sábado, 23 de setembro de 2017

Vamos refazer: Transformers (2007) - Parte 1


OLÁ, MEUS QUERIDOS FON-FONS!!! CONSEGUIRAM EVITAR O SUICÍDIO POR MAIS UMA SEMANA?

Sim, eu sei que é Setembro Amarelo. Também sou suicida, posso fazer essas piadas.

Pois muito bem, hoje iniciamos uma nova série aqui no Blog, chamada de “Amer Recria”, onde reescreverei os roteiros de filmes bosta e os deixarei um pouco menos insuportáveis, provando de uma vez por todas que sou um roteirista muito melhor que todos os canastrões de Hollywood.

Embora eu jamais vá ser tão rico, nem nunca terei tanto acesso a virilhas alheias quanto eles.

Seja como for, iniciemos esta nova empreitada com a minha franquia de brinquedos caríssimos favorita de todos os tempos: TRANSFORMERS!!! Será que eu posso aperfeiçoar a obra de Michael Bay?

CLARO QUE SIM!!! A OBRA DE MICHAEL BAY É MERDA!!!

Adiante então.

Para começar, precisamos definir nosso elenco, pois um filme não se faz sem os ególatras pobres de espírito que infestam Hollywood e que chamam a si mesmos de “atores”.

Agora, o filme original é de 2007, mas estou com preguiça demais pra pesquisar quem eram os atores badalados daquele ano 
para tentar reescalar o elenco. Ao invés disso, vou agir como se este filme fosse um reboot que entrou em produção este ano (2017) e usarei atores e atrizes que são quentes no momento.

A começar pelos seres de carne:

Humanos


Sam “Spike” Witwicky – Tom Holland

Eu nunca gostei do “herói” interpretado por Shia LaBeouf. Ele é superficial, simplório, idiota e sem lealdade. Mesmo seu “momento heróico” lhe é imposto pelo militar durão, que o força a ajudar durante a batalha final do terceiro ato do filme.

Claro, hoje sabemos que Shia LaBeouf é um babaca na vida real, e muito de seu carisma negativo acabou transparecendo no personagem. Assim, evitemos isso contratando o ator mais adorável da atualidade: O HOMEM-ARANHA!

Sim, estou sendo tendencioso, pois adorei a atuação dele como Peter Parker, e acho que Sam Witwicky poderia usar muito do charme juvenil do senhor Holland, afinal, ele será a ponte entre uma raça de robôs alienígenas e o público.

Nesta versão, Sam está um pouco perdido na vida. Ele completou seus estudos, mas não tem interesse em fazer faculdade. Assim, ele trabalha na oficina mecânica de seu pai, ofício ao qual ele também não se dedica, uma vez que passa a maior parte do dia trancado no escritório jogando games online. Obviamente, isso gera muitos conflitos com seu pai.

Mas Sam não é um mal rapaz, ele só é um sonhador e bastante imaturo. Ele não quer levar uma vida mundana qualquer, e sonha com algo maior. Ele quer deixar uma marca no mundo, mas não sabe como, nem está se mexendo para que isso aconteça. O encontro com os Autobots e seu envolvimento na guerra será o catalisador de seu crescimento.

Aliás, Sam não será obcecado em comer ninguém neste filme. Há espaço pra romance e piadas de duplo sentido em Transformes (Beast Wars que o diga), mas foquemo-nos nos robôs desta vez, ao invés de nas gônadas do protagonista.


Daniel “Sparkplug” Witwicky – Jeffrey Dean Morgan

Na versão de Michael Bay, o pai do Sam é só um gordo imbecil que age como alívio cômico em um filme que já traz alívios cômicos demais, assim, reformulemos isso. Aqui, o velho Witwicky será um pai durão, classe trabalhadora, ex-soldado, que lutou na primeira guerra do Afeganistão e que montou sozinho uma oficina de reparos e customização de automóveis. Daniel também será um pai viúvo, uma vez que sua esposa faleceu pouco após ter Sam.

