segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Games que terminei nas férias!


E aqui começa o artigo mais auto-elogiante de todos os tempos!

Bom, ontem acabaram as últimas férias escolares que terei na vida! Uma vez que me formo na faculdade no meio do ano e não tenho a menor intenção de voltar a estudar no futuro, este foi definitivamente o último período de folga dos estudos que terei em minha existência.

Claro, eu trabalhei um bocado, ontem mesmo estava escrevendo uma matéria sobre Transformers Animated que me tomou o dia todo (e que eu aviso assim que estiver nas bancas, DIM-DIM), mas é diferente ter de trabalhar sem precisar me preocupar com provas, seminários e mais aquele monte de idiotices que temos de aguentar enquanto estudamos.

Bom, para aproveitar melhor esse mês, decidi terminar o máximo possível de games. You see, todas as férias nos últimos 6 anos eu passei jogando quase que exclusivamente GTA e Smackdown. Só esses dois, o mais novo de cada franquia e muito pouco além disso.

Graças a isso, tenho mais de 200 jogos acumulados em que eu nunca joguei além da tela de apresentação.

Pois é!

Decidi fazer diferente este mês e que forma melhor de me motivar do que transformar minha maratona de games em um artigo?

É, passei meus últimos dois meses de férias me devotando a um único artigo... eu tenho muito tempo livre, eu sei.

E este pode não ser o artigo mais interessante de todos os tempos, mas coopere comigo desta vez... nem sempre tenho idéias "sensacionalmente geniais" e as vezes tenho que me contentar com as meramente "acima da média".

E a imagem acima me lembra da época que o Sonic era legal... bons tempos, bons tempos...



Contra

E eu comecei com um clássico! Após dezesseis anos tentando, finalmente terminei Contra! Claro... usei o clássico código da Konami, você sabe: Cima, cima, baixo, baixo, esquerda, direita, esquerda, direita, B, A na tela de apresentação!

Aposto que despertei muitas lembranças em alguns de vocês agora, não?

E eu devo dizer que hoje Contra não parece tão difícil quanto antigamente. Sim, é difícil pra burro ainda e capaz de despertar a mais pura vontade de cravar os dentes no controle, mas não é impossível como Contra: Shattered Soldier, onde uma barragem de tiros infinitos vem constantemente em nossa direção e a única maneira de evitá-los é jogando outra coisa.

Mas vou te contar, o final é uma merda! Depois de passar por todos os perigos que o game oferece, tudo que vemos é uma cena da ilha onde se passa a história explodindo e dos heróis fugindo de helicóptero.

Diarrhea shit! Eu ficaria muito puto se terminasse este game na infância e visse este final de bosta.

E lembra dos cartuchos de Contra que foram lançados no Brasil? Pela Gradiente se eu não me engano e que traziam escrito no verso: "Arnold Schwarznegger e Rambo unem forças para..."

Eu não sei o que mais dizia pois eu caia no chão com convulsões logo logo que terminava de ler este trecho.

Bons e velhos tempos!

E eu comecei bem as férias em termos de games! O que mais o futuro me reservaria?



Castlevania III - Dracula's Curse

E prossegui com outro clássico! Ajudando mais um herói da linhagem dos Belmont (e que como o resto da família, não usa calças) a chutar o rabo do Dracula.

Olha só, se você tiver a chance jogue este game, pois é impressionante até hoje. A trilha sonora é espetacular e ele possui um dos melhores gráficos da história do Nintendo 8 Bits.

Mas jogue a versão japonesa, veja bem!

Não, eu não sou um otaku desvairado que acredita que tudo que vem do Japão é melhor, é simplesmente porque a versão japonesa é menos difícil.

Veja bem, na versão americana, todos os inimigos causam exatamente o mesmo dano, mas esta quantidade de dano aumenta conforme se avança no game. Em outras palavras, na primeira fase, tanto a cabeça de Medusa quanto o Lobisomem vão causar um dano pequeno, mas na última fase ambos vão causar um dano absurdo.

Perder um terço da energia por causa de uma cabeça de medusa é uma paulada no saco!!!

Na versão japonesa, todos os inimigos causam quantidades de dano fixo o jogo todo, o que facilita muito na brincadeira.

