quinta-feira, 9 de julho de 2020

Hentais Excelentes que Você Deveria Assistir


“Haramber?”

Sim, leitor que só existe na minha imaginação e que eu corriqueiramente uso como espantalho para justificar minhas escolhas de artigo, hoje falaremos sobre Animes Hentai, e para quem não sabe o que “Hentai” significa, é pornografia animada produzida no Japão. Exato! Após todos estes anos, finalmente me rendi a aquilo que a Terra do Sol Nascente produz de mais explícito, depravado, imundo e profano, unicamente desejando cliques e por conta de uma busca desesperada por reconhecimento, algo que ainda espero após dez anos regurgitando textos sobre cultura pop na internet... AI DE MIM QUE DESCI AO SÉTIMO CÍRCULO DO INFERNO ATRÁS DO AMOR QUE NÃO TIVE DE MEUS PAIS!!!

“Mas essa não é a primeira vez que você fala de Hentai aqui, de fato, você escreveu várias críticas de games do gênero em outras ocasiões.”

Oh bem... Então é só mais uma quinta-feira na vida do Haramber.

Falando sério por um minuto, eu aprecio o gênero Hentai de forma completamente não irônica. Claro, como todos que um dia sentiram-se atraídos por este tipo de produção, busquei tais Animes porque minhas mãos ociosas normalmente iam parar dentro das calças, e eu precisava de algo para estimular a imaginação enquanto elas trabalhavam. Com o tempo, percebi que o Japão tratava a pornografia como apenas mais um gênero, uma mídia totalmente viável para se narrar histórias com personagens tão complexos quanto qualquer outro. Enquanto no ocidente a produção erótica se foca em fantasias manjadas que não excitam qualquer um que tenha nascido depois de 1985, o Japão nos apresenta histórias dos mais variados tipos: comédias, dramas, romances, terror, aventura e tudo mais que se possa imaginar, apenas temperando-as com uma dose saudável de encaixamento de LEGO.

Agora, o estilo Hentai conquistou uma fama ruim... Não totalmente desmerecida... De que suas histórias se resumiam a japoneses chifrudos de pau brilhante que violavam colegiais chorosas contra a vontade delas. O caso é que o gênero mudou muito com o tempo. Títulos focados em estupro, algo criado para permitir que o eternamente engessado homem japonês desse vazão a sua agressividade de uma forma controlada, foram substituídas por tramas com mais romance, intimidade, ou pura safadeza juvenil, e o fato de muitas mulheres terem entrado na indústria com certeza a ajudou a ficar mais saudável.

Dito isso, compartilharei com vocês alguns de meus Hentais favoritos, do tipo em que todos os participantes são adultos que deram seu consentimento e onde ninguém tem uma genitália que foi mergulhada em Césio-137.

Aliás, este artigo é seguro para ser lido no trabalho, pois há nudez nenhuma nas imagens contidas nele.

Pois é, também estou surpreso com meu auto-controle.


Marine A Go-Go

Vamos começar com uma pérola que prova quão insano o gênero Hentai pode se tornar.

Aqui conhecemos o Dr. Narutaki, cientista extraordinário que parece a cruza de um personagem do Osamu Tezuka com um salame defumado. O pobre doutor está muito infeliz, pois percebeu que a atual geração de homens japoneses são um bando de moleirões que preferem ficar em casa jogando videogame do que descabelando as cocotas das redondezas. Em um esforço para preservar a verdadeira hombridade nipônica, ele convocou 100 chadões, com a intenção de coletar seus espermas e guardá-los para o futuro.

Sentimento compreensível para qualquer um que veja os homens presentes em redes sociais do ano 2020.

O único problema é que os chadões não querem cooperar. Digo, muitos homens atenderiam o pedido de um velho parrudo que só deseja receber litros e mais litros de sêmen, mas por um infortúnio do destino, os espécimes coletados pelo bom doutor não pertencem a esta notória elite. Narutaki não tem outra alternativa exceto partir para a terceirização e é aí que entra Marine, uma colegial fofinha, que ao encontrar um anel mágico... Digo... “CIENTÍFICO” criado por Narutaki, vê-se trajando um uniforme especial, que transforma-se de acordo com as fantasias sexuais de cada homem, e que ela não poderá retirar até coletar a semente de uma centena de machos.

