terça-feira, 18 de outubro de 2016

Crítica do Amer: Deadpool (o Video Game)


Tenho uma relação bastante complicada com o Deadpool.

Por um lado, acho o conceito por trás do personagem brilhante. Um anti-herói plenamente consciente do fato que é um personagem em uma história, e que quebra a 4ª parede constantemente? Um bom roteirista pode transformar isso em ouro!

Infelizmente, o mercenário passou a maior parte de sua vida nas mãos de roteiristas ruins, que não conseguiriam trabalho nem na Praça é Nossa (mas que trabalham na Marvel, que mundo horrível). Como resultado, suas histórias tornaram-se um amontoado de esquetes ruins, que só agradavam aos fãs mais abilolados do personagem.

E já que toquei no assunto, DEUS DO CÉU, os fãs do Deadpool são intragáveis. Claro, foi graças a paquitagem deles que o senhor Wade ganhou um filme, mas Deus do céu, nunca vi um rupo de pessoas tão obcecada em tenta provar que o “seu herói” é melhor que “o herói dos outros”.

Exceto talvez, pelos fãs do Lobo.

Pessoas que deveriam ser legalmente reconhecidas como "alvos"

Então... Cá estamos. Com um game do Deadpool em mãos. Confesso que demorei pra comprá-lo (esta crítica está saindo com meros três anos de atraso), mas é porque eu simplesmente não botava fé nele. Só lhe dei uma chance porque graças a uma promoção da PSN, ele me custou menos do que eu gastaria com uma massagem tailandesa feita pela Taylor Swift.

Mas e o game? Presta?

Bem, como os quadrinhos do Mercenário... Espera, como traduziram “Merc with a Mouth” no Brasil? “Mercenário Bocudo”? “Mercenário Falastrão”? Sempre tem um que acabou de sair do Yázigi, arranja trabalho traduzindo quadrinhos e faz as adaptações mais bosta que consegue.

Lembremos que alguém um dia achou uma boa ideia traduzir “Martian Manhunter” como “Ajax”.

E aqui estou, divagando de novo.

O que eu pretendia dizer antes do meu cérebro se esvair em idiotices, é que assim como os quadrinhos do Deadpool, seu game acerta em algumas coisas... Mas erra em uma tonelada de outras.

Esta cena captura com perfeição todos os meus
sábados. É um acerto.

Nossa história começa com Deadpool esparramado no sofá de seu apartamento, que é um lugar tão dilapidado que eu tenho quase certeza de que ele mora em Osasco. Em uma bela tarde de morgação, nosso heróis recebe uma encomenda pelo correio, que lhe é entregue por uma peituda de biquíni... Porque essa história foi escrita por um moleque de 13 anos.

A encomenda era, de fato, o script de seu videogame. Vejam bem, DP entupiu a sede da High Moon Studios de explosivos, o que “motivou” a empresa a produzir o game MAIS ESPETABULOSO DE TODOS OS TEMPOS... Em teoria. Ora, esse mandrião copiado descaradamente do Slade Wilson...

Mas nosso herói acha o roteiro um saco e faz as devidas adaptações com giz de cera. Isso o coloca no encalço de Chance White, um gordo corrupto (como todo gordo), que secretamente trabalhava para o Senhor Sinistro, o vilão mais inacreditavelmente chatíssimo de toda a história dos X-Men. Ele é a versão diet do Apocalipse.

Aliás, que diabo de merda é essa, de que todos os vilões dos X-Men são entidades quase onipotentes? Apocalipse, Sinistro, a Fênix Negra, Mojo... Suas histórias perdem um pouco o impacto se os heróis enfrentam Deus toda semana e vencem.

De qualquer forma, Cable cai do céu e explica a Deadpool que o futuro está sob ameaça e... Que diabo de merda é essa também? Por que os X-Men sempre tem de se envolver em tretas espaço-temporais? Isso é muito mais adequado ao Quarteto Fantástico! Eu adoro Dias de um Futuro Esquecido (o quadrinho, porque o filme é... Bom também, na verdade), mas pelo amor da Espiral, o foco dos X-Men devia ser as diferentes ideologias dentro da raça mutante, os que acreditam em convívio pacífico com humanos e aqueles que acham que a guerra...

...

PÉÉÉÉÉÉÉRAÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍ!!! Que porra é essa? Por que a humanidade odeia mutantes, em um mundo onde super seres são parte do dia-a-dia? Por que as pessoas aceitam o Homem-Aranha como herói, mas apedrejam o Wolverine quando o veem?

Bom, o Logan tem cara de quem fede a leite azedo e placentas. Vou reformular a pergunta.

Por que aceitam o Aranha e apedrejam a Vampira? Até onde todos sabem, o senhor Parker também pode ser mutante! PRECONCEITO CONTRA MUTANTES NÃO FAZ O MENOR SENTIDO!!!