E aliás, um pouco de trivia: Sabia que Trevor Belmont (ou Ralph Belmont, na versão japonesa) é o filho de Alucard com Sonia Belmont? Protagonista de Castlevania Legends do Game Boy?

Sonia foi a primeira pessoa da família Belmont a caçar Dracula e o fato de ter um filho com Alucard explica o motivo de seus descendentes serem capazes de confrontar as forças da trevas e o vampirão!

Até que a Konami lançou Castlevania: Lament of Innocence, gerou uma nova história pro confronto inicial entre os Belmont e Drácula e apagou Sonia e seu caso com Alucard da cronologia da série, substituindo-a por uma história totalmente gay e sem graça!

HA!

Boa, Konami...



Shadow of Colossus

Sei lá eu porque, quando este game saiu eu joguei ensandecidamente... até que de repente e sem explicação, cansei dele e o deixei parado por quase dois anos, sem sequer ter acabado.

Então, em Dezembro passado, no espaço de tempo que ficou entre assistir Uma Noite de Fúria e He-Man, decidi pegar este game e não largar até chegar ao seu fim.

Diabos, foi uma das decisões mais certas de toda a minha vida.

Caso você nunca tenha ouvido falar, em Shadow of Colossus, um herói solitário tem de percorrer uma terra gigantesca enfrentando dezesseis seres colossais, para que ao fim de sua aventura, sua amada retorne a vida.

Puxa... caiu uma lágrima...

Bom, os seres colossais fazem juz ao nome do game e a única forma de atingor os pontos vitais dos bichos é escalando eles até chegar no lugar certo.

A imagem acima é do terceiro colosso...

E ele nem é o maior de todos...

Só pra escalar o último Colosso, se leva dez minutos...

É...

Se você tem Ps2, por favor, jogue este game! Você não vai se arrepender! De fato, vai querer me apresentar uma ruiva, tamanha será sua gratidão por minha recomendação!



Bee Movie Game

Bom... algumas pessoas dizem que trabalhar com games é moleza. Para estas pessoas respondo: "Vá se fuder seu corno maldito! você não aguentaria UM DIA fazendo o mesmo trabalho que eu! Seu borra-botas!!!"

Uma prova é que eu precisei jogar este game para fazer um detonado pra editora (para a Dicas e Truques para Playstation!!! Está nas bancas neste momento, compre e me deixe rico!!), e embora Bee Movie não seja um jogo difícil, ele se torna muito chato depois de um trecho.

Eu o recomendo se você tiver filhos pequenos que gostaram do filme.

E não quero mais falar sobre isso!



Scarface

Eu tinha este game desde que foi lançado,acho que foi uma das últimas coisas que peguei para o Xbox original, mas estava parado aqui.

Então alguns amigos que estavam jogando Scarface me convenceram a dar uma chance ao título e eu o fiz!

Pra ser muito sincero, eu não curto muito games que usem o mesmo estilo de jogabilidade aberta de GTA. De fato, eu sou muito chato com games nesse estilo, preferindo sempre a série da Rockstar, não importa o quanto os títulos das outras empresas possam ser melhores.

É mais ou menos o que eu fazia na época de Street Fighter II, exceto que eventualmente eu abracei a causa de Mortal Kombat também.

E vou te dizer, Scarface me impressionou de verdade! Não é melhor que GTA (na minha humilde opinião) mas é sem dúvida sua melhor "cópia" por assim dizer.

Fazer entrega de 20 quilos de cocaína com Tony Montana (NO JOGO, que isso fique bem claro) é bastante interessante, especialmente porque sempre vai ter uma dúzia de caras espalhados pela cidade e prontos pra arrancar seu couro cubano durante o processo!

E mais uma coisa legal, é que este game tem a trilha sonora completa do filme! Músicas tão horrivelmente cafonas que não tem como não levantar e dançar ao estilo dos anos 80!

Não que eu tenha feito isso, veja bem...

...hã...

Bom, vamos em frente...


Ben 10

Pois é, eu adoro Ben 10!


Sei lá, um moleque de dez anos com um relógio que pode transformá-lo em uma tonelada de aliens diferentes é algo muito legal na minha concepção! Eu digo sempre que os anos 80 foram a melhor época pra se ser criança, devido a tonelada de desenhos legais da época, mas Ben 10 é um bom produto atual, tem o feeling dos anos 80 na minha opinião.