Sim. Alguém pensou esse roteiro. E outro alguém achou que valia a pena injetar dinheiro nele e transformá-lo em uma animação.

Mas fica ainda melhor! A assistente de Narutaki (porque é claro que ele tem uma assistente) cria uma ginoide chamada South Pole One, que passa a competir com Marine na tentativa de adquirir a essência dos chadões antes dela. As duas sobem em um ringue de luta-livre e são defenestradas por um exército de pirocudos, em uma emocionante corrida para ver quem se transforma em um pote de maionese primeiro.

Por que diabos eles sequestraram marine se tinham uma robozinha plenamente capaz de ordenhar os parrudos? E eu lá sou cientista pra saber?

Marine A Go-Go não se leva a sério, por Jó, esta animação não se leva a sério em momento algum. A história é uma grande paródia do gênero das meninas mágicas, com uma heroína pura que recebe um grande poder e deve usá-lo em prol da humanidade, a maior diferença aqui sendo que a protagonista não se mantém pura por muito tempo. Os idealizadores da animação sabiam o quão absurda era sua premissa e apenas divertiram-se enquanto a produziam, emoção essa que é bastante contagiante a quem assiste.

Aliás, design de personagens e direção por Masami Obari. Você sabe, o cara responsável pelo character design e direção das três animações de Fatal Fury.

Também Gowcaiser.

Foda-se Gowcaiser.


Hitozuma Kasumi-San/The Hills Have Size

Falemos agora de Netorare. O que é Netorare, você pergunta? É um gênero onde o foco é a traição de um cônjuge por sua parceira ou parceiro, no caso dos Hentais, normalmente a parceira.

Percebi que existe uma certa resistência para com esse sub-gênero do Hentai e SIM, EXISTEM SUB-GÊNEROS DENTRO DA PORNOGRAFIA JAPONESA!!! O JAPÃO NÃO É UM PAÍS MARAVILHOSO? Voltando, percebo resistência de muita gente para com Netorare e entendo perfeitamente, uma vez que muitos dos Animes nesse estilo focam-se em marido que força a esposa a transar com cinquenta caras contra sua vontade, ou em grupos de amigos que comem a consorte do moleirão da turma só “pela zoeira” ou algo do tipo. Este tipo de Netorare também não me agrada, e Hitozuma Kasumi-San passa longe disso, pois em sua essência é um romance.

SIM!!! EXISTEM SUB-GÊNEROS DENTRO DE UM SUB-GÊNERO DE PORNOGRAFIA!!! DEUS ABENÇOE O JAPÃO E A MAIS NINGUÉM!!!

A história segue Ryoji, rapaz genérico que mora com seu primo e a família dele, que consiste de Kasumi, esposa maravilhosa, Harumi, cunhada na seca, e Mio, filha loli pululante.

Tudo segue as mil maravilhas, até que uma noite Ryoji passa pelo quarto de Kasumi e a vê se masturbando loucamente. Acontece que o primo de Ryoji é um Workaholic absoluto, que não dá uma peteca de atenção a sua família, em especial a esposa, que investe tanto em vibradores que deve estar bancando a faculdade dos filhos de todos os funcionários da fábrica.

Ryoji não consegue tirar a imagem de Kasumi da cabeça, mas tenta levar a vida normalmente, até que um dia ele a vê saindo do banho, porque ele está em um desenho Hentai.

Mais doido que o Batman em filme do Zack Snyder, Ryoji se entrega a seus desejos e satisfaz a esposa de seu primo. Os dois iniciam uma tórrida relação sexual, que se transforma em um romance proibido, as tensões aumentam quando o primo do rapaz descobre do caso de sua esposa e ordena que ela o encerre. Irão Kasumi e Ryoji superar as dificuldades e viver sua paixão livremente, ou tudo que passaram se tornará apenas uma dolorosa lembrança do verão?

