quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Cinco personagens odiosos dos Games


Eu queria ter uma introdução profunda e intelectual para este artigo... Mas não tenho.

Eu simplesmente odeio estes personagens.

Odeio.

ODEIO, ODEIO!!!

EU OS ODEIO TANTO QUANTO ODEIO AO COMUNISMO INTERNACIONAL!!!

GAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!

...

E após esta referência obrigatória a Monty Phyton, adiante com o artigo de hoje.


Elliott – Secret of Mana

Que ótima maneira de começar... Com um coadjuvante que aparece nos primeiros vinte minutos de um jogo com mais de trinta horas de duração, e que é prontamente esquecido, tão logo deixe de ser renderizado pelo console. Mas bem, é justamente isso que torna Elliott especial: Sua cuzãozisse se estende muito além de seu tempo de tela.

Ok, quem é esse moleque? É o filho gordo, mimado, egocêntrico, ególatra, bully, Chokito e desgraçado do chefe da vila onde vive o protagonista do game (cujo nome você escolhe, e que invariavelmente será batizado com algo que remete a genitália por 90% dos jogadores), e o responsável por colocá-lo no caminho da aventura.

Vejam crianças, Secret of Mana começa com Elliot, o protagonista e um terceiro amigo cujo nome não importa, se aventurando pela floresta proibida nas redondezas da vila. O que foram fazer lá? Algo sexual, com certeza. Três pré-adolescentes sozinhos, em um mundo sem internet? Elliot com certeza queria brincar de “esconder minhoca na caverna” com os outros dois. E se acha que eu estou forçando a barra, pergunte ao seu pai como ele se divertia com os amigos quando eram crianças e observe como ele ruboriza enquanto tropeça para falar de coisas não sexuais.

Mas bem, lá vão os três meninos, saltitando pela floresta, dois deles sem saber que logo serão batizados de “Lenora” e “Carmencita” pelo maior e mais pesado do grupo, eis que eles resolvem atravessar uma ponte de madeira tão fina quanto o bom senso de um repórter do Buzzfeed... É quando nosso protagonista perde o equilíbrio e cai para sua morte...

E qual a reação de Elliot? Correr para resgatar seu amigo? Demonstrar choque ao ver sua excursão infantil terminar em tragédia? Cair de joelhos e amaldiçoar aos deuses, como um Charlton Heston em frente aos restos da estátua da liberdade? NÃO!!! Elliot volta correndo pra casa e age como se nada tivesse acontecido.

Provavelmente molestou um donut de glacê assim que pisou na cozinha, esse gordo imundo.

Mas para surpresa de NINGUÉM, o protagonista sobreviveu a queda de 20 metros que foi amortecida por sua cabeça... Um dos privilégios em se estampar a caixa do jogo. Não apenas isso, ele encontrou uma espada no meio do mato, e retornou bravamente para sua vila, rachando o crânio de todos os coelhinhos que encontrou no caminho! Um herói americano, esse rapaz!

E como Elliott reagiu ao ver seu amigo? Com surpresa? Alegria? Ofereceu a ele o donut que acabara de molestar como presente de boas vidas? NÃO!!! Ele avançou pra cima do nosso herói e começou a socá-lo como se fosse vadia escondendo dinheiro do cafetão.

Aparentemente, a espada era um artefato sagrado que protegia a vila de ataques de monstros, demônios e Vandos que infestavam as redondezas do lugar. Com ela sendo removida de seu lugar de descanso, esta proteção se encerraria e logo todos os aldeões teriam a honra de conhecer de perto o sistema digestivo de todas as criaturas abissais da região. Claro que ao descobrir o tipo de perigo que agora se abateria sobre sua amada vila, Elliott perdeu a cabeça e partiu pra cima do amigo feito cafetão que tá sendo enganado por sua vadia.

O único problema é que NADA DISSO TERIA ACONTECIDO SE ELLIOTT NÃO TIVESSE FORÇADO SEUS AMIGOS A FAZEREM UMA EXCURSÃO PELA FLORESTA EM PRIMEIRO LUGAR!!! O moleque criou a situação que colocou seu amigo em perigo e o forçou a pegar a espada para se proteger. Pior ainda, os monstros já estavam atacando a vila HÁ SEMANAS, o fato da espada estar na pedra ou não, não fazia a menor diferença.