Daniel é bastante rígido com o filho, mas seu amor pelo garoto é genuíno. Como sempre teve seus objetivos muito bem definidos ao longo da vida, o velho tem medo que a aparente falta de iniciativa do filho o impeça de construir algo para si. Os conflitos entre os dois surgem sempre que Daniel tenta forçar Sam a seguir um rumo na vida que para o pai parece adequado.

Jeffrey Dean Morgan é perfeito para este papel, pois ele é capaz de interpretar seres inacreditavelmente durões, mas também consegue ser vulnerável quando o momento pede. Ele funcionaria bem como o pai durão de coração mole, para quem o filho é a sua razão de viver.

E muitos paralelos legais poderiam ser traçados entre ele e Optimus, que também é um pai para seus soldados. Mas falaremos disso mais adiante.


Charles “Chip Chase” Choi – Steven Yeun

Chip Chase era o melhor amigo de Spike Witwicky durante a G1 (o desenho clássico dos anos 1980, cães ignóbeis) e que foi esquecido pela franquia com o passar do tempo. Pois bem, é hora de ressuscitá-lo!

Na série original, Chip Chase (que sequer tinha um nome) era um rapaz com Q.I de Stephen Hawking... E pernas de Stephen Hawking também.

AHH, PARA DE ME OLHAR ASSIM! VOCÊ RIU QUE SEU SEI, SEU LOMBROSO!

Enfim, Chip continuará sendo um gênio aqui, mas não será mais cadeirante, unicamente para que ele possa ter um papel mais dinâmico nas cenas de ação. Pessoal preocupado com a “REPRESENTATIVITATY”, mande suas reclamações para mimimimimimimimimumu@caguei.com

Chip será o “segundo em comando” da oficina de Daniel, função ao qual ele se dedica totalmente, pois está juntando dinheiro para abrir seu próprio negócio. Sendo o melhor amigo de Sam, ele entende o jeito sonhador do rapaz, mas seu lado responsável entende as preocupações de Sparkplug, o que muitas vezes o coloca como mediador entre os dois quando suas brigas começam a sair do controle.

Seu papel aqui será o do cara que “percebe que há algo erado” quando ele e Sam entram em contato com os Autobots (em modo veículo) pela primeira vez. Ele também proverá algum alívio cômico junto de Sam, mas de forma muito mais inteligente do que os personagens de Michael Bay costumam fazer.

Para o papel, Steven Yeun. Porque sejamos francos, todo mundo ama Steven Yeun.


Marissa Fairborne – Gal Gadot

Outra personagem da série original que foi esquecida pelo tempo e que mais do que merece um retorno. Marissa é uma militar humana da terceira temporada da G1, que especializou-se em combater Decepticons. Ela mostrou-se tão temível em sua função que conquistou o respeito até mesmo do Galvatron.

Pois é!

Não apenas isso, seus pais são Flint e Lady Jaye, dois oficiais de alta patente dos G.I JOE!!!

POIS É!!!

Aqui, vamos esquecer este parentesco. Como a terceira temporada da G1 se passa no distante futuro de 2005, fazia todo sentido que ela fosse resultado do coito de soldados que estavam na ativa durante os anos 1980. Mas eu não quero apagar esta relação com G.I Joe, para o caso de querer fazer um eventual crossover no futuro. Assim, digamos apenas que ela vem de “uma família de militares”, e quando for a hora, podemos colocar o General Hawk como seu pai ou algo assim.

Agora, não pretendo repetir a orgia belicista que são os filmes do Michael Bay, mas não há como negar que o exército norte americano seria uma das primeiras forças a responder em caso de uma invasão alienígena orquestrada por robôs gigantes. Assim, tenhamos militares, mas os tornemos um pouco mais interessantes. Marissa é uma soldada prego-de-caixão, que não se intimida nem mesmo diante do Megatron, mas que também é um caruncho de ficção científica, sempre lendo alguma grande obra nos intervalos entre as missões. Esse lado meio “nerd” a permite processar com mais facilidade que os demais a presença dos Transformers e lhe dá um gancho para fazer amizade com Sam, algo fundamental para seu arco pessoal.