Acho que vocês já sabem a resposta, já que usei a última cena da série para ilustrar o artigo.

Hitozuma Kasumi-San não tem o enredo mais elaborado do mundo, mas é competente naquilo que se propõe a fazer. A arte é bonita, com personagens femininas que são fisicamente bastante diferentes uma da outra, algo que na época de lançamento desta animação (2006) ainda era razoavelmente raro.

O fato mais importante acerca desta animação, é como ela, e outras como ela, ajudaram a trazer uma mudança cultural significativa no Japão. Todos vocês sabem que a cultura japonesa é obcecada por juventude, um sujeito com mais de trinta anos já é considerado um velho por lá, enquanto garotas são colocadas no cesto da reciclagem tão logo completem vinte anos. Hitozuma Kasumi-San e demais animações focadas em MILF’s ensinaram a uma geração inteira de homens japoneses a apreciarem a beleza das mulheres mais velhas.

Eu sei, parece uma piada, mas é verdade. Pornografia, seja via filmes, quadrinhos ou animações, são os produtos que nos pegam em nosso momento mais íntimo, quando estamos com a guarda totalmente abaixada. É o momento em que nos despimos de preconceitos e estamos abertos a novas experiências. Sem que percebamos, algo que esperávamos usar apenas para uma breve sessão de prazer, pode mudar totalmente nossos conceitos com relação ao mundo.

Lilith Lovett, uma modelo trans que já trabalhou em filmes pornográficos, afirmou uma vez: “Hentai fez mais pela normalização das mulheres trans no ocidente do que todos os militantes juntos, porque você não se masturba para aquilo que odeia... A menos que se odeie também.”

Assim, putaria tem mais valor social do que artistas que só se comunicam via frases de ordem no Twitter.

Kasumi 1 x Brie Larson 0


Lover in Law/Aniyome wa Ijippari

Aqui temos outro Netorare e NÃO, EU NÃO TENHO FANTASIA EM VER MINHA ESPOSA SER COMIDA POR OUTROS CARAS, TAMPOUCO QUERO COMER A MULHER DOS OUTROS!!! NÃO TENHO CULPA SE TANTOS ANIMES DE HENTAI AMORZINHO SEGUEM ESSE TEMA!!!

DIACHO!!!

Lover in Law nos apresenta Tsutomu, um rapaz cujos pais eram donos de uma floricultura, que agora é responsabilidade de sua cunhada, Mai, uma vez que em sua atual situação, os velhos só serviriam pra adubar as plantas da loja. O irmão de Tsutomu foi transferido para outra cidade, então a esposa e o rapaz passam muito tempo juntos, cuidando do negócio que outrora fora da família.

Mai, uma moça linda e com mais curvas que Interlagos, sente-se abandonada pelo marido obcecado pelo trab... Escuta, vocês leram a parte de Hitozuma Kasumi-San, vocês sabem exatamente onde essa história vai parar.

Porém, diferente da animação discutida anteriormente, Lover in Law não descamba pro drama, não senhor! Mai não fica dividida entre o fogo erótico causado por Tsutomu e suas obrigações para com o marido e o filho, que aparece em uma única cena dentro do berço no começo do desenho e é prontamente esquecido pelo resto da série, que deveria ter se encerrado com Mai sendo presa por negligência e abandono de incapaz, ao invés de uma orgia, como realmente aconteceu.

Sim, eu disse “orgia”. Eventualmente, Kozue, uma amiga de Mai dos tempos da escola, começa a trabalhar na loja e percebe o relacionamento de sua camarada com o cunhado. Kozue, que também é uma moça curvilínea extremamente solitária, porque este tipo de mulher cresce em árvore no Japão, sente invejinha da amiga e daquilo que ela e Tsutomo possuem. Para amenizar a situação, Mai “empresta” Tsutomu para a amiga, a fim de que ela tenha um pouco da felicidade que tanto deseja.

Então ela fica brava com Tsutomu por ele ter comido Kozue, porque mulheres não fazem o menor sentido.