E toda turma de amigos tem um Elliott, o cuzão que faz a merda e culpa os outros quando tudo dá errado. Ele é aquele cara que quando vai na balada, passa a mão nas namoradas do grupo de lutadores de MMA, se esconde no bar enquanto os amigos são dizimados, e depois que eles são expulsos do lugar pela segurança, ainda reclama que foi banido da balada “de graça”, pois não tomou parte na briga.

Chupador de cavalo.

E não é como se houvesse retribuição kármica no final do jogo, com nosso herói voltando pra casa rico, cheio de glória e loiras, e Elliott reconhecendo o erro de suas ações, nada disso. Quando o protagonista retorna à vila ao final de sua aventura, o gordo maldito o recebe com a maior cara lavada de quem não foi responsável pela vida do amigo se tornar um oceano de tragédias e perigos.

Só nos resta torcer para que a obesidade de Elliott venha a cobrar seu preço e a diabetes lhe leve um dedo ou dois no futuro.


Os sobreviventes – Dead Rising

Eu disse “cinco personagens odiosos dos games” no título, mas os sobreviventes de Dead Rising englobam muito mais do que cinco personagens.... Então, sim... Eu sou fraudulento.

ME PROCESSEM!!!

Agora, chamemos Dead Rising pelo que realmente é: Uma demo técnica. O game foi lançado um ano após o Xbox 360, sim, mas a verdade é que seu maior ponto de venda era a quantidade de personagens na tela e o quanto isso era representativo do poder de processamento da máquina da Microsoft.

Era como se a Capcom tivesse chegado no público gritando: “OLHA AQUI NOSSO GAME QUE DAZORA! OLHA QUANTA GENTE NA TELA AO MESMO TEMPO E SEM QUEBRAR O JOGO! PLAYSTATION 2 FAZ ISSO? FAZ? AQUELE CONSOLE DE PUTA???”

E o público respondeu: “Não, o Playstation 2 não faz isso, mas ele tem Rumble Roses que é cheio das teta. Cadê suas teta?”

E a Capcom retrucou: “NÓS SOMO CHEIO DAS TETA! NUM TÁ VENDO A IMAGEM AÍ DE CIMA? OLHA AS TETA! TUDO REDONDA E FIRME E MACIA E MÓ LEGAL E TETA, TETA, TETA, TETA!”

E diante de tamanha eloquência, o público não teve opção exceto comprar um Xbox 360 e se afundar no mar de teta que lhe foi oferecida. Foi graças a isso que a máquina de Bill Gates se tornou sinônimo de Chad.

Se não sabe o que é “Chad”, parabéns por passar apenas o tempo necessário de sua vida na internet.

Pois bem, este era um game extremamente impressionante na época de seu lançamento. E a ideia de estar preso em um shopping center que lhe oferecia infinitas opções de como chacinar uma horda de zumbis era o suficiente para causar ereções até na mais comportada aluna de colégio católico.

Infelizmente, algumas horas de jogo revelavam a verdade: Dead Rising era um game mais magro que uma gêmea Olsen. Claro, passar por cima de uma legião de umbis com um cortador de grama era um deleite, mas que perdia a graça depois da vigésima quarta vez que a faziamos. E as missões do modo história só podiam ser realizadas em horários específicos do dia, o que lhe dava horas e horas de nada para fazer.

E é aí que entram os sobreviventes. Gente que estava apenas cuidando da própria vida quando o apocalipse zumbi aconteceu e que agora está perdida, descabelada e desesperada em meio ao caos. Cabe ao jogador encontrá-los e guiá-los até a sala segura, o que lhe garantirá experiência extra e a consciência limpa em saber que fez a coisa certa.

Exceto que os sobreviventes SÃO UM BANDO DE MONGOTRONS DA PORRA!!!

Eis como o resgate de um sobrevivente normalmente acontece em Dead Rising: Você encontra a pessoa, passa alguns bons minutos convencendo ela a vir com você (quando a oferta de “lugar a salvo das hordas de zumbis” deveria ser irrecusável), depois precisa guiá-la até a sala segura e protegê-la no caminho. E protegê-lo você irá, pois O MALDITO MONGOTRON É INCAPAZ DE SE DEFENDER E SEMPRE ACABA CERCADO DE MORTOS-VIVOS!!!