Para o papel, ninguém é mais apropriado que Gal Gadot. Claro, ela é a Mulher Maravilha, mas isso é o de menos. O que importa aqui é que ela foi treinadora do exército israelense na vida real. Digo, ela era a pessoa que pegava pedaços de merda como eu e você, e os transformava em máquinas de matar extremamente precisas e bem coordenadas. Gal Gadot é todos os personagens do Steven Seagal em uma só pessoa!

Uma pessoa linda de um metro e oitenta!

...

...

Pago pau pra ela sim. É A MULHER MARAVILHA, PELO AMOR DE DEUS!!!

Os Robôs

O passado de Cybertron será explorado de forma bastante básica no meu filme, e será expandido nos demais. Autobots e Decepticons pertenciam a castas separadas em Cybertron, com os mocinhos sendo acadêmicos e cientistas, e os vilões, soldados e gladiadores. Quando a guerra começou, Autobots armaram-se e resistiram, mas ainda são civis lutando contra um exército mais preparado e bem equipado.

Assim, seguindo a tradição da franquia, Autobots assumirão a forma de veículos civis e de resgate, enquanto Decepticons serão tanques, caças, helicópteros e outras tralhas que causariam uma ereção em Michael Bay. Só que aqui, isso seria usado para ilustrar as diferenças ideológicas entre os dois exércitos, com Autobots preferindo se misturar ao povo da Terra para aprender mais sobre ele, e Decepticons obtendo vantagens bélicas, uma vez que a vitória em combate é a única coisa que lhes importa.

Quanto ao visual, por que não tentar duplicar a aparência dos personagens da G1? Primeiro, seriam bem mais agradáveis aos olhos dos que os amontoados de metal retorcido do Michael Bay e segundo, seria mais fácil identificar os robôs. Chega uma hora que é impossível distinguir um Bayformer do outro.

“Ain, mas os robôs da série original não tem aparência realista!”

Me desculpe, mas eu não sabia que ROBÔS GIGANTES QUE SE TRANSFORMAM precisavam ser realistas.

Oh, e os robôs não serão meras animações em CG dubladas, seus intérpretes lhes darão vida com captura de movimento, ao melhor estilo Hulk. No meu mundo, Transformers não são simples adereços para seus colegas humanos!

Nunca jamais! Nunca jamais! Nunca jamais! Nunca!

Autobots


Optimus Prime – Liam Neeson

Ok, eu amo Peter Cullen como Optimus, mas se queremos que o filme tenha um mínimo de credibilidade, precisamos de alguém com o pedigree de Liam Neeson como líder dos Autobots.

Pois bem, Optimus é o comandante supremo dos Autobots e sua liderança é o principal motivo pelo qual os Autobots conseguiram enfrentar os Decepticons de igual para igual. Ele é nobre, sábio, altruísta e estoico, mas não tem um instinto de auto-preservação muito bom. O Líder é sempre tão dedicado a colocar o bem estar dos outros a frente do seu, que esquece que os Autobots são extremamente dependentes de seu comando. E isso é um problema.

No geral, Optimus é como um pai para seus soldados, sempre tentando guiá-los da melhor forma possível, para que tornem-se plenos mesmo sem sua presença. Este é o ponto que irá conectá-lo a Sparkplug, pois ambos querem o que é melhor para sua prole, mas Optimus tem alguns milhões de anos a mais de experiência que o humano, e está mais do que disposto a compartilhá-la com ele.

Neeson se encaixaria perfeitamente no papel, porque não só ele se descobriu como um astro de ação da terceira idade, como já está calejado de interpretar figuras paternas e mentores. Aqui ele só repetiria este papel... E se transformaria em caminhão.

Sua arma seria o rifle de Ions, a arma clássica de sua versão da G1.


Bumblebee - Ninguém (exceto um dublê pra captura de movimento)

Pra ser perfeitamente honesto, gosto do Bumblebee do filmes. Acho que é uma das poucas coisas que se salvam naqueles amontoados de tumores que o Michael Bay caga bi-anualmente em nossos cinemas. Eu mudaria muito pouco do personagem, a começar por mantê-lo mudo. Gosto de seu entusiasmo, e da forma como ele usa o rádio e seus “miados mecânicos” para se comunicar com Sam. Isso confere inocência ao personagem.

