sábado, 15 de março de 2008

Teenage Mutant Ninja Turtles IV & Hyperstone Heist - Os melhores dos melhores dos melhores!!!


Yeah! Finalmente cheguei aos melhores games de toda franquia das Tartarugas: os beat'em ups de 16 bits!

Em 1991, o Super Nintendo havia se estabelecido como um tremendo console e todas as crianças "legais" tinham um. Era mais ou menos como ter um Xbox 360 hoje, só que com mais Mario.

Como mencionei anteriormente, não havia internet, então contavamos apenas com sos instintos e algumas revistas para nos dizer quando um game muito aguardado seria lançado.

Turtles IV apareceu de supetão, ninguém esperava que o game fosse sair tão rápido e menos ainda, que fosse ficar tão foda.

O game em questão já havia sido lançado para arcades, mas verdade seja dita, a versão de Super Nintendo era muito melhor!

Aliás, não coloquei fotos da versão arcade, mas vai por mim, a de Super Nes é melhor.

E eu mentiria pra vocês?



Assim que se liga o console, já de cara se nota que visualmente o jogo é perfeito.

Aliás, antes de prosseguir com este artigo, quero esclarecer uma coisa: Turtles in Time é o título do quarto game das tartarugas e não tem nada a ver com o terceiro filme da série.



Apesar de que no filme elas também viajam no tempo, mas diferente do game, o resultado final foi um tanto embaraçoso para todos os envolvidos.

Para mim não, eu gosto do terceiro filme. Um dia faço review dele aqui.

Mas voltemos ao game.



Pela primeira vez em anos, o Destruidor não seqüestra a April, a vítima desta vez é a Estátua da Liberdade.

O lanfranhudo aparece na televisão e desafia as tartarugas a irem atrás dele e reconquistarem a estátua, ao que as tartarugas começam a gritar com ele através da televisão.

Mestre Splinter explica que ele não pode ouví-las de dentro do aparelho e então elas resolvem sair pela cidade espancando soldados do clã Foot até recuperarem o que por direito pertence a cidade e aos Caça Fantasmas.

No processo, o Destruidor as joga em um vórtice temporal e elas vão parar em diversas eras da história, onde estão convenientemente localizados alguns dos capangas do laminado.

E esta é basicamente a história! Não faz muito sentido, mas nos anos 80 (e início dos 90) não precisavam fazer e ficávamos felizes com o que tinhamos!!!


Para a época, o visual do game era impressionante. Para falar a verdade, ele impressiona até hoje, pois as tartarugas são muito bem animadas e incrivelmente expressivas.


Viu só? Expressivas!

Podiamos até ativar uma opção para que as tartarugas ficassem com o esquema de cores dos quadrinhos, onde cada uma tem uma tonalidade diferente de verde e nenhuma tinha pupílas.

O Donatello ficava cor de azeite de oliva e o Michelangelo cor de alcachofra, mas era animal assim mesmo.



Turtles IV também trazia de volta os mesmos vilões que aprendemos a amar com os outros games da série, como os Stone Worriors (sim, continuavam escrevendo errado) que desta vez era muito mais ágeis e vinham com os mais variados tipos de armamento.



E os Roadkill Rodneys, aqueles robozinhos insuportáveis que sempre nos custavam metade da energia.

Sério, os Rodneys são os inimigos mais chatos de toda a franquia, são chatos de acertar, não podem levar combos, são resistentes e ainda tiram verdadeiros bifes da nossa energia quando nos atacam.

E tem gente que reclama que Resident Evil 4 é difícil!

HA!!!

Esses jovens de hoje que só conhecem Playstation... não sabem o que é um jogo realmente difícil!!!



As tartarugas novamente ganharam um novo arsenal de golpes. haviam vários tipos de ataques aéreos, além de cada uma ter um combo diferente, fora os ataques especiais personalizados.

Mas mais importante, as quatro tartarugas tinham atributos bastante diferentes e não havia um "quarto personagem" de bosta aqui.

Parabéns, Konami! Quebrou de vez meu raciocínio sobre quatro personagens em beat'em up!

Leo era novamente o equilibrado e seu especial era o giro com espadas. Ou seja, ele não evoluiu porra nenhuma desde o game anterior.