Desculpem meninas, mas é verdade. Eu tento entender vocês há 40 anos e tudo que aprendi é que seria mais fácil provar Einstein e Stephen Hawking errados do que entender uma mulher.

Enfim, eventualmente Tsutomu e Mai fazem as pazes e chamam Kozue para compartilhar sua alegria... Enquanto o marido dela está no telefone com ela, porque não basta cornear, tem de humilhar o cuckado também.

Lover in Law é um Anime extremamente leve apesar de seu tema, acredite se quiser. A traição de Mai e Kozue é um mero detalhe (até o momento em que elas são comidas enquanto falam ao telefone com seus pares) e poderia facilmente ser deletada da história sem maiores prejuízos, mas acho que se fosse assim, menos mulheres se identificariam com estas histórias.

Pois é, para a surpresa de absolutamente ninguém, histórias de “esposa gatona ignorada pelo marido, que encontra amor e apreciação em um garotão com a metade da sua idade” são extremamente populares entre as esposas gatonas ignoradas pelos maridos que se alastram pelo Japão.

Se elas traem seus maridos com algum garotão, é algo que já passei da idade de descobrir pessoalmente...


Bust to Bust

Yano é uma estudante do ensino médio... Porque 97% dos protagonistas de Animes são estudantes do ensino médio, os outros 3% se dividem em machos pós apocalípticos, artistas marciais vagabundos ou caçadores de recompensas judeus.

Seja como for, Yano é uma aluna do ensino médio que passou muito tempo sem ir a escola, vítima de uma doença misteriosa. Um dia, ela é visitada por Igawa, seu colega de classe que leva toda a matéria que ela perdera devido a sua ausência. Antes de partir no entanto, o jovem faz uma descoberta aterrorizante... Ele percebe que o mal que se abate sobre Yano... É SER OTAKA!!!

Não, mesmo. A menina tem um quarto cheio de Animes, Mangás e miniaturas, quase como se fosse uma quarentona careca e obesa que já desistiu da vida ao invés de uma colegial gatinha e recheada.

Mais importante ainda, Igawa descobre que a menina não estava doente coisa nenhuma, ela só queria ficar em casa pra desenhar HENTÃO!!!

Isso.

E deus abençoe este Anime por trazer à tona uma das maiores verdades do universo, de que algumas das maiores consumidoras e produtoras de hentão do mundo são seres portadores de Pepeka.

Aposto que tem uma delas lendo este artigo neste exato momento, enquanto tira uma folga de desenhar manjubas e conchas... Siiiiiiiiiimmmm...

De qualquer forma, Igawa encontra os desenhos de Yano e comenta sobre a forma estranha que ela desenha o pênis de seus personagens, entenda-se: extremamente retos ao invés de com curvatura. A menina explica que usa a imaginação, já que nunca viu um pinto na vida. Igawa, na brincadeira, oferece mostrar o seu para a amiga ter uma referência... E ela topa. Não só topa como tira toda a roupa, pro rapaz se sentir menos desconfortável ao mostrar o pinto.

Malditos desenhos sortudos! E eu aqui, sendo acusado de assédio sempre que tento mostrar o meu pra alguém.

Como podem imaginar, as coisas seguem um rumo óbvio deste momento em diante. A interação de Yano e Igawa é pitoresca, e a animação tem um timing perfeito com sua comédia, cheia de humor visual e gags. Antes de ser um Hentai, Bust to Bust tenta apenas ser uma produção divertida, e consegue isso com maestria. A animação ainda dá vida a fantasia de “dois adolescentes no auge da sexualidade que se estão sozinhos em casa”, o que pode trazer lembranças agradáveis a quem viveu este tipo de experiência.

Bust to Bust também trata a questão da solidão adolescente (não é o único, tem outro exemplo logo mais), Yano não possui traquejo social algum e isola-se do mundo por causa disso, afundando-se em Animes e Mangás numa tentativa de aplacar seu vazio. No momento que ela descobre alguém que compartilha sua paixão e não a julga nem a suas taras, a menina permite que ele entre em sua vida, feliz e pronta para receber a amizade e o amor que vierem em sua direção.