De fato, gosto tanto deste desenho que comprei um boneco do Quatro-Braços na última vez que saí com meus amigos.

E estranhamante, o game foi um dos poucos que eu peguei e joguei do começo ao fim no ato, sem deixa-lo mofando por meses junto dos outros títulos que eu não pretendo jogar tão cedo.

Na prática, este aqui é só um beat'em up, onde se guia Ben através da América, enquanto ele espanca aliens e faz piadas ruins.

E claro, se transformando bastante durante o processo.

O melhor deste game é que as batalhas com chefes são copiadas na caradura de God of War. Depois de se espancar um pouco o inimigo, aparecem comandos na tela e apertando os botões na ordem correta, vemos uma animação bacanuda onde Ben faz sarapatel do vilão.

Não exatamente sarapatel... ah, você me entendeu!


The Simpsons

Eu nunca gostei muito desse game. Sinceramente, era uma das máquinas que me interessava menos quando eu ia no fliperama. Sempre preferi torrar minhas fichas em Captain Commando e Alien vs Predator.

Resolvi dar uma segunda chance pra Simpsons nestas férias, afinal de contas todo mundo sempre falou tão bem deste título que eu com certeza deveria estar errado em não gostar dele, certo?

Errado! Este jogo é um saco mesmo!


Com certeza tem gente que vai querer comer minha bunda depois desse comentário, mas eu não gostei desse game mesmo. Eu adoro beat'em ups e adoro Simpsons, a combinação deambos devia dar o game perfeito, mas isso não aconteceu. Prefiro os outros beat'em ups da Konami, como X-Men e Turtles.

Mas é legal ver como esse jogo representa bem o começo da série, onde as personalidades do elenco ainda não eram tão bem definidas como hoje, e ter a oportunidade de socar o Smithers é algo que com certeza não se repetiria nos dias de hoje.

Aliás, eu não terminei o game dos Simpsons que saiu ano passado pro Ps2 (e pro 360, PSP, Wii e se bobear até pro Atari 2600), portanto se eu estiver errado... me deixe em paz!


Vendetta

Meu amigo de Two Metros sempre me encheu para que eu jogasse Crime Fighters e suas continuações.

Bom, Crime Fighters é um saco (desculpe, Danilo), mas Vendetta é muito legal!

Sequestram a irmã (namorada, amante, prostituta favorita? Eu não sei ao certo) de Hawk, um grandão que parece o Hulk Hogan. Ele chama seus amigos e sai espancando bandidos com nomes óbvios para reaver a moçoila!


Não tem como ser mais anos 80 que isso! Massacrar pessoas pra reaver uma fêmea! Se eu estivesse namorando no momento, rezaria todos os dias para que uma gangue seqüestrasse minha garota, só pra que eu pudesse chamar meus amigos pra sair espancando meliantes pela noite pra resgata-la!

Dois deles pelo menos eu sei que topariam!

Bom, literalmente em seguida de Vendetta, decidi jogar sua continuação...


Violent Storm

Enquanto Vendetta se assemelha muito a Double Dragon, nos dando um arsenal de armamentos espalhados pelas fases e golpes com comandos meio chatinhos de usar, Violent Storm é uma cópia descarada de Final Fight. Desde os visuais e o clima, até sua jogabilidade, que é quase idêntica ao jogo da Capcom.

De fato, Violent Storm é tão parecido com Final Fight que tem até mesmo aquelas fichas com os dados dos personagens caso você deixe o jogo rodando.

Com uma diferença:



Até a seqüestrada tem direito a uma ficha de dados!

Claro que o enredo aqui também é salvar uma gostosa seqüestrada por bandidos, o que mais poderia ser?

Deus salve os beat'em ups e seus enredos dignos de Shakespeare!!!



Leisure Suit Larry - Magna Cum Laude

Talvez eu não esteja sendo muito honesto com esse aqui, afinal de contas já o havia terminado na época que saiu.

No entanto eu desta vez terminei a versão Européia, o que talvez conte como um jogo diferente, especialmente porque o game todo estava em espanhol e eu não entendi chongas!

Bom, você deve estar se perguntando por que raios terminei este game de novo, é simples, a versão Européia não tem censura!