Eu também o manteria como um soldado extremamente competente, que sabe se virar mesmo estando em clara desvantagem ao enfrentar certos Decepticons. Sua única arma seria um canhão de plasma acoplado ao seu antebraço direito, mas que é mais que o suficiente quando aliado a sua engenhosidade e agilidade.

Bumblebee é “A Torradeira Valente”. Ainda um dos menores e mais fracos (fisicamente) dentre os soldados de Optimus, mas que compensa isso com coragem e determinação que as vezes falta aos demais. O dano permanente em seus moduladores vocais, causado em um encontro com Megatron, é a prova disso.

A única grande mudança seria no visual mesmo, que eu deixaria mais parecido com a versão da G1, com chifrinho e tudo mais. Mas eu o manteria como um Camaro mesmo, que eu acho uma forma alternativa adequada pra ele.


Hound – Norman Reedus

Nos filmes, Hound é um robô grande, gordo, verde e cheio de John Goodman, que apareceu pela primeira vez em Transformers: A Hora do Trincadão.

Aquele lá, em que o Michael Bay estraga os Dinobots. Oooooooh, como eu o odeio!!!

Bom, o Hound original não é um militar velho e gordo, mas sim, um rastreador. Hound consegue seguir a trilha deixada por qualquer robô ou humano, com a vantagem de poder projetar hologramas para se manter incógnito. Mais de uma vez, ele conseguiu encontrar esconderijos Decepticons que passariam despercebidos por seus camaradas de guerra.

Sendo que ele é basicamente um escoteiro, Hound não é necessariamente equipado para a batalha, preferindo usar seus hologramas para despistar os inimigos, ou fazê-los baixarem a guarda para que outro Autobot mais forte os ataque.

Norman Reedus funcionaria muito bem como Hound. Ele já interpreta um rastreador em The Walking Dead, e seu carisma natural seria perfeito para dar um ar de “super-sangue-bom” ao Autobot. Reedus tem a vibe daquele cara do qual todos queremos ser amigos, exatamente a mesma que eu quero ver no Hound.


Trailbreaker – Seth Rogen

Trailbreaker é um piadista. Ele é o sujeito que em meio a uma chuva de rajadas nucleares, solta um: “E eu aqui, sem meu guarda-chuva que Isola radiação!”

E como todo piadista, ele é um inseguro que esconde seus medos atrás do senso de humor. Trailbreaker é mais um robô que não estava preparado pra guerra, mas que armou-se quando ela começou. Embora possua um verdadeiro arsenal acoplado a seu corpo, estas modificações tiveram seu custo: Alto consumo de energia.

“É só ligar no USB do computador que recarrega, eu sempre...”

Ok, Thiaguinho. Vamos estabelecer que quando um Transformer fica sem energia, seu corpo se desativa para evitar um dano permanente aos sistemas. E ser desativado em campo de batalha é a última coisa que um Transformer quer.

Além de suas armas, Trailbreaker também é capaz de gerar campos de força, que consomem AINDA MAIS ENERGIA. Tal poder pode criar momentos de tensão incríveis durante as cenas de ação.

Para interpretá-lo, ninguém melhor que Seth Rogen. Não apenas ele é comediante, o que o torna ideal para dar vida a um robô piadista, como ele também tem o dom do improviso, o que lhe permitiria criar falas únicas para o grandalhão e o faria cair rapidamente no gosto do público. Ele também é talentoso o suficiente para deixar transparecer a insegurança de Trailbreaker sem exagerar na dose.

Claro, sem humor de maconheiro aqui.

PORQUE MACONHEIROS SÃO O DEMÔNIO, BOBBY BOUCHER!!!


Ratchet – Jeffrey Combs

Ratchet seria o único Autobot, além de Optimus e Bumblebee, que eu resgataria do filme do Bay. Mas aqui eu utilizaria sua versão de Transformers Animated, onde ele é um velho rabugento, que lutou na Grande Guerra desde seu início e que já está meio de saco cheio de todo este conflito.