Aí, no segundo episódio, eles chamam outra menina e fazem um menage.

Porque é claro que fazem.


Energy Kyouka

Conheçam Kyouka, uma Kogal linda e curvilínea, que está eternamente falida e que faz boquetes no irmão todas as manhãs antes de ir pra escola, em troca da grana do lanche.

Sinceramente, se todos os bullies fossem assim, teríamos menos traumas e mais barrigas cheias no mundo.

Infelizmente, Kyouka é podre com dinheiro e mesmo extorquindo o irmão (de mais de um jeito, HA-HA-HA), ela sempre acaba mais lisa que a Simpson mais chata. Tomando iniciativa corporativa, a garota decide desvirginar seus colegas de escola em troca de TODO O DINHEIRO DO MUNDO. O que deveria ser uma mera transação (de mais de um jeito, HA-HA-HA) no banheiro dos meninos, torna-se um pesadelo quando Kyouka é descoberta pela presidente do conselho estudantil, Reona, que oferece guardar segredo em troca de um pequeno favor: Que Kyouka vá trabalhar no negócio de sua família.

UM PUTEIRO!!!

É.

Kyouka se opõe a isso inicialmente, até que Reona explica que ela vai ser paga por cada homem que drenar. Isso basta para transformar Kyouka em uma ordenhadora mais capaz que o Chico Bento. Agora, cheia de dinheiro e tão coberta de creme que poderia ser confundida com um bolo de casamento, só restava uma ambição a nossa heroína: Tirar o cabaço de seu irmão.

Mesmo. Kyouka nutria uma paixão avassaladora pelo irmão desde que os dois eram crianças e seu maior sonho era ser a primeira mulher do rapaz, algo que ela nunca fez, mesmo chupando ele como se fosse a parte pontuda do Cornetto todas as manhãs. Não, eu também não entendo porque ela simplesmente não transou com ele, tampouco entendo essa ideia de que o cara que já recebeu mais chupadas que canudo obstruído de milk-shake do Bob's ainda pode ser considerado virgem.

Energy Kyouka é o que aquelas comédias safadas dos anos 1980 seriam se não tivessem limites. Vocês se lembram de filmes como Férias da Pesada, Férias do Barulho ou O Último Americano Virgem, não? Que atiçavam o público com um peitão aqui, uma raba ali, mas sempre paravam antes de chegarem as vias de fato e eventualmente descambavam em um dramalhão que tentava dar uma profundidade que não existia para a história. As aventuras da gasosa Kyouka não tem nenhuma falsa pretensão, e tentam apenas fazer seu público rir e ficar excitado, não necessariamente nesta ordem.

Pra finalizar, este Anime traz uma rara aparição da mítica Loli-MILF, na figura de Erina, mãe de Reona. A mulher tem 34 anos, é dona de puteiro e poderia passar tranquilamente por aluna do colegial. Energy Kyouka não é apenas uma excelente animação erótica, ela também nos brinda com o Arceus do Hentai!

DESFRUTEM DESTA REVELAÇÃO (de mais de um jeito, HA-HA-HA)!


Bokura no Sex

Bokura no Sex é uma singularidade em meio ao gênero Hentai. Aqui temos uma antologia de histórias... Se é que podemos chamar uma série com dois episódios e que focou em apenas três narrativas de antologia... Mas esperem, acabei de checar no dicionário e o termo se aplica, então esta é uma antologia de fornicação. Obrigado gramática!

O tema que une todas as histórias é a ideia de uma mulher mais velha que inicia contato sexual com um rapaz mais novo que ela. Na primeira história temos um garoto que é seduzido pela salva-vidas da piscina pública em uma tarde onde apenas os dois encontram-se no vestiário do lugar, no capítulo seguinte temos o garoto que perde a virgindade para a irmã mais velha de seu amigo quando a mesma o pega indo sozinho até o esconderijo que sua turma usava para ver revistas pornográficas, e temos também a história do rapaz que é aprendiz de bondage e que usa sua professora como cobaia para seus experimentos, a única dividida em duas partes.