Sim, existe a opção de dar uma arma para os sobreviventes, o que ajuda em absolutamente caralho nenhum! Sujeito pode estar com uma katana laser que dispara Kamehamehas nucleares, e as chances dele se defender são as mesmas do Brasil se tornar um país desenvolvido em nosso tempo de vida.

Que foi? Sou realista.

Isso sem falar dos sobreviventes que estão “traumatizados demais” ou “bêbados demais” para caminharem por conta própria e precisam ser carregados. Isso sem contar aqueles que simplesmente são retardados demais para perceberem o perigo em que se encontram, como as tetudas da imagem acima, que preferem ficar se agarrando em meio ao apocalipse, ao invés de encontrarem a sala segura e só depois se molestarem, como qualquer cristão faria.

Claro, você pode salvar ninguém e se preocupar em safar apenas sua própria bunda cabeluda. Mas sejamos francos, que não resgatar cada um dos mamelucos que encontrar nesta hecatombe, jamais irá platinar o game. E se não vai platinar o game, pra que está jogando?

SAIA DAQUI, CASUAL IMUNDO!!! VOLTE PARA SEU CANDY CRUSH!!!


Ashley Butler – GTA IV e GTA V

“Quem”? Ouço vocês perguntarem em uníssono, quando me lembro quão pouca gente jogou a expansão The Lost and Damned, e que menos gente ainda gostou da mesma.

O Gay Tony vocês curtem, né? Degenerados!

Enfim, Ashley é a ex-namorada de Johnny Klebitz... Pra quem vocês também não dão a mínima... FODA-SE, SÃO OS DOIS VAGABUNDOS QUE APARECEM NA PRIMEIRA CCENA DO TREVOR EM GTA V!!!

Pronto! Já sabem quem são? Ótimo!

Caso é, Ashley é membro da gangue Lost. E quando eu digo “membro”, estou sendo extremamente generoso. Basicamente, ela anda com a gangue, que a usa como a boneca inflável particular do clube, e ela aceita porque não conhece outro tipo de vida.

A ideia é que Ashley fosse uma personagem trágica, a garota que se perde na vida, se envolve com más companhias e acaba em um buraco tão fundo que nem mesmo o Sting com uma pá (referência obrigatória a Os Simpsons) seria capaz de desenterrá-la. A questão é que da forma que foi escrita, Ashley torna-se menos trágica e mais “ESSA FILHA DA PUTA SÓ ARRUMA ENCRENCA, OOOOOOOOHHHHH, EU A ODEIO!!!”

Pra começar, Ashley é viciada em TUDO! De cocaína a Toddy, se cair na frente dela, ela corta uma carreirinha e inala como se não houvesse amanhã. Agora, não quero parecer o chato carola que se acha melhor que todos só porque não consome nenhum tipo de drogas ou álcool (spoilers: eu sou melhor que todos), mas Ashley é uma junkie tão extrema que faria o palhaço Bingo e o Tony Montana perguntarem: “Qual a porra do seu problema, mina”?

Assim, as interações de Ashley com o mundo costumam ser: Se envolve com uma quadrilha qualquer, arruma droga, se enche de dívida e joga a bomba no colo do Johnny, se envolve com a máfia russa, arruma droga, se enche de dívida e joga a bomba no colo do Johnny, se envolve com a máfia italiana, arruma droga, encaçapa uma linguiça siciliana ou duas, se enche de dívida e joga a bomba no colo do Johnny, e assim AD INFINITUM...

E o tont... o pobre Johnny tenta ajudar ela como pode, tenta cortar o relacionamento, mas como toda pessoa tóxica e narcisista, Ashley gruda nele como uma CG malfeita de simbionte gruda no Tom Hardy... E como Johnny também é um ser auto-destrutivo (de outra forma não teria se tornado membro de gangue de motociclistas), ele não se permite ficar longe dela por muito tempo. E a relação dos dois termina da forma que já sabemos: Com Ashley servindo de caçapa pra bolas do Trevor, provocando uma briga entre ele e Johnny, onde o motoqueiro termina seus dias como decoração da sola da botina do caipira favorito de todos.

Mesmo ver Trevor praticar sapateado na cabeça do ex-namorado que vivia para limpar suas cagadas não fez Ashley mudar. Alguns dias após o ocorrido, o jogo revela que ela morreu de overdose em uma orgia de heroína em algum ponto ignorado de Los Santos, ao lado de outros cinco caras.

Digo, isso se você resistir a tentação de passar por cima dela com um caminhão assim que assumir o controle de Trevor pela primeira vez.