E que tem pança de cerveja.

Ratchet seria o mentor do grupo e segundo em comando entre os Autobots. O velho médico é seco e agressivo com seus colegas, e bastante impaciente com os humanos, mas isso é uma fachada para esconder seu coração magoado. Ratchet alistou-se logo nos primeiros anos da Grande Guerra, antes mesmo de Optimus ser nomeado líder dos Autobots, e perdeu inúmeros amigos no campo de batalha. Ele lamenta-se por cada vida que não conseguiu salvar.

Roubando mais uma ideia de Transformers Animated, Ratchet não teria armas, uma vez que sua função principal não é o combate. Ao invés disso, ele tem instrumentos cirúrgicos, como um bisturi laser e um projetor de PEM (pulso eletromagnético), utilizado para "anestesiar" Transformers antes de uma operação. Os anos de experiência o ensinaram a utilizar tais equipamentos como armas, mas ele ainda se mostra em grande desvantagem contra um canhão de fusão ou os Null-Rays de Starscream.

Quanto a Jeffrey Combs, ele já interpretou o velho médico em Transformers Prime e garantiu-lhe uma personalidade única na série, isso pra não mencionar que ele foi o Questão em Liga da Justiça. Apesar de se dedicar mais a dublagem hoje em dia, ele já atuou em muitos filmes, como Re-Animator e... Mais um.

...

Ele é bom ator e faria um bom Ratchet. Vá pro diabo que te carregue!!!

Decepticons


Megatron – Hugo Weaving

Eu amo Hugo Weaving! De verdade! Acho que ele é um dos melhores interpretes de vilões do nosso tempo, e seu talento foi totalmente desperdiçado nas diarreias de Michael Bay. Dito isso, acho justo que ele tenha uma segunda chance nesta franquia.

Megatron não é meramente o líder dos Decepticons, como também é o fundador do grupo e o estopim da Grande Guerra que consumiu Cybertron por bilhões de anos. Um ultra nacionalista, ele acredita que o destino da raça Transformer é expandir seus domínios por todo o universo, subjugando raças inferiores e assim dando origem a um grande império galáctico. O líder dos Decepticons acredita em “ordem através da força”, o que o coloca em conflito direto com Optimus, que prega que “liberdade é o direito de todos os seres vivos”.

Então sim, teremos um conflito ideológico bem claro aqui. Megatron será um general, tirano e violento, mas que terá objetivos bastante claros. Ele não será apenas um bicho papão que rosna e baba muito, como aconteceu em todos os filmes.

Assim, a atuação de Weaving teria muito do Caveira Vermelha: Um líder despótico, que inspira terror em seus seguidores e com tremendos rompantes de fúria, mas uma clara inteligência e capacidade estratégica por trás de tudo isso. Megatron possui força física e o poder de fogo, mas ele é um comandante militar brilhante, e não um simples bruto.

Um defeito clássico de Megatron que jamais apareceu nos filmes, são seus lampejos de covardia. Quando em clara desvantagem, o líder Decepticon não hesita em bater em retirada. E como pretendo usá-lo na recriação dos próximos filmes, acho que é algo que merece ser explorado aqui.

E sim, canhão de fusão. Aquele bazucão que ele usa em quase todas as encarnações e que parece capaz de partir o mundo ao meio, está neste filme. Aliás, a forma alternativa de Megatron será um tanque de guerra.

Eu sou um fã da série clássica, mas concordo que Megatron se transformar em revólver é meio retardado.


Starscream – Ryan Reynolds

O Segundo em comando dos Decepticons, braço direito de Megatron e o maior lazarento, pestilento, sarnento, traiçoeiro, traideiro deste lado do cosmo! Sim, Starscream em pessoa!

Nos Bayformers, Starscream é só mais um lacaio leal de Megatron, o que que vai contra toda e quaisquer interpretação do personagem. Minha versão de Screamer será a clássica: O Judas mecânico mais famoso do universo, que não tem problemas em criticar Megatron pelas suas costas, e que vez ou outra, se pronunciará abertamente contra ele, apenas para ser colocado em seu lugar de forma brutal pelo comandante Decepticon. Ele também terá uma lábia incrível, algo que sempre foi um de seus maiores talentos e que salvou seu pescoço uma dezena de vezes.