Don tinha o maior alcance, ataque com força razoável, velocidade baixa e um especial que era um coice de mula... quase literalmente.

Raph era veloz e tinha o especial mais forte do game (um chute giratório), mas era mais frágil que um Cavaleiro do Zodíaco.

Mike comeu espinafre antes deste game e virou o trator do grupo, lento mas com força devastadora e um vôo com ataque bem eficaz como golpe especial.

E além destes acréscimos, as tartarugas ganharam a habilidade de agarrar os inimigos e batê-los no chão, de um lado pro outro, golpe eficiente pra limpar a tela, pois o soldado arremessado acertava os inimigos ao redor.

O golpe favorito de todo mundo no entanto, era arremessar os inimigos na tela, como Leonardo fez na foto acima.

Isso só foi feito pra exibir as habilidades de Mode 7 do Super Nes, mas quem se importa? Em nome da merda, podíamos arremessar inimigos na tela! Isso era fodidamente foda!!!!!!!!!

E seria necessário pra vencer um chefe mais a frente, mas estou me adiantando.



Falando em chefes, Turtles IV tinha um acervo de inimigos muito bacana, provavelmente o melhor de toda a série.

Entre os inimigos estava Metal Head, aquela tartarugona robô que ficou amiga dos heróis no desenho, mas que aqui não receberia menos que a morte.



Rei Rato também fazia uma aparição junto de sua potente lancha.

Sabe... eu me pergunto como um cara que mora nos esgotos e veste menos que trapos pode ter uma lancha para-militar de última geração em seu poder...

Mas as vezes também me pergunto por que certos Transformers perdiam o fôlego na série animada, uma vez que eram robôs e logicamente não respiravam.

Todas estas divagações só provam uma coisa: eu tenho tempo livre demais.



Slash era o chefe da fase da pré-história e o inimigo mais chato do game, pois bloqueava todos os ataques desferidos contra ele. Só havia uma maneira de atingi-lo e abrir sua guarda para um combo.

...

O quê? Tá esperando que eu diga como? Desculpe, não tou trabalhando hoje.

Se um dia eu fizer um detonado de Turtles IV, tudo bem, mas hoje estou de folga, não vou passar nenhuma dica ou truque.

*mensagem subliminar*


Este seria o primeiro game desde Turtles II para o arcade em que enfrentariamos Bebop e Rocksteady juntos.

Esta é uam das batalhas mais legais do game, pois só é preciso derrotar um deles para que ambos fiquem putos um com o outro e comecem a se espancar a té a morte.

Diabos! Os games eram muito criativos naqueles tempos! Vou te contar!!!

Não que não sejam hoje em dia, mas com os recursos atuais, é melhor que sejam mesmo!!!



Novamente, o Tecnódromo era a fase intermediária do game.

Enfiávamos a porrada em dezenas de Stone Worriors, Soldados Foot, Mousers e em Tokka e Rahzar no meio da fase.

E lembra do chefe que eu falei que só podia ser derrotado arremessando-se inimigos na tela?



Era o Destruidor em sua primeira aparição no game.

Quer saber? Esquece o que eu disse alí em cima, os games de hoje não são criativos como os do passado!

Nem fudendo! Nem em um milhão de anos! Super Nintendo, man! isso é o que há!!!!



Uma das fases também fazia uso do famoso Mode 7 do Super Nintendo, com um cenário que parecia uma porradaria em uma das pistas de F-Zero.

Vou te contar, essa fase é tão bonita que quase dá vontade de cagar nas calças de satisfação!

Quase, eu ainda não cedi a este desejo.

E este é o único game da franquia em que enfrentamos Krang duas vezes:



Uma em seu corpo de robozão.



Na outra, pilotando um disco voador.

E verdade seja dita, Krang é um dos meus vilões favotitos dos desenhos dos anos 80.

Sabe por quê?

Ele é um cérebro sem corpo e no dia que resolveu criar um andróide para poder se locomover por aí numa boa, sua escolha de corpo foi a de um cara grande, gordo, careca e quase pelado!

Fantástico!!! Que outro vilão iria querer morar na pança de um gordão calvo que veste uma sunga!

Pois é!



Lógico, o chefão final é o Destruidor, mas não em sua versão comum, ele absorve energia... sei lá daonde e se transforma novamente no Super Destruidor.