Droga, Stan Lee! Seu velho preguiçoso!

Visto aqui: Um velho que não é preguiçoso
nem rouba o crédito de seus co-artistas

De volta ao game, Deadpool descobre que precisa matar o Senhor Sinistro para salvar o futuro. Ele viaja para Genosha com os X-Men e passa por HILARIANTES AVENTURAS enquanto segue a trilha do vilão. É extremamente cansativo, pra dizer a verdade.

O grande problema do roteiro é que ele não é uma história com senso de humor, mas sim uma piada que tenta ter um enredo. Se Deadpool não estiver cozinhando mil panquecas, ele estará telefonando para Nolan North (seu dublador) e o mandando ir se foder, ou estará esbofeteando um Wolverine inconsciente, ou dando um tiro na própria cabeça porque não aguenta os discursos chatos do Cable. O game dispara uma piada atrás da outra, sem dar espaço para o jogador respirar, até que tudo se transforma em ruído branco.

A graça de Deadpool vem da interação com outros personagens. Quando está cercado pelo estoicismo que é tão presente nos demais heróis, a aleatoriedade do mercenário se torna hilária. Aqui não existe este equilíbrio tão fundamental para a comédia, uma vez que Wade interage muito pouco com os demais X-Men, e mesmo quando isso acontece, eles se tornam um mero adereço para uma nova piada.

Em uma cena, Cable “se transforma” em um taco falante.

É... Pois é...

Deadpool tenta ser uma comédia, mas acaba se tornando aquele primo chato que falou “manteiga de bunda”, fez todos rirem durante o jantar, e que passou o resto da noite repetindo a mesma piada, na tentativa de duplicar seu sucesso anterior.

"Mas é pá vê ou pá cum..."
"É PÁ MORRÊ!"

Os gráficos tem seus altos e baixos, mas no geral são agradáveis.

O modelo de Deadpool é muito bem feito. Ele tenta duplicar a aparência que o uniforme do personagem teria caso fosse transposta pra um ambiente tridimensional, e os produtores do game conseguiram chegar a um resultado que lembra muito o visual do personagem no filme que foi lançado três anos depois.

Os demais heróis também estão muito bem feitos, Cable possui um visual que reflete bem sua personalidade de “velho soldado”. Mesmo as X-Girls, que receberam um design diferente dos quadrinhos (Vampira e Dominó, pelo menos) estão lindas.

Redundância. Nenhuma mulher de quadrinhos é feia. Até a tia May tava pegável um tempo atrás. De fato, a Marvel deve colocar uma cláusula de “NOSSAS MUIÉ É TUDO LINDA” nos contratos que faz quando licencia seus personagens para games e filmes.

NÃO! CORREÇÃO! X-Men 3 tinha umas mutantes medonhas na Irmandade do Magneto. Uma delas parecia a mistura do Rufio com o menino do Quem Quer Ser um Milionário! Valha-me Deus!

E verdade seja dita, não sei se o design da Vampira e da Dominó estão diferentes dos quadrinhos. Não leio Comics há anos, mais precisamente, desde que o arco Um Dia a Mais destruiu o Homem-Aranha.

“Ain, não lê quadrinhos e quer falar do jogo do Deadpool. Cala a boca, Abneol. Sua credibilidade jornalística foi por água abaixo! Delete seu blog e vire funcionário público, por favor!”

...

Pelo menos eu já beijei uma garota.

Visto aqui: O momento exato em que o Amer se tornou um homem!

Enquanto os modelos de personagens são bem feitos, as fases são sem graça. Não existe grande variedade entre elas, que se alternam entre “ambiente urbano destruido” e “esgoto”, com muito pouca variação entre eles. As texturas dos cenários também são pouco detalhadas, o que acrescenta ao fator “meh” dos visuais.

Sempre existe a possibilidade de que economizaram com os cenários para poderem dar a Vampira toda deliciosidade que lhe é de direito. Neste caso, foi uma troca justa.

O áudio também tem seus altos e baixos. A trilha sonora é tão esquecível quanto um show dos Detonautas, mas a dublagem é espetacular.

Nolan North está perfeito como Deadpool, o que não é surpresa, pois ele já empresta seus talentos ao personagem fazem anos, seja em desenhos animados ou outros games. Por mais que se torne irritante as vezes, não consigo imaginar outra voz saindo do nosso mercenário cancerígeno.

O resto do elenco é composto pelos suspeitos de sempre. Steve Blum (voz oficial do Wolverine), Fred Tatasciore (que sempre interpreta homem imenso, e aqui faz o Cable), Melissa Disney (que foi a Ginger da Nickelodeon e aqui interpreta Psylocke e Vampira) e muitos outros talentos que nos acostumamos a ouvir em nossos games.