Agora, eu sei para onde sua mente foi quando eu disse “rapaz mais novo”: Shota! Pedofilia!! Garotões inocentes tendo seus ovoides drenados por balzaquianas insaciáveis contra sua vontade!!! OOOOOOOHHHHH, OS MEUS SAAAAAAAAIIIIISSSSSS!!!

Calma, abaixe essa tocha e este forcado para podermos conversar feito adul... APAGA ESSA TOCHA, DEMÔNIO! MANIA!!! Em primeiro lugar, os personagens masculinos são adolescentes, não crianças, existe uma diferença bem grande e você faria bem em aprender. Segundo, são desenhos e nenhuma pessoa real está sendo ferida. Você chamou a polícia quando o Freeza matou o Kuririn? Então! E terceiro, você não dá a mínima realmente, pois os personagens jovens aqui são homens, e ninguém liga para quando um homem passa por uma experiência sexual que seria classificada como “abuso” se acontecesse a uma mulher, então me poupe, se poupe, nos poupe, beijos de Makankousappou.

Agora que tirei isso do peito, há uma inocência interessante em Bokura no Sex... Pelo menos nos episódios que não envolvem Bondage, isso é. Os episódios não nos dão muita informação sobre os personagens, apenas o suficiente para que possamos entender os cenários onde se encontram. Os rapazes são adolescentes sem uma idade especificada, sabemos apenas que estão naquela faixa em que os garotos começam a prestar MUITA atenção nas meninas e onde as ereções são constantes e inconvenientes. Todo homem conhece o horror de ficar de barraca armada em sala de aula, no momento que a professora escolhe alunos aleatoriamente para que resolvam problemas na lousa.

As garotas recebem o mesmo tratamento. A salva-vidas passou por uma mudança drástica de aparência e pode ser vista chorando em silêncio durante uma cena, enquanto a irmã mais velha da história seguinte também está se descobrindo sexualmente (ela não é tão mais velha que o menino com quem faz par) e resolve experimentar com aquele que é claramente seu crush. Elas iniciam o sexo, mas nunca de forma predatória, e tudo é muito puro, ou pelo menos, tão puro quanto uma animação Hentai pode ser.

De certa forma, Bokura no Sex é a materialização das fantasias que todo homem nutria na adolescência, época em que era muito fácil se apaixonar pela vizinha, professora ou qualquer outra mulher mais velha com quem convivíamos e com quem fantasiávamos loucamente, esperando que um dia as imagens que ocupavam nossas mentes se tornassem realidade.

O maior mérito de Bokura no Sex não é sua história ou animação (embora esta também seja soberba), mas sua capacidade de fazer qualquer homem relembrar daquela época tão assustadora e cheia de descobertas que foi a adolescência.

Mulheres que queiram assistir a esta série finalmente entenderão por que raios seu crush da escola não ligava pra você, mas parecia ficar sem sangue no cérebro sempre que via as alunas do colegial.


Baka Dakedo Chinchin Shaburu no Dake wa Jouzu na Chii-chan

Este é um título que simplesmente desliza pela língua, curto e fácil de aprender.

Em uma tradução livre, quer dizer: “Chii-chan pode ser burrinha mas chupa uma rola como ninguém”.

Temos de amar os japoneses e seu talento para dar nomes que não deixam dúvidas sobre o conteúdo de suas obras.

Pois bem, a história gira em torno de Chii-chan, uma kogal (mais uma) voluptuosa que é desejada por todos os rapazes de sua escola. Suas notas são baixas, mas ela quer mudar isso e se colocar entre os 30 melhores alunos da escola. Para realizar esta ambição, ela recruta Kota, o maior CDF do colégio, para que lhe dê aulas particulares. O rapaz, gordinho, virgem e esmilingüido, vendo uma chance de ficar a sós com a gostosa de seus sonhos, aceita, com a esperança de que ela tope fazer cremosidades com ele.

