sábado, 15 de dezembro de 2007

Mês das Festas: Presentes que amei!


E com a imagem acima, esgoto meu atual estoque de ilustrações de heróis com vestimenta natalina!

Mas acredito que vou encontrar muito mais dessas em 2008.

Bom, verdade seja dita, Natal é uma época de presentes! Quem nunca ficou ansioso esperando chegar o dia 25 (ou 24, dependendo de quando você ganhava seus presentes) para ficar retardadamente histérico e desembrulhar freneticamente os presentes para descobrir se aquele embrulho imenso era o Quartel-General dos Comandos em Ação ou simplesmente um conjunto de calças jeans mandado pela madrinha que não sabia nada sobre como presentear uma criança!

Que bom que somos crianças durante esta época de histeria infinita, pois a ansiedade até se receber os presentes poderia matar um adulto, eu te digo!

Mas enfim, hoje vou falar um pouco sobre presentes que amei ganhar na minha infância e um pouco além dela.

E qualquer pessoa que vier com o papo de "comercialismo", bom, lamento que não tenha ganho aquilo que queria. Tenho certeza que não faria este tipo de discurso se tivesse recebido um Super Caça Bombardeiro ou Castelo de Grayskull na infância.



Bonecos Masters of Universe

Acredite ou não, houve uma época que He-Man era o ídolo máximo da garotada.

Quer uma prova? Nossa Rainha egocêntrica dos Baixinhos uma vez deixou de produzir mais uma música sobre si mesma para cantar que o He-Man era um "gato alto astral".

Palavras dela, não minhas.

O fato é, uma das minhas ambições da infância era ter toda coleção dos Mestres do Universo... e eu cheguei a um passinho de ter. Não quis o Gorpo, porque estava fora de escala, era da altura do He-man.

Posso não ser muito exigente em certos aspectos da minha vida, mas quero que meus brinquedos estejam na escala correta.

Houve um Natal que meus presentes consistiam apenas de tralhas do He-Man. Ganhei uma tonelada de bonecos e dois veículos.

Multi-Faces era definitivamente meu favorito da coletânea. Ele podia mudar de rosto e assumir três personalidades diferentes, o que logicamente nos dava a chance de tentar criar três vozes diferentes para ele. Sem contar que ele era tão pesado que podia ser usado para causar uma concussão no seu primo sem correr o risco de danificar o boneco.

Eu também gostava muito do Triclope e Mandíbula, pois todos tinham habilidades especiais como respectivamente girar um disco de olhos sobre o rosto e pode abrir a boca.

Pode não parecer grande coisa, mas deixar a boca de um boneco aberta para simular terror quando os heróis estavam chegando, sem dúvida acrescentava um bocado a brincadeira.

Aliás, no infinito reino que era a minha imaginação, He-Man e seus amigos matavam sem piedade Esqueleto e seus asseclas, o que justifica uma expressão de terror no rosto do Mandíbula ao ver He-Man, Teela e Stratos se aproximando com a intenção de decapitá-lo e beber seu cérebro.



Tralhas de Star Wars

Uma vez, próximo ao Natal, eu fui com minha avó em uma loja de brinquedos. A esta altura eu não acreditava mais em Papai Noel e sabia que meus presentes eram comprados pela minha família.

Hoje sei que Noel existe, mas que é um filho da puta mentiroso, que não dá nada de presente para ninguém e ainda fica com o crédito que os pais deveriam receber.

Enfim, lembro de ter ido nesta loja e ver um caça X-Wing de brinquedo, cuja caixa tinha a exata ilustração acima. Nesta época, minha obsessão era Star Wars e eu tinha quase que a coleção completa de bonecos que foi lançada aqui (nem um terço do que lançaram lá fora) , agora queria veículos! Meu Luke Skywalker e meus três Snowtroopers (porque não lançaram Stormtroopers por aqui) precisavam de meios de transporte, ora essa!

Bom, o gerente da loja atendeu a mim e a minha vó e eu fiz um puta discurso sobre como a coleção de Star Wars no Brasil era incompleta, que haviam muito mais bonecos lá fora, e blablabla blablablí.

Para calar meu incessante falatório, minha avó comprou o X-Wing e dois Caças do Império... não me lembro agora o nome técnico que eles tinham.

Um pequeno detalhe é que... na época, a internet era meramente um sonho de ficção científica e não havia como eu saber que a coleção de Star Wars era muito mais vasta do que o que tinhamos aqui.

SIM!!! AO FALAR COM O GERENTE DA LOJA, EU BLEFEI! EU NÃO TINHA NENHUMA IDÉIA DO QUE ESTAVA FALANDO E ME BASEAVA APENAS NA IMAGEM DE YODA NA CAIXA DO BRINQUEDO PARA ALIMENTAR MINHA HISTÓRIA!