Aliás, pretendo responder a uma pergunta tão velha quanto o próprio tempo: Por que xavascas Megatron mantém um traideiro tão óbvio sob seu comando? Aqui, os Decepticons estarão em busca de energia, e Starscream é o único Decepticon que tem o conhecimento para transformar qualquer forma de combustível primitivo em Energon, que é a "comida" dos Transformers.

Nada fora do personagem, Starscream era um cientista antes da Grande Guerra começar. Por que não ir um pouco mais fundo nas habilidades do personagem?

Quero Ryan Reynolds no papel por causa de sua voz aguda, algo extremamente necessário em qualquer interpretação do Screamer. Eu também gosto dele. Acho Reynolds um ator muito melhor do que lhe é dado crédito e não vejo razão pelo qual ele não seria capaz de interpretar de forma memorável o velho Starscream.

Além do mais, ele é lindo. Com ele como Screamer, as fangirls do Decepticon finalmente teriam um motivo plausível para encharcarem as calcinhas sempre que escutam seu nome.

Oooooooh sim, existem muitas fangirls do Starscream.

Não, eu não sei por quê.


Soundwave – Lance Henrikssen

Soundwave terá um papel pequeno neste filme. Ele aparecerá apenas como um satélite (mais uma das poucas ideias dos filmes das quais eu gostei) e coordenará as operações dos Decepticons na Terra. Ele terá um papel maior na continuação.

Quero a voz de Lance Henrikssen, porque não apenas ela soa como as unhas do Satã arranhando um quadro negro como também... Hãããããããã, na verdade, esse é o único motivo.


Blackarachnia – Eva Green

No projeto original de Transformers, Arcee estava dentre os Autobots que chegavam à Terra. Michael Bay a cortou do filme, pois não queria que “o público ficasse confuso com a presença de robôs fêmeas”.

Eu quero mais que foda-se, então vou tacar uma fembot aqui sim. E se o público não entender, que beije minha bunda gorda e cabeluda.

Mas bem, Blackarachnia é uma figura única. Os outros Decepticons não a levam a sério, por conta de seu tamanho (ela é menor que Bumblebee) e sua aparente falta de armamentos, mas a verdade é que ela é um dos robôs mais perigosos sob o comando de Megatron. Arachnia é uma mestra no uso de venenos e toxinas capazes de paralisarem ou mesmo desativarem por completo os sistemas vitais de qualquer Transformer.

Apesar de trabalhar com os Decepticons, ela não se vê como um deles. Arachnia trabalha com Megatron unicamente porque ele a aceitou em suas tropas. A moça despreza as duas facções da guerra igualmente e tem planos bastantes pessoais, que serão revelados futuramente.

Sim, mistério. Porque damas misteriosas sempre são mais fascinantes.

Blackarachnia será uma Femme Fatale, mas quero que exista também um pouco de tristeza em seu personagem. Ela também não será desnecessariamente cruel, sempre abandonando uma luta quando seu adversário estiver incapacitado. Quero que o público sinta que existe algo de bom nela e passe a torcer por sua redenção com o tempo.

Escolhi Eva Green, não apenas ela é uma princesa pirigótica que está em meus pensamentos a cada minuto do dia, mas porque ela se especializou em dar vida a Femme Fatales ao longo de sua carreira. E o filme Ventre mostrou sua capacidade de demonstrar a tristeza que considero tão necessária para a interpretação de Arachnia.

Agora só preciso vender este roteiro para algum estúdio, conhecê-la durante as filmagens, casar com ela e fabricar um batalhão de Vandinhas nos anos vindouros.


Lugnut – Braun Strowman

No primeiro filme, o peso pesado dos Decepticons era Blackout, o helicóptero da cena do ataque no deserto, mas eu quero ir mais longe, quero um peso pesado ainda mais lazarento que ele. Quero alguém que seja capaz de chamar Brock Lesnar de viadinho e que viva para contar essa história pros netos.

