelo ficou de fora, pobre garoto!

E uma última curiosidade: os personagens da versão de Super Nes ganharam ilustrações sensacionais como forma de divulgação do jogo.

Por exemplo, esta aqui:


Yeah, o Raphael nunca pareceu tão cool!!!

E aqui encerro os artigos sobre os games das tartarugas para NES e para os consoles de 16 bits.

Sim, foi divertido relembrar destes bons tempos e fazer um mês somente das tartarugas, mas... espera um pouco, o mês ainda não acabou!!!

Que bom, pois tenho uma última pérola de informação tartarugal para dividir com vocês, ahh sim, se tenho!

Aguardem e confiem!

Cheers!!!

12 comentários:

Walmir disse...

Putz, Amer, mais uma bela matéria das Tartarugas. Holy shit, man.

Esse game eu comprei o original do Snes. Mas sinto vergonha de mim mesmo por não conhecer a versão do Mega Drive. Vou consultar meus arquivos de emulador pra ver se tá lá.

Que bom que encerrou a matéria nesse game. As versões da geração seguinte são tão ruins quanto uma lambida no pé do Raphael após sair do esgoto.

Qualquer dia desses vamos tirar um racha nesse game lá em casa. Sou muito bom com o Chrome Dome!

Amer disse...

E quem disse que eu encerrei?

Ainda falarei de mais alguns jogos tartarugais!

Aguarde e confie!

Felipe disse...

Mais tartarugas? que venham os quelônios.

Anônimo disse...

Turtles nunca é demais!

Amer disse...

Yeah, só mais um artigo sobre games das tartarugas e aí chega.

Só volto a falar delas em Dezembro.

Marcelo disse...

Valeu, muito bom a matéria sobre as tartarugas. Eu adorava jogar com o Destruidor, era uma apelação só. Fiz meu colega xingar muito por causa do nosso querido Oroku Saki.Manda também alguma matéria sobre Metal Slug, Samurai Shodown e Streets of Rage.
Vale Amer!!!!!!!

Smile Time disse...

Ei AMer, sei que tu tá meio desanimado de wrestling mas esse domingo temos Wrestlemania, faz um review ae depois hehe

Amer disse...

Na verdade, eu tou planejando um artigo bem interessante de wrestling.

Hehehehe, acho que você vai achar bacana.

Aguarde e confie!

Smile Time disse...

Ok, aguardando!
Valeu Amer!

Nome disse...

Ola
Estava procurando a capa e fotos da TMNT Tournament Fighters do Mega Drive e cai no seu Blog

Gostei bastante da materia tive a fita da TMNT Tournament Fighters para Mega Drive terminei ela no ultimo level e ai sim pude ver o verdadeiro final

Deu trabalho mas ainda consegui zerar com outros personagens quando notei a sequencia da ultima chefe (geralmente atacava por cima)

Grande abraço

Jacob F. disse...

Amer, fui dar uma olhada no seu texto, e eu estranhei que a Mirage Comics tenha "vendido as tartarugas" para a tal da Archie.

Se isso aconteceu ou não, isso é muito estranho, mas o fato é que todos os personagens são da Mirage.

Demetrio Carvalho disse...

Essa versão do mega drive só foltou um código para escolher os três chefes, acho isso um erro dos criadores.