E nenhum outro blefe meu deu tão certo, pois muitos anos depois percebi que tinha total (ou quase) razão naquilo que estava falando.

Minha paixão por Star Wars se manteve, apesar da trilogia nova ter feito todo o possível para destruí-la. Meus bonecos e tralhas da série ainda estão enfiadas no nosso "sótão" e um dia terei bolas o suficiente para pegar aquele monte de bonecos destruídos e decapitados e os consertar para deixar a exposição em minha futura casa enorme de nerd.

Por hora, penso em como era estranho ter um Luke vestindo aquele pijama de Tatooine pilotando uma X-Wing.


Voltron

Pra ser muito, MUITO sincero, não lembro se ganhei Voltron em um Natal ou em um aniversário. Mas se bem me lembro da temperatura que fazia na época, creio... que não faço idéia mesmo de quando foi.

Talvez tenha sido no dia das crianças, não lembro ao certo. Minha mãe me comprava muito brinquedo, possivelmente para compensar minha inabilidade em fazer amigos. Ao invés de passar a infância brincando com o Thiaguinho, eu passei brincando com He-Man, Voltron e Bumblebee!

Obrigado mãe! Você fez de mim o nerd que sou hoje! E tenho certeza que o Thiaguinho é um traficante de crack que faz sanduíches de bebês nas horas vagas! Que bom que não falo mais com ele!

Enfim, Voltron era demais! Cinco leões robôs cheios de juntas e mandíbulas móveis, que podiam se unir e virar um robô gigante foda com uma espadona mais foda ainda?

FUCKING AWESOME!

Eu nem fazia idéia que Voltron tinha saido de um desenho japonês (na época não chamavamos de "Anime") e quase tive um derrame quando encontrei uma fita da série na locadora. O desenho sem dúvida explicava porque haviam cinco bonecos humanos na coleção de Voltron, cada um da cor de um respectivo robô.

Exceto o líder do grupo, que usava vermelho e pilotava o robô preto e a menina, que usava rosa e pilotava o robô vermelho.

Heróis daltônicos! Quem diria!

E graças ao desenho, eu descobri que Voltron era grande o suficiente pra dar porrada no Devastador, pois até então eu achava que ele era só um pouco maior que um ser humano, como...

THE GREAT KHALI!!!

Eu tirei foto com Khali e posso dizer, ele é imenso!

Mas ainda não poderia bater em Voltron!


Tralhas de G.I.Joe

Minha última obsessão de infância antes de partir definitivamente para os videogames foi a coleção dos Comandos em Ação.

Havia um gazilhão de bonecos e outro gazilhão de veículos e qualquer moleque que fosse um colecionador impulsivo teria mais do que o suficiente para fazer mendicância de brinquedos com esta série.

Acho que tive mais Comandos do que qualquer outra coleção de brinquedos e eu posso afirmar, nunca era o suficiente, eu sempre queria mais e mais.

Acima está ilustrado o personagem favorito de 11 entre 9 crianças que curtiam a série: Snake Eyes, que erroneamente era vendido como um dos Cobra aqui no Brasil.

É bom saber que o pessoal na Estrela não sabia porra nenhuma da série que estava lançando, pois colocar o herói mais popular da franquia como um dos vilões é sinal de que eles precisavam de alguém que os lembrasse que é preciso abaixar as calças antes de sentar na privada, ou pode dar uma grande merda!

HA, I MADE ANOTHER FUNNY!

Normalmente, eu ganhava um monte de bonecos e alguns veículos no meu aniversário, mas no Natal era o oposto, pois ganhava um monte de veículos e alguns bonecos!

E como era legal organizar os dois exércitos e em seguida dramatizar a batalha final entre os Joes e os Cobras, onde os heróis americanos eliminavam de vez a ameaça terrorista.

Especialmente, lembro dos duelos que o Sargento Slaughter travava com B.A.T.S, o andróide de assalto Cobra. Tecnicamente, B.A.T.S era só uma versão robotizada dos soldados Cobra normais, mas que podia ser vítima de incontáveis atos de violência no desenho porque era um robô.

Como só tinha um B.A.T.S, eu fazia com que ele fosse tão durão quanto um Terminator e somente alguém como Sargento Slaughter era macho o bastante para acabar com ele!

Não há nada que campeões de luta livre não possam fazer!

Aliás, algum de vocês teve isso aqui?



O PORTA AVIÕES DOS COMANDOS EM AÇÃO!!!!!!!!

Até onde eu sei, esse bichão tinha mais de dois metros de comprimento e parece ser o Cálice Sagrado de um garoto que fizesse a coleção. Sério, olha como o Super Caça Bombadeiro fica pequeno perto dele!