Acima ele não se transformou, por isso que ainda tá magrelo. A versão super aparece mais pra baixo no artigo.



Turtles IV também tinha um modo versus.

Pois bem, o game saiu pouco depois de Street Fighter II e os beat'em ups começavam a ficar secundários em relação aos fightinng games. A Konami sabiamente colocou um modo onde as tartarugas se espancam enquanto Splinter olha, pois isso satisfaria a vontade de certos gamers enquanto um fighting genuíno de Turtles não era lançado.

Na verdade, essa modalidade não satisfazia nem por vinte minutos, mas valeu a intenção.

Antes de falar de outro game, quero mostrar a caixinha japonesa deste aqui:



Que na minha opinião é muito melhor que a americana.

Fala sério, a americana parece ter sido desenhada por um casra que tinha acabado de se formar em artes plásticas e que não fazia idéia de quem eram as tartarugas quando fez a capa do game delas.

Gosto de imaginar que tal indivíduo teve poucos trabalhos em sua carreira artística e precisou se dedicar a estrelar filmes pornôs gays pelo resto de sua vida para pagar as contas.

É, eu tenho a imaginação fértil...

Mas em frente com o artigo, pois ainda não acabou.

Um ano após o lançamento de Turtles in time, a Konami começou a produzir games para o Mega Drive também, encerrando a exclusividade que por anos manteve com a Nintendo.

Logicamente que um dos primeiros games seria...



Claro! Mais óbvio do que chover quando você sai de casa sem guarda chuva.

E elas parecem muito mais mal humoradas aqui do que no Super Nintendo.



Não, sério! As tartarugas tão muito putas neste game! Elas nem tem mais pupilas!!!

E nem é preciso mudar as cores delas como no Super Nintendo para isso, elas já vem naturalmente sem pupilas.

O que a raiva não faz com um indivíduo!!!



Neste game, o Destruidor (que parece ter tomado hormônio de crescimento bovino) usa o poder da Hyperstone para roubar toda a cidade de Nova York e lá vão as tartarugas enfiar a porrada nele de novo para reaver a cidade.

Sério, a vida das tartarugas era comer pizza, treinar, enfiar porrada no Destruidor e nunca faturar nenhuma gata.

Não é a toa que estavam tão carrancudas neste game.



Tecnicamente falando, Hyperstone Heist é uma proeza técnica. O Mega Drive sempre foi menos poderoso que o Super Nes, com uma palheta de cores inferior e tudo mais e mesmo assim, os gráficos são praticamente idênticos.

Claro, o Mega não possuia Mode 7, portanto não havia o golpe de arremessar o adversário na tela. No entanto, a habilidade de bater os inimigos de um lado pro outro como se fossem o lobo dos desenhos do Droopy permanece.

Aliás, este game não é uma conversão Turtles in Time, embora boa parte dos gráficos sejam reutilizados, a história e cenários são diferentes.



Embora ainda tenha a fase do Tecnódromo e os malditos Mousers.

Hyperstone Heist também tinha chefes diferentes de Turtles in Time, como Baxter Stockman e Rocksteady sem o Bebop.

Sim, neste game não há Bebop e Rocksteady... só o Rocksteady!!!

Diabos! Quem foi o animal que teve esta grande idéia??? Espero que tenha sido estuprado por um urso!!! Maldito, canalha, desgraçado, suíno, lanfranhudo e cheirador de peido!!!!!!!

Bom, não tem Bebop, mas pelo menos temos o Tatsu!



Bem mais em forma que o normal, mas ainda é o Tatsu!

Como assim você não sabe quem é? É o Tatsu!!!



Você sabe, o Smithers particular do Destruidor nos filmes das Tartarugas!!!

Lembrou?

Não?

Então vá pro caralho!!!



Aliás, este game marca a volta do Tecnódromo como última fase, então eu me enganei redondamente quando disse que Turtles II era o último jogo da franquia em que a bolota olhuda era o estágio final.

Peço desculpas pelo engano e estou comendo brócolis como punição.



E aqui está o chefe final, o Destruidor, após tomar mais esteróides que o Batista e se transformar em sua versão super!!!

O que eventualmente perde o efeito chocante, pois ele é o chefe mais fácil do jogo. Talvez pra compensar que Hyperstone Heist em geral é mais difícil que Turtles in Time.