A parte que mais me irrita com relação a Ashley é o quão realista ela é. Conheci pessoas assim, que se importam só com o próprio rabo, tornam a vida de todos ao redor um inferno e não dão a mínima pra quantas vidas estragam ou quantos corações partem, contanto que tenham acesso aos pequenos prazeres que tanto valorizam no fim do dia. Não cruzei caminhos com ninguém tão extremo quanto Ashley, mas não duvido que alguns entrariam no mesmo caminho que ela se fizessem uma curva errada na vida.

... Uau, este parágrafo ficou melancólico. Me deixa escrever “pinto” bem grande pra ver se o humor do ambiente melhora.

PINTO!!!

Ok, isso deve resolver.


Squall Lionhart – Final Fantasy VIII

Squall é oficialmente o pior protagonista da série Final Fantasy.

De acordo com o Amer.

E o Amer nunca está errado, portanto vocês deviam dar ouvidos a ele.

Amer diz: Passem todas as suas propriedades no nome do Amer e ofereçam suas primas e irmãs lolis (com mais de dezoito anos, claro) a ele como oferenda. Façam isso e terão a felicidade ETEEEEEEEEEEEEEEEERNAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!

...

Não se preocupem, esta página NUNCA se renderá ao humor politicamente correto.

De nada.

Mas o Squall... Meu Deus do céu... Se a AIDS, a leucemia e um tumor de cérebro fizessem uma orgia com uma banda de K-Pop, Squall provavelmente seria o resultado.

Ok, de onde veio o Squall?

Da vagina da mãe dele.

Mas qual o conceito por trás do personagem?

Vejam bem, crianças. Na época em que Squall foi concebido, o sucesso sem precedentes de Final Fantasy VII ainda estava fresco na memória dos chefões do lugar. E por algum motivo, eles decidiram que o melhor caminho a se tomar com a continuação, era fazendo de seu protagonista um Cloud 2.0.

E deu tudo errado.

Cloud é abrasivo, difícil e parece não se interessar pelas pessoas, enquanto Squall é cuzão, escroto e cagaria na cabeça das pessoas pra limpar a bunda em suas avós se tivesse a oportunidade. Mais do que isso, conforme avançamos na história de FF VII, descobrimos que a personalidade de Cloud é resultado de seus traumas, e que debaixo de todo o estoicismo, estava escondido um rapaz do interior que só queria proteger seus amigos.

Enquanto a história de FF VIII só mostra que Squall é cuzão por ser filho da puta.

Quem não se lembra da cena em que Quistis, instrutora de Squall, vai até ele e desabafa que deixou seu cargo na academia, apenas para receber como resposta um “se quer conversar, vá falar com uma parede”? Lembremos que quando Tifa sugere que Cloud esqueceu da promessa que fez pra ela, uma das reações do rapaz (que o jogador pode escolher) é uma expressão de choque, algo que mostra que lá no fundo ele se importa.

Squall não tem uma gota da complexidade que torna Cloud tão fascinante, pelo contrário, ele é basicamente um Sasuke Uchiha com jaqueta de couro e ainda menos personalidade. Tudo que Squall tem é uma espada bacana e a capacidade de fazer “hunf” mesmo que chegue em casa e encontre a Scarlett Johansson e a Jennifer Lawrence em sua cama, cercadas de cãezinhos, gominhas da Fini e barras de ouro (que valem mais do que dinheiro) esperando por ele.

Eu até consigo ler a mente de vocês, se preparando pra me bombardearem com comentários de: “Ah, mas o Squall é legal em Kingdom Hearts.”

Sim, e daí? Kingdom Hearts conseguiu fazer até aquele minigame estúpido da Ariel no segundo jogo parecer bom! Kingdom Hearts tem uma história quase tão confusa e imbecil quanto Final Fantasy XIII e ainda a faz parecer boa! Um dos personagens que te auxiliam no Kingdom Hearts de PSP é o príncipe genérico de A Bela Adormecida cujo nome ninguém lembra, e aquele ainda é considerado um dos melhores jogos do portátil da Sony.

O que eu quero dizer é que Kingdom Hearts é como Ajinomoto, que deixa decente até uma refeição feita a base de bosta. Claro que um personagem merda como o Squall se tornaria um pouco menos fecal ao fazer parte desta série.