Como eu disse anteriormente, quanto maior o brinquedo, mais status social um garoto tem entre seus amigos. E eu posso imaginar o quanto um garoto seria famoso caso ganhasse um desses.

Mas eu nem sei se saiu no Brasil e caso o tenha, acredito que deve ter sido tão caro quanto um carro ou um porta aviões de verdade.



Baldes e baldes de Lego

Lego foi o Playmobil da minha geração.

Quando eu era pequeno, o conceito de ganhar uma caixa de blocos e fazer o que quiser com eles era inovador. Monte um carro, depois uma casa, depois um robô alienígena com sede de sangue e que devora virgens, depois uma casa de novo e por aí vai, até a imaginação cansar e irmos encher nossas mães pra elas fazerem misto-quente para nós.

Eu gostava muito dos kits que viravam coisas específicas, como casas, camburões de polícias e veículos de construção. Os baldes de blocos genéricos não me apeteciam muito, o que prova que mesmo para usar minha imaginação eu era um moleque muito preguiçoso.

Na minha época, Lego não tinha tantas franquias diferentes como hoje, como Star Wars, Indiana Jones e Batman, mas posso apenas imaginar como seria o estrago caso eu recebesse um presente que fosse ao mesmo tempo Lego e Star Wars.

Hoje, tem gente que faz arte com Lego.



Como Nathan Sawaya, que arranjou um jeito de fazer as pessoas irem a suas exposições em que ele faz estátuas bizarras de Lego e prova que tem mais tempo livre que qualquer outra pessoa do planeta Terra.

Artistas Plásticos sempre me impressionam, pois conseguem ganhar dinheiro com coisas que eu fiz de graça a vida inteira.

Ai de mim...



Mega Drive e Sega CD

Aqui há uma história meio trágica.

Eu tinha um Mega Drive e ele era um ótimo amigo! Passamos muitas tardes juntos, com Golden Axe, Streets of Rage, Alien Storm, Castle of Illusion, Alisia Dragoon, Splatterhouse e muitos outros.

Um dia, ele contraiu uma doença estranha... e não funcionou mais...

O levei em uma assistência técnica e lá ele ficou por semanas, mas o técnico não conseguiu diagnosticar o problema e então, aceitei o fato de que havia perdido meu amigo.

Um belo dia, descobri que a Tec Toy, desesperada para se livrar de seus encalhes, estava fazendo uma grande promoção de venda, dando Mega Drives e Sega CD's juntos e fazendo-os em muitas prestações e a preços bem bacanas.

Como eu era um bom menino, ganhei um combo de Mega Drive e Sega CD.

Sei o que você deve estar pensando, mas juro, eu amava meu Sega CD. Tá certo que a grande maioria de seus jogos era uma diarréia gigantesca e que pouquíssimas locadoras tinham CD's para o aparelho.

E mesmo nas que tinham, raramente os jogos estavam em bom estado.

Mas só o fato de poder ver a violência absurda e visceral de Eternal Champions: Challenge From The Dark Side e o enredo cinematográfico de Snatcher, já fez a compra do Sega CD valer muito a pena.

Aliás, Snatcher é uma produção de Hideo Kojima e é uma mistura de Exterminador do Futuro com Blade Runner e Invasores de Corpos!

É du caralho!


Ratchet - Transformers Movie Collection

Esse eu literalmente comprei ontem, 14 de Dezembro de 2007.

Eu saí pra ajudar uma amiga com as compras de Natal e acabei passando por uma lojinha que tinha alguns Transformers ainda. Fiquei tentado a comprar Ratchet e Scorponok, mas no fim, acabei levando Ratchet e Fallen.

Ratchet é o médico Autobot, que no filme (para as três pessoas que ainda não assistiram) se transforma em um veículo de resgate.

Fallen é mais interessante por sua história do que pelo boneco em si. Ele é um dos 13 robôs criados por Primus (o Deus criador dos Transformers, você sabe) para auxilia-lo a combater Unicron, mas ele traiu seu criador e se aliou a versão robótica de Orson Wells.

O boneco de Fallen é da série Titanium Cast, tem uma transformação tão complexa quanto os Saltmen (também conhecidos por Jumpstarters) e fora ser de metal, não é muito legal.

Sei que em algum tempo, me acostumarei a presença de Fallen de modo a não ser capaz de imaginar como era a vida antes de tê-lo, mas por hora... eu preferia ter comprado um Scorponok.

E por aqui termina minha lista de coisas que amei ganhar no Natal. Claro, falta muita coisa, mas estas tralhas foram muito especiais para mim de uma forma ou de outra e eu ainda as tenho, talvez não em perfeitas condições, mas as guardei pelo seu valor sentimental.

Ainda tem um presente que quero ganhar, não em miniatura ou como brinquedo, mas em tamanho natural.

Estou me referindo a...



