quarta-feira, 16 de junho de 2010

Crítica do Amer: Castle of Illusion



Vocês tem acompanhado a E3? Eu tenho acompanhado a E3!

Bastante gente ficou decepcionada que as três grandes empresas do mercado dedicaram-se mais a exibir as tecnologias novas do que a mostrar games, mas eu entendo o ponto de vista delas.

Mas enfim, o que isso tem a ver com o review de hoje? Bom, eu estava com vontade de escrever sobre um game das antigas, após algumas semanas falando sobre títulos modernos, analisar os bons e velhos sprites de animação do passado faz falta.

Como eu estava sem idéias, pedi uma ajuda a meu colega de redação, Gil, que então me disse: “Cara, depois de ver o Epic Mickey na E3, me deu saudade de Castle Of Illusion!”

Eu então pensei: “Hmmmmmm, sim, grande e saudoso jogo! Acredito que muitos leitores irão chorar quando virem a carinha do Mickey estampada neste review.”

Pois bem, aqui está! Castle Of Illusion!

Podem chorar, está tudo bem!


Mas então, de que se trata este game?


Um belo dia, Mickey e Minnie estavam em Vera City, aproveitando o dia, de mãos dadas, rodopiando como os casais apaixonados costumam fazer... ou como os desenhos animados da década de 1940 nos fazem acreditar.

DE REPENTE E SEM AVISO, uma bruxa DO MAL chamada Mizrabel aparece, seqüestra Minnie e a leva para seu castelo. Seu plano envolve trocar de corpo com Minnie, para ficar jovem e bonita enquanto a namorada do Mickey se torna velha e caquética.

Ok, espera um segundo!

Eu entendo que uma bruxa velha resolva seqüestrar uma princesa para trocar seu corpo com o dela. E não é como se faltassem mulheres bonitas nos desenhos Disney, Jasmine, Bela e Ariel já ocuparam minha mente em muitos momentos de ócio e solidão.

Mas a Minnie? Quem em sã consciência quer trocar de corpo com uma rata???

...

Camundonga, que seja.

Apesar do plano da bruxa não fazer o menor sentido, Mickey resolve ir atrás de Mizrabel para salvar sua garota. Ele não passou décadas espancando o Bafo de Onça para perder a mulher pra uma velha voadora.

Assim sendo, ele precisa atravessar vários mundos diferentes, para reunir jóias que de alguma forma lhe darão o poder necessário para destruir a bruxa e reaver Minnie. Sim, o enredo é simples, mas é assim que gostávamos de nossos games há vinte anos atrás. Nada de enrolação, reviravoltas ou Sephiroth!

Porcaria de Sephiroth!


Os gráficos são incrivelmente satisfatórios e capazes de nos encher com uma sensação calorosa de alegria.


... eu juro que estou falando sério...

Todos sabemos que o Mega Drive não tinha uma palheta de cores muito vasta e precisava dar algumas maquiadas para que seus gráficos ficassem bonitos. Um dos mais clássicos truques era a saturação de cores... que nem sempre funcionava.

Em Castle of Illusion, é esta saturação que faz a diferença. Tudo é muito colorido, muito vivo, dos cenários de fundo aos obstáculos em seu caminho, dos inimigos presentes as plataformas onde é preciso se equilibrar.

Mesmo hoje, duas décadas após o lançamento deste game, há muitos cenários tão bonitos, que parecem pinturas feitas a mão. Um feito para nosso bom, velho e querido Mega Drive, que consegue com este game remeter as clássicas animações do período de ouro da Disney.

Os personagens são muito bem animados também. Mickey é expressivo pra burro, com animações muito divertidas nos momentos que desce ladeiras correndo ou quando tenta se equilibrar na beirada de uma plataforma. Os inimigos são bem legais também e variam de acordo com o cenário, o que evita aquela sensação de “você de novo” sempre que se entra em uma nova fase.

O áudio é muito bem trabalhado também, não há vozes ou qualquer tipo de dublagem, mas sinceramente, não fazem a menor falta. A música é bem composta e muito agradável. Os temas são sempre leves e alegres, pois afinal de contas, este é um game do Mickey, não é Gears of War 4.

Mesmo assim, as músicas mudam e se tornam um pouco mais opressivas ou assustadoras sempre que um momento de maior perigo se aproxima, quando Mickey precisa descer uma ladeira correndo para não ser esmagado por uma maçã gigante (Você lembra dessa, não? Clássica!) ou quando uma tempestade começa a se formar no horizonte.