Mas a pior parte DE TUDO, é que Squall é o melhor combatente do grupo. Ele tem os melhores ataques, o melhor Limit Break, nenhum dos outros personagens consegue ser tão eficiente nas lutas quanto ele, assim, mantê-lo perpetuamente na equipe aumenta muito suas chances de vitória ao longo do game.

Maldita Squaresoft... Mal pude prever seus movimentos...

Minha única satisfação é saber que o Squall terminou o game com aquela porra da Rinoa.

Foda-se, Rinoa.

Eu te odeio.

Sua japonesa tóxica.


Chloe Price – Life is Strange

Chloe...

Chloe... Chloe...

Quero que vocês entendam uma coisa: Embora eu odeie todos os personagens aqui listados, nenhum deles interfere com meu aproveitamento do jogo. Nem mesmo o desperdício de sêmen e óvulos que é o Squall conseguiu me fazer desgostar de Final Fantasy VIII.

Chloe, por outro lado, tornou a experiência de jogar Life is Strange quase insuportável.

Mas quem é a personagem e o que a torna um recipiente tão eficaz para o nosso ódio? Bom, imaginem que o Tumblr é um deus, e precisou enviar um representante seu para a Terra. Chloe seria o avatar criado a imagem e semelhança desta divindade.

A garota é uma adolescente marrenta, mimada, grosseira, hiper-opinativa mesmo sem ter nada inteligente a dizer, e eternamente em guerra contra um mundo que FEZ ABSOLUTAMENTE NADA PRA ELA!!! Chloe é aquela menina que se acha muito profunda por ficar largada na cama enquanto escuta Depeche Mode, fuma um baseado e se lamenta sobre como sua vida é terrível.

Claro, ela perdeu o pai aos 14 anos e isso pode marcar uma garota... Mas o game se passa cinco anos depois... E ELA AINDA NÃO SUPEROU A MORTE DO VELHO??? Eu entenderia se isso tivesse tornado sua vida economicamente pior (o que também afeta muito a cabeça de uma jovem), mas ela e a mãe continuam morando na mesma casa, e na prequel Before the Storm, a garota frequenta a escola particular mais badalada de sua cidade e tem um celular que seria TOPZÊRA em 2010, ano que se passa sua história solo.

Deus... Sinto-me sujo por ter falado “topzêra”... Vou gargarejar creolina quando terminar de escrever...

Agora, Ashley podia ser egoísta, mas Chloe é egomaníaca. A garota é aquela pessoa que não mijaria em alguém que estivesse em chamas, pra não correr o risco de pingar xixi em seu tênis novo. Ashley só estaria chapada demais pra perceber qualquer humano flambado com quem estivesse dividindo um aposento.

Chloe espera ser a relação primordial na vida de todos ao redor, e se revolta com a fúria de dez sóis quando isso não acontece. Sua mãe se mata de trabalhar para dar a filha o mesmo nível de vida que ela tinha antes de seu pai morrer, e a garota demonstra gratidão? NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃO!!! Ela é tão escrota com a mãe que deixaria Suzane Richtofen chocada.

Grande parte da hostilidade de Chloe com a mãe vem do fato que ela arrumou um novo namorado. O cara é ex-militar e meio linha dura, mas não é má pessoa e se esforça MUITO (especialmente na prequel) para tentar se conectar com a enteada. Chloe dá uma chance pro cara, mesmo sabendo que isso fará sua mãe feliz? NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃO!

E tem a Max, amiga de Chloe na infância e que se mudou de cidade no mesmo ano que o pai da garota morreu. Entendo que é difícil para uma menina de 14 anos perder o pai e a melhor amiga na mesma época, mas não justifica o fato de que ela passou QUATRO MALDITOS ANOS ESCREVENDO MENSAGENS FURIOSAS PARA MAX EM SEU DIÁRIO!!!

Não, sério! Chloe escrevia cartas amaldiçoando Max em seu diário, por ela ter se mudado. Bom, eu tenho novidades pra você, Chloe... MAX NÃO ESCOLHEU SE MUDAR ! OS PAIS DELA FIZERAM ISSO! ELA TINHA 14 ANOS, O QUE QUERIA QUE ELA FIZESSE? QUE ESCOLHESSE MORAR NO SEU PORÃO, SE ALIMENTANDO SÓ DE PAÇOQUINHAS QUE VOCÊ LEVARIA EM SEGREDO, SUA PORRA DE CABELO AZUL??? E PRA QUEM ERAM ESSES MANIFESTOS QUE VOCÊ ESCREVIA, SUA ESQUIZOFRÊNICA??? NÃO É COMO SE A MAX ESTIVESSE LENDO CADA PALAVRA SUA!!!