Veja bem, a história gira em torno de Larry, um aluno universitário que passa o jogo fazendo exatamente aquilo que todos os alunos de faculdade passam a maior parte do tempo pensando em fazer: Comer as colegas.

Claro, ele é menos que bem sucedido na maioria das vezes, mas a graça do jogo está nas cantadas terríveis que Larry usa e que fazem todos nós parecermos verdadeiros Don Juans.

E há nudez no game, mas todas as genitálias são censuradas na versão Americana, por isso eu passei anos atrás de uma versão Européia, para ter acesso a nudez frontal completa!

Não fique tão espantado, você sabe muito bem que eu adoro mulheres fictícias.

Aliás, este game tem o maior número de telas de loading que eu já ví! É loading toda hora: Quando você entra em um lugar, quando você sai de um lugar, quando inicia uma conversa com alguém, quando começa um mini-game e por aí vai...

Claro, os produtores fizeram o possível para deixar as telas de loading interessantes:



Nham!

E se você detesta mulheres animadas, os produtores se deram ao trabalho de contratar fodê-los... digo... modelos, para posar representando as personagens do game:



Com resultados bastante satisfatórios na maioria dos casos.

Nham nham!

Sim, eu sou um porco machista, me processe!

Aliás, a imagem acima veio do site MobyGames, clique aqui se quiser conhecê-lo.



Castlevania Bloodlines

Este aqui é outro game que eu tentava terminar há anos e que só agora tive bolas o suficiente para sentar minha bunda gorda no sofá e fazê-lo.

Comprei o cartucho original há sete anos atrás, em uma loja de games antigos de Mega Drive e Super Nintendo que ficava próxima ao lugar onde eu estudava na época. A dona do lugar era uma gordinha muito gatinha que flertava um bocado comigo e que sempre me dava desconto nas minhas compras.

No dia que eu fui na loja decidido a chamá-la para sair, descobri que ela e a equipe da loja tinham ido embora, pois tavam devendo uma grana preta para alguma entidade maligna de Guarulhos.

Quem diria?


De qualquer forma, desde 2001 eu jogo este game e sempre desistia assim que chegava na fase da Alemanha, sei lá porquê. Desta vez no entanto fui perseverante e cheguei até o fim.

Devo dizer que Bloodlines é uma pérola esquecidado Mega Drive: pouca gente jogou, menos ainda terminou e muitas pessoas sequer sabem que este game existe!

Damn you, bastards!!!

Bloodlines foi o primeiro game da série que nos permitia escolher entre dois personagens e o primeiro nos consoles a ter sangue e monstros eviscerados! Fuck the censorship!!!

E mais importante, este é um dos games mais bonitos do Mega Drive, o que mostra tudo que o Blast Processing do aparelho era capaz de fazer!

... seja lá o que for "Blast Processing"...


Avatar - The Burning Earth

Poucos jogos são chatos ao ponto de me fazer dormir com um controle na mão, mas este aqui é definitivamente um dos melhores remédios contra insônia já feitos.

Sério, Burning Earth é maçante além do possível, eu rezava pra conseguir acabar logo e me livrar deste game pra sempre.

Aí você me pergunta: "Se é tão chato, porque picas você decidiu terminar?"

É uma pergunta justa e eu tenho duas respostas pra isso:

a) Porque adoro a série animada e joguei simplesmente devido ao carinho que sinto pelos personagens.

b) Porque sou uma besta!

Escolha a resposta que lhe satisfizer mais!

E como não existe uma foto sequer do jogo que seja interessante (o que não é surpresa) optei por ilustrar este artigo com a capa dele.

O que é indiscutivelmente a melhor coisa desse game.

Ah sim, este foi o último game que terminei em 2007, o concluí a minutos do ano novo!

Isso mostra que não importa como seu reveillon foi ruim, sempre há pessoas que tiveram um fim de ano ainda pior!


Manhunt 2

Bom, eu faço parte do seleto grupo de pessoas que teve culhões de aço pra terminar o primeiro Manhunt e por meses idealizei uma continuação, junto de diversos fãs em fóruns pela internet.

Quando a continuação foi anunciada, eu pulei tão alto que bati a cabeça no teto e quebrei o pescoço, assim como estes diversos fãs com quem eu conversava.