Os efeitos sonoros são bastante simples também, mas eficazes. Inimigos “tilintam” quando desintegrados, molas soam como molas de desenho animado e tudo mais presente no cenário tem um barulho correspondente e adequado.

A equipe responsável por este game com certeza adorava seu trabalho.


A jogabilidade é típica de um Side Scroller da época, mas com alguns acréscimos para diferenciá-lo e lhe dar um sabor extra.


Tudo que você precisa fazer é guiar Mickey até a saída presente no fim da fase. Muitas vezes, basta seguir em linha reta e evitar, ou eliminar todos os inimigos em seu caminho para encontrá-la. Em outras, a porta está logo no início da fase, mas estará trancada, então será preciso explorar o cenário para encontrar uma chave e voltar todo o caminho depois.

Normalmente a saída está em um local de fácil acesso, quando isso não acontecer, basta explorar a fase por alguns minutos que você facilmente encontrará o melhor caminho até ela. Felizmente, Castle of illusion não tem aqueles irritantes relógios que o erradicavam quando o tempo acabava, então você pode passear pelos cenários a vontade.

Como armas, Mickey tem duas coisas: itens de arremesso que encontra pelos cenários, e sua bunda.

Ok, vamos por partes aqui.

Ao longo das fases, é possível encontrar diversos tipos de artefatos, que podem ser arremessados em inimigos distantes. Estes itens variam de acordo com a fase: maças na floresta, bolinhas de gude (enormes) na fase dos brinquedos e por aí vai.

É possível carregar até 30 destes itens de arremesso por vez e eles são a única forma de destruir inimigos em espaços apertados, ou remover blocos destrutíveis, que possam esconder vidas extras ou que simplesmente estejam no caminho.

Quanto a sua bunda, bem, Mickey pode usá-la para destruir inimigos do mesmo jeito que a maioria dos heróis das gerações 8 e 16 Bits: esmagando-os com seu peso corporal.

Mario sempre fez isso, por que Mickey não faria?

Quando saltar, Mickey pode cair com uma bundada, o que é letal para TODOS os inimigos. Ele pode matar até plantas carnívoras com seu ataque, algo que nem mesmo Mário conseguia.

Toma essa, seu mafioso bigodudo inútil!!!

O problema deste ataque é que ele não é automático, não basta saltar e Mickey cairá automaticamente sobre os inimigos, pronto para danificá-los. É preciso apertar o botão de salto novamente para que isso ocorra. É uma regra simples, mas esquecê-la ao longo do game pode lhe causar sérios problemas.

Outra coisa, Mickey fica invulnerável durante este ataque, mas apenas da cintura pra baixo. É possível quicar de um inimigo para o outro e destruir uma fileira inteira deles com bundadas consecutivas, mas é preciso ficar de olho em oponentes que venham do alto, que podem estragar sua sucessão de destruição bundal.

Tudo ao longo do game possui um padrão, desde saltos, a inimigos normais e chefes. O velho adágio de “ter boa memória é a chave para a vitória” é extremamente verdadeiro aqui.


Minhas considerações finais? Castle of Illusion é divertido pra diabo!


Muito tempo se passou desde seu lançamento, mas este continua sendo um dos games mais agradáveis, divertidos e satisfatórios já lançados, o que demonstra que fuzileiros navais, explosões e ultra realismo não são a chave para a felicidade.

Este não foi o único game da marca Disney a tornar nossos dias mais divertidos no Mega Drive, mas foi com certeza o que abriu as portas para isso. Nenhuma coleção de games para o console da Sega está completa sem ele.

E mesmo que o enredo deste game não faça muito sentido, ainda é muito melhor que qualquer bomba exibida no canal Disney XD.

Como as coisas mudam...

Cheers!!!

17 comentários:

Sakashima, O Impostor disse...

Aew first post!

Eu lembro desse jogo. Nunca tive um Mega drive, mas jogava na casa dos amigos sempre que visitava eles. Bons tempos aqueles

E a E3 não foi uma perda total. XCOM, Portal 2, até que anunciaram uns jogos legais vai

Avalanche(Lance) disse...

Acredito que muitos leitores irão chorar quando virem a carinha do Mickey estampada neste review.”

Nem chorei ta....


Cara...os jogos da Disney eram difices pra cacete.

Cristiano G. disse...

"Acredito que muitos leitores irão chorar quando virem a carinha do Mickey estampada neste review.”

Eu quase chorei, falo mermo!

Tenho ótimas lembranças desse jogo, era realmente muito divertido!

A continuação, World Of Illusion, não era tão boa quanto, mas também era bem bacana!