Que? Você não sabe quem são essas pessoas? MAS O QUÊ??? QUAL É SEU PROBLEMA??? COMO SE ATREVE??? TÁ PENSANDO QUE A VIDA É UM JOGO??? COMO VOCÊ NÃO CONHECE OS ATORES DE VOZ NORTE AMERICANOS, ORA MAS EU NUNCA...

Joga os games em português? AH! JOGA TUDO EM PORTUGUÊS? FICA ESCUTANDO PITTY E ROGER O DIA TODO, É? PEDERASTA! NO MEU TEMPO JOGÁVAMOS EM INGLÊS, APRENDIAMOS UM SEGUNDO IDIOMA E NOS TORNÁVAMOS PESSOAS MELHORES! GERAÇÃO OVO COM PERA!

...

É LEITE COM PERA! MINHA FÚRIA É TÃO ABSOLUTA QUE ATÉ FALEI ERRADO!!!

Esses parágrafos imensos escritos todos em Caps pra simular meus gritos, não são irritantes?

Eu também acho!

Em outras notícias, pra onde diabos o Wolverine está olhando?

Mas e quanto a jogabilidade? Ela presta?

Bom, você gostava daqueles beat’em ups descerebrados dos anos 1990? Onde um herói solitário atravessava a cidade e socava o pâncreas de todos os corinthianos em seu caminho? Se a resposta é sim, então provavelmente irá gostar de Deadpool.

O game é um beat’em up bastante simples. O jogador avança pelo cenário, espanca legiões de clones do Senhor Sinistro e ganha experiência, que pode ser usada na compra de novas armas e habilidades, parecido com Diablo.

Imaginem da seguinte forma, se Streets of Rage 2 e Diablo III se encontrassem em um bar, passassem a noite conversando e enchendo a cara de José Cuervo, e depois fossem até um quarto de motel... Nada aconteceria. Absolutamente nada. Porque eles são video games e não pessoas, e não podem ficar alcoolizados, tampouco fazerem sexo desprotegido.

Mas sim, é possível gastar seus “Deadpool Points” (porque alguém no High Moon Studios achou que estava sendo brilhante ao bolar este nome) com uma boa variedade de armas, que envolvem marretas, escopetas e armadilhas de urso. Não importa sua preferência na hora de chacinar hordas de inimigos sem nome, há uma boa chance de que ela esteja representada aqui.

Agora, na maior parte do tempo, é bastante satisfatório espancar os inimigos até que se tornem uma mera mancha vermelha no cenário. O elemento que quebra esta diversão são os inimigos capazes de bloquear seus ataques. Derrotá-los não é exatamente difícil, pois eles são vulneráveis a contra ataques, mas em alguns momentos a tela fica tão lotada deles, que sessões inteiras do game se tornam uma tarefa mais árdua do que ignorar os rombos no roteiro de Batman V. Superman.

E o design de fases morno traz outro problema, que é a síndrome de “pra onde caralhas eu vou agora”? Muitas vezes é difícil saber para onde ir, pois tudo na fase é muito parecido e não há uma indicação clara de qual caminho o leva até a próxima área. E lá fica você, vagando eternamente por um cenário desprovido de qualquer outra alma viva.

Muito parecido com a quinta-feira de um evento de Anime.

Ou qualquer dia na vida de um Bronie.

Deadpool é a epítome (ó, que palavra difícil) de um game mediano. Ele não é ruim, tampouco se destaca naquilo que se propõe a fazer. Fãs do personagem vão adorar e escreverão manifestos no Facebook explicando como este é o melhor jogo de todos os tempos e que todo mundo mais é burro em não concordar, mas as demais pessoas só devem gastar seu tempo com ele se o encontrarem bem barato.

Trinta paus. Mais do que isso é roubo.

Querem saber? Gastem esse dinheiro no DVD do filme. É uma escolha mais sábia.

E antes de irem embora, que acham de se tornarem meus padrinhos? Basta visitar a página do meu projeto no Padrim, e abrirem seus corações e suas carteiras. Com a ajuda de vocês, posso dedicar-me exclusivamente ao blog e ao meu canal do Youtube, e terei a chance de produzir muito mais artigos e vídeos do que me é permitido no momento.

Tem mais. Os padrinhos mais dedicados terão acesso a recompensas exclusivas, como serem honrados mensalmente aqui no blog, fazerem parte de um grupo secreto no Facebook, onde terão acesso ao Amer e aos seus futuros projetos, ou até a chance de escolherem temas para artigos ou games para serem transformados em Let’s Plays.

Agora deixo com vocês. Mostrem o quanto me amam! Huzzah!

Cheers!!!

13 comentários:

Ero Lucas disse...

Tudo o que posso dizer do Deadpool é que ele é o novo Bobba Fett. Ele é legal, mas sua imagem é tão exageradamente utilizada que o personagem se torna um saco.