CARAIO!!!

Além disso, Chloe paga de hardcore mas é uma franga. Prova disso é a cena em que ela e Max estão sozinhas em seu quarto, e Chloe desafia a amiga a beijá-la. Claro, a opção é do jogador, mas não conheço uma pessoa sequer que passaria a oportunidade de fazer duas meninas de 18 anos se beijarem.

NÃO SE ATREVA A ME JULGAR! EU SE O QUE VOCÊ FAZ COM AS SHAWARMAS QUANDO ESTÁ SOZINHO NO QUARTO!!!

DEMONHO!!!

Enfim, quando Max responde ao desafio de Chloe e a beija, a escrota azul dá um passo pra trás, intimidada e surpresa com a atitude da amiga, pois estava certa de que ela não teria coragem. Se fosse um cara, Chloe seria aquele caboclo que fica comprando briga do lado de fora do bar enquanto tem os amigos pra segurá-lo, o cara que só é durão se for pro octógono com um lança-chamas.

Mas calma, que fica pior. Chloe é um purgante em Life is Strange, mas pelo menos sua aspereza é contrabalanceada pela doçura de Max, a adolescente fofinha de quem todos gostaríamos de ser amigos. Na prequel, Before the Storm, a história é TODA FOCADA NESSA PIRANHA AZUL!!! Somos forçados a passar horas controlando a adolescente mais irritante e miserável de todos os tempos!!! E pior de tudo, ela muda NADA entre um game e outro. Não existe evolução alguma em sua personalidade, ela começa ruim e só fica pior!!!

E não me venham com a desculpa de que ela “é adolescente”! Nem todo adolescente é uma coisa desgraçada e cria do Satã como essa pirralha chimoltrúfea! É por causa de gente como a Chloe que páginas desgraçadas como a Girls of Comics tem quase 400 mil seguidores!!!

MORRA NO INFERNO CHLOE!!! EU TE ODEIO MAIS DO QUE A RINOA!!! TE ODEIO MAIS QUE A MARGOT KIDDER!!!

De fato... VOCÊ É MINHA NOVA MARGOT KIDDER!!!

Que descanse em paz.

Cheers!!!

16 comentários:

Unknown disse...

Grande barras de ouro wue valeem nais do que dinheiro.

Galomortalbr disse...

10/10

Danilo Silva disse...

Que texto maravilhoso!

Amo as listas do Amer. E como eu tava sentindo falta delas.

Leandro"ODST Belmont Kingsglaive" Alves the devil summoner disse...

Gostei da lista,Americano!!!

E pensar que tenho o GTA IV com as DLCs adicionais (The ballad of Gay Tony e o Lost in Dammed) e não consigo joga-lo por causa do MALDITO "Games for Windows". Em 2018? É imperdoável!! Mas voltando, eu estava Vendo vídeos onde ja me contaram sobre o drama do motoqueiro para tentar salvar a namorada das drogas, mas achava que no fim, ele conseguiria... mas como você falou, nem sempre uma estória acaba num final feliz.

Sobre o Squall, eu iria também retrucar com o Cloud também ser um cuzao e como menospreza a única garota que se dá o trabalho de gostar dele, mas desde que vivi a guerra "Marvel vs DC" e consegui sai dela a tempo antes de virar uma paquita do Zack Snyder por completo, agora tanto faz para mim e concordo que o enredo de Kingdom Hearts é difícil de entender.

Agora você me fez ter a vontade de jogar o Life is Strange só para ver essa cena do beijo.(heheheh) e sim Amer toda escola deve ter uma menina/menino como a Chloe. No meu caso era uma menina "Ravena" de nome Andressa que se achava melhor que todos ali, mas como ela era bonita, o pessoal a suportava. E pelo pouco que vi do Life is Strange em Streams,me fez relembrar dessa jovem.

Hee-Hoo!

rodrigosabbat disse...

Excelente texto, Amer! E concordo plenamente com você, em gênero, número e grau: a Chloe é a personagem mais desgraçada e detestável do universo!