Mas assim que o jogo finalmente saiu (após uma tonelada de problemas legais, devido a sua violência extrema), eu perdi o interesse depois de algumas horas de violência incessante.

Sei lá, a história não é tão interessante como a do primeiro, que é simplista ao extremo mas cumpre bem seu papel. Esse aqui tem todo um papo enrolado e conspiratório sobre criar um soldado perfeito e blá blá blá... na minha opinião, um enredo desnecessário.

E o pior, as cenas de morte são todas censuradas... diabos, quando arranco a cabeça de alguém usando arame farpado, eu gosto de ver o processo em andamento!!!

Aliás, se quando você jogou não havia censura, é porque você brincou com a versão beta. Eu esperei o jogo completo sair, porque sou chique!

Bom, eu não tava com muita vontade de ir até o fim com Manhunt 2, mas não queria deixa-lo inacabado também. Assim sendo, pedi ajuda a meu amigo Cody e só então terminei o game.

Grande Cody, sempre me ajudando nas horas de necessidade!



Harvey Birdman - Attorney at Law

É, eu sou uma das pessoas que passam o fim de semana a noite em casa, ao invés de sair pra encher a cara e fingir que me divirto em lugares onde se respira fumaça de cigarro. E como tal, assisto Adult Swim sempre que posso!

Harvey o Advogado detona! Só digo isso!!! Ele é o maior!!!

Logicamente, quando foi anunciado o game do Homem Pássaro, eu fiquei bem animado, especialmente quando soube que seguiria a mesma engine dos jogos de Phoenix Wright!

Hã, Phoenix Wright é um advogado que tem sua própria série de games no Nintendo DS e não, eu nunca joguei nenhum dos seus títulos, mas baseado no quanto meus amigos elogiam estes games, eu deduzo que devem ser muito bons.

E o game do Homem Pássaro é muito legal! Engraçado pra burro e com participações especiais de personagens de Street Fighter II! Como alguém poderia não gostar?

Claro, seria melhor se tivesse a dublagem nacional do Cartoon Network, mas não se pode ter tudo, não é?

Eu queria a paz no mundo e um robô gigante, mas me contento em ter um prato de ravioli e Transformers de brinquedo!



Megaman - Powered Up

Nestas férias, ganhei um PSP de presente e passei a fazer aquilo que todo proprietário de um console portátil faz: Jogar games enquanto assisto a televisão.

Bom, eu sou um grande fã de Megaman. Tenho toda a série original em cartucho (metade original Americano, metade dos lançados aqui pela Gradiente) todas as coletâneas feitas para o Ps2 e Xbox (o que na verdade engloba só dois jogos) e odeio Megaman Battle Network com toda a fibra do meu ser, como imagino que todos os fãs antigos da franquia devem fazer.

Powered Up é uma versão turbinada do Megaman original, que foi lançado láááááááááááááá nos idos de 1987, quando a maioria de nós ainda tinha só Atari em mente.

Bão, podemos jogar com (versões cabeçudas e ultra fofas de) Megaman ou qualquer um de seus inimigos do título, desde que primeiro os derrotemos usando a arma normal do azulzinho.

Dá pra jogar com a Roll também, que tem doze roupinhas diferentes que ficam disponíveis pra download uma por mês no site da Capcom! Ou pelo menos ficavam, eu não sei! Na dúvida, peguei um save com tudo pronto já.

É, não tenho muito a acrescentar sobre este jogo, exceto que é perfeito pra se jogar quando se está no banheiro fazendo o número 2.

Se bem que Tekken também é bom para essas ocasiões...



Megaman - Maverick Hunter X

Assim como o game anterior, este aqui é uma releitura de um game do Megaman, mas desta vez o primeiro game da série "X".

Damn, quando foi lançado, Megaman X era o bicho: Gráfico foda, trilha sonora foda, chefes foda e a possibilidade de se aprender a soltar Hadouken!

Depois a série teve um declínio total e os chefes passaram a ter seus nomes inspirados nos membros do Guns n' Roses...

E aliás, aproveitando o embalo, ninguém JAMAIS deveria fazer cosplay de Megaman! Ele é um personagem cartunesco que não funciona no mundo real! Algumas pessoas se esquecem disso e o resultado são coisas abomináveis que não me atrevo a colocar neste blog!!!