E vou ser bem sincero contigo Amer, acho esse jogo dele um saco. Sou muito mais espancar alguém usando ele em Marvel vs Capcom mesmo. Aliás, a Capcom bem que podia renovar a licença e produzir o MvsC4, mas eles estão mais preocupados em entopir aquela demo de SF5 de conteúdo extra.

Bruno Antônio Bastian Ransan disse...

Ótimo artigo como sempre, Amer. Acompanho seu blog há bastante tempo e seu conteúdo é de muita qualidade. Continue assim!

Vim aqui para falar do seu comentário sobre os X-Men... Na verdade, o povo tem medo deles não pelo fato deles terem superpoderes, mas sim porque não sabem exatamente qual é a natureza dos mesmos, quais são seus reais interesses. Afinal, existem mutantes bons e maus, e a galera fica dividida entre apoiá-los ou persegui-los.

Mesmo o Homem-Aranha não é muito querido do grande público, pois nas HQs ele sempre foi repudiado pelo jornal do JJ Jameson e perseguido pela polícia.

Leandro DM disse...

Primeiramente, ótimo texto, Amer seu lindo.

E esse jogo chega a ser estranho de tão mais ou menos.As aparições do Deadpool no Shattered Dimensions ou até no Marvel Lego foram beeem mais divertidas e interessantes, por isso mesmo achei q eles iam acertar o tom num jogo solo, mas não. E até gosto do Sinistro (concordo q é um Apocalipse lite, mas ele sempre tem (tinha) algumas aparições interessantes.

Algo q é quase unânime entre, os leitores de Homem Aranha, é o quão nocivo e horrível foi "um Dia a Mais". Até tentei continuar comprando pra manter a coleção mas me fazia sentir um idiota toda vez q lembrava do Quesada falando "its magic", e isso comprando há décadas e passando por coisas como a Saga do Clone (na realidade, quase tudo do Howard Mackie) ou Filhos de Gwen Stacy.

E por ultimo, espero q essa empreitada dê muito certo pra vc. Como falei há um tempo, seus textos me ajudaram bastante (e ainda ajudam) a passar por uma fase muito dificil, me fazendo rir onde não tinha motivo nenhum pra isso. Infelizmente, no momento desempregado, não vou conseguir contribuir direito, mas tão logo me resolva, serei um godfather com toda certeza.


C disse...

Eu já estava todo me achando o último floquinho de neve especial do deserto porque não acho o Deadpool tudo isso, mas descobri que meu desinteresse pelo personagem empalidece perto dos roteiristas de desenho Ultimate Spider Man. Sério, como o Deadpool é retratado como chato de galocha naquele desenho é quase um status de arte

Casa disse...

Merc with a Mouth” = mercenário tagarela

Eu curti muito a fase do Joe Kelly Ela que me fez gostar do Deadpool.

Depois li esporadicamente

Aliás a única coisa mensal que eu leio ainda é Walking Dead

Mas eu curti muito o filme

É um personagem muito bom nas mãos certas.

Katchiannya

Leandro"ODST Belmont" Alves the devil summoner disse...

Amer, tu acha mesmo que chamar o "Jonjons" de "Marciano Caçador de Homens" com aquele traje sadomasoquista que ele usava nos quadrinhos e no desenho da Liga não pegaria mal? Reflita.

É melhor Ajax mesmo. Pelo menos não deixa nada insinuante

Amer H. disse...

Era só chamar de Caçador de Marte... Como eventualmente fizeram.

Unknown disse...

Joguei a versão de pc e ....falou.....quanto ao carachter ,falou tb.....

luiz cláudio disse...

Báh, o personagem tem boas histórias

Bier disse...

Quem diria que você voltaria a escrever tão rápido.

Saudade desses teus comentários, Amer!
É bom saber que o mestre voltou.

Zweist disse...

O fato é que eu resisti lendo quadrinhos, pior, lendo a Marvel. E atualmente a pergunta que me faço é: Porque cargas d'água os mutantes continuam sendo odiados pela população, que por outro lado fica eufórica com a possibilidade de se tornarem Inumanos?

A razão editorial eu sei (a Marvel tem os direitos de filme dos Inumanos e não da mutunada). Mas a razão como personagens, me escapa.

Bier disse...

Ah, eu tinha esquecido de dizer...
Eu tenho 1 único amigo fã do DeadPool, e sim, quando se trata de falar disso, ele é chato pra caralho. Não sabia que todo o fã dele era assim, mas as características batem que é uma beleza...

gabriel paulo disse...

Eu não curti esse jogo em nenhum aspecto fora a dublagem. (Os gráficos até foram satisfatórios, mas se analisar pelo conjunto, inclusive cenários, é uma bosta) E sinceramente, já cansei de nego falando que o Deadpool vence o Thanos só porquê sa porra é imorrível.