Assim, temos Lugnut. Um robô ridiculamente forte, capaz de enfrentar pelotões inimigos inteiros, e dono do temível “soco de matar tudo” (não, sério. Esse é o nome oficial do golpe), que é capaz de planificar um quarteirão de uma só vez. Lugnut é um seguidor nato, e obedece Megatron com uma devoção quase religiosa, o que o torna um dos Decepticons mais perigosos sob seu comando.

Acredito que Lugnut tem de ser IMENSO, mesmo entre os demais Decepticons. Assim, sua forma alternativa será a de um Boeing P-8 Poseidon, um dos mais modernos aviões bombardeiros. Para interpretá-lo, nada melhor que um monstro da vida real: o lutador profissional Braun Strowman, que não tem medo de chamar Brock Lesnar de viadinho.

Sério, foi só o que ele fez nas últimas semanas.

E se o Sheamus pode interpretar o Rocksteady, Strowman pode ser o Lugnut. Vá pro diabo que te carregue.


Barricade – Michael Wincott

Barricade é o carro de polícia do primeiro filme. E sei o que muitos estão pensando: “Mas e o Prowl? Você não vai usar ele? Ele é um carro de polícia também, vai abandonar ele como Michael Bay abandonou? Seu feio, cara de mamão!”

Pra quem não sabe, Prowl é um Autobot da série clássica, que se transformava em carro de polícia. Muitos fãs da série ainda não se conformaram que a viatura presente nos filmes é um Decepticon, porque isso DESTRUIU A INFÂNCIA DELES PARA SEMPRE.

Não que os filmes do Bay não sejam regurgitações do Belzebu, mas acho que eles tem coisas muito piores do que um Decepticon policial. Os closes na raba da Megan Fox por exemplo.

Não que eu não goste de rabo, mas acho que Transformers não é o lugar pra isso. Digo, eu não misturo sexo com Transformers, da mesma forma que não misturo sexo com comida.

Bem, pretendo usar o Prowl mais adiante, me aguardem. Quanto a Barricade, gosto do personagem e de como ele distorce o significado de uma viatura policial, um veículo que deveria servir como uma fonte de justiça. Também gosto de seu papel como soldado raso bucha de canhão e é exatamente como pretendo usá-lo aqui.

Para interpretá-lo, Michael Wincott. Você sabe, o chefe dos bandidos em O Corvo, e o primo do xerife de Nottinghan em Robin Hood: O Príncipe dos Ladrões. Aquela voz de quem faz gargarejo com cascalho daria um tom muito ameaçador a Barricade, e é justamente isso que eu quero pra ele.


Gnaw – Frank Welker

Gnaw é um Sharkticon, uma terceira facção que não se alinha com os Autobots, tampouco os Decepticons. Os Sharkticons foram criados pelos Quintessons... Que por sua vez foram criados por Unicron... E que também são os criadores dos Transformers em pelo menos uma continuidade.

Mas os Quintessons não darão as caras neste filme, tampouco Unicron, eles sequer serão mencionados. Mas a presença de Gnaw servirá pra alertar aqueles que conhecem sua origem, das coisas que ainda estão por vir nos próximos filmes.

Os Sharkticons possuem baixa inteligência e obedecem apenas aos Quintessons, mas Gnaw é diferente, ele é leal a aquele que o tiver alimentado por último, que neste caso, será Blackarachnia. Então sim, a pirigótica mecânica tem sua própria piranha de estimação, o que a torna ainda mais Elvira do que pode ser considerado saudável.

Gnaw é pouco mais do que um fera selvagem, seu papel é atacar na direção para onde Arachnia o apontar. Sua personalidade não é nada complexa, assim, Frank Welker, que dublava metade do elenco da série original, incluindo os grunhidos e demais sons dos Transformers animais, pode cuidar do departamento vocal de Gnaw sem problemas.

Claro, ele era a voz do Megatron e ser rebaixado a Gnaw pode ser uma paulada no orgulho... Mas nada que um gordo cheque vindo de um estúdio de Hollywood não resolva.