Vá em frente! Digite "Megaman Cosplay" na busca de imagens do Google e depois tente dormir de luz apagada!



Twisted Metal Head On

Eu sou um grande fã da série Twisted Metal: Carros, explosões, um palhaço com a cabeça em chamas, uma garota fantasma muito gata, a morte pilotando uma moto e caipiras homicidas o suficiente pra satisfazer qualquer pessoa!

Lógico, este foi mais um game que eu me acabei de jogar no PSP e na minha humilde opinião, um dos melhores títulos do aparelho!

Agora que eu penso a respeito, Twisted Metal émais uma das franquias americanas que faz com que os caipiras gringos pareçam seres tremendamente assustadores!

Sério, pense comigo: O que Rejeitados pelo Diabo e Massacre da Serra Elétrica tem em comum... além de serem sobre famílias de homicidas? Pois é, ambos se passam no interior dos Estados Unidos!

E Twisted Metal não ajuda a aliviar a barra dos Chico Bentos gringos, só TMHO tem dois deles, cada um bastante lunático a seu próprio modo!

Jesuis, eu nunca pretendo visitar o interior do Texas, não sinhô! E virar refeição de matuto? Nada disso, sô!



Shadow Hearts II

Bom, este foi o único rpg que terminei nestas férias e sem dúvida valeu a pena!

Eu terminei o primeiro Shadow Hearts há quase seis anos atrás quando meu chapa Luis Felipe o recomendou, foi um dos primeiros rpg's que joguei no Ps2. Talvez você não o conheça pois Shadow Hearts teve o infortúnio de ser lançado na mesma semana de Final Fantasy X.

É...

Agora, quase cinco anos depois, criei coragem para jogar a continuação que diga-se de passagem é sensacional.

O charme da série Shadow Hearts é como ela faz uso de figuras históricas reais em seu enredo. Por exemplo, no primeiro game temos Mata Hari e no segundo temos Grigori Rasputin, Anastasia Romanov, O Grande Gama e Yoshiko Kawashima, entre outros.

E claro, temos Roger Bacon em papel de destaque em todos os jogos da série.

Bom, não quero revelar muito da história, mas ela se passa na época da Primeira Grande Guerra, quando demônios passeavam pela Terra, Clonagem era muito mais fácil de se realizar do que hoje em dia e todas as mulheres eram absurdamente lindas e com magumbos enormes!

E no começo do século, o que indica que não é silicone! HOORAY!!!!!! Viva o passado!!!!!

Bom, Shadow Hearts II tem dois finais e eu fiz apenas o ruim. Algo que me deixou frustrado por algumas horas, portanto pretendo um dia jogar tudo de novo pra tentar fazer o final bom... um dia... eventualmente...

Como as fotos do game em ação não são muito empolgantes, optei por colocar uma imagem de Karin, a segunda pessoa mais importante desse game.

E também pelo fato de que quero colocar o maior número possível de ruivas peitudas neste blog.

That's my style, man!



Odin Sphere

Sem dúvida alguma, Odin Sphere é um dos jogos mais bonitos do Ps2, quiçá o mais bonito de todos os tempos!

Os gráficos do jogo são totalmente em 2D. Nada de polígonos, tudo parece uma belíssima pintura feita a mão e os personagens tem animações tão bonitas quanto as da galera de Street Fighter III, o ápice da animação em 2D até hoje!

Aqui acompanhamos a história do fim do mundo de acordo com a Mitologia Nórdica e o fazemos seguindo cinco histórias diferentes mas que se entrelaçam, com personagens que possuem pontos de vista bastante diferentes sobre o que está acontecendo.

É claro, isso tem seu lado ruim, pois os personagens passam pelos EXATOS MESMOS CENÁRIOS e enfrentam OS EXATOS MESMOS CHEFES toda vez que se joga.

Um dos chefes é o dragão Belial, que de acordo com a história é um ser terrível... mas é difícil acreditar nisso quando socamos ele em cinco ocasiões diferentes com personagens que variam de fadinhas a coelhinhos espadachins.

Aliás, a cena acima é de quando Cornelius, o príncipe amaldiçoado, está cara a cara com a rainha dos mortos!

