sábado, 27 de setembro de 2008

Crítica do Amer: Star Wars - The Force Unleashed


Nada melhor para marcar o renascimento do Blog de games do que falar da minha saga espacial cinematográfica favorita: Star Wars!

E que conveniente, pois um game de Star Wars foi lançado recentemente para todos os consoles!

Force Unleashed é um projeto multimídia que foi lançado através de livros, quadrinhos, figuras de ação e logicamente, este game sobre o qual escreverei agora.

Vamos começar pela história de Force Unleashed.



Na linha temporal da franquia, este game se passa pouco tempo após Episódio III. A República caiu, o Império domina a galáxia com mão de ferro e Darth Vader é o responsável pela caça e extermínio dos cavaleiros Jedi que tenham sobrevivido à execução da Ordem 66.

Em uma de suas missões para eliminar os últimos Jedi, Vader encontra um menino em quem sentiu uma poderosa presença da Força. Por motivos até o momento claros somente para si, ele poupou o menino e o treinou para ser um Sith, mantendo sua existência oculta de todo o Império, até mesmo do Imperador Palpatine.



Acompanhado de Juno Eclipse, sua piloto Particular, o Aprendiz executa missões secretas realizando o trabalho que antes era de Vader: eliminar os últimos Jedi.

Vader pretende que seu discípulo se torne mais poderoso ao enfrentar verdadeiros cavaleiros Jedi e que assim, mostre-se pronto para quando for o momento de ambos derrubarem Palpatine e governarem a galáxia.

Claro, a história é muito mais detalhada e eu meramente arranhei a ponta do iceberg, mas qualquer outra informação que eu mande aqui será um belo spoiler.

Vou apenas dizer que vários personagens conhecidos da franquia Star Wars dão as caras por aqui, como a mestra Jedi Shaak Ti (que deveria aparecer em Episódio III sendo executada pelo General Grievous, cena que felizmente foi deletada) e o senador Bail Organa, um dos principais fundadores da Aliança Rebelde.

Diga-se de passagem, Force Unleashed é a melhor história de Star Wars desde a trilogia original. Os personagens são profundos, os diálogos não são bobos como alguns vistos nos novos filmes e o clima é bastante sombrio, algo que na minha opinião é muito pertinente à saga de Star Wars.

Dito isso, é hora de analisar o game por sua funcionalidade.



Graficamente, Force Unleashed é excelente. Não chega ao nível de fotorealismo exagerado de alguns games recentes (como Mass Effect, por exemplo), mas se quer minha sincera opinião, tal decisão funciona muito bem para um game da franquia Star Wars.

O som traz uma dúzia de músicas da saga, ou seja, composições de John Williams acompanham a aventura do começo ao fim. Nada mais apropriado, levando em consideração que estamos falando de Star Wars.

A dublagem dos personagens também merece uma menção especial. Sendo que o enredo é 50% de Force Unleashed, vozes mal escolhidas com certeza colocariam tudo a perder e poderiam tornar este game uma experiência mais revoltantemente hilária que Episódio II.

Sam Witwer está perfeito no papel do Aprendiz, dando ao personagem a credibilidade que ele precisa. Mesmo vendo este jovem cometer atrocidades em nome de seu mestre, é muito difícil não simpatizar com ele, especialmente quando ele começa a entrar em conflito com sua crenças.

Nathalie Cox no papel de Juno Eclipse dá à personagem a força e doçura necessárias para ser o par romântico (claro, o que você esperava?) do assassino particular de Vader. Sem contar que seu sotaque Britânico deixa a personagem extremamente charmosa.

Por fim, Matt Sloan está muito bem no papel de Darth Vader. Verdade seja dita, ele não é nenhum James Earl Jones, mas faz um excelente trabalho preenchendo a lacuna deixada pelo dono da voz original do vilão.

Prosseguindo para a jogabilidade, algo que em FU é bastante simples.

Não vou destrinchar os comandos, pois é algo que você fará ao jogar, mas acredite em mim quando digo que este é um game bastante instintivo. Antes que se dê conta, estará abusando dos poderes da Força como nunca pensou que faria!



E isso é algo que você fará com freqüência! Nenhum outro game de Star Wars lhe dá tanto poder e tantas formas de abusar dele!

Use a Força para erguer seus oponentes e arremessá-los longe, ou eletrocute-os com relâmpagos, arremesse seu Lightsaber neles... enfim, de certa forma, FU é um game mais brutal que muitos títulos da Rockstar, pois existem dezenas de formas diferentes de se matar os inimigos.

Quando estiver arremessando Stormtroopers de abismos ou contra campos de força para serem desintegrados, vai entender o que estou falando.

E você não viu errado, na imagem acima o Aprendiz está enfrentando um Rancor! Ao longo do game você enfrenta pelo menos cinco destes monstrengos, além de diversos AT STs (aqueles "tanques" bípedes que apareceram em Retorno de Jedi, durante a batalha de Endor) e ainda tem de derrubar um Destroyer Imperial.

Nada tema! Tais momentos são em Quick Time Event, aquelas animações em que é preciso apertar os botões certos no momento em que forem mostrados na tela, algo que se tornou muito popular com o sucesso de God of War.

Se estiver enfrentando um inimigo "normal" da fase, como um AT ST ou um Rancor, se errar a seqüência de comandos, o adversário irá restaurar um pouco de sua energia e será preciso atacá-lo e lhe causar mais dano para poder reiniciar o QTE. Curiosamente, se errar os comandos quando estiver enfrentando um chefão de fase, a animação do do Quick Time Event simplesmente reinicia, não precisando enfrentar o adversário novamente.