Eeeeeee... É isso. Encerramos a escolha do nosso elenco. No próximo artigo, desfrutaremos da abertura nosso filme.

Sim, vou parar por aqui. Já estou cansado e quero deixar vocês no HYPE!!!

HYPE! HYYYYYYPE! HyPe!!!!!!

Antes de partir, vocês viram que a página do Blog voltou ao Facebook? Não apenas do Blog, como de toda a Amer Network? Sim! Curtam a página para serem avisados de todos os novos artigos, vídeos e podcasts. E pra verem algumas bobagens divertidas que posto por lá de vez em quando.


Ok, vejo vocês na semana que vem.

Cheers!!!

***********************************************************************
Continue Lendo

Vamos Refazer: Parte 2

17 comentários:

Amazing Leo disse...

Bom elenco.
Só o fato de não ter o Shia Lebufa Já aumenta as chances desse filme fazer sucesso em 50%.

Lance "Avalanche" disse...

Dude...coloca o Peter Weller como o Barricade.

Leandro"ODST Belmont" Alves the devil summoner disse...

Otimo cast de elenco, Amer. apenas tiraria o Seth Rogen e colocaria outro comediante para o Trailbreaker.

depois daquele filme "É O Fim", peguei repulsa para sempre desse sujeito. o filme é tão ruim que peguei raiva do ator e as piadas de banheiro daquele filme, ultrapassa qualquer bom senso.

Eu Colocaria o Grimlock nesse cast (meu Dinobot favorito), mas não sei quem faria o papel dele.

Anônimo disse...

Ganhou meu coração nessa lista só por mencionar Jeffrey Combs <3

Unknown disse...

Só no elenco já acabou todo o orçamento do filme!

Obs.: poe o disqus pra comentar é melhor

disse...

Genial sua nova sessão, Amer. Por favor continue

MasteRaveN disse...

Nada me fez odiar maisbos filmes do bay do que essa merda desses tranformes serem tudo igual, e uma bosta de um carro de cinco metros vira um fodendo robo de vinte metros...

Ian Rodrigues disse...

Eu realmente gostei, foram palavras muito bem ditas e quero ler a continuação disso, e só queria dizer qur o cara tem bom gosto viu rs. Só discordo do que ele diz sobre o design do Bay
... É superior sim, por mais que eu usaria designs da triologia Unicron, Optimus e Megatron Armada

Anônimo disse...

Gostei do elenco mas tenho uma susjestão para o Bumblebee seria o dublador do Bastion em OverWatch Bastion não fala e só se comunica por especies de ruidos e soms ele tem um dublador humano que é o Chris Metzen com o Bastion ele já teria a esperiencia ideal para dublar Bumblebee nós momentos onde ele não usa o soms do radio para falar

Bier disse...

Curti, Amer.
Se esse projeto sair do blog para as telonas, estarei na primeira fila.

Ultrão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ultrão disse...

Pior que no último filme a equipe do Megatron toma uma pau e então ele dá aquela arregada clássica mandando geral recuar. Os visuais dos robôs podiam ser no estilo do Fall Of Cybertron, que são versões atualizadas do G1.

Matheus Morais disse...

Ficou foda! Eu sinceramente não consigo imaginar mt como seriam os Transformers no filme se fossem mais inspirados nos do desenho, se fossem bem feito iria gostar (acho q Michael Bay estragou um pouco de minha imaginação) as escolhas estão perfeitas ainda mais pra mim q sou fã de the Walking dead

Franci23 disse...

Mas manter as pernas do Chip Chase paralisadas como o cérebro do Michael Bay poderia render boas cenas de tensão.

Galomortalbr disse...

bem amer so discordo dos desings , se as feiçoes fossem muito humanas , mas nao completamente humanas , aind mais em cg , eles cairiao no vale da empatia , eficario muito estranhos de se ver aind a mais em live action

Nappa_ disse...

Pô não dava pra ter mantido a Megan Fox?

Nappa_ disse...

O que fazer quando precisar de uma voz sensacional agora que Orson Welles não está conosco e James Earl Jones está muito idoso (aposentado eu imagino) e batendo às portas da morte?