E antes que eu me esqueça...



A tela de game over era baseada na capa do primeiro filme das tartarugas.

Sim, o filme que mal foi lançado em VHS por aqui e que nunca viu a cor do dia como DVD em nosso país.

Pelas barbas de Odin, quem eu vou precisar comer pra que lancem uma caixa de DVD com os filmes das tartarugas por aqui???

Bom, os dois games são ótimos. Turtles in time é o melhor dos dois, mas Hyperstone Heist é um ótimo game também e vale a pena ser conhecido por quem curte um bom beat'em up.

Por fim, a capa japonesa de Hyperstone Heist é também muito mais legal que a americana.



E prova que as tartarugas tão realmente putas neste game.

É... o Mega Drive as vezes tem este efeito as vezes.

A seguir, os fighting games das tartarugas!

Cheers!!!

15 comentários:

Rafael disse...

Caramba, joguei muito Turtles IV quando eu era moleque! Vou até baixar o emulador pra matar a saudade!

Amer disse...

Turtles IV é a lei! Quem nunca jogou não vivu!!!

Walmir disse...

Tinham que botar o Krang num próximo filmes das Tartas.
Um Bubaloo mascado, na barriga de um Slot genérico... muito bom!

Het, Amer...O Hyperstone Heist foi o último game das Tartas para 16 bits? Ou foi o Tournament Fighters? (você não falou desse, hein....).

E é melhor nem falarmos dos games para PS2 e Xbox... aquilo foi vexaminoso, mesmo para um quelônio.

Edmilson disse...

Isso reavivou minha curiosidade. Por acaso o primeiro filme já passou na televisão? Pois o 2 e o 3 repetiram nem sei quantas vezes, mas o 1 acho que nunca senti nem o cheiro. Tu sabe alguma coisa sobre isso? (De repente me deu uma vontade de assistir esse um)

Amer disse...

Que eu saiba, o primeirofilme foi lançado aqui pela Top Tape de forma completamente porca e mal feita. Não vieram cópias legendadas, só dubladas e o filme sequer passou nos cinemas.

O 2 e o 3 vieram pela Fox e receberam um tratamento muito mais digno.

Sobre Tournament Fighters... aguarde e confie...

Walmir disse...

Amer... posso estar enganado, mas lembro de ter guardado um pôster que saiu num jornal de Sampa, página cheia, fazendo propaganda do Tartarugas Ninja 1 nos cinemas.

E acho que vi lá...

Amer disse...

Será? Você não é o primeiro a me dizer que Tartarugas 1 passou nos cinemas, mas eu honestamente não me lembro.

Ian disse...

Turtles in Time é foda demaaaais, como eu joguei (e ainda jogo ocasionalmente =p) esse jogo =).
Só acho que faltou mencionar que dava pra trocar as cores das tartarugas e deixar elas sem pupilas... Quando eu era criança um colega meu falava que isso era um truque foda e que deixava as tartarugas mais fortes... Ah, as mentiras das crianças... XD

Amer disse...

Hehehehe, verdade, esqueci de mencionar isso.

Mas já resolvo. Deus abençoe a edição de texto!

doggma disse...

O primeiro filme das Tartarugas foi exibido nos cinemas sim e saiu de cartaz absurdamente rápido.

Amer disse...

Damn! Então meu amigo estava certo...

Crap, diarrhea, what a shitload of fuck!!!!

E justamente é o melhor filme da trilogia original, goddammit!!!

Mimi Ka disse...

nossaaa! mas eu gostei das expressoes faciais dos turtles!

Amer disse...

Yeah!

Quem disse que precisamos de 60 milhões de polígonos pra ter personagens expressivos?

Tiago R. Lima "Mad Max" Andrade disse...

Tartarugas Ninja ruleiam! Ô saudade dos jogos clássicos do Mega/SNes!

"Oh...shellshock!"

E nada mais foda que arremessar inimigos na câmera.

O Vento disse...

Turtles in Time do SNES superava até sua versão do Arcade - esta, apesar de mais veloz e bonita, cortou um monte de fases, a jogabilidade era precária e o jogo, absurdamente difícil!!!

Apesar disso, dá pra jogar pelo Mame... vale a curiosidade.