Lógico, Force Unleashed não é um game perfeito. Há alguns pequenos problemas que não chegam a comprometer a jogabilidade, mas que podem ser um saco em determinados momentos.

Vez ou outra, é possível "entalar" em alguns trechos do cenário. Há locais onde você pode acabar caindo em algum espaço da tela onde a programação do game não deveria permitir sua presença. Quando isso acontece, não há opção exceto sair da fase e recomeçá-la.

Tá certo que este não é um problema único de Force Unleashed (o mesmo me aconteceu em GTA IV uma vez) e é algo extremamente raro, mas não deixa de ser irritante quando acontece.

O sistema de mira merecia algumas revisões também. Vez ou outra o herói focaliza algum destroço que esteja perto ao ivés de travar a mira nos inimigos que estão mais próximos. Não é algo que estrague o jogo, mas é um saco ver o Aprendiz disparando relâmpagos em um pedaço de pedra quando tem um pelotão de Stormtroopers bem na sua frente, prontos para fuzilá-lo.

Há pequenos loadings toda vez que se dá pausa no jogo. Isso é um incômodo pequeno, mas pode encher o saco de jogadores que gostem de conferir o andamento da fase e a evolução do personagem o tempo todo.

Por fim, há um bug bastante desgradável no game, que estraga a tela de estatísticas de forma que ela não mais registra o seu progresso durante a fase. Caso tente adquirir todos os Jedi Holocrons (os colecionáveis secretos deste game), não terá como saber quanto já recolheu por fase ou quantos ainda faltam.

Aparentemente, este bug é causado sempre que se muda a cor do Lightsaber e já está sendo investigado pelos produtores do jogo, que lançarão um patch de correção na internet (Xbox Live e PSN, para seus respectivos consoles) assim que tiverem a solução.

Enquanto o patch não sai, deixe seu Lightsaber vermelho até o fim do jogo! Eu sei que é muita tentação não mudar sua cor para roxo, mas o seguro morreu de velho.

Force Unleashed não é o game definitivo de Star Wars, mas é um ótimo título de ação e um excelente acréscimo à mitologia da série, preenchendo com maestria a lacuna que existia entre as duas trilogias de Star Wars.

Mesmo que nunca tenha assistido Star Wars na vida (e sinceramente, você tem sérios problemas se nunca viu estes filmes), este é um game que merece uma olhada. Caso você seja um fã da franquia, então este é uma adição obrigatória para sua coleção.

E cheque a versão de Playstation 2 se tiver chance, é um jogo totalmente diferente que segue o estilo beat'em up. Vale bastante a pena.

Cheers!

10 comentários:

Walmir disse...

Hey, Grande Amer.
Baixei o demo desse jogo no PS3, e não curti muito. Tinha uma fase bem chatinha. Mas me disseram pra dar uma chance ao game, que vale muito a pena. Vou tentar sim.
Abração.

Cajun explosion disse...

Belo texto, Amer.
Cheguei aqui pelo seu blog geral e gostei bastante. Sentia um pouco de falta de comentários de jogos que não fossem saudosistas, apesar de adorar ler você escrevendo sobre TMNT.
Só senti falta do seu mau-humor. Pode ser que seja a proposta, tratar de forma mais séria ou formal, mas de qualquer forma, seu blog, suas regras.
Parabéns pela iniciativa.

Amer H disse...

Bom ver você aqui, meu caro!

Mas enfim, a proposta deste blog aqui é de fato ser mais sério, menos boca suja e menos mau-humorado.

Talvez não agrade o público que se acostumou ao outro blog, mas não vejo sentido em manter dois blogs que usam exatamente a mesma linguagem.

Mas formalidade zero, meu caro! Definitivamente! Formalidade é um saco!

Se você acha que estou sendo formal aqui, é porque nunca leu um livro teórico de comunicação ou direito! Com certeza!

Abraço!

julio_dcm disse...

Grande Amer, você ja jogou algum jogo da série Monkey Island? Se sim, o que você achou do 4? Ando pra jogar esse jogo algum tempo mas forças ocultas (net ruim) me impediram de baixa-lo. Mui Grato

Edmilson disse...

E aí, Hammer.

Ótimo post. Peguei a versão para play 2 (infelizmente não tô podendo ter um play 3 ou xbox360), e gostei muito. Com certeza é muito divertido usar e abusar da Força.

Os problemas de programação também estão presentes na versão do play 2.

Uma vez pulei numa rampa que me faria escorregar até o piso e de repente ele agarra e morre.

Da outra vez eu pulei por baixo de uma plataforma (bati a cabeça na parte de baixo dela) e do nada apareci em cima. Quer dizer, não "do nada", já que antes ele ficou com o corpo agarrado "dentro" da plataforma =/

No mais, valeu pela dica e ótima resenha.

Thiago disse...

foda
Esse starwars deve ser muito manero de jogat
vc poderia fala sobre prince of persia a trilogia do play 2

Bruno disse...

Fale sobre God of War.

Sergio disse...

Eu vou pegar esse jogo pra ver como é no 360. espero que valha a pena.

e é muito maneira a foto do phoenix wright que você colocou ali no blog amer.

objection!

Victor disse...

YAY! KRATOS COFFEE!! XD

Jonathan Ribeiro disse...

excelente post,começou muito bem.