E essa E3 tá um verdadeiro pé-no-saco. Nem o tal novo dispositivo do XBox me empolgou.

Se bem que eu não me empolgo com essa nova geração de jogos, e sou tido como louco quando falo que odeio God Of War, Gears Of War e Call Of Duty, dentre outros jogos "Next Gen".

Sim, eu prefiro passar um fim de semana jogando Castle Of Illusion do que God Of War.

Mas enfim. No mais, ótimo artigo, Amer!

Abraço!

Thyago disse...

Rapaz, game clássico. Mas joguei a versão do Master quando era pequeno e ia na casa de um amigo jogar a versão do Mega.

Era um dos poucos games que eu tinha e também um dos poucos games do Master System que possuiam gráficos bonitos.

Além disso, convenhamos, quase sempre a Disney acerta com seus jogos. Até mesmo os jogos de filme dela são bons, os que tem Mickey então... Se lembra daquele jogo, do Snes, em que você pode jogar com o Mickey e o Donald (podendo até jogar de 2 e fazer um co-op)? Acho que o nome dele era Mickeymania... algo assim XD. Era, disparado para mim, um dos melhores games do SNES.

Que tal um review DESTE game?

Ah sim, e o 3DS? Tá animado pra comprar um também? Eu tou ainda pensando se compro ou não, já que a Nintendo, normalmente, relança seus portáteis com melhorias significativas depois de um ou dois anos.

Adrianno disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

Adrianno disse...

Muito bom o jogo mesmo, mas Amer nem tudo da nova geração da disney é o fim do mundo, concordo que 90% seja terrível, mas tem Phineas e Ferb que é a salvação dos desenhos modernos, pois não precisa apelar para lutas (como a maioria dos desehos) e nem ser idiota ao extremo (como os "desenhos educativos"), para prender a atenção da gurizada. Muito bom o tópico, mais um para coleção de clássicos do Amer! valeu!

Nanda disse...

Eu fiquei emocionada com esse review! Mesmo!! Muito nostalgico!

Mas concordo com o Thyago!! Pq vc não faz um review de um dos jogos com o Donald?? Pode ser aquele que eles eram mágicos, ou o que eles trocavam de roupa ao longo das fases! Faz o mês do Mickey!! hahahahahahahah!!

E como disse o Lance, os jogos da Disney eram muito dificeis! ahahaha!
Beijo!

Paulo_HT disse...

nossa, esse jogo era muito bom mesmo.
me lembro que sempre que ia na locadora e o jogo que eu queria ja estava alugado eu pegava esse, porque nunca enjoava.

Scariel disse...

Ótimo review, Amer.
Infelizmente não tive um Mega Drive só o SNES,então eu tbm voto num review do mickey e donald,ou como na idéia da Nanda um mês do Mickey!
Agora,deixa eu ir lá zerar Castle of Illusion.

ahtrii disse...

Adorei o artigo! Voto por mais jogos das antigas no blog! Voto tbm por um mês disney! Seria bom relembrar Aladdin, Rei Leão...

e claro, aquele que o pessoal ja falou aí, Mickey to Donald: Magic Adventure. Se não me engano, é esse o nome.

Thyago disse...

escute seus Decepticons e faça um mês da Disney nos 3 blogs XD

Avalanche(Lance) disse...

Falando em Disney...cara como quero fazer um video msotrando aquele jogo, mickey Mania...

Avalanche(Lance) disse...

Mas to tentando..o único programa de capturação de tela que achei não grava o som.


Se alguém tiver um outro programa me avise.

Cosmão disse...

Joguei e ainda jogo demais isso!!!!

Belo review, chorei de rir com o Sephiroth auehaeuheauaheuaehea!

Scariel disse...

Só conheço o FRAPS, e nem sei usar direito :(

Matuck disse...

Ah, Castle of Illusion! Sim, sou um jogador pré geração Playstation e gosto mais dos clássicos. Sinal de senilidade.

Já que veio a deixa, sugiro um review de QuackShot, outro grande jogo do Genesis com o melhor personagem Disney de todos os tempos, Donald, o maioral.

Grandes expectativas para Epic Mickey.

øðin disse...

Ótimo jogo, relembrei velhos tempos aqui quando eu pegava emprestado a fitinha(cartucho)do mega drive e assoprava pra pega direto rsrs

O jogo é muito divertido mesmo, mas o final é engraçado pq na verdade tudo aquilo q o mickey enfrentou era
uma ilusão (vide as cortinas q se abrem no final)