E ela topa. Em agradecimento por toda a ajuda que Kota lhe presta, Chii-chan lhe faz boquetes diários. Em casa. Na escola. Antes da aula. Depois de estudar. Em cima dos livros de Machados de Assis, a barbaridade! Mas ela nunca transa com ele convencionalmente, pois é comprometida e não quer trair seu namorado.

Queria saber quando as definições de “traição” foram atualizadas para que colocar na boca o pênis de um homem que não seja seu namorado não seja considerado um ato de corneagem.

A beleza deste desenho é como seus personagens são apresentados e desenvolvidos. Inúmeros Hentais mostram uma heroína deliciosamente curvilínea transando com um gordão repugnante, imundo, que certamente é fã do CP Ziqueira, a submissão da mulher bonita ao sujeito grotesco sendo o fator que desencadeia excitação no público. De fato, quando li a descrição de Baka Daked... DESTE ANIME, tive a impressão de que seria mais um dessa estirpe, e me enganei completamente. Kota é adorável, um grandalhão gordinho que mora sozinho e é extremamente solitário, e que embora nutra sentimentos lascivos por Chii-chan, também demonstra muito carinho e respeito, a estimulando de forma sincera quando ela perde o ânimo de estudar e celebrando com alegria genuína quando ela finalmente atinge seu objetivo.

Ooooops... Spoilers...

Chii-chan também recebe uma boa caracterização. Ela vive levando bolo de seu namorado, um homem mais velho e casado, que dificilmente tem tempo para ela. Por que raios ela se envolveu com um homem compromissado? Porque ela obviamente tem baixa auto-estima. Mesmo sendo a menina mais desejada da escola, Chii-chan tem uma opinião muito ruim de si mesma, e aumentar suas notas é uma forma dela reconquistar um pouco de amor próprio. Olhando por este ângulo, é fácil entender que ela retribui a ajuda de Kota com sexo, porque é a única coisa que ela acredita que lhe dá valor.

Mais importante que tudo, a história nos mostra dois jovens tristes e sozinhos. Kota porque mora longe dos pais e tem dificuldade em fazer amigos, Chii por ser vista como mero objeto por todos que a cercam. A história segue num crescendo, onde a relação meramente sexual dos dois aos poucos se torna uma conexão emocional, e eles encontram um no outro a companhia e o amor que tanto desejavam.

Tudo isso em dois episódios que nem chegam a vinte minutos cada... CHUPA, NARUTO!!!

Considerando o tema deste artigo, esta última frase foi muito infeliz... Ou muito feliz, vou deixar que vocês decidam.

Enfim, fico por aqui. Assistam todos estes desenhos e me digam o que acharam.

Mas lavem as mãos antes de fazê-lo.

Cheers!!!

28 comentários:

Alessandra disse...

Hahahaha!! Excelente artigo, Amer! E quer saber vou procurar Hitozuma Kasumi-san e Bust to Bust AGORA!

Mas antes, uma pergunta... Ficar com outro cara quando se namora um homem casado conta como traição?

Sem Nome disse...

Hahahahah... Só vi que fui o precoce que apareceu antes de todos por aqui, então... Vou gozar! Amer, você é um cara ótimo! É alguém que consegue ver sutilezas psicológicas em uma produção de putaria... Por isso amo seus textos!!

Leo Oliveira disse...

Amer, preciso te enviar uma coisa.
Prometo que não é xingamento e nem nude.
Qual o seu email?

RAFAEL HQ disse...

Já conhecia todos esses hentais, mas muito bom o seu texto

Sano-BR disse...

"Você chamou a polícia quando o Freeza matou o Kuririn?" AHUAHUAHAUAHUAHAUHAU
Meu Deus, eu tive que respirar fundo para não acordar a vizinhança no meio da madrugada kkkkkk

hgb7 disse...

Chii-chan pode ser burrinha mas chupa uma rola como ninguém. 😂

Lee disse...

Se eu fosse fazer um top colocaria sem duvida Victorian Maid Maria, Felapure e Dropout

Unknown disse...

Obrigado pelo artigo bem informativo...

Cesar F disse...

Gostei da lista, vou conferir cada um desses hentais quando puder.