Diabos, esse povo dos coelhinhos é muito fofo!

...

O quê? Eu gosto de coisas fofas! Até comprei um Pikachu semana passada!

Eu tenho 1,90 e mais de 120 quilos! Eu posso!!!



Metamorphic Force

Este aqui eu descobri uma vez, passeando pelo Tatuapé com a galera. Entramos num fliperama... porque sim... e vimos esta máquina logo ao lado de "King of Fighters 489 - The Quest for The Flaming Pussy"... ou seja lá qual fosse o KOF daquele ano.

Enfim, este é mais um beat'em up da Konami, que envolve... caras que... se transformam em animais e ... lutam contra um cara barbudo e cabeludo a mando de ... Gaia, o espírito da Terra?

Mas heim?

Bom, a história não é o forte deste game e sinceramente, quem liga? Desde que eu possa transformar um careca em touro e sair massacrando inimigos por um cenário multi-colorido, estou feliz!

E um dos chefes é uma mulher dinossauro roxa, enorme, musculosa, com um tremendo bundão e com roupa de lycra reveladora...

Me sinto tão sujo por ter prestado atenção nisso...



Spider Man - The Videogame

O ultimo game que terminei nestas férias foi este clássico de 1991, lançado pela Sega na época que a empresa ainda sabia o que estava fazendo.

Este game tem a peculiaridade de em alguns trechos deixar de ser um beat'em up e se tornar um side scroller... um jogo como Sonic ou Castlevania, com deslocamento lateral pela tela, sacou? A tela afasta, tudo fica menor e lá vamos nós como se estivessemos jogando uma versão super heróica de Yo - Noid.

Uma coisa meio chata é ter de enfrentar os mesmos chefes muitas vezes... só o Venom precisa ser derrotado quatro (ou serão cinco?) vezes na primeira fase e mais uma na última...

Mas o melhor deste jogo são os personagens a escolha do jogador: Temos o Homem Aranha (claro), a Gata Negra (que na época era namorada dele, pelo menos nos quadrinhos da Abril), o Gavião Arqueiro e... o Namor????????

O QUE DIABOS O PRÍNCIPE SUBMARINO FAZ NUM GAME DO HOMEM ARANHA?????

Bom, independente disso, eu sempre jogo com ele. Não tem muitos games onde dá pra usar um cara de sunga que dispara relâmpagos!

O Namor dispara relâmpagos? Não seria melhor ter colocado o Thor ao invés de ... ahhhh que se foda!

Spider Man é legal! Jogue!

E é isso! Eu queria ter podido terminar mais coisas nestes dois meses que estive longe da faculdade, mas acho que consegui um número bom pra poder me gabar por alguns dias!

E você, que games terminou nas férias?

Cheers!!!

8 comentários:

Selune disse...

Eu jogaria Shadow Hearts II, mas não tenho video game.
Sou fã de joguinhos bonitinhos e pessoas fofinhas. Um tempo atras eu jogava um pra PS1(do meu namorado), mas não lembro o nome...Era fofo demais. Você ia passando por capitulos e sua planta (o.O) ia anotando as coisas que você fez, num diario.
Ahhhh! Adorava...
Aí o namoro terminou e eu tive que devolver o video game =(

Amer disse...

Legende of Mana!

Joguei muito também, era lindão esse jogo.

Selune disse...

Esse!
Ai, adorava! =~~

Victor R. Fernandes disse...

Fale sobre os jogos de Shadowrun! : D

Amer disse...

Calma, uma hora eu chego lá!

shockware disse...

eu já sabia que Trevor era filho de alucard! tá explicado porque ele é tão lindo! filho de peixe, peixinho, é! Outra coisa: Amei Lament of Inocense! É triste a hora em que a esposa de Leon morre! Parece que você fica com raiva e ganha forças para jogar melhor! A estória é linda, Leon é lindo! Castlevânia é lindo! e fim de papo! I`Love KONAMI!!!

JHONY disse...

vc teria ou saberia onde encontrar o jogo vendetta? atenciosamente

Marcio Breno disse...

caramba você e o unico cara adulto q conheço q gosta de ben 10 os outro adultos ficam tirando sara da minha cara pq eu tenho 13 vo completar 14 e gosto ainda de desenho animado