Unknown disse...

já valeu o dia Uma postagem do Ameer

Fiquei curioso em saber oq é Chad

bora pro tio google

Bier disse...

Tenho que concordar com você: Squall é um desastre em nível de personalidade, Chloe é o cúmulo da cuzãozice.

Jota Lima disse...

Ótimo texto, Amélio! Só acho que faltou algum personagem do Sonic, esses jogos modernos dele têm mais personagens irritantes do que eu posso contar.

Fabio Kasecker disse...

Amer, excelente texto, como sempre... só uma dúvida. Você sabe que a Margot Kidder morreu esse ano, né? (Vai que você sabe e não se importa, mas só pra desencargo mesmo)

Franci disse...

Concordo com todos personagens e que saudades tava dessas listas loucas que só você sabe fazer.
Eu sou um dos poucos que gosta do Lost And Damned, gosto da história com motoclub, tem uma pegada Sons Of Anarchy e tem uma radio onde Max Cavalera é locutor com o mais puro metal extremo S2. Sinceramente, tirou toda a graça quando joguei GTAV e o Trevor matou o Johnny de uma maneira tão tosca, os produtores transformaram o Johnny num cuzão pra firmar o Trevor como fodão, o que achei forçado pra carai. Mas enfim, tenho nojinho do Trevor porque é o unico personagem forçado que vi em toda série GTA, tudo em volta da história dele é pra firmar que é fodão, só força a barra isso.
Enfim, fiz textão e brisei mas queria falar quem odeio também kkkkkk

Leandro DM disse...

Episódios novos de Dragon Ball Abridged e post novo do Amer. Não sou merecedor

E tem vezes q acho q fui o único q jogou o Lost and Damned e gostou.

"Não se preocupem, esta página NUNCA se renderá ao humor politicamente correto." por favor faça isso, seu ser foda

LuisGameseAnimes disse...

Chloe não é chata, seu feio.

lucasjacome disse...

serio eu gostei dã chloe foi um dos principais motivos para completa o jogo ãchei elã tão ironicã mãs e ã suã listã então tudo bem

Ootaway disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ootaway disse...

Parece que você nem zerou Final Fantasy 8 Amer, porque se tivesse jogado teria visto que o Squall tem um dos melhores desenvolvimentos já feitos na história dos games e a propósito não é que parece que você não zerou, na real é que você NÃO ZEROU MESMO!!! Porque se tivesse zerado teria visto que o Squall tem SIM um motivo pra ser um babaca! E também é um ótimo personagem com um ótimo desenvolvimento! E isso que eu irei provar! Mas primeiro pense Amer, suponhamos que existisse uma espécie de Terra 2 da vida e você quando criança tivesse sido abandonado por alguém querido você seria a mesma pessoa que você era antes? Ah, e você era só uma criança, pense o quão agradável seria se isso acontecesse...
E sua comparação com o Cloud é completamente burra, O Squall se isolou das pessoas por que... bem, TRAUMAS ele só é cuzão porque ele não se coloca no lugar dos outros, ele tem medo da sociedade, ou melhor NÃO ser aceito pela sociedade, ele só quer viver a vida dele e nada mais, já o Cloud é um imbecil porque ele simplesmente QUER, sim tem lá os problemas psicológicos mas mesmo assim ele não precisava simplesmente mandar qualquer um tomar no cu (e a propósito eu não acho o Cloud um personagem ruim, ele é um dos melhores da franquia).
E agora que as coisas ficam interessantes, pois temos a Rinoa, o completo oposto de Squall. Que ao invés de esconder seus problemas como ele, ela nunca olha pra trás, é extrovertida e conversava com todo mundo. E como o Squall é um líder ele teria que ter varias responsabilidades. Não só com as missões, como também com seus companheiros, mas como eu disse, o Squall era um cara inseguro e sensível dando uma de fodão, não queria se socializar e nem machucar alguém, fazendo com que ele -como eu disse antes-, se isolasse de todo mundo. Mas por ironia do destino ele se apaixona pela Rinoa mas ele não percebe isso porque, de novo, TRAUMAS e só depois ele resolve deixar seus medos pra trás e ficar com a garota que ele gostava...
Mas isso não vai servir pra nada, afinal, OPINIÕES.

Jagi disse...

Eu tbm gostei da história, apesar de achar a Ashley um porre, gostei dessa dlc do gta (a expansão, não a ashley)!

Gay Tony > TLD