Leandro"ODST Belmont Kingsglaive" Alves the devil summoner disse...

Belo artigo Homner.

Da lista de citados, devo ter gostado mais desse Bokura e o último que você mencionou num Lets Plays há muitas luas atrás.

É o que você tem contra Gowcaizer? Ao menos o jogo de luta é legal e talz

Unknown disse...

Parabéns seu conhecimento nerd somado a esse senso de humor combinou em um excelente artigo.

Leonhart disse...

Mas que belo artigo, e pelo menos nesse eu conheço todos os hentais citados XD
Dessa lista os melhores pra mim são Bust to Bust, Lover in Law e o da Chii-chan, o final desse último é lindo pra cacete.

Quatro D disse...

"a verdadeira hombridade nipônica". Isto não deveria ter sido tão engraçado quanto foi.

Thiago da Silva disse...

Esse artigo mostra q até putaria se bem feita representa arte, se uma história é bem feita mesmo q seja sobre sexo ela vale a pena

L disse...

Meu preferido é Discipline record of a Crusade. Por que quase ninguém cita esse? Leona Morimoto e Saki Yamagata são gostosissímas.

L disse...

"Por que diabos eles sequestraram marine se tinham uma robozinha plenamente capaz de ordenhar os parrudos? E eu lá sou cientista pra saber?"

Quando transam com a South Pole One, os homens ficam num estado vegetativo.

Tu deu spoiler de Devilman e se nega a dar spoiler de hentai, tou me segurando pra nao te xingar.

HFA disse...

Nada de Liliana-san of My House então?

Adan disse...

Depende do acordo entre as partes. Se a outra parte não está sabendo do caso da primeira será traição. Traições sucessivas não anulam umas as outras.

Geovane Sancini disse...

Eu to terminando a novel na qual os OVA's da Chii-chan foram baseados (A tradução saiu ano passado, com o título 'Oral Lessons with Chii-chan' ) e dá pra ver que cortaram MUITA coisa do background. Não vou dar muitos spoilers porque quero que outros joguem a novel.

Mas a novel dá uma tridimensionalidade maior aos personagens. Como você tem umas não sei quantas horas de leitura pra comprimir em 15 minutos, cortam-se muitas coisas.

Por exemplo, a vontade do Kouta de ajudar a Chii-chan é genuína, não só motivada pela recompensa. E conforme o tempo passa, vemos como aos poucos eles passam a se conhecer melhor.

(E as maneiras criativas que eles fazem as estripulias antes de chegar aos finalmente no natal, bem... A novel vale a pena)

Thiago da Silva disse...

Querem algo realmente ruim para ver, vejam euforia sem censura ou boku no pico, já adianto são nojento os dois.

C L O V I S disse...

Sempre li muito Ecchi (meu gênero favorito de mangá), nas nunca me interessei por pornô 3d.

Depois dessas indicações, darei uma conferida.

Obrigado pelo post!

Thiago da Silva disse...

Echi só passei ver depois de ishizuko reviws, essa temporada tem o incrivel peter gril

Thiago da Silva disse...

Recomendo peter gril

Unknown disse...

É pra esse tipo de ativo que pago internet. Falar de hentai já nem é mais um problema. E também se o blog tinha algum limite para usar hentais ele foi quebrado no dia em que você analisou Queens Blade.

Tulespa disse...

Nenhum Oni Chichi

Unknown disse...

A piada do "CP Ziqueira" não voou abaixo do radar.

ItzMoriarty disse...

Energy kyouka é um dos meus favoritos de todos os tempos

hugo cesar disse...

Um que poderia ta na lista é wananga liliana san the animation. É aquele hentai arroz com feijão simples. Mais muito bem feito.
É a história de um cara chamado Tatsuya que encontra uma moradora de rua chamada Liliana e decide abrigar ela em sua casa, disso se passa um ano ela decide oferecer sua virgindade ao Tatsuya em agradecimento por ter abrigado ela. Mas ele diz que vai se relacionar com ela não por gratidão mas por estar apaixonado por ela é simplesmente magnífico.