Um dia eu chego lá!

E você? Que presentes amou?

Cheers!!!

7 comentários:

Victor R. Fernandes disse...

Ah! Essa lista é parecidíssima com a minha em muitos aspectos!

Comandos em Ação foi sem dúvida uma das coisas que mais ganhava, também tive um monte de bonecos e veículos. Ganhei o Quartel General no aniversário, e foi inesquecível... o F-14 veio em um Natal, e o Blackbird em outro, se não me engano! E a ordem era essa mesma, hahaha, era boneco o ano todo e no Natal vinham os veículos. Aparentemente distribuiam o orçamento de defesa dos Joes junto com o décimo terceiro! X^D

He-man era foda também... embora eu tenha que confessar que o castelo de Greyskull logo foi invadido e tomado pelos Cobras! Era a base deles lá em casa, hahahhaha, ficava legal :)

Star Wars... nunca tive X-wing nem Tie Fighters! Buuuuuuaaaaah...

Uma coisa que não está na sua lista mas que entraria na minha: Playmobil! Gostava pacas, brinquei muito... lembro do Natal onde ganhei aquela nave espacial e mais uns veículos espaciais, tudo da linha "Playmospace"... putz, como era legal essa época :)

Walmir disse...

Hey, Amer.

Eu sou de uma geração anterior ao LEGO.
Brincava com HERING RASTI, já ouviu falar? Era um sucesso por aqui (tá.. lá em casa), e dava pra fazer mil coisas com ele. Os carros ficavam demais.

Voltron é uma frustração que carrego nessa minha vida adulta e infeliz. Acho que era muito caro na época, ou meu pai não queria me dar mesmo. Lembro que pedi um Falcon de Natal, e ele me deu um caminhaozinho de plástico. Já estou pesquisando uns asilos aqui perto.

Olha... eu tinha verdadeira paixão por um desenho que saiu aqui... Sectaurs, Guerreiros de Symbiom. Lembra? Tinha uns bonecos ANIMAIS, com cores berrantes e com purpurina, mas eram irados. Perdi a época do GI Joe, pois era pobre e miserável.

Bons tempos.... Playmobil também era um clássico, com seus kits infinitos. Tive um cavalinho, e isso me bastou.

Amer disse...

Sectaurs eu tive. Quase que a coleção toda, só não tinha os insetões gigantes.
Só não coloquei nessa lista porque me lembro claramente que não ganhei eles noNatal.
Ou... será que ganhei? Bah Gawd!
Bom, sempre há o ano que vem.

Felipe disse...

Grande post!
Num natal eu ganhei o Castelo de Greyskull que foi o único "grandão" que eu tive. Tive muitos comandos em ação, jipes e num natal feliz eu e meu irmão ganhamos o Hovercraft!!!! com piscina em casa foi muito utilizado.
Sempre quis o caça dos Joes, só meu vizinho pentelho tinha, mas ele nunca me deixava brincar.

E Lego foram aos montes, mas sem nenhuma caixa grande como as atuais temáticas.

Anônimo disse...

Eu não vou falar do que mais amei...mas do meu grande trauma de infância:

VOLTRON!!!!!

PTQP!!Eu ganhei os quatro bonecos mas não achava a porcaria do preto.Com certeza se pode imaginar o que era ter ´´quase´´ todos os bonecos mas não ter o principal...eu não podia nem fazer um voltron maneta ou sem uma perna, simplesmente não dava!!!
Uma vez até tentei moldar o preto com massinha de modelar (PATÈTICO)...
Muita frustração nasceu dae, relacionamentos que não davam certo, fim de namoro, enfim depois de muita terapia sou quase um adulto normal...
No mais... site do DUKCT HAMER

ABRAX

Nisnast disse...

Que saco nunca ganhava nada que queria (antes de mais nada tenho 13 anos)e na "minha época" eu sonhava com aqueles carros hot wheels ou max steel como o amer falo em outra materia que daqui a uns 20 anos as crianças vão lembrar com carinho de seus max steel assim como a 10 anos atras os adultos de hoje se lembram com carinho de seus G.I.Joe,mas então eu esperava e quando finalmente chegava o dia de natal eu apertava o presente,meus temores se confirmavam,mais roupas,os unicos presentes legais que ganhei foram um tanque de guerra(de brinquedo e claro)um helicopetero(de brinquedo novamente) e varios soldados para fazer batalhas e a bicicleta que tenho ate hoje modelo BMX,

Nisnast disse...

ah e também teve um que esqueci daqueles motoramas(e esse o nome mesmo)aqueles brinquedos que se colocavam o carro e apertava o botao e ele andava,ams nao durou muito,cidade pequena o unico lugar que tinha para comprar as coisas e o shooping e por incrivel que pareça,metade dos brinquedos era importado da China.