quinta-feira, 15 de março de 2007

Brinquedos que fazem coisas horríveis uns com os outros...


Foi essa a resposta de Orson Wells, quando lhe perguntaram sobre o que era o seu trabalho mais recente. Isso pouco antes dele morrer.

Transformers sempre foi uma constante na minha vida, algo que a maioria das vezes beirava a obsessão.

Só pra citar um exemplo, quando Beast Wars começou a passar aqui no Brasil, pela HBO (há MUITAS luas atrás) eu não tinha tv paga ainda, mas de alguma forma a televisão no quarto da minha mãe recebia o som do canal. Então, toda quinta a noite eu me enfiava no quarto dela e ficava de ouvidos atentos tentando pegar o máximo de história que eu pudesse identificar em meio a toda estática.

Doentio? Talvez, mas isso só demonstra como Transformers sempre foi algo importante pra mim, tanto que eu acredito ter assistido o longa metragem de 1985 muito mais vezes que qualquer outro filme em toda a minha vida, incluindo Star Wars.

Isso tudo é só pra demonstrar como eu estou aguardando esse novo filme que vai sair agora em Julho.

No início, como todo fã de Transformers, eu fiquei muito puto com todas as mudanças feitas e com a falta do Soundwave.

Agora, tou menos puto, pois parece que os produtores estão corrigindo as cagadas e atendendo aos pedidos dos fãs, não por bondade ou generosidade, mas pra poderem sair de casa sem precisar de escolta armada. Os fãs de Transformers podem ser mais radicais que a Al-Qaeda, se tiverem chance.

No momento, eu estou bem otimista com o que pode vir a ser esse filme. Uma vez que a direção é do Michael Bay, as cenas de ação pelo menos serão boas, mas quanto da mitologia original da série vai ser sacrificada? Ainda tenho quatro meses pra imaginar.

Enquanto isso, o filme já nos deu duas coisas legais: A versão robozão de Optimus Prime, que ficou du bambu, e a cena da protoforma saindo da piscina. (dizem que é o Ironhide, mas eu tenho minhas dúvidas) E quase ninguem reparou que a menininha na cena da piscina estava com um Pequeno Ponei, brinquedo revoltante dos anos 80 e da Hasbro, mesma empresa que criou os Transformers.

O que importa é que lançarão brinquedos e eu possivelmente vou torrar mais do que devo em alguns.

Ah bom, só se vive uma vez!

3 comentários:

Parada Obrigatória disse...

Hammer...cara o seu texto eh muito legal...eu imaginei um gordinho feliz no quarto da mãe ouvindo a televisão!!!
Parabéns véio!!

Petra disse...

Eu adorava Pequeno Pônei! Isso porque eu era uma menina que adorava bichinhos, por consequ~encia, não podia deixar de gostar de cavalinhos e pegasosinhos coloridos com tatuagens na bunda.

(Aliás, na época, não se chamava "pequeno pônei", a licença em português era "meu querido pônei")

E como eu não ligava pra máquinas, não entendia a fixação dos meninos por Transformers.

Mas como eu sou um ser neutro, também não entendia a fixação das meninas por Moranguinho e derivados (já expliquei que minha faixação nos pôneis é porque eu adorava animas).

Na real, eu gostava mesmo era de Caça-Fantasmas, Caverna do Dragão, He-man & She-Ha e Thundercatts =)

Ah, bons tempos...

sabotagem2000 disse...

ehehehe.. "brinquedo revoltante". Concordo, eu tinha o costume de pisar no pescoço do cavalinho da minha prima. Vinha de voadora atravessando o quarto e caía com os dois pés na crina do jumentinho.

Mas não na frente dela...